Pular para conteúdo

Pular para sumário

 ESTUDO 6

Confie na maneira de Jeová fazer as coisas

Confie na maneira de Jeová fazer as coisas

“A Rocha — perfeito é tudo o que ele faz, pois todos os seus caminhos são justos. Deus de fidelidade, que nunca é injusto; justo e reto é ele.” — DEUT. 32:4.

CÂNTICO 3 Jeová, minha força e esperança

O QUE VAMOS VER *

1-2. (a) Por que muitos acham difícil confiar naqueles que têm autoridade? (b) O que vamos ver neste estudo?

 HOJE em dia, muitos acham difícil confiar em quem tem autoridade. Eles percebem que essas pessoas geralmente favorecem quem é rico e poderoso, e acabam deixando de lado quem é pobre. A Bíblia confirma isso ao dizer: “Homem domina homem para o seu prejuízo.” (Ecl. 8:9) Além disso, alguns líderes religiosos fazem coisas muito ruins. Por isso, as pessoas acabam perdendo a confiança em Deus. Então, se estudamos a Bíblia com alguém, precisamos ajudá-lo a confiar em Jeová e naqueles que ele usa para cuidar de sua organização.

2 Mas nossos estudantes não são os únicos que precisam aprender a confiar em Jeová e em sua organização. Mesmo quem já é batizado há muito tempo pode acabar perdendo a confiança de que Jeová sempre faz as coisas do modo certo. Algumas situações podem testar nossa confiança em Jeová. Neste estudo, vamos ver três situações: (1) quando não entendemos alguma passagem da Bíblia, (2) quando recebemos alguma orientação da organização de Jeová e (3) quando enfrentarmos desafios no futuro.

CONFIE EM JEOVÁ QUANDO LER A BÍBLIA

3. Por que alguns relatos da Bíblia podem testar nossa confiança em Jeová?

 3 Ao lermos a Bíblia, pode ser que surjam dúvidas sobre como Jeová tratou algumas pessoas e sobre algumas decisões que ele tomou. Por exemplo, no livro de Números, Jeová condenou um israelita à morte porque ele estava pegando lenha no sábado. E no segundo livro de Samuel, vimos  que muito tempo depois, o rei Davi cometeu adultério e mandou matar um homem. Mas no final Jeová perdoou Davi. (Núm. 15:32, 35; 2 Sam. 12:9, 13) Talvez alguns pensem: ‘Por que Jeová perdoou Davi apesar de ele ter cometido adultério e assassinato, mas sentenciou um homem à morte por algo que não parecia ser tão sério assim?’ Para entender melhor isso, vamos ver três coisas que precisamos lembrar quando formos ler a Bíblia.

4. Como Gênesis 18:20, 21 e Deuteronômio 10:17 fortalecem nossa confiança nos julgamentos de Jeová?

4 A Bíblia nem sempre explica todos os detalhes do que aconteceu. Por exemplo, sabemos que Davi se arrependeu de verdade do que fez. (Sal. 51:2-4) Mas e aquele homem que desobedeceu à lei do sábado? Será que ele realmente se arrependeu do que fez? Ele já tinha desobedecido a Jeová antes? Será que ele já tinha sido avisado, mas não quis ouvir? A Bíblia não diz. Mas podemos ter certeza de uma coisa: Jeová “nunca é injusto”. (Deut. 32:4) Ele baseia suas decisões em fatos, não em boatos, preconceitos ou qualquer outra coisa que possa levar a um julgamento errado. (Leia Gênesis 18:20, 21; Deuteronômio 10:17.) Quanto mais aprendermos sobre Jeová e a maneira como ele faz as coisas, mais confiança vamos ter nas decisões dele. Mesmo que não consigamos entender muito bem alguma passagem da Bíblia, nós conhecemos Jeová o suficiente para saber que ele “é justo em todos os seus caminhos”. — Sal. 145:17.

5. Como a imperfeição prejudica a nossa capacidade de julgar? (Veja também o quadro “ A imperfeição não nos deixa ver as coisas como Jeová vê”.)

