Pular para conteúdo

Pular para sumário

Benignidade — Como desenvolver essa qualidade?

Benignidade — Como desenvolver essa qualidade?

A PESSOA benigna é aquela que é boa, que é bondosa. Sem dúvida, todos nós queremos que os outros nos vejam como pessoas boas. Mas no mundo de hoje, em que as pessoas perderam o “amor ao que é bom”, mostrar benignidade pode ser bem difícil. (2 Tim. 3:3) Muitos não aceitam os padrões de Deus e acabam dizendo “que o bom é mau e que o mau é bom”. (Isa. 5:20) Além disso, ser benigno pode ser um desafio por causa de situações que já passamos na vida e de nossas imperfeições. Talvez nos sintamos como Anne, * que já serve a Jeová há muitos anos. Ela admite: “Eu acho difícil acreditar que posso ser uma pessoa boa.”

Mas a boa notícia é que todos nós podemos aprender a ter benignidade! Afinal, ela vem do espírito santo de Deus, e o espírito santo é a força mais poderosa que existe. Ele pode nos fazer superar qualquer barreira que esteja nos impedindo de mostrar benignidade. Vamos analisar mais de perto o que é benignidade e como podemos melhorar em mostrá-la no dia a dia.

O QUE É BENIGNIDADE?

Em poucas palavras, ser benigno significa ser bom, não ter nenhuma maldade. Mas o sentido bíblico de benignidade é bem mais amplo. A pessoa benigna segue um alto padrão de moral e se esforça em fazer o que é certo. Ela sempre tenta achar modos de ajudar os outros e faz coisas boas por eles.

Por sermos imperfeitos, nossa capacidade de mostrar benignidade é limitada. Mesmo que sempre façamos coisas boas por nossa família ou nossos amigos, não conseguimos mostrar sozinhos a verdadeira benignidade. A Bíblia diz: “Não há nenhum homem justo na terra que sempre faça o que é bom e nunca peque.” (Ecl. 7:20) E o apóstolo Paulo disse com sinceridade: “Eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não mora nada de bom.” (Rom. 7:18) Por isso, se queremos ser benignos de verdade, precisamos da ajuda da Fonte da benignidade: Jeová.

“JEOVÁ É BOM”

Jeová Deus é quem define os padrões do que é bom. O Salmo 119:68 diz sobre ele: “Tu és bom e tuas obras são boas. Ensina-me os teus decretos.” Vamos examinar dois aspectos da benignidade de Jeová citadas nesse salmo.

Jeová é bom. A benignidade faz parte da personalidade de Jeová. Ele nunca vai falhar em mostrar essa qualidade. Veja o que aconteceu quando Jeová disse a Moisés: “Farei toda a minha bondade passar diante de você.” Enquanto a glória de Jeová — incluindo sua bondade, ou benignidade — passava diante de Moisés, uma voz disse: “Jeová, Jeová, Deus misericordioso e compassivo, paciente e cheio de amor leal e de verdade, que demonstra amor leal a milhares, perdoando o erro, a transgressão e o pecado. Mas de modo algum deixará impune o culpado.” (Êxo. 33:19; 34:6, 7) Isso nos faz entender que Jeová é totalmente bom em todos os aspectos de sua personalidade. Foi por isso que Jesus, mesmo sendo o humano mais benigno que já existiu, disse: “Ninguém é bom, a não ser um só, Deus.” — Luc. 18:19.

Podemos ver a benignidade de Jeová nas coisas que ele criou

 As obras de Jeová são boas. Conseguimos ver como Jeová é bom em tudo o que ele faz. O Salmo 145:9 diz: “Jeová é bom para todos, e a sua misericórdia pode ser vista em todas as suas obras.” Todas as pessoas podem sentir a benignidade de Jeová, porque ele dá aos humanos a vida e o que eles precisam para continuar vivos. (Atos 14:17) Também notamos a benignidade dele quando ele nos perdoa. O salmista escreveu: “Tu, ó Jeová, és bom e estás sempre pronto a perdoar.” (Sal. 86:5) Podemos confiar que “Jeová não negará nada de bom aos que andam em integridade”. — Sal. 84:11.

“APRENDAM A FAZER O BEM”

Já que fomos criados à imagem de Deus, todos temos a capacidade de ser benignos e de fazer o que é bom. (Gên. 1:27) Mas isso não é automático. Por isso, Jeová nos diz: “Aprendam a fazer o bem.” (Isa. 1:17) Mas como ‘aprendemos a fazer o bem’? Veja três modos.

Primeiro: podemos orar pedindo espírito santo. Isso vai nos ajudar a desenvolver a verdadeira benignidade. (Gál. 5:22) O espírito de Jeová pode nos ajudar a amar o que é bom e a rejeitar o que é mau. (Rom. 12:9) A Bíblia nos diz que Jeová pode nos tornar “firmes em toda boa ação e palavra”. — 2 Tes. 2:16, 17.

Segundo: devemos ler a Bíblia. Jeová usa sua Palavra para nos dizer qual é “todo o caminho do bem” e para nos equipar “para toda boa obra”. (Pro. 2:9; 2 Tim. 3:17) Quando lemos a Bíblia e meditamos no que lemos, enchemos nosso coração de “tesouros” — coisas boas sobre Deus e sobre o que ele quer fazer. Daí, quando precisarmos de motivação para mostrar benignidade, esses “tesouros” em nosso coração vão ser úteis. — Luc. 6:45; Efé. 5:9.

