Pular para conteúdo

Pular para sumário

Por que existem tantas Bíblias?

Por que existem tantas Bíblias?

Já parou para pensar por que existem tantas versões e traduções da Bíblia? Você acha que as novas versões da Bíblia ajudam ou atrapalham as pessoas a entenderem a Bíblia? Aprender a história dessas versões pode ajudar você a escolher qual delas vai usar.

Mas, primeiro, vamos descobrir quem escreveu a Bíblia e quando.

A PRIMEIRA BÍBLIA

Geralmente, a Bíblia é dividida em duas partes. A primeira parte é formada por 39 livros, que contêm “proclamações sagradas de Deus”. (Romanos 3:2) Homens fiéis foram inspirados por Deus para escrever esses livros num período de mais ou menos 1.100 anos — de 1513 antes de Cristo até um pouco depois de 443 antes de Cristo. A maior parte desses livros foi escrita em hebraico. Por isso, essa parte da Bíblia é chamada de Escrituras Hebraicas, também conhecida como Velho Testamento.

A segunda parte da Bíblia é formada por 27 livros, que também são “a palavra de Deus”. (1 Tessalonicenses 2:13) Deus inspirou alguns seguidores fiéis de Jesus Cristo a escrever esses livros durante um período mais curto, de uns 60 anos — de mais ou menos 41 depois de Cristo até 98 depois de Cristo. A maior parte desses livros foi escrita em grego. Por isso, essa parte da Bíblia é chamada de Escrituras Gregas Cristãs, também conhecida como Novo Testamento.

Juntos, esses 66 livros formam a Bíblia, que é como uma carta de Deus para nós. Mas por que foram feitas traduções da Bíblia? Isso aconteceu por três motivos:

  • Para permitir que as pessoas lessem a Bíblia no seu próprio idioma.

  • Para corrigir erros de outras cópias da Bíblia e manter o texto original.

  • Para usar uma linguagem mais moderna.

 Agora, veja como esses pontos podem ser observados nas primeiras traduções da Bíblia.

A SEPTUAGINTA GREGA

Cerca de 300 anos antes de Jesus nascer, estudiosos judeus começaram a traduzir as Escrituras Hebraicas para o grego. Essa tradução ficou conhecida como Septuaginta grega. Mas por que ela foi feita? Para ajudar os judeus que falavam grego e não entendiam hebraico a entender “os escritos sagrados”. — 2 Timóteo 3:15.

A Septuaginta também ajudou muitos que não eram judeus e falavam grego a entender melhor a Bíblia. O professor universitário Wilbert Howard disse o seguinte: “Mais ou menos 2 mil anos atrás, a Septuaginta se tornou a Bíblia da Igreja Cristã. Os missionários usavam essa versão para ‘provar que Jesus era o Messias’ quando iam até as sinagogas.” (Atos 17:3, 4; 20:20) Mas, segundo o estudioso Frederick Bruce, esse foi justamente um dos motivos que levou os judeus a “perder o interesse na Septuaginta”.

Os seguidores de Jesus receberam os livros das Escrituras Gregas Cristãs aos poucos. Daí, eles foram juntando esses livros à Septuaginta, que possuía os livros das Escrituras Hebraicas. Todos esses livros juntos formaram a Bíblia completa, que usamos até hoje.

A VULGATA LATINA

Uns 300 anos depois de a Bíblia ser finalizada, Jerônimo, um estudioso de religiões, produziu uma tradução da Bíblia em latim. Ela passou a ser chamada de Vulgata latina. Nessa época, já existiam outras traduções da Bíblia em latim. Então, por que foi produzida mais uma? Uma enciclopédia bíblica * diz que Jerônimo queria corrigir “falhas de tradução, erros evidentes e coisas que tinham sido adicionadas e retiradas”.

É verdade que Jerônimo corrigiu muitos desses erros. Mas, depois de um tempo, pessoas importantes da Igreja fizeram uma coisa muito ruim. Elas decidiram que a única tradução da Bíblia que as pessoas podiam usar era a Vulgata latina. E foi assim por séculos! Mas, com o passar dos anos, a maioria das pessoas deixou de entender latim. Assim, as pessoas mais simples não conseguiam entender a Bíblia.

 SURGEM MUITAS TRADUÇÕES DA BÍBLIA

Nesse meio tempo, outras traduções da Bíblia foram produzidas como, por exemplo, a famosa Pesito siríaca. Ela foi feita mais ou menos no quinto século depois de Cristo. Mas foi só no século 14 que alguns se esforçaram para produzir uma versão da Bíblia que as pessoas simples pudessem entender.

No final do século 14, na Inglaterra, John Wycliffe começou seus esforços para traduzir a Bíblia para uma língua que as pessoas conhecessem. Ele traduziu a Bíblia para o inglês, um idioma que as pessoas mais simples do seu país conseguiam entender. Pouco depois, a nova técnica de impressão de Johannes Gutenberg tornou mais fácil produzir e distribuir novas versões da Bíblia em idiomas comuns da Europa.

Com o tempo, foram feitas muitas traduções da Bíblia para o inglês. Por causa disso, muitos críticos questionaram se era necessário fazer tantas versões da Bíblia para um mesmo idioma. Mas, no século 18, o clérigo inglês John Lewis escreveu: “Conforme o tempo vai passando, algumas expressões de um idioma vão ficando velhas e difíceis de entender. Por isso, é necessário revisar traduções antigas para que elas fiquem com uma linguagem que as pessoas compreendam.”

Hoje, os estudiosos estão mais preparados do que nunca para revisar traduções antigas da Bíblia. Isso porque agora eles entendem melhor os idiomas em que a Bíblia foi escrita. Também, foram descobertos outros manuscritos da Bíblia. Isso ajuda os estudiosos a ter certeza do que os escritos originais diziam.

Tudo isso mostra que é muito bom termos novas versões da Bíblia. É claro que precisamos ter cuidado ao escolher qual Bíblia vamos ler. * Mas, se essas traduções foram feitas por amor a Deus, o trabalho desses tradutores e revisores pode nos ajudar muito.

 

^ parágrafo 17 Título original: The International Standard Bible Encyclopedia.

^ parágrafo 24 Veja o artigo “Como você pode escolher uma boa tradução da Bíblia?”, na Sentinela de 1.° de maio de 2008.

^ parágrafo 35 Para ver os títulos originais dos livros citados neste artigo, veja a edição em inglês desta revista.