Pular para conteúdo

Pular para sumário

 COMO LIDAR COM A DOR DA MORTE

O que pode acontecer?

O que pode acontecer?

Apesar de alguns especialistas dizerem que o luto segue certas etapas, cada um tem sua própria maneira de lidar com a dor. Se duas pessoas lidam com a dor de formas diferentes, será que isso significa que uma delas esteja sofrendo menos ou esteja reprimindo seus sentimentos? Não podemos dizer isso. É verdade que aceitar a situação e não esconder a tristeza pode ajudar. Mas não existe um “jeito certo” de lidar com a dor. Tudo depende da criação, da personalidade da pessoa, do que ela passou na vida e do tipo de perda que ela sofreu.

SERÁ QUE VAI PIORAR?

Quem acabou de perder alguém na morte talvez não saiba o que esperar do futuro. Mas algumas emoções e desafios são comuns nessa situação. Veja alguns exemplos do que pode acontecer.

Dificuldade para controlar as emoções. É normal ter crises de choro, mudanças repentinas de humor e sentir muita saudade da pessoa que morreu. Essas emoções podem ficar ainda mais fortes quando você tem lembranças dela ou tem sonhos bem reais com ela. Mas talvez a sua primeira reação seja não acreditar no que aconteceu. Veja o exemplo de Tina. O marido dela, Timo, morreu de repente. Ela conta: “No começo eu fiquei sem reação. Eu não conseguia nem chorar. Eu fiquei tão abalada que, às vezes, eu tinha dificuldade até pra respirar. Eu não conseguia acreditar no que tinha acontecido.”

Crises de ansiedade, raiva e culpa. Ivan diz: “Nosso filho Eric tinha 24 anos quando morreu. Por um tempo, ficamos com muita raiva! Isso nos surpreendeu, porque eu e minha esposa Yolanda não costumávamos sentir raiva. Também nos sentimos culpados, achando que poderíamos ter feito mais para ajudar nosso filho.” Alejandro também se sentiu culpado quando a esposa dele morreu, depois de lutar por muito tempo contra uma doença. Alejandro conta: “No começo, eu achei que Deus estava deixando aquilo acontecer porque eu era uma pessoa ruim. Mas depois eu me senti mal, porque era como se eu estivesse culpando a Deus pelo que tinha acontecido.” E Kostas, que foi citado no artigo anterior, comenta: “Algumas vezes eu fiquei com raiva de Sophia por ela ter morrido. Depois eu me senti culpado por ter ficado com raiva. No fim das contas, a culpa não era dela.”

Pensamentos confusos. Em alguns momentos, a pessoa que está de luto talvez tenha pensamentos que não fazem sentido. Por exemplo, a imaginação dela talvez a faça acreditar que está ouvindo, sentindo ou até vendo a pessoa que morreu. Ou ela pode achar difícil se concentrar e lembrar das coisas. Tina explica: “Às vezes, eu estava conversando, mas minha cabeça estava bem longe da conversa! Minha mente ficava agitada, lembrando de tudo o que tinha acontecido quando Timo morreu. Não conseguir me concentrar era muito estressante pra mim.”

Vontade de se isolar. Quem está de luto pode se sentir irritado ou ficar sem jeito na presença de outros. Veja o que Kostas disse: “Quando eu estava com alguns amigos casados, eu me sentia um peixe fora d’água. Mas eu também me sentia deslocado quando estava com amigos solteiros.” A esposa de Ivan, Yolanda, lembra: “Era muito difícil estar com pessoas que reclamavam de problemas que pareciam tão pequenos em comparação aos nossos! Também não era fácil ouvir alguns pais falando como seus filhos estavam se saindo bem. Eu ficava feliz por eles, mas ouvir aquilo era difícil. Eu e meu marido sabíamos que cada um só estava tocando a vida. Mas a gente não tinha vontade nem paciência para lidar com tudo aquilo.”

Problemas de saúde. Mudanças no apetite, no peso e no sono são comuns. Aaron se lembra de como foi o primeiro ano depois que o pai dele faleceu:  “Eu tinha dificuldades para dormir. Toda noite eu acordava na mesma hora pensando na morte do meu pai.”

Sem nenhum motivo aparente Alejandro começou a ter alguns sintomas. Ele conta: “O médico me examinou várias vezes e me garantiu que eu não tinha nada. Então desconfiei que estava me sentindo daquele jeito por ter perdido minha esposa.” Aqueles sintomas sumiram com o tempo. Mesmo assim, Alejandro fez bem em procurar um médico. A dor de perder alguém amado pode baixar a imunidade da pessoa, agravar um problema de saúde que ela já tenha ou até causar um novo.

Dificuldade para realizar tarefas importantes. Ivan diz: “Depois que Eric morreu, nós tivemos de avisar não só a nossos parentes, mas também a outras pessoas, como o patrão dele e o dono do imóvel onde ele morava. Também foi necessário preencher muitos documentos. E ainda tivemos de organizar as coisas pessoais de Eric. Tudo isso exigia concentração. Mas não foi nada fácil, porque estávamos esgotados em sentido físico, mental e emocional.”

Alguns acham que o desafio maior vem depois. Para eles, é muito difícil ter que cuidar de tarefas que antes eram feitas pela pessoa querida que morreu. Foi isso que aconteceu com Tina. Ela explica: “Timo sempre cuidou dos nossos assuntos no banco e de outras questões que envolviam dinheiro. Agora que tudo isso virou minha responsabilidade, meu estresse só aumentou. Eu ficava pensando se ia mesmo conseguir dar conta dessas coisas sem estragar tudo.”

Esses desafios físicos, mentais e emocionais podem fazer o luto parecer assustador. É verdade que a dor de perder alguém que amamos pode ser muito forte. Mas saber com antecedência desses desafios pode ajudar quem está passando por isso. É bom lembrar que nem todo mundo passa por todas as dificuldades citadas. Além disso, os que estão de luto podem se sentir consolados de saber que seus fortes sentimentos são normais.

SERÁ QUE ALGUM DIA VOU SER FELIZ DE NOVO?

O que você pode esperar: Essa tristeza esmagadora não vai durar para sempre. Isso não quer dizer que você vai se “recuperar” totalmente ou vai esquecer a pessoa que morreu. Mas aos poucos, vai ficando mais fácil lidar com a dor. Pode ser que ela volte por causa de algumas lembranças ou datas especiais. Apesar disso, com o tempo, a maioria das pessoas consegue recuperar o equilíbrio emocional e se concentrar de novo nas atividades do dia a dia. Isso acontece especialmente quando elas contam com a ajuda da família e dos amigos e tomam algumas atitudes para lidar com a dor.

Até quando vou me sentir assim? Para alguns, a pior fase do luto passa depois de alguns meses. Mas muitas pessoas só se sentem melhor depois de um ano ou dois. E outros precisam de mais tempo ainda. * Alejandro diz: “Eu sofri muito por uns três anos.”

Tenha paciência e viva um dia de cada vez. Respeite o seu ritmo e lembre que a tristeza não vai durar para sempre. Será que você pode fazer alguma coisa para aliviar sua dor agora e para evitar sofrer mais do que o necessário?

É normal ter dificuldades para controlar as emoções quando perdemos alguém que amamos

^ parágrafo 17 Depois de um longo período de tristeza profunda, um número pequeno de pessoas pode sentir o que é chamado de luto “complicado” ou “crônico”. Nesses casos, a pessoa talvez precise da ajuda de um especialista em saúde mental.