Pular para conteúdo

Pular para sumário

“Assim na terra como no céu”

“Assim na terra como no céu”

 “Assim na terra como no céu”

“A fé católica especifica Quatro Coisas Finais: Morte, Julgamento, Inferno, Céu.” — Catholicism, editado por George Brantl.

NOTE que a Terra não aparece nessa lista de possibilidades para a humanidade. Isso não é de admirar, pois a Igreja Católica, como muitas outras religiões, adota o conceito de que a Terra um dia será destruída. O Dictionnaire de théologie catholique (Dicionário de Teologia Católica) deixa isso claro no verbete “Fim do Mundo”, que diz: “A Igreja Católica crê e ensina que o mundo atual, como Deus o criou e existe, não durará para sempre.” Um catecismo católico recente também apresenta essa idéia, dizendo: “O nosso mundo . . . está destinado a desaparecer.” Mas se o nosso planeta vai desaparecer, como ficam as promessas da Bíblia a respeito de um paraíso terrestre?

A Bíblia fala claramente sobre um futuro paraíso na Terra. Por exemplo, o profeta Isaías falou o seguinte a respeito da Terra e de seus habitantes: “Hão de construir casas e as  ocuparão; e hão de plantar vinhedos e comer os seus frutos. Não construirão e outro terá morada; não plantarão e outro comerá. Porque os dias do meu povo serão como os dias da árvore; e meus escolhidos usufruirão plenamente o trabalho das suas próprias mãos.” (Isaías 65:21, 22) Os judeus, a quem Deus fez essas promessas, tinham certeza de que sua terra — na realidade a Terra inteira — um dia se tornaria um paraíso para o benefício eterno da humanidade.

O Salmo 37 confirma essa esperança, dizendo: “Os próprios mansos possuirão a terra.” (Salmo 37:11) Esse versículo não fala apenas do restabelecimento temporário da nação de Israel na Terra Prometida. O mesmo salmo especifica: “Os próprios justos possuirão a terra e residirão sobre ela para todo o sempre.” (Salmo 37:29) * Note que esse salmo diz que a vida eterna na Terra será uma recompensa para os “mansos”. Um comentário sobre esse versículo numa Bíblia em francês diz que o termo “mansos” “tem um significado bem mais amplo do que o transmitido em certas traduções. Ele inclui os desafortunados, os aflitos ou os perseguidos pela causa de Iavé, corações humildes submissos a Deus”.

Na Terra ou no céu?

No Sermão do Monte, Jesus fez uma promessa que nos faz lembrar dos textos já citados. Ele disse: “Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra.” (Mateus 5:5, Almeida, revista e corrigida) Mais uma vez, apresenta-se aqui a Terra como recompensa eterna para os fiéis. No entanto, Jesus deixou claro a seus apóstolos que prepararia para eles um lugar “na casa de [seu] Pai” e que estariam com ele no céu. (João 14:1, 2; Lucas 12:32; 1 Pedro 1:3, 4) Como, então, devemos entender as promessas de bênçãos na Terra? Será que elas têm importância hoje em dia? E a quem se aplicam?

Vários eruditos bíblicos dizem que “a terra” mencionada por Jesus no Sermão do Monte, e mesmo no Salmo 37, é meramente simbólica. Em seus comentários na Bible de Glaire (Bíblia de Glaire), F. Vigouroux viu nesses versículos “um símbolo do céu e da Igreja”. Segundo M. Lagrange, pesquisador bíblico francês, essa bênção “não é uma promessa de que os mansos possuirão a Terra em que vivem, nem sob o atual sistema nem sob uma ordem mais perfeita, mas o lugar, seja onde for, que fica o reino dos céus”. Na opinião de outro erudito, trata-se de “um uso simbólico de valores terrenos para se referir ao céu”. Ainda outros acham que “a terra da promessa, Canaã, é usada em sentido espiritual e representa a pátria do alto, o reino de Deus, cuja posse se garante aos mansos. [E que] esse também é o sentido desse simbolismo no Salmo 37 e em outros lugares”. Mas será que devemos excluir prontamente a Terra literal das promessas de Deus?

Um propósito eterno para a Terra

No começo, a Terra estava ligada diretamente ao propósito de Deus para os humanos. “Quanto aos céus, os céus pertencem a Jeová, mas a terra ele deu aos filhos dos homens”, escreveu o salmista. (Salmo 115:16) Portanto, o propósito original de Deus para a humanidade estava relacionado com a Terra, não com o céu. Jeová encarregou o primeiro casal humano de expandir o jardim do Éden até abranger todo o planeta.  (Gênesis 1:28) Esse objetivo não era temporário. Jeová afirma na sua Palavra que a Terra durará para sempre: “Uma geração vai e outra geração vem; mas a terra permanece por tempo indefinido.” — Eclesiastes 1:4; 1 Crônicas 16:30; Isaías 45:18.

As promessas divinas nunca caem no esquecimento, pois, sendo o Altíssimo, Deus garante seu cumprimento. Usando como ilustração o ciclo natural da água, a Bíblia explica que o cumprimento das promessas divinas é inevitável. Deus diz: “Assim como desce dos céus a chuvada e a neve, e não volta àquele lugar, a menos que realmente sature a terra e a faça produzir e brotar . . . , assim mostrará ser a minha palavra, que sai da minha boca. Não voltará a mim sem resultados, mas certamente fará aquilo em que me agradei e terá êxito certo naquilo para que a enviei.” (Isaías 55:10, 11) Deus faz promessas para os humanos. Pode passar algum tempo antes que tais promessas sejam cumpridas, mas elas nunca são descartadas. Elas ‘voltam’ para Deus ao realizar tudo o que foi proferido.

