Pular para conteúdo

Pular para sumário

“Os justos brilharão tão claramente como o sol”

“Os justos brilharão tão claramente como o sol”

 “Os justos brilharão tão claramente como o sol”

“Naquele tempo, os justos brilharão tão claramente como o sol, no reino de seu Pai.” — MAT. 13:43.

1. Jesus usou ilustrações para explicar que diferentes aspectos do Reino?

JESUS CRISTO usou muitas ilustrações, ou parábolas, para explicar diferentes aspectos do Reino. Ele ‘falava às multidões por meio de ilustrações. Nada lhes falava sem ilustração’. (Mat. 13:34) Nas ilustrações a respeito da semeadura das sementes da verdade do Reino, Jesus enfatizou o papel do coração da pessoa em aceitar a mensagem, bem como o papel de Jeová em causar o crescimento espiritual. (Mar. 4:3-9, 26-29) Jesus ilustrou também o notável crescimento dos interesses do Reino na Terra, mesmo que esse crescimento de início nem sempre seja percebido. (Mat. 13:31-33) Além disso, ele destacou que nem todos os que aceitam a mensagem do Reino são necessariamente súditos qualificados desse Reino. — Mat. 13:47-50. *

2. Na ilustração de Jesus a respeito do trigo e do joio o que simboliza a semente excelente?

2 Uma das ilustrações de Jesus, porém, focaliza o ajuntamento dos que governarão com ele no seu Reino. Em geral é chamada de parábola do trigo e do joio, e está registrada em Mateus, capítulo 13. Ao passo que em outra ilustração Jesus diz que a semente lançada é “a palavra do reino”, nessa ele diz que a semente excelente simboliza outra coisa — “os filhos do reino”. (Mat. 13:19, 38) Estes não são súditos do Reino, mas sim “filhos”, ou herdeiros, do Reino. — Rom. 8:14-17; leia Gálatas 4:6, 7.

A ilustração do trigo e do joio

3. Que problema surgiu para o homem na ilustração, e como ele decidiu resolvê-lo?

3 Esta é a ilustração: “O reino dos céus tem-se tornado semelhante a um homem que semeou excelente semente no seu campo. Enquanto os homens dormiam, veio seu inimigo e semeou por cima joio entre o trigo, e foi embora. Quando a lâmina cresceu e produziu fruto, apareceu também o joio. Vieram assim os escravos do dono de casa e disseram-lhe: ‘Amo, não semeaste excelente semente no teu campo? Donde lhe veio então o joio?’ Disse-lhes ele: ‘Um inimigo, um homem, fez isso.’ Disseram-lhe: ‘Queres, pois, que vamos e o reunamos?’ Ele disse: ‘Não; para que não aconteça que, ao reunirdes o joio, desarraigueis também com ele o trigo. Deixai ambos crescer juntos até a colheita; e na época da colheita direi aos ceifeiros: Reuni primeiro o joio e o amarrai em feixes para ser queimado, depois ide ajuntar o trigo ao meu celeiro.’” — Mat. 13:24-30.

4. (a) Quem é o homem na ilustração? (b) Quando e como Jesus iniciou a semeadura dessa semente?

4 Quem é o homem que lançou a semente  excelente no seu campo? Jesus deu a resposta mais adiante, explicando aos seus discípulos: “O semeador da semente excelente é o Filho do homem.” (Mat. 13:37) Jesus, o “Filho do homem”, preparou o terreno para o plantio durante os três anos e meio de seu ministério terrestre. (Mat. 8:20; 25:31; 26:64) Daí, a partir do Pentecostes de 33 EC, ele passou a lançar a semente excelente — “os filhos do reino”. Essa semeadura evidentemente ocorreu quando Jesus, como representante de Jeová, começou a derramar espírito santo sobre os discípulos, ungindo-os como filhos de Deus. * (Atos 2:33) A semente excelente transformou-se em trigo maduro. Assim, o objetivo da semeadura da semente excelente era por fim reunir o pleno número dos que se tornariam co-herdeiros de Jesus e governariam com ele no seu Reino.

