Pular para conteúdo

Pular para sumário

É ou não é desonestidade?

É ou não é desonestidade?

 É ou não é desonestidade?

“Mude o relatório do acidente só um pouco e verá que vai dar tudo certo.”

“Você não precisa declarar tudo no imposto de renda.”

“O importante é que ninguém o pegue.”

“Por que pagar se você pode ter de graça?”

VOCÊ talvez ouça frases como essas ao pedir conselhos sobre finanças e outros assuntos. Parece que algumas pessoas sempre têm “soluções” espertas para tudo. Mas a pergunta é: Essas soluções são honestas?

A desonestidade é tão comum nos nossos dias que as pessoas muitas vezes acham que mentir, enganar e roubar para evitar ser punido, e para ganhar dinheiro ou subir na vida não é errado. Membros influentes da sociedade com frequência dão um mau exemplo. Em certo país europeu, de 2005 a 2006, os casos de fraude e apropriação indevida aumentaram 85%, e isso sem contar com os casos menores de desonestidade, o chamado “dar um jeitinho”. Por isso, não deve ter sido surpresa quando figuras importantes da política e do mundo dos negócios desse país ficaram envolvidas num escândalo por terem falsificado diplomas para progredir na carreira.

Embora no mundo prevaleça a desonestidade, muitas pessoas querem fazer a coisa certa. Você talvez seja uma delas. Por amar a Deus, deseja fazer o que é certo aos olhos dele. (1 João 5:3) Pode ser que pense como o apóstolo Paulo, que escreveu: “Confiamos em ter uma consciência honesta, visto que queremos comportar-nos honestamente em todas as coisas.” (Hebreus 13:18) Por esse motivo, convidamos você a analisar algumas situações que podem pôr à prova o desejo de agir “honestamente em todas as coisas”. Também veremos princípios bíblicos que podem ser úteis nessas circunstâncias.

Quem deve pagar pelo acidente?

Certo dia, enquanto dirige, uma moça chamada Lisa * se distrai e bate num carro. Ninguém sai machucado, mas os dois veículos ficam danificados. No país dela, motoristas jovens pagam um seguro de automóvel mais caro e esse valor aumenta a cada acidente. Visto que Gregor, um primo mais velho, está junto, um amigo dá a ideia de eles colocarem no relatório que era ele quem estava dirigindo. Assim, Lisa não precisará pagar um valor de seguro maior. Parece ser uma boa solução. O que ela deve fazer?

As companhias de seguro usam os valores pagos por seus assegurados para cobrir as despesas de acidentes. Assim, se seguir a sugestão do amigo, Lisa no fundo fará com que  outros clientes paguem taxas de seguro mais altas para cobrir o acidente dela. Não é apenas a questão de fazer um relatório falso. Ela também estará roubando de outros. O mesmo se aplicaria a alguém que dá informações falsas para receber mais dinheiro do seguro.

Pode ser que haja sanções legais que inibam esses atos desonestos. Mas a razão principal para não sermos desonestos está na Palavra de Deus. “Não deves furtar”, diz um dos Dez Mandamentos. (Êxodo 20:15) O apóstolo Paulo confirmou esse mandamento para os cristãos, dizendo: “O gatuno não furte mais.” (Efésios 4:28) Por obedecer a Deus nesses assuntos sobre seguros, você evita fazer algo que Deus condena. Você também demonstra seu amor pela lei de Deus e pelo próximo. — Salmo 119:97.

“A César as coisas de César”

Peter é empresário. A pessoa que cuida de sua contabilidade sugere que ele peça uma dedução de imposto pela suposta compra de equipamento de informática bem caro. O governo dificilmente investigaria esse gasto, pois é uma compra normal na área de Peter. Essa dedução pouparia uma quantia considerável no pagamento de impostos. O que ele deve fazer? O que pode ajudá-lo a tomar uma decisão?

O apóstolo Paulo disse aos cristãos daquela época: “Toda alma esteja sujeita às autoridades superiores . . . Rendei a todos o que lhes é devido, a quem exigir imposto, o imposto; a quem exigir tributo, o tributo.” (Romanos 13:1, 7) Os que querem ter a aprovação de Deus pagam todos os impostos que as autoridades exigem. Por outro lado, se a lei permite  que algumas pessoas ou empresas paguem impostos mais reduzidos, não há problema nenhum em aproveitar esse benefício, desde que a pessoa ou empresa cumpra os requisitos para isso.

Vejamos outra situação sobre impostos. David é carpinteiro numa empresa local. Mas seus amigos e vizinhos pedem para ele fazer armários e outras mobílias para a casa deles. Ele faz isso fora do expediente. Alguns oferecem pagar mais por esse serviço do que ele receberia na empresa, mas querem isso sem nota fiscal. Assim, não haveria registro do serviço e ninguém pagaria impostos. Para muitos isso é normal pois todos se beneficiam. Visto que David está interessado em agradar a Deus, como ele deve encarar receitas e pagamentos não declarados?