Jeová certamente ‘agradou-se’ em criar a Terra para a humanidade. No fim do sexto dia criativo, ele declarou que tudo era “muito bom”. (Gênesis 1:31) A transformação da Terra num paraíso eterno faz parte do propósito divino que ainda não foi realizado. No entanto, as promessas de Deus ‘não voltarão a ele sem resultados’. Todas as promessas de vida perfeita na Terra, onde os humanos viverão para sempre em paz e segurança, vão se cumprir. — Salmo 135:6; Isaías 46:10.

O propósito de Deus não falhará

O pecado de nossos primeiros pais, Adão e Eva, interrompeu temporariamente o propósito original de Deus de fazer da Terra um paraíso. Depois de sua desobediência, eles foram expulsos do jardim. Com isso, perderam o privilégio de participar no cumprimento do propósito divino de ter humanos perfeitos residindo numa Terra paradísica. Mesmo assim, Deus tomou providências para que seu propósito se cumprisse. Como? — Gênesis 3:17-19, 23.

A situação que surgiu no Éden é comparável à de um homem que começa a construir uma casa num bom terreno. Mas, assim que ele lança o alicerce, alguém destrói o que foi feito. Em vez de abandonar o projeto, o homem toma medidas para garantir a construção da casa. Mesmo que esse trabalho extra encareça a obra, isso não compromete a validez do projeto inicial.

De maneira similar, Deus tomou medidas para garantir a realização de seu propósito. Logo depois do pecado de nossos primeiros pais, ele anunciou uma esperança para os futuros filhos deles — um “descendente” que iria desfazer o dano causado. Em cumprimento dessa profecia, foi revelado que a parte principal do descendente é o Filho de Deus, Jesus, que veio à Terra e deu sua vida como sacrifício para resgatar a humanidade. (Gálatas 3:16; Mateus 20:28) Uma vez ressuscitado e de volta ao céu, Jesus se tornaria o Rei do Reino. Ele é, primariamente, o ‘manso que herda a Terra’ junto com um grupo selecionado de humanos fiéis que são ressuscitados para a vida no céu a fim de se tornarem co-regentes nesse Reino. (Salmo 2:6-9) No tempo devido, esse governo tomará conta dos assuntos terrestres para realizar o propósito original de Deus e transformar a Terra num paraíso. Incontáveis milhões de mansos “herdarão a terra” no sentido de que se beneficiarão do governo desse Reino exercido por Jesus Cristo e seus co-regentes. — Gênesis 3:15; Daniel 2:44; Atos 2:32, 33; Revelação (Apocalipse) 20:5, 6.

“Assim na terra como no céu”

Essa salvação com dois aspectos, o celestial e o terrestre, é mencionada numa visão que  o apóstolo João teve. Ele viu, sentados em tronos celestiais, reis que haviam sido escolhidos de entre os discípulos fiéis de Cristo. Sobre esses associados de Cristo, a Bíblia diz especificamente: “Hão de reinar sobre a terra.” (Revelação 5:9, 10) Note o aspecto duplo na realização do propósito de Deus — uma Terra restaurada sob a direção de um Reino celestial composto de Jesus Cristo e de seus co-herdeiros. Essas providências possibilitarão a restauração final do Paraíso terrestre de acordo com o propósito original de Deus.

Na oração do Pai-Nosso, Jesus convidou seus discípulos a orar para que se faça a vontade de Deus “como no céu, assim também na terra”. (Mateus 6:9, 10) Será que essas palavras teriam sentido se a Terra um dia desaparecesse ou fosse meramente um símbolo do céu? Ou ainda, será que elas fariam sentido se todos os justos fossem para o céu? O propósito de Deus para a Terra é bem evidente nas Escrituras, desde o relato da criação até as visões no livro de Revelação. A Terra se tornará o que Deus queria que ela fosse — um paraíso. Essa é a vontade que Deus promete realizar. As pessoas fiéis na Terra oram pelo cumprimento dessa vontade.

O propósito original do Criador, o Deus que ‘não muda’, era dar aos humanos a vida eterna na Terra. (Malaquias 3:6; João 17:3; Tiago 1:17) Por mais de um século, esta revista, A Sentinela, tem explicado esses dois aspectos da realização do propósito divino. Isso nos permite entender as promessas bíblicas de uma restauração da Terra. Convidamos você a aprofundar-se nesse assunto, considerando-o com as Testemunhas de Jeová ou escrevendo aos editores desta revista.

[Nota(s) de rodapé]

^ parágrafo 5 Muitas traduções da Bíblia vertem o termo hebraico ‘eʹrets por “terra”, mas não há razão para limitar ‘eʹrets no Salmo 37:11, 29 apenas à região do planeta dada à nação de Israel. A obra Old Testament Word Studies (Estudos de Palavras do Velho Testamento), de William Wilson, define ‘eʹrets como “a terra no mais amplo sentido, tanto as partes habitadas como as não-habitadas; com alguma palavra de limitação acompanhante, é usada para referir-se a alguma parte da superfície da terra, uma região ou um país”. Portanto, o primeiro e principal significado dessa palavra hebraica é nosso planeta, ou globo, a Terra. — Veja A Sentinela de 1.° de janeiro de 1986, página 31.

[Foto na página 4]

A Bíblia fala claramente sobre um futuro Paraíso na Terra

[Foto na página 7]

Será que a oração do Pai-Nosso, ensinada por Jesus, faria sentido se a Terra um dia fosse destruída?