Pular para conteúdo

Pular para sumário

 AJUDA PARA A FAMÍLIA | CRIAÇÃO DE FILHOS

Quando seu filho faz perguntas sobre a morte

Quando seu filho faz perguntas sobre a morte

O DESAFIO

Seu filho de 6 anos pergunta: “Um dia você vai morrer?” Surpreso, você pensa: ‘Será que meu filho tem idade suficiente para entender esse assunto? Como eu vou conversar com ele sobre a morte?’ *

O QUE VOCÊ PRECISA SABER

As crianças pensam sobre a morte; elas até mesmo se fingem de mortas em algumas brincadeiras. A morte não deve ser considerada um tabu, e você deve dar atenção a qualquer pergunta que seu filho faça sobre esse assunto. Falar de vez em quando e de forma natural sobre a morte ajuda seu filho a saber lidar com a perda de uma pessoa amada.

Falar sobre a morte não vai fazer seu filho ter pensamentos deprimentes. Ao contrário, isso vai ajudá-lo a ter menos medo dela. Mas talvez você precise corrigir alguns conceitos errados. Por exemplo, alguns especialistas dizem que muitas crianças com menos de 6 anos não acham que a morte seja definitiva. Nas brincadeiras, a criança que “morre” logo depois está “viva”.

Mas, quando ficam mais velhas, as crianças começam a entender que a morte é um assunto sério — o que pode levá-las a fazer perguntas, ter preocupações e até medo, principalmente se uma pessoa amada tiver morrido. Por isso, é muito importante que você fale sobre o assunto. A especialista em saúde mental, Marion Haza, explica: “Uma criança passa a ficar ansiosa em relação à morte quando sente que é proibido falar desse assunto em casa.”

Você não precisa ficar preocupado demais com o que dizer. Segundo uma pesquisa, o que as crianças querem é “ouvir a verdade dita de forma bondosa”. E, em geral, quando a criança faz uma pergunta é porque está preparada para ouvir a resposta.

 O QUE VOCÊ PODE FAZER

Aproveite oportunidades para falar sobre o assunto. Se seu filho viu um pássaro morto ou se seu animal de estimação morreu, faça perguntas simples para incentivar seu filho a conversar. Por exemplo, você poderia perguntar: “Será que um animal morto está sofrendo? Será que ele está com frio ou com fome? Como você sabe se uma pessoa ou um animal está morto?” — Princípio bíblico: Eclesiastes 3:1, 7.

Não esconda a verdade. Quando um conhecido ou parente morre, evite suavizar a verdade por dizer coisas que podem confundir a criança, como “Ele viajou” ou “Ele se foi.” Seu filho talvez conclua que o falecido logo vai voltar para casa. Em vez disso, fale de forma simples e direta. Por exemplo, você poderia dizer: “Quando a vovó morreu, o corpo dela parou de funcionar. Não podemos conversar com ela, mas nós nunca vamos esquecê-la.” — Princípio bíblico: Efésios 4:25.

Tranquilize seu filho pequeno por deixar claro que a morte não é contagiosa, caso ele pense assim

Tranquilize seu filho. Talvez ele ache que fez ou pensou algo que causou a morte de alguém. Em vez de dizer logo que ele não é o responsável pelo que aconteceu, você poderia perguntar: “Por que você acha que é sua culpa?” Preste atenção ao que ele diz sem fazer pouco caso dos sentimentos dele. Tranquilize seu filho pequeno por deixar claro que a morte não é contagiosa, caso ele pense assim.

Incentive seu filho a se expressar. Fale naturalmente sobre pessoas amadas que morreram, incluindo parentes que seu filho não conheceu. Talvez você possa relembrar momentos bons e até engraçados que passaram com uma tia, um tio ou um avô. Ao fazer isso, você ajuda seu filho a entender que ele não precisa evitar falar ou pensar sobre essas pessoas amadas. Ao mesmo tempo, não o pressione a falar. Você pode puxar esse assunto depois, num momento apropriado. — Princípio bíblico: Provérbios 20:5.

Os capítulos 34 e 35 do livro Aprenda do Grande Instrutor podem ajudar seus filhos a saber o que a Bíblia ensina sobre a morte. Acesse PUBLICAÇÕES > LIVROS E BROCHURAS.

^ parágrafo 4 Apesar de nos referirmos à criança como um menino, os princípios considerados aqui se aplicam também às meninas.