Pular para conteúdo

Pular para sumário

Ofereça sacrifícios que agradam a Deus

Ofereça sacrifícios que agradam a Deus

 Ofereça sacrifícios que agradam a Deus

“A VIDA fluía da morte — assim acreditavam os astecas, que faziam sacrifícios humanos numa escala sem precedentes na Mesoamérica”, diz o livro The Mighty Aztecs (Os Poderosos Astecas). O livro continua dizendo: “À medida que o império crescia, a única coisa que mantinha sua frágil confiança era sangue e mais sangue.” Segundo outra obra de referência, o número de sacrifícios humanos oferecidos pelos astecas chegava a 20 mil por ano.

Por medo e insegurança ou motivados por sentimentos de culpa e remorso, pessoas ao longo da história têm oferecido algum tipo de sacrifício a suas deidades. Por outro lado, a Bíblia mostra que certos sacrifícios foram estabelecidos divinamente — pelo Deus Todo-Poderoso, Jeová. Portanto, é apropriado perguntar: Que tipo de sacrifícios agradam a Deus? Será que ofertas e sacrifícios devem fazer parte da adoração hoje em dia?

Ofertas e sacrifícios na adoração verdadeira

Quando a nação de Israel foi formada, Jeová deu instruções explícitas aos israelitas sobre como ele queria ser adorado, e isso incluía ofertas e sacrifícios. (Números, capítulos 28 e 29) Algumas ofertas eram dos frutos da terra; outras envolviam o sacrifício de certos animais como touros, ovelhas, cabritos, pombos e rolas. (Levítico 1:3, 5, 10, 14; 23:10-18; Números 15:1-7; 28:7) Havia os holocaustos, ofertas que deviam ser inteiramente consumidas por fogo. (Êxodo 29:38-42) Havia também sacrifícios de participação em comum, e quem os oferecia participava por comer do que era sacrificado a Deus. — Levítico 19:5-8.

Todas as ofertas e sacrifícios feitos a Deus sob a Lei mosaica eram um modo de adorar a Deus e reconhecê-lo como Soberano do Universo. Por meio desses sacrifícios, os israelitas expressavam gratidão a Jeová por suas bênçãos e proteção, e também recebiam perdão pelos pecados. Enquanto observavam fielmente os requisitos de Jeová para adoração, eram muito abençoados. — Provérbios 3:9, 10.

Para Jeová, a coisa mais importante era a atitude dos que ofereciam os sacrifícios. Por meio do seu profeta Oséias, Jeová disse:  “Agrado-me da benevolência e não do sacrifício; e do conhecimento de Deus antes do que de holocaustos.” (Oséias 6:6) Assim, quando o povo se desviava da adoração verdadeira, derramava sangue inocente e tinha conduta desenfreada, os sacrifícios que eles apresentavam no altar de Jeová não tinham nenhum valor. É por isso que, por meio de Isaías, Jeová disse à nação de Israel: “De que me serve a multidão de vossos sacrifícios? . . . Já estou farto dos holocaustos de carneiros e da gordura de animais bem cevados; e não me agrado do sangue de novilhos, e de cordeiros, e de cabritos.” — Isaías 1:11.

“Coisa que eu não havia ordenado”

Em nítido contraste com os israelitas, os habitantes de Canaã ofereciam seus filhos em sacrifício a seus deuses, incluindo o deus amonita chamado Moloque, também conhecido como Milcom. (1 Reis 11:5, 7, 33; Atos 7:43) O Manual Bíblico de Halley diz: “Era assim, praticando a licenciosidade como rito, que os cananeus prestavam seu culto aos deuses, e também assassinando seus primogênitos, como sacrifício aos mesmos deuses.”

Será que essas práticas agradavam a Jeová Deus? Claro que não. Quando os israelitas estavam prestes a entrar na terra de Canaã, Jeová lhes deu o mandamento registrado em Levítico 20:2, 3: “Hás de dizer aos filhos de Israel: ‘Qualquer homem dos filhos de Israel e qualquer residente forasteiro que reside em Israel, que der alguém da sua descendência a Moloque, sem falta deve ser morto. O povo da terra deve atirar nele pedras até que morra. E quanto a mim, porei minha face contra tal homem, e eu vou decepá-lo dentre seu povo, porque deu alguém da sua descendência a Moloque, com o objetivo de aviltar meu lugar santo e profanar meu santo nome.’”

Por incrível que pareça, alguns israelitas que se desviaram da adoração verdadeira adotaram essa prática demoníaca de oferecer seus filhos em sacrifício a deuses falsos. Sobre isso, o Salmo 106:35-38 diz: “Foram misturar-se com as nações e passaram a aprender os seus trabalhos. E continuaram a servir a seus ídolos e estes vieram a ser-lhes um laço. E sacrificavam seus filhos e suas filhas a demônios. De modo que derramavam sangue inocente, o sangue de seus filhos e de suas filhas, que sacrificaram aos ídolos de Canaã; e a terra ficou poluída com o derramamento de sangue.”

Expressando sua repugnância por essa prática, Jeová disse por meio de seu profeta Jeremias a respeito dos filhos de Judá: “Colocaram as suas coisas repugnantes na casa sobre a qual se invocou meu nome, para a aviltarem. E construíram os  altos de Tofete, que está no vale do filho de Hinom, para queimarem no fogo a seus filhos e suas filhas, coisa que eu não havia ordenado e que não me havia subido ao coração.” — Jeremias 7:30, 31.