5 Somos imperfeitos e nem sempre conseguimos julgar corretamente. Nós fomos feitos à imagem de Deus. Por isso, queremos que as pessoas sejam tratadas de maneira justa. (Gên. 1:26) Mas por causa da nossa imperfeição, podemos acabar julgando errado, mesmo quando achamos que sabemos de todos os fatos. Foi isso que aconteceu com Jonas. Talvez você se lembre que, quando Jeová foi misericordioso com as pessoas de Nínive, Jonas não gostou nada disso. (Jonas 3:10–4:1)  Mas pense bem. No final, mais de 120 mil pessoas em Nínive se arrependeram e foram salvas. Então, quem precisava ser corrigido: Jonas ou Jeová?

6. Por que Jeová não precisa explicar os motivos de suas decisões?

6 Jeová não é obrigado a explicar os motivos de suas decisões. É verdade que, algumas vezes, Jeová permitiu que seus servos dissessem o que achavam das decisões dele. (Gên. 18:25; Jonas 4:2, 3) E, às vezes, ele até explicou por que agiu de certa forma. (Jonas 4:10, 11) Mas é bom lembrar que Jeová não tem nenhuma obrigação de explicar suas decisões para nós. Sendo nosso Criador, ele não precisa da nossa aprovação nem antes nem depois de tomar uma decisão. — Isa. 40:13, 14; 55:9.

CONFIE EM JEOVÁ QUANDO RECEBER ORIENTAÇÕES

7. O que pode ser um desafio para nós, e por quê?

7 Não temos nenhuma dúvida de que Jeová sempre faz o que é certo e que podemos confiar nele. Mas pode ser que o desafio seja confiar nos homens que Jeová escolheu para cuidar de seu povo. Podemos ficar nos perguntando se esses homens realmente seguem as orientações de Jeová, ou se tomam decisões por conta própria. Pode ser que tenha sido isso o que alguns pensaram no passado. Pense nos exemplos que vimos no  parágrafo 3. Talvez um parente do homem que violou a lei do sábado tenha se perguntado: ‘Será que Moisés realmente consultou Jeová antes de anunciar a sentença de morte?’ Ou pense no caso de Urias, o marido de Bate-Seba. Talvez um amigo dele tenha pensado: ‘Com certeza Davi só conseguiu escapar da morte porque é o rei.’ A verdade é que não podemos dizer que confiamos em Jeová se não confiamos nos homens que ele escolheu para liderar o povo dele — homens que ele confia.

8. Como a organização de Jeová hoje segue o que está escrito em Atos 16:4, 5?

8 Hoje, Jeová usa “o escravo fiel e prudente” para liderar a organização dele aqui na Terra. (Mat. 24:45) Esses irmãos seguem o exemplo do corpo governante da época dos primeiros cristãos. Assim como aqueles homens do passado, o escravo fiel cuida do povo de Deus e dá orientações para os anciãos. (Leia Atos 16:4, 5.) E os anciãos cuidam para que essas orientações sejam seguidas nas congregações. Quando obedecemos ao que a organização e os anciãos nos dizem, mostramos que confiamos no modo de Jeová fazer as coisas.

9. Em que situação pode ser difícil seguir a orientação dos anciãos, e por quê?

9 Às vezes, pode ser difícil apoiar as decisões dos anciãos. Por exemplo, nos últimos anos muitas congregações e circuitos foram reorganizados. Em alguns casos, para se usar melhor os Salões do Reino, os anciãos pediram para alguns publicadores mudarem para outra congregação. Se você passou por isso, você sabe que não é fácil sair da congregação onde estão os seus amigos e parentes. É verdade que Jeová não fala diretamente para os anciãos onde designar cada publicador. E talvez por isso seja difícil fazer o que os anciãos dizem. Mas Jeová confia que eles vão tomar as melhores decisões, e nós precisamos ter essa mesma confiança. *

10. De acordo com Hebreus 13:17, por que precisamos apoiar as decisões dos anciãos?

 10 Por que precisamos apoiar as decisões dos anciãos mesmo quando não concordamos muito com elas? Porque quando cooperamos com os anciãos, ajudamos a manter a união do povo de Deus. (Efé. 4:2, 3) Quando todos humildemente apoiam as decisões do corpo de anciãos, toda a congregação sai ganhando. (Leia Hebreus 13:17.) E mais importante ainda, quando apoiamos aqueles que Jeová escolheu para cuidar da congregação, mostramos que confiamos nele. — Atos 20:28.

