Pular para conteúdo

Pular para sumário

Ain Jalut — uma batalha decisiva na História mundial

Ain Jalut — uma batalha decisiva na História mundial

 Ain Jalut — uma batalha decisiva na História mundial

GUERREIROS impetuosos a cavalo saíram da Mongólia aniquilando cada cidade que recusasse se render. Em fevereiro de 1258, eles descarregaram sua fúria contra Bagdá e abriram brechas em suas muralhas. Mataram e saquearam por uma semana. O mundo islâmico inteiro tremia de medo dos mongóis. *

Em janeiro de 1260, Alepo, cidade da Síria, teve o mesmo fim que Bagdá ao ser devastada pelos mongóis em sua incursão para o oeste. Em março, Damasco abriu seus portões para os mongóis e se rendeu. Pouco tempo depois, os mongóis tomaram as cidades palestinas de Nablus (perto do local onde ficava a antiga Siquém) e Gaza.

O general mongol, Hülegü, exigiu que o sultão al-Muzaffar Sayf al-Din Qutuz, governante muçulmano do Egito, também se rendesse. Hülegü disse que se Qutuz não fizesse isso o Egito sofreria duras consequências. O exército de Hülegü era bem maior que os 20 mil soldados egípcios, numa proporção de 15 para 1. “O mundo muçulmano estava a um passo de ser extinto”, disse o professor universitário Nazeer Ahmed, também historiador do islamismo. O que o sultão Qutuz podia fazer?

Qutuz e os mamelucos

Qutuz era um mameluco, escravo de origem turca. Os mamelucos haviam servido como soldados-escravos dos sultões aiúbidas do Cairo, Egito. Em 1250, porém, esses escravos se revoltaram contra seus donos e se tornaram governantes  do Egito. Qutuz, ele próprio um ex-soldado-escravo, depois assumiu o poder e se tornou sultão em 1259. Ele era um excelente guerreiro que nunca desistia sem lutar. No entanto, suas chances de derrotar os mongóis eram mínimas. Mas uma série de acontecimentos mudaria o rumo da História.

O General Hülegü ficou sabendo que Möngke, o grande khan mongol, havia morrido na distante Mongólia. Prevendo uma luta acirrada pelo poder em sua terra natal, Hülegü partiu para lá com a maior parte de seu exército. Ele deixou entre 10 mil e 20 mil soldados, o que achava ser suficiente para completar a conquista do Egito. Qutuz concluiu que o vento agora soprava a seu favor. Pensou que se fosse para derrotar os invasores essa seria a hora ideal.

Mas entre o Egito e os mongóis havia outro inimigo dos muçulmanos: os soldados das cruzadas que haviam ido à Palestina a fim de conquistar a “Terra Santa” para a cristandade. Qutuz queria obter passagem segura pelas Cruzadas e o direito de comprar suprimentos para lutar contra os mongóis na Palestina. Foi dada a permissão. Afinal, Qutuz era a única esperança que os exércitos cruzados tinham para eliminar a presença mongol da região. Para as cruzadas, os mongóis eram motivo de preocupação tanto quanto os muçulmanos.

Em resultado disso, o cenário estava montado para um confronto decisivo entre mamelucos e mongóis.

A Batalha de Ain Jalut

Os exércitos dos mamelucos e dos mongóis se enfrentaram em setembro de 1260 em Ain Jalut, na planície de Esdrelom. Acredita-se que Ain Jalut ficava perto da antiga cidade de Megido. *

 O historiador Rashid al-Din disse que os mamelucos atraíram os mongóis para uma emboscada no Megido. Qutuz escondeu boa parte de sua cavalaria nos montes ao redor da planície e enviou uma pequena tropa na frente para provocar um ataque mongol. Os mongóis avançaram, achando que se tratava do exército inteiro dos mamelucos. Qutuz então entrou em ação. Ele ordenou que as unidades escondidas saíssem para atacar os flancos mongóis. Os invasores foram derrotados.

Essa foi a primeira derrota dos mongóis desde o início de sua incursão para o oeste partindo da Mongólia 43 anos antes. Embora o número de soldados envolvidos fosse relativamente pequeno, Ain Jalut é considerada uma das batalhas mais importantes da História. Ela evitou o extermínio dos muçulmanos, pôs fim à ideia de que os mongóis eram invencíveis e possibilitou que o exército mameluco retomasse territórios perdidos.

O impacto de Ain Jalut

Os mongóis voltaram várias vezes para a região da Síria e Palestina, mas nunca mais chegaram a ameaçar o Egito. Os descendentes de Hülegü se estabeleceram na Pérsia, se converteram ao islamismo e com o tempo se tornaram patrocinadores da cultura islâmica. Seus territórios vieram a ser conhecidos como ilkhanates, ou “khanates subordinados”, da Pérsia.

Qutuz não teve muito tempo para saborear sua vitória. Seus rivais o mataram pouco tempo depois. Dentre esses rivais estava Baybars I, primeiro sultão de um reino reunido do Egito e da Síria. Muitos o consideraram o verdadeiro fundador do regime mameluco. Seu novo Estado — bem-administrado e rico — durou dois séculos e meio, até 1517.

Durante esse período de cerca de 250 anos, os mamelucos expulsaram os exércitos cruzados da Terra Santa, incentivaram o comércio e a indústria, patrocinaram as artes e construíram hospitais, mesquitas e escolas. Sob seu domínio, o Egito se tornou definitivamente o centro do mundo islâmico.

O impacto da Batalha de Ain Jalut não se restringiu ao Oriente Médio. Também afetou o rumo da civilização ocidental. “Se os mongóis tivessem conquistado o Egito, eles poderiam, após o retorno de Hülegü, continuar avançando pelo Norte da África até o estreito de Gibraltar”, comenta a revista Saudi Aramco World. E, visto que os mongóis chegaram à Polônia, eles teriam encurralado a Europa contra o oceano.

“Sob essas circunstâncias, será que a Renascença europeia teria acontecido?”, pergunta a mesma revista. “O mundo hoje talvez fosse um lugar bem diferente.”

[Nota(s) de rodapé]

^ parágrafo 2 Para mais informações sobre os mongóis e suas conquistas, veja a Despertai! de maio de 2008.

^ parágrafo 11 Visto que muitas batalhas decisivas foram travadas nessa região, com o tempo a palavra “Megido” foi associada com a bem conhecida guerra chamada Armagedom — em hebraico, Har–Magedon. A Bíblia chama essa guerra de “a batalha do grande dia do Deus todo-poderoso”. — Revelação (Apocalipse) 16:14, 16, Nova Versão Internacional.

[Mapa na página 12]

(Para o texto formatado, veja a publicação)

Damasco

SÍRIA

Mte. Tabor

Planície de Esdrelom

Ain Jalut (perto de Megido)

Nablus (Siquém)

Jerusalém

Gaza

EGITO

[Foto na página 12]

Local da antiga cidade de Megido

[Foto na página 13]

Os exércitos dos mamelucos e dos mongóis se enfrentaram em setembro de 1260 em Ain Jalut, na planície de Esdrelom

[Crédito]

Pictorial Archive (Near Eastern History) Est.

[Foto na página 14]

Ruínas da antiga cidade de Siquém, com uma parte da atual cidade de Nablus ao fundo