Pular para conteúdo

Pular para sumário

Como era a aparência de Jesus?

Como era a aparência de Jesus?

Não existe nenhuma foto de Jesus. Também, ele nunca pediu para alguém fazer uma pintura ou escultura dele. Mesmo assim, vários artistas já fizeram obras de arte representando Jesus.

É claro que esses artistas não sabiam como Jesus realmente era. Além disso, muitas coisas influenciavam a forma como eles faziam suas obras — a cultura da época, crenças religiosas e o desejo das pessoas que encomendavam as obras. Apesar disso, essas pinturas e esculturas influenciam muito a forma como as pessoas encaram Jesus e os ensinos dele.

Nas obras de alguns artistas, Jesus aparece como um homem fraco, com cabelo longo, barba e, às vezes, com um rosto bem triste. Outros artistas faziam Jesus parecer um anjo cercado por uma luz. E em outras obras, Jesus aparece isolado e afastado das pessoas. Mas será que Jesus era assim mesmo? Como podemos saber a verdade? Uma sugestão é analisar textos da Bíblia que dão uma ideia da aparência de Jesus. Esses textos também podem nos ajudar a ter o ponto de vista certo sobre ele.

DEUS ‘PREPAROU UM CORPO’ PARA JESUS

Foi provavelmente no momento do seu batismo que Jesus disse para seu Pai: “Preparaste-me um corpo.” (Hebreus 10:5; Mateus 3:13-17) Como era o corpo de Jesus? Mais ou menos 30 anos antes, o anjo Gabriel tinha dito para Maria: ‘Você ficará grávida e dará à luz um filho, o Filho de Deus.’ (Lucas 1:31, 35) Então, como filho de Deus, Jesus era um homem perfeito, assim como Adão quando foi criado. (Lucas 3:38; 1 Coríntios 15:45) Jesus devia ter uma boa aparência e provavelmente era parecido com sua mãe, Maria, que era do povo judeu.

Na época de Jesus, ao contrário dos romanos, os judeus usavam barba. A barba mostrava que a pessoa era respeitável. Ela não era longa, mas bem cuidada. Seguindo esse costume, Jesus usava barba e com certeza cuidava bem dela e também cortava o cabelo. Só os nazireus, como Sansão, não cortavam o cabelo e a barba. — Números 6:5; Juízes 13:5.

Na maior parte da sua vida, Jesus trabalhou como carpinteiro sem nenhuma ferramenta moderna. (Marcos 6:3) Então, com certeza ele era bem forte. No início do seu ministério, Jesus “expulsou a todos do templo, com as ovelhas e os bois, espalhou as moedas dos cambistas e derrubou as suas mesas”. Ele fez isso sem a ajuda de ninguém! (João 2:14-17) Para fazer isso, ele precisava ter bastante força, e ele usou essa força para fazer o trabalho de pregação. Jesus disse: “Tenho de declarar as boas novas do Reino de Deus também a outras cidades, porque fui enviado para isso.” (Lucas 4:43) Com certeza, ele precisava de muita energia para viajar a pé por toda a Palestina para declarar as boas novas.

“VENHAM A MIM . . . E EU OS REANIMAREI”

As pessoas percebiam que Jesus era muito amoroso. Então, quando disse as palavras acima, ele deve ter atraído muitas pessoas que ‘estavam trabalhando duro e estavam sobrecarregadas’. (Mateus 11:28-30) Jesus era bondoso e carinhoso com todos. Assim, ele cumpria sua promessa de  reanimar aqueles que quisessem aprender com ele. Até as crianças gostavam de ficar perto de Jesus. A Bíblia diz que ele “pegou as crianças nos braços”. — Marcos 10:13-16.

É verdade que Jesus sofreu muito antes de morrer, mas ele não era uma pessoa triste. Por exemplo, ele foi a uma festa de casamento na cidade de Caná e até contribuiu para a festa, transformando água em vinho. (João 2:1-11) Ele também aceitou convites para ir comer na casa de outras pessoas, aproveitando para ensinar muitas coisas importantes para elas. — Mateus 9:9-13; João 12:1-8.

Acima de tudo, o trabalho de pregação de Jesus dava a todos a esperança de viver para sempre. (João 11:25, 26; 17:3) Quando 70 discípulos de Jesus contaram como tinha sido o trabalho de pregação, Jesus ficou “cheio de alegria” e disse: “Alegrem-se porque os nomes de vocês foram escritos nos céus.” — Lucas 10:20, 21.

“VOCÊS, PORÉM, NÃO DEVEM SER ASSIM”

Nos dias de Jesus, os líderes religiosos inventavam jeitos de ganhar destaque e de mostrar que tinham muita autoridade. (Números 15:38-40; Mateus 23:5-7) Mas Jesus era diferente. Ele ensinou que seus apóstolos não deviam ser assim, ou seja, não deviam dominar as pessoas. (Lucas 22:25, 26) Jesus até deu o seguinte alerta: “Cuidado com os escribas, que querem andar de vestes compridas e querem cumprimentos nas praças públicas.” — Marcos 12:38.

Jesus não gostava de ter destaque. Certa vez, ele se misturou com a multidão e nem foi reconhecido. (João 7:10, 11) Jesus também não se destacava entre os 11 apóstolos fiéis; a sua aparência não era muito diferente da deles. Por exemplo, quando alguns homens quiseram prender Jesus, Judas teve que ‘combinar um sinal’ com eles — ele daria um beijo em Jesus para identificá-lo. — Marcos 14:44, 45.

É verdade que não temos muitos detalhes sobre a aparência de Jesus. Mas podemos ter certeza de que ele não era como as obras de arte mostram. Além disso, é muito mais importante saber o que Jesus está fazendo agora do que saber como era a aparência dele.

“EM BREVE O MUNDO NÃO ME VERÁ MAIS”

Jesus disse essas palavras no mesmo dia em que morreu e foi enterrado. (João 14:19) Ele deu a própria vida “como resgate em troca de muitos”. (Mateus 20:28) Mas, três dias depois, Jesus foi ressuscitado por Deus e se tornou um espírito. Depois, ele apareceu para os seus discípulos. (1 Pedro 3:18; Atos 10:40) Como era a aparência de Jesus nesse momento? Ele estava bem diferente. Sabemos disso porque nem mesmo os amigos de Jesus o reconheceram. Por exemplo, Maria Madalena pensou que Jesus era um jardineiro, e dois discípulos que estavam na estrada pensaram que Jesus era um estranho. — Lucas 24:13-18; João 20:1, 14, 15.

Como já vimos, a aparência de Jesus não é o mais importante. Mas sim o que ele está fazendo agora. Mais de 60 anos depois da morte de Jesus, o apóstolo João teve algumas visões sobre ele. João não viu uma pessoa sofrendo numa cruz. Na verdade, ele viu Jesus como “Rei dos reis e Senhor dos senhores”. Isso significa que Jesus é o Rei do Reino de Deus. Em breve, ele vai destruir todos os inimigos de Deus e trazer bênçãos que vão durar para sempre. — Apocalipse 19:16; 21:3, 4.