Pular para conteúdo

Pular para sumário

Imite Aquele que promete vida eterna

Imite Aquele que promete vida eterna

“Tornai-vos imitadores de Deus, como filhos amados.” — EFÉ. 5:1.

1. Que capacidade nos ajuda a imitar as qualidades de Deus?

JEOVÁ nos deu a capacidade de nos colocar no lugar de outros. Até certo ponto, conseguimos imaginar situações que nunca vivemos. (Leia Efésios 5:1, 2.) Como podemos usar sabiamente essa dádiva de Deus? Como evitar o mau uso dessa capacidade?

2. Como Jeová se sente quando passamos por aflições?

2 Jeová nos prometeu um futuro maravilhoso, livre de todo sofrimento. Sem dúvida, nos alegramos de saber que os fiéis ungidos receberão a imortalidade nos céus e que as leais “outras ovelhas” de Jesus viverão para sempre na Terra. (João 10:16; 17:3; 1 Cor. 15:53) Mas Jeová sabe do sofrimento que passamos, assim como sabia que os israelitas sofriam como escravos no Egito. De fato, “durante toda a aflição deles, foi aflitivo para ele”. (Isa. 63:9) Séculos mais tarde, na ocasião da reconstrução do templo, os judeus ficaram com medo dos opositores, mas Deus disse: “Aquele que toca em vós, toca no globo do meu olho.” (Zac. 2:8) Assim como uma mãe tem carinho pelo  seu bebê, Jeová se sente motivado a lidar com seu povo de forma amorosa. (Isa. 49:15) Em certo sentido, Jeová pode se colocar no lugar de outros, e ele nos deu essa mesma capacidade. — Sal. 103:13, 14.

COMO JESUS REFLETIU O AMOR DE DEUS

3. O que mostra que Jesus era compassivo?

3 Jesus entendia o sofrimento de outros, mesmo que nunca tivesse estado na situação deles. Por exemplo, as pessoas simples viviam com medo dos líderes religiosos, que as enganavam e as oprimiam com várias regras humanas. (Mat. 23:4; Mar. 7:1-5; João 7:13) Jesus nunca ficou com medo nem foi enganado, mas podia entender situações pelas quais nunca havia passado. Por isso, “vendo as multidões, sentia compaixão delas, porque andavam esfoladas e empurradas dum lado para outro como ovelhas sem pastor”. (Mat. 9:36) Assim como seu Pai, Jesus era amoroso e compassivo. — Sal. 103:8.

4. O que o sofrimento das pessoas motivava Jesus a fazer?

4 Quando Jesus via as pessoas sofrendo, ele se sentia motivado a mostrar amor por elas. Assim, ele refletia perfeitamente o amor de seu Pai. Certa vez, depois de uma longa campanha de pregação, Jesus e seus apóstolos queriam ir para um lugar isolado e descansar um pouco. Mas Jesus sentiu pena da multidão que o esperava e tirou tempo para “ensinar-lhes muitas coisas”. — Mar. 6:30, 31, 34.

COMO PODEMOS IMITAR O AMOR DE JEOVÁ

5, 6. Como podemos imitar o amor de Deus em nossos tratos com outros? Ilustre. (Veja a gravura no início do artigo.)

5 Podemos imitar o amor de Deus em nossos tratos com outros. Para ilustrar: imagine que um jovem cristão, que chamaremos de Alan, está pensando num irmão idoso que tem dificuldade para ler porque já não enxerga bem. Para esse irmão, também é difícil andar de uma casa para outra no ministério. Alan se lembra das palavras de Jesus: “Assim como quereis que os homens façam a vós, fazei do mesmo modo a eles.” (Luc. 6:31) Então, Alan se pergunta: ‘O que eu gostaria que outros fizessem para mim?’ Sua resposta sincera é: ‘Eu gostaria que me convidassem para jogar bola!’ Mas será que faz sentido esperar que o irmão idoso jogue bola com ele? Na verdade, a declaração de Jesus indica que devemos nos perguntar: ‘Se eu estivesse na situação daquele irmão, o que eu gostaria que outros fizessem para mim?’

6 Alan não é idoso, mas consegue imaginar a situação de outras pessoas. Ele observa o irmão idoso e o escuta com atenção. Aos poucos, ele compreende o que é ser um idoso que tem dificuldade para ler a Bíblia e para caminhar no serviço de campo. Quando Alan entende a aflição do irmão, ele consegue ver como pode ajudá-lo e passa a querer fazer isso. Nós podemos fazer o mesmo. Para imitar o amor de Deus, precisamos nos colocar no lugar dos nossos irmãos. — 1 Cor. 12:26.

Imite a Jeová por mostrar amor (Veja o parágrafo 7.)

