Pular para conteúdo

Pular para sumário

O que o Reino de Deus fará

O que o Reino de Deus fará

“Venha o teu reino. Realize-se a tua vontade, como no céu, assim também na terra.” — MATEUS 6:10.

1. O que significará a vinda do Reino de Deus?

QUANDO Jesus ensinou seus seguidores a orar pelo Reino de Deus, ele sabia que essa vinda acabaria com milhares de anos de governo humano independente de Deus. Durante todo esse tempo, em geral, não se fazia a vontade de Deus na Terra. (Salmo 147:19, 20) Mas, depois do estabelecimento do Reino no céu, a vontade de Deus terá de ser feita em toda a parte. O tempo para a espantosa transição do governo humano para o Reino celestial de Jeová está muito próximo.

2. O que marcará a transição do governo humano para o governo do Reino?

2 O que marcará esta transição será o período que Jesus chamou de “grande tribulação, tal como nunca ocorreu desde o princípio do mundo até agora, não, nem tampouco ocorrerá de novo”. (Mateus 24:21) A Bíblia não diz quanto tempo durará este período, mas  as calamidades a ocorrerem nele serão as piores que o mundo já viu. No começo da grande tribulação ocorrerá algo que será um grande choque para a maioria das pessoas na Terra: a destruição de toda a religião falsa. Isto não chocará as Testemunhas de Jeová, porque elas aguardam isso já por muito tempo. (Revelação [Apocalipse] 17:1, 15-17; 18:1-24) A grande tribulação acaba no Armagedom, quando o Reino de Deus esmagar o inteiro sistema de Satanás. — Daniel 2:44; Revelação 16:14, 16.

3. Como descreve Jeremias o destino dos desobedientes?

3 O que significará isso para “os que não conhecem a Deus e os que não obedecem às boas novas” a respeito do seu Reino celestial nas mãos de Cristo? (2 Tessalonicenses 1:6-9) A profecia bíblica nos diz: “Eis que sai uma calamidade de nação em nação e suscitar-se-á até mesmo uma grande tormenta desde as partes mais remotas da terra. E os mortos por Jeová certamente virão a estar naquele dia de uma extremidade da terra até à outra extremidade da terra. Não serão lamentados, nem serão recolhidos ou enterrados. Tornar-se-ão como estrume sobre a superfície do solo.” — Jeremias 25:32, 33.

O fim da iniqüidade

4. Por que Jeová tem justificativa para acabar com este sistema iníquo?

4 Jeová Deus tem tolerado a iniqüidade por milhares de anos, o bastante para os de coração reto verem que o governo humano é uma catástrofe. Por exemplo, só no século 20, mais de 150 milhões de pessoas foram mortas em guerras, revoluções e outros distúrbios civis, segundo diz certa fonte. A crueldade do homem se evidenciou especialmente na Segunda Guerra Mundial, quando foram mortas cerca de 50 milhões de pessoas, muitas delas sofrendo uma morte horrível nos campos de concentração nazistas. Assim como a Bíblia predisse, em nosso tempo, ‘homens iníquos e impostores passaram de mal a pior’. (2 Timóteo 3:1-5, 13) Atualmente, a imoralidade, o crime, a violência, a corrupção e o desprezo pelas normas de Deus estão generalizados. De modo que Jeová tem plena justificativa para acabar com este sistema iníquo.

5, 6. Descreva a iniqüidade existente na antiga Canaã.

5 A situação atual é similar à que existia em Canaã há uns 3.500 anos. A Bíblia diz: “Fizeram com os seus deuses tudo o que é detestável a Jeová, o que ele deveras odeia, porque queimam regularmente no fogo até mesmo seus filhos e suas filhas para os seus deuses.” (Deuteronômio 12:31) Jeová informou a nação de Israel: “É por causa da iniqüidade destas nações que Jeová, teu Deus, as desaloja de diante de ti.” (Deuteronômio 9:5) O historiador bíblico Henry H. Halley observou: “O culto de Baal, Astorete e outros deuses dos cananeus consistia nas mais extravagantes orgias; seus templos eram centros de vício.”

