Pular para conteúdo

Pular para sumário

Em busca de soluções

Em busca de soluções

 Em busca de soluções

DE 1972 em diante, mais de 100 países assinaram um tratado internacional proibindo o desenvolvimento, a produção e o armazenamento de armas biológicas. Esse tratado, chamado de Convenção sobre Armas Biológicas e de Toxinas (BTWC), foi o primeiro a proibir toda uma classe de armas. Sua falha foi não especificar um modo de verificar se as nações estavam obedecendo às suas regras.

É difícil saber se um país está ou não produzindo armas biológicas, visto que as mesmas técnicas e conhecimentos usados para objetivos pacíficos podem ser empregados para fabricar essas armas. Por isso, fica fácil esconder o desenvolvimento de armas em usinas de fermentação e laboratórios que parecem empenhados em atividades civis legítimas. De fato, a biotecnologia é uma espada de dois gumes.

Para resolver as dificuldades de fiscalização, representantes de vários países começaram a negociar um protocolo de compromissos em 1995. Por mais de seis anos, eles discutiram que medidas concretas poderiam ser tomadas para garantir que os países cumprissem a BTWC. Em 7 de dezembro de 2001, uma conferência de três semanas, à qual estiveram presentes representantes de 144 signatários do tratado de 1972, terminou sem resultados concretos. O problema foi que os Estados Unidos não concordaram com as principais propostas sobre como verificar o cumprimento da BTWC. Segundo aquele país, permitir que pessoas de fora fiscalizassem suas instalações militares e industriais o deixaria vulnerável à espionagem.

 Perspectivas futuras

A biotecnologia tem enorme potencial tanto para o bem como para o mal. Todas as outras grandes tecnologias — metalurgia, explosivos, combustão interna, aviação, eletrônica — foram exploradas não só para fins pacíficos, mas também para objetivos bélicos. Vai acontecer o mesmo com a biotecnologia? Muitos acreditam que a resposta a essa pergunta é “Sim”.

Um relatório de 1999, da Comissão de Segurança Nacional, dos EUA, disse: “Pessoas e grupos . . . obterão poder e influência, e muitos terão à sua disposição meios assustadores de destruição. . . . Surgirão cada vez mais grupos de ativistas e indivíduos com objetivos específicos, muitas vezes movidos por fervor religioso, crenças estranhas e aparentemente irracionais, ou veemente ressentimento. Os terroristas podem agora se valer de tecnologias que eram privilégio exclusivo de grandes potências e lançar ataques contra grandes centros populacionais domésticos.”

Não temos como dizer o que vai acontecer no futuro imediato, mas sabemos o que Deus tem em mente para a humanidade. A Bíblia promete que virá o tempo em que as pessoas na Terra “morarão realmente em segurança, sem que alguém as faça tremer”. (Ezequiel 34:28) Para aprender mais sobre essa promessa consoladora, contate as Testemunhas de Jeová na sua localidade ou escreva para um endereço apropriado entre os encontrados na página 5.

[Foto na página 10]

Pesquisadores tentam desenvolver meios de neutralizar o antraz

[Crédito]

Foto: cortesia de Sandia National Laboratories

[Foto na página 10]

Conferência sobre Armas Biológicas, 19 de novembro de 2001, Suíça

[Crédito]

Foto da AP/Donald Stampfli

[Fotos na página 11]

A Bíblia promete que chegará o tempo em que todos ‘morarão em segurança’