7. Como podemos chegar a entender o sofrimento dos outros?

7 Nem sempre é fácil entender o sofrimento de outros. Muitos passam por problemas que nunca enfrentamos. Alguns têm limitações físicas por causa de doenças, idade avançada ou por terem sofrido algum acidente. Outros estão sofrendo emocionalmente por causa de depressão, ataques de pânico ou por terem sido vítimas de maus-tratos ou abusos. Ainda  outros vivem num lar dividido em sentido religioso ou numa família monoparental. Todas as pessoas enfrentam algum desafio, e muitas vezes são coisas pelas quais nunca passamos. Nesses casos, como podemos imitar o amor de Deus? Por ouvir com atenção a outra pessoa e tentar entender seus sentimentos, pelo menos até certo ponto. Isso nos motivará a agir de acordo com a necessidade. É verdade que cada pessoa tem uma necessidade diferente, mas nós podemos dar encorajamento espiritual e talvez alguma ajuda prática. — Leia Romanos 12:15; 1 Pedro 3:8.

IMITE A BONDADE DE JEOVÁ

8. O que ajudou Jesus a mostrar bondade?

8 O Filho de Deus disse que o “Altíssimo . . . é [bondoso] para com os ingratos e os iníquos”. (Luc. 6:35) E Jesus imitou a bondade de Deus. O que ajudou Jesus a agir assim? Ele pensava em como suas palavras e ações afetariam os sentimentos de outros. Certa vez, uma mulher que tinha a reputação de pecadora se aproximou chorando e molhou os pés dele com suas lágrimas. Jesus discerniu que ela estava arrependida e sabia como ela ficaria arrasada se ele a dispensasse com frieza. Por isso, ele a elogiou e perdoou. Quando um fariseu desaprovou o modo como ele agiu, Jesus também falou de modo bondoso com ele. — Luc. 7:36-48.

9. O que pode nos ajudar a imitar a bondade de Deus? Dê um exemplo.

9 Como podemos imitar a bondade de Deus? Ao dizer que o cristão “não precisa lutar”, mas “ser meigo para com todos”, o apóstolo Paulo mostrou a importância de ter tato. (2 Tim. 2:24) Pessoas com tato discernem como lidar com situações delicadas de modo a não ferir os sentimentos de outros. Pense em como podemos ser bondosos nas seguintes situações: seu supervisor não está fazendo bem o trabalho dele. Como você reage? Um irmão vai à reunião pela primeira vez depois de meses. O que você diz a ele? No ministério, um morador diz: “Não posso falar agora. Estou muito ocupado.” Você mostra consideração? Em casa, seu cônjuge pergunta: “Por que você não me disse que tinha planejado alguma coisa para o sábado?” Você responde de modo bondoso? Quando nos colocamos no lugar dos outros e tentamos imaginar como nossas palavras podem afetá-los, isso nos ajuda a saber como falar e agir imitando a bondade de Jeová. — Leia Provérbios 15:28.

IMITE A SABEDORIA DE DEUS

10, 11. O que pode nos ajudar a imitar a sabedoria de Deus? Dê um exemplo.

10 Nossa capacidade de imaginar coisas pelas quais não passamos nos ajuda também a imitar a sabedoria de Jeová e a tentar prever os resultados de nossas ações. A sabedoria é uma das principais qualidades de Jeová, e, se ele decidir prever em detalhes os resultados de certas ações, ele pode. É verdade que não temos esse grau de previsão, mas seria bom pensarmos nas possíveis consequências do que fazemos. Os israelitas não agiram assim quando desobedeceram a Deus. Apesar de tudo que Deus tinha feito por eles, Moisés sabia que eles desagradariam a Jeová. Diante de toda a congregação de Israel, Moisés recitou as seguintes palavras como parte de um cântico: “São uma nação em que perece o conselho, e entre eles não há entendimento. Se tão somente fossem sábios! Então ponderariam isso. Considerariam seu fim posterior.” — Deut. 31:29, 30; 32:28, 29.

 11 Imitando a sabedoria de Deus, seria bom pensarmos nas possíveis consequências de nossos atos, e até mesmo visualizá-las. Se estamos namorando, por exemplo, precisamos reconhecer o poder da atração sexual. Nunca planejaríamos ou faríamos qualquer coisa que colocasse em risco nossa valiosa relação com Jeová! Assim, que ajamos de acordo com estas palavras inspiradas: “Argucioso [ou “prudente”] é aquele que tem visto a calamidade e passa a esconder-se, mas os inexperientes passaram adiante e terão de sofrer a penalidade.” — Pro. 22:3.

NÃO USE SUA IMAGINAÇÃO DO MODO ERRADO

12. Como a imaginação pode nos prejudicar?

12 Uma pessoa prudente se dá conta de que a imaginação pode ser como o fogo. Quando usado da maneira correta — por exemplo, para cozinhar —, o fogo é útil. Mas, quando não é controlado, pode ser fatal, destruindo casas e matando pessoas. De modo similar, a imaginação é útil quando nos ajuda a imitar a Jeová, mas é prejudicial quando alimenta desejos imorais. Por exemplo, se tivermos o hábito de nos imaginar praticando algum pecado, isso poderá nos levar a realizá-lo. De fato, nos entregar a fantasias imorais pode ser espiritualmente fatal. — Leia Tiago 1:14, 15.