5. Quem é o inimigo na ilustração, e quem é retratado pelo joio?

5 Quem é o inimigo e quem é o joio? Jesus nos diz que o inimigo é “o Diabo”. O joio é descrito como “os filhos do iníquo”. (Mat. 13:25, 38, 39) O joio, a planta à qual Jesus provavelmente se referiu, é uma erva venenosa muito parecida com o trigo nos estágios iniciais, antes de atingir a maturidade. Que símbolo apropriado para cristãos de imitação, que afirmam ser filhos do Reino mas não produzem frutos genuínos! Esses cristãos hipócritas que afirmam  ser seguidores de Cristo são realmente parte do “descendente” de Satanás, o Diabo. — Gên. 3:15.

6. Quando começou a aparecer o joio, e em que sentido os homens “dormiam” naquela época?

6 Quando surgiram esses cristãos comparáveis ao joio? “Enquanto os homens dormiam”, diz Jesus. (Mat. 13:25) Quando foi isso? A resposta se encontra nas palavras do apóstolo Paulo aos anciãos efésios: “Sei que depois de eu ter ido embora entrarão no meio de vós lobos opressivos e eles não tratarão o rebanho com ternura, e dentre vós mesmos surgirão homens e falarão coisas deturpadas, para atrair a si os discípulos.” (Atos 20:29, 30) Em seguida ele admoestou aqueles anciãos a se manterem despertos espiritualmente. Depois, com a sucessiva morte dos apóstolos, que agiam como “restrição” contra a apostasia, muitos cristãos adormeceram em sentido espiritual. (Leia 2 Tessalonicenses 2:3, 6-8.) Foi então que começou a grande apostasia.

7. Será que parte do trigo se transformou em joio? Explique.

7 Jesus não disse que o trigo se transformaria em joio, mas sim que o joio foi semeado entre o trigo. Portanto, essa ilustração não retrata os cristãos genuínos que se afastam da verdade. Em vez disso, indica um esforço intencional de Satanás de corromper a congregação cristã introduzindo nela pessoas más. Na época em que o último apóstolo, João, era idoso, essa apostasia já era bem evidente. — 2 Ped. 2:1-3; 1 João 2:18.

“Deixai ambos crescer juntos até a colheita”

8, 9. (a) Por que as instruções do Amo aos seus escravos faziam sentido para os ouvintes de Jesus? (b) No cumprimento da ilustração, como o trigo e o joio cresceram juntos?

8 Os escravos do Amo o informam do problema e perguntam: “Queres, pois, que vamos e reunamos [o joio]?” (Mat. 13:27, 28) A resposta dele pode parecer surpreendente. Ele diz aos escravos que deixem o trigo e o joio crescerem juntos até a colheita. Essa ordem sem dúvida fazia sentido para os discípulos de Jesus, pois eles sabiam como é difícil distinguir o trigo do joio. Quem tivesse alguma experiência em agricultura saberia que as raízes do joio em geral se entrelaçam com as do trigo. * Não era para menos que o Amo os instruísse a esperar!

9 De modo similar, ao longo dos séculos, as várias seitas da cristandade têm produzido uma enorme safra de joio — primeiro entre as igrejas Católica Romana e Ortodoxa e, mais tarde, entre os numerosos grupos protestantes que se formaram. Ao mesmo tempo, algumas sementes do trigo genuíno foram semeadas no campo do mundo. O dono da casa na ilustração esperou com paciência no longo período de crescimento até que chegasse o relativamente curto período da colheita.

A muito aguardada época da colheita

10, 11. (a) Quando é a época da colheita? (b) Como o trigo simbólico está sendo recolhido ao celeiro de Jeová?