6 Halley mostrou quão grave se tornara a iniqüidade deles, pois em uma dessas muitas áreas, um dos arqueólogos “encontrou grande quantidade de jarros contendo os despojos de crianças recém-nascidas, que tinham sido sacrificadas a Baal”. Ele disse: “A área inteira se revelou como sendo cemitério de crianças recém-nascidas.  . . . Era assim, praticando a licenciosidade como rito, que os cananeus prestavam seu culto aos deuses, e também assassinando seus primogênitos, como sacrifício aos mesmos deuses. Parece que, em grande escala, a terra de Canaã tornou-se uma espécie de Sodoma e Gomorra de âmbito nacional.  . . . Teria direito de continuar a existir por mais tempo uma civilização de tão abominável imundície e brutalidade?  . . . Alguns arqueólogos que têm escavado as ruínas das cidades dos cananeus admiram-se de Deus não as haver destruído há mais tempo.”

Herdarão a Terra

7, 8. Como é que Deus purificará a Terra?

7 Assim como Deus limpou Canaã, ele em  breve limpará a Terra inteira e a dará aos que cumprem a sua vontade. “Os retos são os que residirão na terra e os inculpes são os que remanescerão nela. Quanto aos iníquos, serão decepados da própria terra.” (Provérbios 2:21, 22) E conforme disse o salmista: “Apenas mais um pouco, e o iníquo não mais existirá  . . . Mas os próprios mansos possuirão a terra e deveras se deleitarão na abundância de paz.” (Salmo 37:10, 11) Satanás também será removido, para que ‘não mais desencaminhe as nações até que tenham terminado os mil anos’. (Revelação 20:1-3) Deveras, “o mundo está passando, e assim também o seu desejo, mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre”. — 1 João 2:17.

8 Resumindo a grandiosa esperança dos que querem viver para sempre na Terra, Jesus disse: “Felizes os de temperamento brando, porque herdarão a terra.” (Mateus 5:5) É provável que ele se referisse ao Salmo 37:29, que predisse: “Os próprios justos possuirão a terra e residirão sobre ela para todo o sempre.” Jesus sabia que era do propósito de Jeová que os de coração reto vivessem para sempre numa Terra paradísica. Jeová disse: “Eu mesmo fiz a terra, o gênero humano e os animais que há na superfície da terra, pelo meu grande poder  . . .  e entreguei-a a quem mostrou ser direito aos meus olhos entregá-la.” — Jeremias 27:5.

Um maravilhoso novo mundo

9. Que tipo de mundo introduzirá o Reino de Deus?

9 Após o Armagedom, o Reino de Deus introduzirá uma “nova terra” maravilhosa, em que “há de morar a justiça”. (2 Pedro 3:13) Que enorme alívio dará aos sobreviventes do Armagedom ficarem livres deste opressivo iníquo sistema de coisas! Como se deleitarão de ter entrado no novo mundo justo sob o governo do Reino celestial, podendo usufruir bênçãos maravilhosas e vida eterna! — Revelação 7:9-17.

10. Que coisas ruins não existirão mais sob o governo do Reino?

10 As pessoas não mais serão ameaçadas por guerra, crime, fome e nem mesmo por animais predadores. “Vou concluir com [o meu povo] um pacto de paz, e hei de fazer cessar no país a fera nociva  . . . E a árvore do campo terá de dar seu fruto e a própria terra dará a sua produção, e mostrarão estar realmente em segurança no seu solo.” “Terão de forjar das suas espadas relhas de arado, e das suas lanças, podadeiras. Não levantarão espada, nação contra nação, nem aprenderão mais a guerra. E realmente sentar-se-ão, cada um debaixo da sua videira e debaixo da sua figueira, e não haverá quem os faça tremer.” — Ezequiel 34:25-28; Miquéias 4:3, 4.