Ainda que a pessoa que trabalhe assim nunca venha a ser descoberta, ela não está pagando os impostos a que o governo tem direito. Jesus ordenou: ‘Pagai a César as coisas de César, mas a Deus as coisas de Deus.’ (Mateus 22:17-21) Jesus disse isso às pessoas daquela época para corrigir o pensamento errado delas sobre pagamento de impostos. As autoridades governamentais, a quem Jesus chamou de César, consideram a cobrança de impostos um direito seu. Assim, os seguidores de Cristo encaram o pagamento de todos os impostos como uma obrigação bíblica.

Enganar nas provas

Uma aluna do ensino médio chamada Marta está se preparando para as provas finais. Visto que precisa de boas notas para um dia ter um emprego razoável, ela gasta horas estudando. Seus colegas também se preparam, mas de uma outra forma. Eles usarão pagers, calculadoras pré-programadas e celulares para enganar os professores e assim conseguir boas notas. Será que Marta deve fazer o que “todos” estão fazendo, e assim ter certeza de que vai ter boas notas?

Visto que esse tipo de desonestidade é tão comum, muitos acham que não há nada de errado nisso: “O importante é que ninguém o pegue.” Essa maneira de pensar é inaceitável para os verdadeiros cristãos. Ainda que o professor não descubra, há alguém que está vendo. Jeová Deus sabe o que fazemos e julgará nossas ações. Paulo escreveu: “Não há criação que não esteja manifesta à sua vista, mas todas as coisas estão nuas e abertamente expostas aos olhos daquele com quem temos uma prestação de contas.” (Hebreus 4:13) Saber que Deus está observando porque deseja que façamos o que é correto é uma força positiva para sermos honestos quando fazemos uma prova, não é verdade?

O que você fará?

Lisa, Gregor, Peter, David e Marta viram a seriedade de sua situação. Por isso decidiram  agir honestamente e mantiveram a consciência limpa e sua integridade moral. O que você fará quando enfrentar situações semelhantes?

Seus colegas de trabalho, de escola e seus vizinhos talvez não vejam problema nenhum em mentir, enganar ou roubar. Na verdade, eles podem até tentar ridicularizá-lo para fazer com que você faça o mesmo que eles. O que pode ajudá-lo a tomar a decisão certa apesar da pressão para ser desonesto?

Lembre-se que agir em harmonia com a vontade de Deus resultará numa consciência limpa e em ter o favor e a aprovação de Deus. O Rei Davi escreveu: “Ó Jeová, quem será hóspede na tua tenda? Quem residirá no teu santo monte? Aquele que anda sem defeito e pratica a justiça, e fala a verdade no seu coração. . . . Quem fizer tais coisas, nunca será abalado.” (Salmo 15:1-5) Uma consciência limpa e uma amizade com nosso Pai celestial valem mais do que qualquer vantagem material que alguém consiga por meio da desonestidade.

[Nota(s) de rodapé]

^ parágrafo 10 Alguns nomes foram mudados.

[Destaque na página 12]

“O gatuno não furte mais.”

O respeito pela lei de Deus e o amor ao próximo nos motivarão a ser honestos em questões de seguro

[Destaque na página 12]

“Rendei a todos o que lhes é devido, a quem exigir imposto, o imposto.”

Para ter o favor de Deus, pagamos todos os impostos exigidos por lei

[Destaque na página 13]

“Todas as coisas estão . . . abertamente expostas aos olhos daquele com quem temos uma prestação de contas.”

Ainda que os professores não nos peguem, queremos ser honestos aos olhos de Deus

[Quadro/Fotos na página 14]

O roubo “invisível”

Seu amigo comprou a última versão de um programa de computador e você também quer o programa. Ele diz que vai fazer uma cópia para que você poupe dinheiro. Será que isso é desonesto?

Quando alguém compra um programa de computador, concorda em respeitar os limites expressos na licença. Ela talvez permita que o comprador instale e use o programa apenas em seu computador. Nesse caso, fazer uma cópia para um amigo viola o acordo da licença e é ilegal. (Romanos 13:4) Copiar o programa também seria roubo, pois impediria a pessoa que tem os direitos de copyright de receber o lucro que lhe é devido. — Efésios 4:28.

Alguns talvez digam: ‘Ninguém vai saber.’ Pode até ser, mas nós nos lembramos das palavras de Jesus: “Todas as coisas, portanto, que quereis que os homens vos façam, vós também tendes de fazer do mesmo modo a eles.” (Mateus 7:12) Todos nós gostamos de receber o salário justo por nosso trabalho e queremos que outros tratem o que é nosso com respeito. Assim, deveríamos ter a mesma consideração pelos outros. Não praticamos o roubo “invisível”, como o de tomar propriedade intelectual * que não nos pertence. — Êxodo 22:7-9.

[Nota(s) de rodapé]

^ parágrafo 40 Propriedade intelectual inclui material com direitos de copyright como música, programas de computador ou livros, em papel ou armazenados eletronicamente. Marcas registradas, patentes, segredos comerciais e direitos de publicidade também estão nessa categoria.