10 Jesus diz: “A colheita é a terminação dum sistema de coisas e os ceifeiros são os anjos.” (Mat. 13:39) Durante os últimos dias deste perverso sistema mundial ocorre uma separação — os filhos do Reino devem ser reunidos e separados do simbólico joio. Sobre isso, o apóstolo Pedro diz: “É o tempo designado para o julgamento principiar com a casa de Deus. Ora, se primeiro  começa conosco, qual será o fim daqueles que não são obedientes às boas novas de Deus?” — 1 Ped. 4:17.

11 Pouco depois do início dos últimos dias, ou “terminação dum sistema de coisas”, começou o julgamento para os que afirmavam ser cristãos genuínos — quer fossem realmente “filhos do reino”, quer “filhos do iníquo”. “Primeiro”, Babilônia, a Grande, caiu e, “depois”, os filhos do Reino foram ajuntados no início da colheita. (Mat. 13:30) Mas como o simbólico trigo está sendo recolhido agora ao celeiro de Jeová? Os que são colhidos são introduzidos na restaurada congregação cristã, onde têm o favor e a proteção de Deus, ou então recebem sua recompensa celestial.

12. Por quanto tempo continua a colheita?

12 Quanto tempo dura o julgamento? Jesus se referiu à colheita como “época”, de modo que se estende por um período. (Rev. 14:15, 16) O julgamento dos membros individuais dos ungidos continua no inteiro curso do tempo do fim. Prosseguirá até que por fim sejam selados. — Rev. 7:1-4.

13. De que modo os retratados pelo joio causam tropeço, e como fazem o que é contra a lei?

13 Quem será reunido e excluído do Reino, e como eles causam tropeço e fazem o que é contra a lei? (Mat. 13:41) O clero da cristandade, comparável ao joio, há séculos desencaminha milhões de pessoas. Faz isso por meio de ensinos que desonram a Deus, “coisas que causam tropeço”, como a doutrina da punição eterna no inferno e a confusa e misteriosa Trindade. Muitos líderes religiosos têm dado mau exemplo para seus rebanhos por causa de sua amizade adúltera com este mundo e, em alguns casos, flagrante conduta imoral. (Tia. 4:4) Além disso, a cristandade tem se tornado cada vez mais tolerante com a imoralidade entre seus membros. (Leia Judas 4.) Apesar de tudo isso, continuam a manter uma aparência de piedade e devoção. Os filhos do Reino sentem-se muito felizes por estarem separados dessas influências comparáveis ao joio e desses ensinos corruptos que causam tropeço.

14. Por que os comparáveis ao joio choram e rangem os dentes?

14 Em que sentido os comparáveis ao joio choram e rangem os dentes? (Mat. 13:42) “Os filhos do iníquo” são atormentados pelo fato de “os filhos do reino” exporem a condição espiritualmente venenosa desses comparáveis ao joio. Lamentam também o minguante apoio que recebem dos membros de suas igrejas, bem como a perda do controle sobre os leigos. — Leia Isaías 65:13, 14.

15. Em que sentido os comparáveis ao joio serão queimados?

15 Em que sentido o joio é reunido e queimado? (Mat. 13:40) Isso se refere ao destino final do joio. Ser simbolicamente lançado na fornalha ardente indica que será destruído para sempre. (Rev. 20:14; 21:8) Os  cristãos de imitação comparáveis ao joio, os impostores, serão erradicados durante a “grande tribulação”. — Mat. 24:21.

“Brilharão tão claramente como o sol”

16, 17. O que Malaquias profetizou a respeito do templo de Deus, e como isso começou a se cumprir?

16 Quando os comparáveis ao trigo ‘brilhariam tão claramente como o Sol’? (Mat. 13:43) Malaquias profetizou o seguinte a respeito da purificação do templo de Deus: “‘Repentinamente virá ao Seu templo o verdadeiro Senhor, a quem procurais, e o mensageiro do pacto, em quem vos agradais. Eis que virá certamente’, disse Jeová dos exércitos. ‘Mas quem aguentará o dia da sua vinda e quem se manterá de pé quando ele aparecer? Pois ele será como o fogo do refinador e como a barrela dos lavadeiros. E terá de assentar-se como refinador e purificador de prata e terá de purificar os filhos de Levi; e terá de depurá-los como o ouro e como a prata, e hão de tornar-se para Jeová pessoas que apresentam uma oferenda em justiça.’” — Mal. 3:1-3.

