Pular para conteúdo

Pular para sumário

Como alguém se sente quando tem depressão

Como alguém se sente quando tem depressão

“QUANDO eu tinha 12 anos”, lembra-se James, * “acordei certa manhã, sentei-me na beira da cama e pensei: ‘Será que é hoje que vou morrer?’”. James havia caído em depressão profunda. Passados 30 anos, ele diz: “Todo dia tem sido uma luta contra essa doença emocional e mental.” James se sentia tão inútil quando era jovem que rasgou todas as fotos da infância. “Eu achava que não merecia ser lembrado”, recorda-se ele.

Visto que de vez em quando todos nós sentimos tristeza, podemos achar que entendemos o que é ter depressão. Mas como alguém se sente quando tem depressão clínica?

Uma doença cruel

Mais do que uma tristeza momentânea, a depressão clínica é um problema grave que geralmente impede a pessoa de fazer suas atividades diárias.

Por exemplo, por mais de 40 anos, Álvaro tem sentido “medo, confusão mental, angústia e tristeza profunda”. Ele explica: “Por causa da depressão, a opinião dos outros me afetava muito. Toda vez que algo saía errado, eu achava que a culpa era minha.” Ele descreve a depressão como “sentir uma dor terrível sem saber onde, medo sem saber por quê e, o pior de tudo, não ter a mínima vontade de conversar sobre o assunto”. Mas agora está mais aliviado porque descobriu a causa dos sintomas. Ele diz: “Sinto-me melhor só de saber que não sou o único que tem esse problema.”

Maria, uma mulher de 49 anos no Brasil, tinha insônia, dores, irritabilidade e “um sentimento de tristeza que parecia não ter fim”. Ela ficou aliviada quando descobriu a causa desses sintomas: depressão. “Mas então fiquei mais ansiosa”, explica ela, “porque poucas pessoas sabem o que realmente é ter depressão e por causa do preconceito que essa doença carrega”.

Tristeza sem motivo?

Embora a depressão às vezes seja desencadeada por um motivo óbvio, ela geralmente entra na vida da pessoa sem avisar. “De repente, uma densa nuvem de tristeza cobre sua vida sem razão aparente”, explica Richard, na África do Sul. “Não morreu ninguém conhecido e não aconteceu nenhuma tragédia. Mesmo assim, você se sente arrasado e sem vontade de fazer nada. E não há o que faça essa nuvem desaparecer. Você fica sobrecarregado com sentimentos de desespero e não sabe por quê.”

Ter depressão não é motivo de vergonha. Mas foi assim que Ana, no Brasil, se sentiu quando recebeu seu diagnóstico. Ela admite: “Para ser sincera, depois de oito anos ainda sinto vergonha.” Seu maior desafio é lidar com a angústia. “Às vezes, o sofrimento é tão intenso que sinto dores físicas. Todos os meus músculos doem”, explica ela. Quando isso acontece, é praticamente impossível sair da cama. E há ocasiões em que ela não  consegue parar de chorar. “Fico exausta de tanto soluçar”, diz Ana, “a ponto de me sentir como se estivesse anestesiada”.

“De repente, uma densa nuvem de tristeza cobre sua vida sem razão aparente”

A Bíblia reconhece que a tristeza pode atingir um estado crítico. Por exemplo, o apóstolo Paulo se preocupou com certo homem, temendo que ele pudesse ser “tragado pela sua excessiva tristeza”, ou seja, cair em depressão. (2 Coríntios 2:7) Algumas pessoas deprimidas ficam tão desesperadas que preferem morrer. Muitas se sentem como o profeta Jonas: “É melhor eu morrer do que ficar vivo.” — Jonas 4:3.

O que as pessoas deprimidas podem fazer para se tratar dessa doença aflitiva e aprender a conviver com ela?

^ parágrafo 2 Os nomes nesta série de artigos foram mudados.