11. Por que podemos confiar que os padecimentos físicos acabarão?

11 Eliminar-se-ão a doença, a tristeza e até mesmo a morte. “Nenhum residente dirá: ‘Estou doente.’ O povo que mora na terra serão os a quem se perdoa seu erro.” (Isaías 33:24) “[Deus] enxugará dos seus olhos toda lágrima, e não haverá mais morte, nem haverá mais pranto, nem clamor, nem dor. As coisas anteriores já passaram.  . . . ‘Eis que faço novas todas as coisas.’” (Revelação 21:4, 5) Quando Jesus estava na Terra, ele mostrou sua habilidade de fazer essas coisas pelo poder que Deus lhe dera. Com o apoio do espírito santo, Jesus  atravessou o país, curando os coxos e sarando os doentes. — Mateus 15:30, 31.

12. Que esperança há para os mortos?

12 Jesus fez ainda mais. Ressuscitou os mortos. Como reagiam as pessoas humildes? Quando ele ressuscitou uma menina de 12 anos, seus pais “ficaram logo fora de si com grande êxtase”. (Marcos 5:42) Este foi outro exemplo do que Jesus fará em toda a Terra sob o governo do Reino, porque então “há de haver uma ressurreição tanto de justos como de injustos”. (Atos 24:15) Imagine o enorme êxtase que haverá quando grupo após grupo de falecidos voltarem a viver e a se encontrar com seus entes queridos! Sem dúvida, haverá uma grande obra de educação sob a supervisão do Reino, de modo que “a terra há de encher-se do conhecimento de Jeová assim como as águas cobrem o próprio mar”. — Isaías 11:9.

Vindicada a soberania de Jeová

13. Como se mostrará a legitimidade do governo de Deus?

13 Ao fim dos mil anos do governo do Reino, a família humana terá recuperado a perfeição mental e física. A Terra será um edênico jardim global, um paraíso. Terão sido alcançadas paz, felicidade, segurança e uma amorosa sociedade humana. Nunca na história humana, antes do governo do Reino, viu-se algo assim. Que enorme contraste se terá então demonstrado entre os anteriores milhares de anos de deplorável governo dos humanos e o magnífico governo do Reino celestial de Deus de mil anos! Ter-se-á mostrado que o governo de Deus por meio do seu Reino é inteiramente superior em todos os aspectos. O direito de Deus governar, sua soberania, terá sido totalmente vindicado.

14. O que acontecerá com os rebeldes ao fim dos mil anos?

14 Ao fim dos mil anos, Jeová permitirá que os humanos perfeitos usem sua liberdade de escolha para decidir a quem querem servir. A Bíblia mostra que “Satanás será solto de sua prisão”. Ele procurará de novo desencaminhar os humanos, dos quais alguns escolherão ser independentes de Deus. Para impedir que ‘a aflição se levante pela segunda vez’, Jeová aniquilará Satanás, seus demônios e todos os que se rebelarem contra a Sua soberania. Ninguém poderia objetar, dizendo que os humanos então destruídos eternamente não tiveram nenhuma oportunidade ou que seu proceder errado se devia à imperfeição. Não, porque serão perfeitos assim como Adão e Eva, que voluntariamente escolheram rebelar-se contra o governo justo de Jeová. — Revelação 20:7-10; Naum 1:9.

15. Que relacionamento terão os leais com Jeová?

15 Por outro lado, é provável que a vasta maioria das pessoas escolha defender a soberania de Jeová. Uma vez eliminados todos os rebeldes, os justos permanecerão perante Jeová, tendo passado a prova final de lealdade. Esses leais serão então aceitos por Jeová como seus filhos e suas filhas. Retornam assim ao relacionamento que Adão e Eva tinham com Deus antes de se rebelarem. Assim se cumprirá Romanos 8:21: “A própria criação [a humanidade] também será liberta da escravização à corrupção e terá a liberdade gloriosa dos filhos de Deus.” O profeta Isaías predisse: “[Deus] realmente tragará a morte para sempre, e o Soberano Senhor Jeová certamente enxugará as lágrimas de todas as faces.” — Isaías 25:8.