11. O que pode nos ajudar a ter mais confiança nas decisões que os anciãos tomam?

11 O que pode nos ajudar a ter mais confiança nas decisões dos anciãos? Podemos lembrar que eles oram pedindo espírito santo quando vão considerar assuntos da congregação. Eles também consideram com atenção alguns princípios da Bíblia e seguem as orientações da organização. O que eles mais querem é agradar a Jeová e cuidar do povo dele do melhor modo possível. Os anciãos são homens fiéis e sabem que vão ter que prestar contas a Deus pelo modo como cuidam dos irmãos. (1 Ped. 5:2, 3) Pense no seguinte: o mundo à nossa volta é dividido por diferenças de raça, religião e política, mas o povo de Jeová é unido porque adora o único Deus verdadeiro. Essa união só é possível porque Jeová está abençoando a sua organização!

12. O que os anciãos precisam levar em conta para saber se uma pessoa está realmente arrependida?

12 Jeová deu aos anciãos a séria responsabilidade de manter a congregação espiritualmente limpa. Se alguém cometer um pecado sério, Jeová espera que os anciãos julguem se aquela pessoa pode continuar na congregação. Eles precisam descobrir se ela está realmente arrependida do que fez. Para isso, os anciãos precisam pensar no seguinte sobre a pessoa que pecou: ‘Ela pode até dizer que está arrependida, mas será que ela realmente odeia o que fez? Será que ela está decidida a não cometer o mesmo pecado de novo? Se ela cometeu o pecado por influência de más associações, ela está disposta a parar de ter amizade com essas pessoas?’ Os anciãos oram a Jeová e consideram o que a Bíblia diz. Eles também levam em conta todos os fatos e como a pessoa se sente sobre o pecado que cometeu. Só depois disso eles decidem se a pessoa pode continuar na congregação. Em alguns casos, ela precisa ser desassociada. — 1 Cor. 5:11-13.

13. Que preocupação pode surgir se um parente ou um amigo for desassociado?

13 Como a nossa confiança nos anciãos pode ser testada? Talvez seja fácil aceitar a decisão dos anciãos se a pessoa desassociada não for nosso amigo ou parente. Mas e se o desassociado for alguém próximo de nós? Pode ser que comecemos a questionar se os anciãos realmente levaram em conta todos os fatos ou se julgaram o caso como Jeová teria julgado. O que pode nos ajudar a apoiar a decisão dos anciãos?

14. Se os anciãos decidirem que um amigo ou um parente nosso deve ser desassociado, o que pode nos ajudar a aceitar a decisão?

14 Precisamos lembrar que a desassociação é uma das maneiras de Jeová manter limpa a congregação. Além disso, a desassociação pode ajudar a pessoa que cometeu o pecado. Se a pessoa que pecou e  não se arrependeu continuasse na congregação, ela poderia influenciar os outros a também pecar. (Gál. 5:9) Se não fosse desassociada, ela poderia achar que o pecado não foi tão sério assim e que não precisaria mudar seu modo de pensar e suas ações. Dessa forma, seria muito difícil essa pessoa recuperar a aprovação de Jeová. (Ecl. 8:11) De uma coisa podemos ter certeza: os anciãos sabem que é uma grande responsabilidade decidir se alguém deve ou não ser desassociado. Eles sabem que, assim como os juízes do antigo Israel, eles “não julgam para o homem, mas para Jeová”. — 2 Crô. 19:6, 7.

CONFIAR EM JEOVÁ AGORA VAI NOS AJUDAR NO FUTURO

O que vai nos ajudar a confiar em Jeová e a obedecer às orientações que vamos receber durante a grande tribulação? (Veja o parágrafo 15.)

