Pular para conteúdo

Pular para sumário

Proteja-se contra espíritos iníquos

Proteja-se contra espíritos iníquos

 Proteja-se contra espíritos iníquos

JAMES cresceu numa parte remota da ilha de Malaita, nas Ilhas Salomão. Desde jovem, ele foi ensinado a honrar os espíritos. “Nunca passou pela minha cabeça apelar aos espíritos para fazer mal a outros”, diz ele, “mas não achava possível ter uma vida feliz sem usar rarafono * para obter proteção”.

Assim como outros povos em várias partes do mundo, os habitantes das Ilhas Salomão acreditam que os espíritos podem ajudar ou prejudicar uma pessoa. De fato, muitos melanésios não têm medo dos chamados espíritos bons, mas sentem-se achegados a eles.

A crença na influência dos espíritos se manifesta de muitas maneiras. Por exemplo, quando James era jovem, as mulheres em sua aldeia levavam imediatamente seus filhos para dentro de casa quando ouviam o chamamento do korokoro (um tipo de cuco). Por quê? Elas acreditavam que o som desse pássaro era indício de que alguém estava prestes a sofrer algum dano.

Alguns aldeões colocam uma pedra branca especial em cima da entrada da casa. James fez isso, acreditando que a pedra o protegeria contra os espíritos maus. E quando ele estava no trabalho, guardava os restos do almoço numa sacola e só jogava fora mais tarde. Ele tinha medo que um feiticeiro encontrasse os restos e os usasse para fazer um feitiço que o deixaria doente.

Ainda que esses costumes não sejam comuns onde você mora, pode ser que, assim como James, você sinta necessidade de seguir certas tradições para se proteger contra espíritos iníquos. Talvez você acredite que seguir esses costumes é essencial para seu bem-estar.

Se você respeita a Bíblia, sem dúvida quer saber a resposta que ela dá às seguintes perguntas: (1) Que mal os espíritos iníquos lhe podem fazer? (2) Será que seguir certas tradições não estará na verdade colocando você sob a influência dos demônios? (3) Como pode encontrar verdadeira proteção contra os espíritos iníquos e ser feliz?

Como os espíritos iníquos prejudicam

A Bíblia revela que os espíritos iníquos de forma alguma são os espíritos dos mortos. A Palavra de Deus diz: “Os viventes estão  cônscios de que morrerão; os mortos, porém, não estão cônscios de absolutamente nada.” (Eclesiastes 9:5) Na verdade, os espíritos iníquos são anjos rebeldes que se juntaram a Satanás para tentar desencaminhar os humanos. — Revelação (Apocalipse) 12:9.

As Escrituras são claras ao dizer que nós precisamos de proteção contra os espíritos iníquos. O apóstolo Paulo escreveu aos cristãos em Éfeso: “Temos uma pugna [luta], não contra sangue e carne, mas contra . . . as forças espirituais iníquas nos lugares celestiais.” O apóstolo Pedro descreveu o governante de todos os espíritos iníquos, Satanás, o Diabo, como um “leão que ruge, procurando a quem devorar”. — Efésios 6:12; 1 Pedro 5:8.

Satanás prejudica as pessoas primariamente por desencaminhá-las, enganá-las ou tentá-las para que elas ajam de um modo que ofenda a Deus. A Bíblia diz que Satanás “persiste em transformar-se em anjo de luz”. (2 Coríntios 11:14) Ele finge ser um espírito protetor, mas na verdade sua intenção é má. Satanás faz com que as pessoas não enxerguem a verdade sobre ele e sobre Deus. (2 Coríntios 4:4) Qual é o seu objetivo ao desencaminhar as pessoas?

Satanás deseja muito ser adorado e quer que as pessoas, sabendo disso ou não, dêem a ele essa adoração. Quando o próprio Filho de Deus, Jesus, esteve na Terra, Satanás queria que ele se ‘prostrasse e lhe fizesse um ato de adoração’. Mas Jesus disse: “Vai-te, Satanás! Pois está escrito: ‘É a Jeová, teu Deus, que tens de adorar.’” (Mateus 4:9, 10) Jesus se recusou a fazer qualquer coisa que indicasse submissão reverente a Satanás.

Jeová é o mais poderoso espírito que existe e não deixará que aqueles que lhe obedecem sofram dano permanente. (Salmo 83:18; Romanos 16:20) Mas para agradar a Jeová Deus, como Jesus fez, precisamos evitar qualquer ato de submissão a Satanás ou a seus demônios. Para isso, é necessário identificar costumes tradicionais que dão honra reverente a forças espirituais iníquas. Como você pode fazer isso?

Identifique costumes que desagradam a Deus

Jeová Deus alertou seu antigo povo, Israel, contra copiar alguns dos costumes tradicionais das nações vizinhas. Ele disse: “Não se deve achar em ti alguém que . . . empregue adivinhação, algum praticante de magia ou quem procure presságios, ou um feiticeiro, ou alguém que prenda outros com encantamento.” Com respeito àqueles que seguiam esses costumes, a Bíblia diz: “Todo aquele que faz tais coisas é algo detestável para Jeová.” — Deuteronômio 18:10-12.