A esperança de vida eterna

16. Por que é correto aguardar a recompensa de vida eterna?

16 Que maravilhosa perspectiva aguarda os fiéis, saber que Deus para sempre lhes concederá uma superabundância de benefícios espirituais e materiais! O salmista disse corretamente: “Abres a tua mão e satisfazes o desejo [correto] de toda coisa vivente.” (Salmo 145:16) Jeová incentiva os da classe terrestre a terem esta esperança de vida no Paraíso como  parte da fé que eles têm. Embora a questão da soberania de Jeová seja mais importante, ele não requer que as pessoas o sirvam sem a perspectiva duma recompensa. Em toda a Bíblia, a lealdade a Deus e a esperança de vida eterna estão inseparavelmente ligadas como partes necessárias da fé que o cristão tem em Deus. “Aquele que se aproxima de Deus tem de crer que ele existe e que se torna o recompensador dos que seriamente o buscam.” — Hebreus 11:6.

17. Como mostrou Jesus que é correto sermos sustentados pela nossa esperança?

17 Jesus disse: “Isto significa vida eterna, que absorvam conhecimento de ti, o único Deus verdadeiro, e daquele que enviaste, Jesus Cristo.” (João 17:3) Aqui ele relacionou conhecer a Deus e seus propósitos com a recompensa que isto traz. Como exemplo, quando um transgressor pediu para ser lembrado depois de Jesus entrar no seu Reino, Jesus disse: “Estarás comigo no Paraíso.” (Lucas 23:43) Ele não disse ao homem para ter fé mesmo que não recebesse uma recompensa. Sabia que Jeová deseja que seus servos tenham a esperança de vida eterna numa Terra paradísica para que os ajude a sustentá-los ao passo que se confrontam com várias provações neste mundo. De modo que esperar receber a recompensa é uma ajuda vital para perseverar como cristão.

O futuro do Reino

18, 19. O que acontecerá com o Rei e o Reino ao fim do Reinado Milenar?

18 Visto que o Reino é um governo subsidiário usado por Jeová para levar a Terra e seus habitantes humanos à perfeição e à reconciliação consigo, qual será a função do Rei Jesus Cristo e dos 144.000 reis e sacerdotes após o Milênio? “A seguir, o fim, quando ele entregar o reino ao seu Deus e Pai, tendo reduzido a nada todo governo, e toda autoridade e poder. Pois ele tem de reinar até que Deus lhe tenha posto todos os inimigos debaixo dos seus pés.” — 1 Coríntios 15:24, 25.

19 Quando Cristo entregar o Reino a Deus, como devem ser entendidos os textos que falam dele como durando para sempre? As realizações do Reino durarão para sempre. Cristo será honrado para sempre por causa do seu papel na realização da vindicação da soberania de Deus. Mas, visto que o pecado e a morte terão sido totalmente removidos e a humanidade terá sido remida, isto acaba com a necessidade de ele ser Redentor. O Governo Milenar do Reino também terá sido plenamente realizado, de modo que não haverá mais necessidade de um governo subsidiário continuar entre Jeová e a humanidade obediente. Portanto, ‘Deus pode ser todas as coisas para com todos’. — 1 Coríntios 15:28.

20. Como podemos descobrir o que o futuro reserva para Cristo e os 144.000?

20 Que papel futuro desempenharão Cristo e seus co-regentes depois de se completar o Reinado Milenar? A Bíblia não fala sobre isso. Mas, podemos ter a certeza de que Jeová lhes dará muitos privilégios adicionais de serviço em toda a sua criação. Que todos nós hoje defendamos a soberania de Jeová e recebamos vida eterna, para que, no futuro, estejamos vivos para descobrir o propósito de Jeová para com o Rei e seus co-reis e sacerdotes, bem como para todo o Seu espantoso Universo!