15. Por que precisamos confiar nas orientações de Jeová agora mais do que nunca?

15 O fim deste mundo mau está muito perto. Por isso, agora mais do que nunca, precisamos confiar na maneira de Jeová fazer as coisas. Por quê? Porque durante a grande tribulação pode ser que recebamos instruções que sejam difíceis de entender ou de obedecer. É claro que Jeová não vai falar diretamente com a gente. É bem provável que ele use os homens que estão na liderança para nos dar orientações. Nessa época, não vai ser o momento para questionar a orientação que recebemos, talvez nos perguntando: ‘Será que essa orientação é de Jeová mesmo, ou é uma coisa que os irmãos que estão na liderança inventaram?’ Na grande tribulação, vamos precisar confiar em Jeová e na organização dele. E isso vai depender de como estamos seguindo as orientações agora. Se você já confia nas orientações que recebe hoje e obedece sem pensar duas vezes, é bem provável que você faça o mesmo durante a grande tribulação. — Luc. 16:10.

16. Como nossa confiança em Jeová talvez seja testada no futuro?

16 Também precisamos pensar seriamente em como vamos reagir aos julgamentos de Jeová no fim deste mundo mau. Nós temos a esperança de que muitos que não adoram a Jeová, incluindo alguns dos nossos parentes, decidam servir a ele antes que chegue o fim. Mas, no Armagedom, não seremos nós que vamos decidir quem receberá a misericórdia de Jeová. (Mat. 25:34, 41, 46) Na verdade, vai ser Jeová, por meio de Jesus, quem decidirá qual vai ser o futuro dessas pessoas. (Mat. 25:31-33; 2 Tes. 1:7-9) Será que vamos confiar nos julgamentos de  Jeová, ou vamos parar de servi-lo porque não concordamos com as decisões dele? Sem dúvida, precisamos fortalecer nossa confiança em Jeová agora para conseguir confiar completamente nele no futuro.

17. Que coisas boas vão acontecer por causa do julgamento de Jeová no Armagedom?

17 Já parou para pensar em como vamos nos sentir no novo mundo quando virmos os resultados do julgamento que Jeová fez no Armagedom? A religião falsa não vai mais existir. E os sistemas comercial e político, que têm causado tanto sofrimento, vão ser coisas do passado. Problemas de saúde, velhice, a morte das pessoas que amamos, tudo isso vai ficar para trás. Satanás e os demônios vão ficar presos por mil anos. Todas as coisas ruins que eles fizeram não vão mais existir. (Apo. 20:2, 3) Vamos perceber que valeu muito a pena confiar na maneira de Jeová fazer as coisas!

18. Que lições podemos aprender dos israelitas? (Números 11:4-6; 21:5)

18 Será que no novo mundo vamos ter desafios que vão testar nossa confiança em Jeová? Pense no que aconteceu com os israelitas logo depois de terem saído do Egito, onde eram escravos. Alguns sentiam falta da comida que tinham lá. Daí, começaram a reclamar do maná que Jeová dava para eles. (Leia Números 11:4-6; 21:5.) Será que poderíamos acabar agindo da mesma forma depois do Armagedom? Não sabemos quanto trabalho vamos ter para limpar a Terra nem quanto tempo vai demorar para transformá-la num paraíso. Pode ser que a gente tenha bastante trabalho para fazer, e nem tudo vai ser perfeito logo de início. Mas será que depois de tudo o que Jeová tiver feito por nós, vamos ter coragem de reclamar? Uma coisa é certa: se dermos valor às provisões de Jeová agora, vai ser mais fácil darmos valor a elas no futuro.

19. Como você resumiria este estudo?

19 Neste estudo, vimos que Jeová sempre faz as coisas do modo certo e que precisamos estar convencidos disso. Também vimos que precisamos confiar nos homens que Jeová escolheu para cuidar do povo dele. Assim, nunca se esqueça das palavras que Jeová inspirou o profeta Isaías a escrever: “Sua força estará em permanecerem calmos e terem confiança.” — Isa. 30:15.

CÂNTICO 98 A Bíblia, um presente de Deus

^ parágrafo 5 Este estudo vai nos ajudar a ver por que é importante fortalecer nossa confiança em Jeová e naqueles que ele escolheu para liderar a sua organização aqui na Terra. Também vamos ver por que precisamos ter essa confiança não só agora, mas principalmente no futuro.

^ parágrafo 9 Às vezes, pode haver circunstâncias em que uma pessoa ou uma família não possa mudar de congregação. Veja Nosso Ministério do Reino de novembro de 2002, “Perguntas Respondidas”.