Portanto, ao considerar os costumes de sua região, pense no seguinte: Esse costume incentiva a crença em presságios? Será que atribui poderes mágicos de proteção a objetos inanimados? Envolve fazer feitiços ou proteger-se contra eles? Inclui um ato de submissão a um espírito que não é nem Jeová nem seu representante designado, Jesus? — Romanos 14:11; Filipenses 2:9, 10.

É vital que você rejeite qualquer costume que promova tais práticas. Por quê? O apóstolo Paulo foi inspirado a escrever: “Não podeis estar participando da ‘mesa de Jeová’ e da mesa de demônios.” Ele avisou que aqueles que tentassem agradar tanto a Deus como a outros espíritos estariam “incitando Jeová ao ciúme”. (1 Coríntios 10:20-22) Jeová Deus exige e merece devoção exclusiva. — Êxodo 20:4, 5.

Considere também a seguinte questão: Será que esse costume promove a idéia de que a pessoa não é responsável pelas suas ações? Por exemplo, o adultério e o sexo antes do casamento não são bem vistos em muitas comunidades e são condenados na Bíblia. (1 Coríntios 6:9, 10) No entanto, em algumas culturas do Pacífico, essas práticas talvez se tornem aceitáveis se a moça alegar que foi vítima do  “feitiço da folha verde”, * ou seja, ela diz que foi induzida a ter relações sexuais por causa de um feitiço contra ela.

Mas a Bíblia ensina que nós somos responsáveis por nossas ações. (Romanos 14:12; Gálatas 6:7) Por exemplo, a primeira mulher, Eva, alegou que Satanás a tinha enganado e levado a participar na desobediência a Deus, dizendo: “A serpente — ela me enganou e por isso comi.” No entanto, Jeová considerou Eva responsável por suas ações. (Gênesis 3:13, 16, 19) Ele também nos considera responsáveis por nossa conduta. — Hebreus 4:13.

O que você precisa fazer?

Se você quer agradar a Deus e viver de acordo com os princípios bíblicos, precisa tomar uma ação decisiva. Pessoas sinceras que viviam em Éfeso no primeiro século deram um bom exemplo nesse respeito. Para não serem mais influenciadas pelos espíritos iníquos, elas juntaram todos os seus livros sobre práticas espíritas e “os queimaram diante de todos”. — Atos 19:19.

Antes de queimar seus livros, essas pessoas “vinham e confessavam, e relatavam abertamente as suas práticas”. (Atos 19:18) O ensino de Paulo a respeito de Cristo tocou o seu coração, e elas se sentiram impelidas a destruir seus livros espíritas. Elas também mudaram a maneira de encarar seus costumes tradicionais.

É verdade que abandonar costumes tradicionais pode não ser fácil. James, mencionado antes, teve de enfrentar esse desafio. Ele começou a estudar a Bíblia com as Testemunhas de Jeová e gostava do que estava aprendendo. Ainda assim, continuou a praticar rarafono. Ao refletir sobre os seus sentimentos para com essas práticas, ele chegou à conclusão de que acreditava nas promessas de Jeová sobre o futuro, mas sentia que, para se proteger do mal, ainda precisava recorrer aos costumes tradicionais.

O que ajudou James a mudar seu ponto de vista? Ele diz: “Eu orava a Jeová pedindo sua proteção e ajuda para confiar nele. Ao mesmo tempo, abandonei os costumes tradicionais.” Será que algo ruim aconteceu a James? “Não”, diz ele. “A única coisa que aconteceu é que eu aprendi a confiar em Jeová. Vi como Jeová pode ser um amigo achegado.” De fato, nos últimos sete anos, James tem servido como ministro de tempo integral, ajudando outros a aprender o que a Bíblia ensina.

O que acha de seguir o exemplo de James? Examine os costumes tradicionais de sua comunidade e use sua “faculdade de raciocínio” para determinar se eles estão em harmonia com a “vontade de Deus”. (Romanos 12:1, 2) Depois, tenha a coragem de abandonar práticas supersticiosas. Se fizer isso, pode ter a certeza de que Jeová ‘o acolherá’ e protegerá. (2 Coríntios 6:16-18) Assim como James, você sentirá a veracidade da promessa da Bíblia: “O nome de Jeová é uma torre forte. O justo corre para dentro dela e recebe proteção.” — Provérbios 18:10.

[Nota(s) de rodapé]

^ parágrafo 2 Rarafono se refere a costumes tradicionais para pedir ajuda aos espíritos.

^ parágrafo 18 Essa expressão se refere ao costume de fazer um encantamento numa folha de uma determinada planta ou em alguma comida, que depois é dada a uma moça. A folha ou o alimento supostamente faz com que ela se sinta atraída a um homem. Esse costume não é a mesma coisa que drogar uma moça sem ela saber e depois forçá-la a ter relações sexuais contra a sua vontade. Neste caso, ela é uma vítima inocente.

[Foto na página 19]

“Korokoro”

[Crédito]

Cortesia do Dr. Bakshi Jehangir

[Foto na página 19]

Uma garota recolhe migalhas para que elas não sejam usadas num feitiço