Por praticar essas coisas detestáveis, a nação de Israel acabou perdendo o favor de Deus. Sua capital, Jerusalém, por fim foi destruída, e o povo foi levado cativo para Babilônia. (Jeremias 7:32-34) É óbvio que oferecer humanos em sacrifício não é algo que vem do Deus verdadeiro, e não faz parte da adoração pura. Qualquer tipo de sacrifício humano é demoníaco, e os verdadeiros adoradores de Deus rejeitam tudo o que se relaciona com essa prática.

O sacrifício de resgate de Cristo Jesus

Mas alguns talvez perguntem: ‘Por que, então, a lei de Jeová aos israelitas incluía sacrifícios de animais?’ O apóstolo Paulo levantou essa mesma pergunta e deu a resposta: “Por que, então, a Lei? Ela foi acrescentada para tornar manifestas as transgressões, até que chegasse o descendente a quem se fizera a promessa . . . A Lei, por conseguinte, tornou-se o nosso tutor, conduzindo a Cristo.” (Gálatas 3:19-24) Os sacrifícios de animais sob a Lei mosaica simbolizavam um sacrifício maior, que Jeová Deus daria em benefício da humanidade — o de seu Filho, Jesus Cristo. Jesus se referiu a esse ato de amor quando disse: “Deus amou tanto o mundo, que deu o seu Filho unigênito, a fim de que todo aquele que nele exercer fé não seja destruído, mas tenha vida eterna.” — João 3:16.

Por amor a Deus e à humanidade, Jesus entregou voluntariamente sua vida humana perfeita para resgatar os descendentes de Adão. (Romanos 5:12, 15) Jesus disse: “O Filho do homem não veio para que se lhe ministrasse, mas para ministrar e dar a sua alma como resgate em troca de muitos.” (Mateus 20:28) Ninguém mais na Terra poderia libertar os humanos que foram vendidos por Adão à escravidão ao pecado e à morte. (Salmo 49:7, 8) Assim, Paulo explicou que Jesus “entrou no lugar santo, não, não com o sangue de bodes e de novilhos, mas com o seu próprio sangue, de uma vez para sempre, e obteve para nós um livramento eterno”. (Hebreus 9:12) Por aceitar o sangue sacrificial de Jesus, Jeová “apagou o documento manuscrito que era contra nós”, ou seja, Ele deixou de lado o pacto da Lei, com seus requisitos de ofertas e sacrifícios, introduzindo assim ‘o dom da vida eterna’. — Colossenses 2:14; Romanos 6:23.

Sacrifícios e ofertas espirituais

Uma vez que ofertas e sacrifícios de animais não fazem mais parte da adoração verdadeira, ainda se exige de nós algum tipo de sacrifício? Sim. Jesus Cristo levou uma vida de sacrifício no seu serviço a Deus e por fim ofereceu-se em benefício da humanidade. Por isso, ele declarou: “Se alguém quer vir após mim negue-se a si mesmo e apanhe a sua estaca de tortura, e siga-me continuamente.” (Mateus 16:24) Isso significa que quem quiser tornar-se seguidor de Jesus precisa fazer sacrifícios. Quais são esses?

Em primeiro lugar, o verdadeiro seguidor de Cristo não vive mais para si mesmo, mas para fazer a vontade de Deus. Ele sujeita sua vontade e seus desejos aos de Deus. Note  como o apóstolo Paulo expressou isso: “Eu vos suplico, irmãos, pelas compaixões de Deus, que apresenteis os vossos corpos como sacrifício vivo, santo e aceitável a Deus, um serviço sagrado com a vossa faculdade de raciocínio. E cessai de ser modelados segundo este sistema de coisas, mas sede transformados por reformardes a vossa mente, a fim de provardes a vós mesmos a boa, e aceitável, e perfeita vontade de Deus.” — Romanos 12:1, 2.

Além disso, a Bíblia indica que nossas expressões de louvor podem ser consideradas sacrifícios oferecidos a Jeová. O profeta Oséias usou a expressão “os novilhos de nossos lábios”, indicando que Deus considera os louvores de nossos lábios como um dos melhores sacrifícios. (Oséias 14:2) O apóstolo Paulo incentivou os cristãos hebreus: “Ofereçamos sempre a Deus um sacrifício de louvor, isto é, o fruto de lábios que fazem declaração pública do seu nome.” (Hebreus 13:15) Hoje, as Testemunhas de Jeová estão muito ativas pregando as boas novas e fazendo discípulos de pessoas de todas as nações. (Mateus 24:14; 28:19, 20) Dessa forma, oferecem sacrifícios de louvor a Deus dia e noite em toda a Terra. — Revelação (Apocalipse) 7:15.

Além da pregação, fazer o bem a outros está entre os sacrifícios que agradam a Deus. “Não vos esqueçais de fazer o bem e de partilhar as coisas com outros”, incentivou Paulo, “porque Deus se agrada bem de tais sacrifícios”. (Hebreus 13:16) De fato, para que sacrifícios de louvor agradem a Deus, os que os oferecem precisam ter boa conduta. Paulo aconselhou: “Comportai-vos da maneira digna das boas novas acerca do Cristo.” — Filipenses 1:27; Isaías 52:11.

Assim como no passado, todos os sacrifícios feitos em apoio à adoração verdadeira resultarão em grande alegria e em bênçãos de Jeová. Façamos, portanto, o nosso melhor para oferecer sacrifícios que realmente agradam a Deus!

[Foto na página 18]

“Seus filhos e suas filhas . . . [eles] sacrificaram aos ídolos de Canaã”

[Fotos na página 20]

Por pregar as boas novas e ajudar de outras maneiras, os cristãos verdadeiros oferecem sacrifícios que agradam a Deus