13. Que tipo de vida Eva talvez tenha imaginado?

13 Pense em como a primeira mulher, Eva, desenvolveu o desejo de comer o fruto proibido da “árvore do conhecimento do que é bom e do que é mau”. (Gên. 2:16, 17) A serpente disse: “Positivamente não morrereis. Porque Deus sabe que, no mesmo dia em que comerdes dele, forçosamente se abrirão os vossos olhos e forçosamente sereis como Deus, sabendo o que é bom e o que é mau.” Eva “viu que a árvore era boa para alimento e que era algo para os olhos anelarem”. Qual foi o resultado? Ela “começou a tomar do seu fruto e a comê-lo. Depois deu também dele a seu esposo, quando estava com ela, e ele começou a comê-lo”. (Gên. 3:1-6) Pelo visto, Eva gostou da ideia que Satanás lhe apresentou, ou seja, que ela não precisaria de alguém para lhe dizer o que é bom e o que é mau, mas poderia decidir isso por si mesma. Como foi desastroso alimentar esse tipo de pensamento! Por meio da desobediência de seu marido, Adão, “entrou o pecado no mundo, e a morte por intermédio do pecado”. — Rom. 5:12.

14. Como a Bíblia nos ajuda a evitar a má conduta?

 14 O pecado de Eva no jardim do Éden não envolvia imoralidade sexual. No entanto, Jesus deu um alerta contra usar a imaginação para nutrir pensamentos imorais. Ele disse: “Todo aquele que persiste em olhar para uma mulher, a ponto de ter paixão por ela, já cometeu no coração adultério com ela.” (Mat. 5:28) Além disso, Paulo advertiu: “Não estejais planejando antecipadamente os desejos da carne.” — Rom. 13:14.

15. Que tesouros devemos acumular, e por quê?

15 Outro uso perigoso da imaginação é deixar de se concentrar em Deus para ficar pensando em se tornar muito rico. As riquezas de uma pessoa “são como uma muralha protetora”, mas apenas “na sua imaginação”. (Pro. 18:11) Jesus contou uma história para ilustrar a triste situação de alguém “que acumula para si tesouro, mas não é rico para com Deus”. (Luc. 12:16-21) Jeová se alegra quando fazemos coisas que lhe agradam. (Pro. 27:11) Nós, da nossa parte, ficamos muito felizes de ter a aprovação dele por acumularmos “tesouros no céu”. (Mat. 6:20) E uma boa relação com Jeová é sem dúvida o maior tesouro que podemos ter.

CONTROLE AS PREOCUPAÇÕES

16. Como podemos controlar a ansiedade?

16 Pense na enorme carga de ansiedade que você teria se sua vida girasse em torno de acumular “tesouros na terra”. (Mat. 6:19) Jesus usou uma ilustração para mostrar que “as ansiedades deste sistema de coisas e o poder enganoso das riquezas” podem sufocar a palavra do Reino. (Mat. 13:18, 19, 22) Mas, quer o motivo da preocupação seja o dinheiro, quer não, algumas pessoas ficam imaginando todas as coisas ruins que poderiam acontecer. Preocupar-se excessivamente pode afetar nossa saúde e espiritualidade. Devemos confiar em Jeová e nos lembrar de que “a ansiedade no coração do homem é o que o fará curvar-se, mas a boa palavra é o que o alegra”. (Pro. 12:25) Boas palavras faladas por alguém que nos entende podem nos encorajar e alegrar o nosso coração. É bom nos abrir com nossos pais, o cônjuge ou um amigo de confiança que encara as coisas do ponto de vista de Deus. Isso pode aliviar nossa ansiedade.

17. Como Jeová nos ajuda a lidar com a ansiedade?

17 Ninguém entende melhor nossa ansiedade do que Jeová. “Não estejais ansiosos de coisa alguma”, escreveu Paulo, “mas em tudo, por oração e súplica, junto com agradecimento, fazei conhecer as vossas petições a Deus; e a paz de Deus, que excede todo pensamento, guardará os vossos corações e as vossas faculdades mentais por meio de Cristo Jesus”. (Fil. 4:6, 7) Pense em quantas pessoas nos ajudam a nos proteger de danos espirituais: os irmãos, os anciãos, o escravo fiel, os anjos, Jesus e o próprio Jeová.

18. Como a imaginação pode nos ajudar?

18 Como vimos, a imaginação pode nos ajudar a imitar as qualidades de Deus, como o amor. (1 Tim. 1:11; 1 João 4:8) Teremos felicidade se mostrarmos verdadeiro amor, se pensarmos nas consequências de nossas ações e se evitarmos preocupações que podem tirar nossa alegria. Portanto, que usemos bem a capacidade da imaginação por visualizar como será a vida no Paraíso. E que usemos essa dádiva divina para imitar o amor, a bondade e a sabedoria de Jeová. Assim, seremos felizes como ele. — Rom. 12:12.