17 Nos tempos modernos, essa profecia evidentemente começou a cumprir-se em 1918, quando Jeová, junto com “o mensageiro do pacto”, Jesus Cristo, inspecionou o templo espiritual. Malaquias nos diz o que aconteceria depois dessa purificação: “Vós haveis de ver novamente a diferença entre o justo e o iníquo, entre o que serve a Deus e o que não o serviu.” (Mal. 3:18) A retomada das atividades dos revigorados cristãos verdadeiros aponta para esse período como o começo da época da colheita.

18. O que Daniel profetizou para os nossos dias?

18 O profeta Daniel falou de nossos dias quando predisse: “Os perspicazes raiarão como o resplendor da expansão; e os que levam muitos à justiça, como as estrelas por tempo indefinido, para todo o sempre.” (Dan. 12:3) Quem são esses que brilham tão intensamente? Ninguém mais do que o grupo de cristãos ungidos, o genuíno trigo mencionado por Jesus na ilustração do trigo e do joio! A separação dos cristãos de imitação comparáveis ao joio tem sido claramente reconhecida por uma crescente grande multidão de pessoas mansas. Ao se juntarem ao restante do Israel espiritual, esses prospectivos súditos do Reino também deixam brilhar a sua luz neste mundo em trevas. — Zac. 8:23; Mat. 5:14-16; Fil. 2:15.

19, 20. O que “os filhos do reino” aguardam ansiosamente, e o que veremos no próximo artigo?

19 Hoje, “os filhos do reino” aguardam ansiosamente a sua gloriosa recompensa celestial. (Rom. 8:18, 19; 1 Cor. 15:53; Fil. 1:21-24) Mas, até lá, precisam continuar fiéis, persistindo em brilhar intensamente, diferenciando-se dos “filhos do iníquo”. (Mat. 13:38; Rev. 2:10) Quanta felicidade nos dá termos tido o privilégio de ver os resultados dessa simbólica separação do joio nos nossos dias!

20 Mas qual é a relação entre esses filhos do Reino e a crescente grande multidão dos que esperam viver para sempre na Terra como súditos do Reino? O próximo artigo responderá a essa pergunta.

[Nota(s) de rodapé]

^ parágrafo 1 Para detalhes sobre essas ilustrações, veja A Sentinela de 15 de julho de 2008, páginas 12-21.

^ parágrafo 4 Nessa parábola, a semeadura não representa a obra de pregar e fazer discípulos, que recolheria novas pessoas que se tornariam cristãos ungidos. A respeito da semente excelente lançada no campo, Jesus disse: “Estes são [não “se tornarão”] os filhos do reino.” A semeadura se refere à unção desses filhos do Reino no campo mundial.

^ parágrafo 8 As raízes do joio ficam tão entrelaçadas com as do trigo que arrancá-las antes da colheita resultaria em perda de trigo. — Veja Estudo Perspicaz das Escrituras, Volume 2, páginas 375-376.

Lembra-se?

Na ilustração de Jesus sobre o trigo e o joio, qual é o significado das seguintes partes?

• A semente excelente

• O homem que fez a semeadura

• A semeadura

• O inimigo

• O joio

• A época da colheita

• O celeiro

• O choro e ranger dos dentes

• A fornalha ardente

[Perguntas de Estudo]

[Fotos na página 20]

O Pentecostes de 33 EC marcou o início da semeadura da semente excelente

[Foto na página 23]

O simbólico trigo está sendo recolhido ao celeiro de Jeová

[Crédito]

Pictorial Archive (Near Eastern History) Est.