Pular para conteúdo

Pular para sumário

 MATÉRIA DE CAPA | A DOR DE PERDER ALGUÉM QUE AMAMOS

Como consolar quem perdeu alguém

Como consolar quem perdeu alguém

Já ficou sem saber o que fazer quando um amigo ou parente estava sofrendo por causa da morte de uma pessoa querida? Às vezes, não sabemos o que dizer ou fazer, por isso acabamos não dizendo nem fazendo nada. Mas há coisas práticas que podemos fazer para ajudar.

Muitas vezes, estar perto da pessoa e simplesmente dizer “sinto muito” já é suficiente. Em muitas culturas, dar um abraço ou colocar a mão no ombro da pessoa é uma boa maneira de dizer que você se preocupa com ela. Se o enlutado quiser conversar, escute com atenção. Mais importante ainda, ajude a família enlutada de maneira prática. Faça algo que a pessoa não está em condições de fazer, como preparar uma refeição ou cuidar das crianças. Se a família desejar, você também pode ajudar com os preparativos para o funeral. Essas ações podem falar mais alto do que as mais belas palavras.

Com o tempo, pode ser que você queira falar sobre a pessoa que morreu. Talvez queira mencionar algumas qualidades dela ou momentos alegres que passaram juntos. Isso pode até fazer a pessoa dar um sorriso. Por exemplo, Pam, que perdeu o marido há seis anos, diz: “Às vezes, as pessoas me falam  de coisas boas que Ian fez que eu nem imaginava, e isso me faz sentir bem.”

Especialistas dizem que muitas pessoas enlutadas recebem bastante ajuda no início, mas suas necessidades logo são esquecidas. Isso acontece porque seus amigos voltam a se envolver nas atividades do dia a dia. Por isso, esforce-se para manter contato com um amigo enlutado depois que ele perdeu alguém querido. * Muitas pessoas enlutadas se sentem bem melhor quando outros continuam a se interessar por elas.

Veja o exemplo de Kaori, uma jovem japonesa. Sua mãe tinha morrido e, menos de um ano e meio depois, sua irmã mais velha também morreu. Isso a deixou arrasada. Ainda bem que seus amigos continuaram a ajudá-la. Ritsuko, uma amiga de Kaori que é muito mais velha do que ela, disse que queria fazer tudo o que fosse preciso para ajudá-la. Kaori diz: “Para falar a verdade, não gostei muito disso. Eu não queria que ninguém tomasse o lugar da minha mãe e achava que ninguém poderia fazer isso. Mas o modo como a ‘mamãe’ Ritsuko me tratou fez que eu gostasse ainda mais dela. Toda semana, nós saíamos juntas na pregação e íamos às reuniões cristãs. Ela me convidava para tomar chá e trazia coisas para eu comer. Muitas vezes, ela escrevia cartas e cartões para mim. A atitude positiva da ‘mamãe’ Ritsuko me ajudou bastante.”

Faz doze anos que a mãe de Kaori morreu. Hoje, ela e o marido moram em outra região do Japão. Eles usam boa parte do tempo falando sobre a Bíblia a outros. Kaori diz: “A ‘mamãe’ Ritsuko continua mostrando interesse em mim. Sempre vou visitá-la, e a companhia dela me faz bem.”

Poli, uma Testemunha de Jeová em Chipre, também se beneficiou de receber constante ajuda. O marido dela, Sozos, era uma pessoa amorosa e deixou um bom exemplo para outros como pastor cristão. Ele sempre convidava órfãos e viúvas para tomar uma refeição na sua casa. (Tiago 1:27) Infelizmente, quando tinha 53 anos, Sozos morreu com um tumor no cérebro. Poli diz: “Perdi meu querido marido, com quem fiquei casada 33 anos.”

Dê ajuda prática aos que perderam pessoas queridas

Depois do funeral, Poli se mudou para o Canadá com seu filho mais novo, Daniel, que tinha 15 anos. Ali, eles continuaram a assistir às reuniões das Testemunhas de Jeová. Poli se lembra: “Os amigos que fizemos na nova congregação não sabiam nada sobre nosso passado e a fase difícil que estávamos passando. Mesmo assim, eles se aproximaram de nós e nos consolaram com palavras bondosas e ajuda prática. Essa ajuda foi muito importante, principalmente naquela época, quando meu filho mais precisava do pai. Os que cuidavam da congregação mostraram grande interesse por Daniel. Um deles, em especial, fez questão de incluir Daniel nas atividades sociais com seus amigos ou quando iam jogar bola.” Hoje, Poli e seu filho estão bem.

Como vimos, há muitas maneiras de dar ajuda prática e consolo aos que perderam pessoas queridas. A Bíblia também nos consola por meio de uma esperança maravilhosa para o futuro.

^ parágrafo 6 Alguns chegam a marcar num calendário a data da morte da pessoa, para poder dar consolo quando for mais necessário — na data ou perto da data em que a pessoa morreu.