Terceiro: temos que fazer o nosso melhor para ‘imitar o que é bom’. (3 João 11) A Bíblia tem ótimos exemplos que podemos imitar. É claro que os exemplos principais de benignidade são Jeová e Jesus, mas há várias pessoas que ficaram conhecidas por serem boas. Duas delas são Tabita e Barnabé. (Atos 9:36; 11:22-24) Estude o que a Bíblia fala sobre eles e veja como eles ajudaram outros. Então, pense em coisas práticas que você pode fazer para ajudar pessoas de sua família ou de sua congregação. Em seu estudo, note também como Tabita e Barnabé foram recompensados por mostrarem benignidade. O mesmo pode acontecer com você.

Mesmo hoje, temos vários exemplos de pessoas que se esforçam em mostrar benignidade. Por exemplo, lembre-se dos anciãos. Eles trabalham bastante e ‘amam o que é bom’. Não se  esqueça também das muitas irmãs fiéis que, por meio de suas conversas e de seu comportamento, são “instrutoras do que é bom”. (Tito 1:8; 2:3) Uma irmã chamada Roslyn conta: “Minha amiga faz tudo o que está ao alcance dela para ajudar e animar os irmãos da congregação. Ela pensa na situação deles e muitas vezes dá um presentinho ou uma ajuda prática. Para mim, ela é um exemplo de benignidade.”

Jeová incentiva seu povo a ‘buscar o bem’. (Amós 5:14) Quando ‘buscamos o bem’, nós não apenas aprendemos a amar os padrões dele, mas também ganhamos mais motivação para fazer o que é bom.

Temos que nos esforçar para ser benignos e fazer o que é bom

Isso não quer dizer que, para sermos benignos, temos que fazer grandes sacrifícios ou ações impressionantes. Veja um exemplo. Consegue imaginar um artista pintando um retrato com apenas uma ou duas pinceladas? Claro que não. Para pintar, ele vai ter que usar muitas pinceladas. Da mesma forma, nossa benignidade será vista por meio de muitos gestos pequenos de bondade que fazemos pelos outros.

A Bíblia diz que devemos estar ‘preparados’ e “prontos” para fazer o que é bom. (2 Tim. 2:21; Tito 3:1) Por isso, preste atenção no que acontece com as pessoas ao seu redor. Você pode descobrir maneiras de ajudar alguém “para o bem dele, para edificá-lo”. (Rom. 15:2) Talvez você possa compartilhar com outros algo que tem. (Pro. 3:27) Ou convidar alguém para uma refeição simples ou só para uma conversa animadora. Além disso, se souber que alguém está doente, você pode enviar um cartão, visitá-lo ou ligar para ele. Sem dúvida, podemos encontrar muitas maneiras de dizer “o que for bom para a edificação, conforme a necessidade, para transmitir aos ouvintes o que é benéfico”. — Efé. 4:29.

Jeová é bom com todos, e nós nos esforçamos para imitá-lo. Um modo importante de fazermos isso é pregando as boas novas a todos, sem preconceito. Assim como Jesus mandou, nós nos esforçamos em fazer o bem até mesmo por aqueles que nos odeiam. (Luc. 6:27) Ser benigno e fazer algo bom pelos outros nunca é errado. Como a Bíblia diz, “contra tais coisas não há lei”. (Gál. 5:22, 23) Além disso, quando temos uma boa conduta, mesmo passando por oposição ou outros problemas, podemos ajudar outros a se interessar pela verdade e a se tornar adoradores de Jeová. — 1 Ped. 3:16, 17.

A BENIGNIDADE TRAZ RECOMPENSAS

“O homem bom colhe a recompensa das suas ações.” (Pro. 14:14) Quais são algumas delas? Quando somos benignos com outros, é mais provável que eles também nos tratem com bondade. (Pro. 14:22) E mesmo se não fizerem isso, devemos continuar fazendo coisas boas por eles. Com o tempo, eles podem mudar de atitude e nos tratar melhor. — Rom. 12:20, nota.

Fazer o que é bom e rejeitar o que é mau traz benefícios para nós. Muitos irmãos e irmãs dizem que foi isso o que aconteceu com eles. Por exemplo, uma irmã chamada Nancy diz: “Eu era uma pessoa irresponsável, imoral e sem respeito por nada. Mas quando aprendi e coloquei em prática os padrões de Deus sobre o que é bom, comecei a me sentir mais feliz. Agora eu aprendi a ter amor próprio.”

O maior motivo para aprendermos a ser benignos é que isso deixa Jeová feliz. Mesmo que outras pessoas não saibam das coisas boas que fazemos, Jeová sabe. Ele nota cada gesto de benignidade e cada pensamento bom que temos. (Efé. 6:7, 8) E qual é o resultado? “A pessoa boa obtém a aprovação de Jeová.” (Pro. 12:2) Por isso, faça seu melhor para desenvolver a benignidade. Jeová promete dar “glória, honra e paz para todo aquele que faz o bem”. — Rom. 2:10.

^ parágrafo 2 Alguns nomes foram mudados.