Pular para conteúdo

Pular para sumário

Como Gaio ajudou seus irmãos

Como Gaio ajudou seus irmãos

GAIO e outros cristãos passavam por dificuldades. Algumas pessoas estavam espalhando ensinos falsos para enfraquecer as congregações e separar os irmãos. (1 João 2:18, 19; 2 João 7) Uma dessas pessoas era Diótrefes. Ele espalhava “calúnias” sobre o apóstolo João e outras pessoas. Ele também não era hospitaleiro com irmãos que passavam pela cidade, e ainda por cima tentava convencer outros a ser como ele. (3 João 9, 10) Foi nessa época difícil, por volta do ano 98, que João escreveu uma carta para Gaio. Ela ficou conhecida como “A Terceira Carta de João” e faz parte das Escrituras Gregas Cristãs.

Apesar das dificuldades, Gaio continuou servindo fielmente a Jeová. Como ele mostrou que era fiel? Por que seria bom imitarmos o exemplo dele? Como a carta de João pode nos ajudar a seguir seu exemplo?

UMA CARTA PARA UM AMIGO QUERIDO

Em nenhuma parte de sua terceira carta João se identifica. Ele apenas se chama de “o homem idoso”. Isso foi suficiente para Gaio reconhecê-lo, porque João era como um pai para ele. João chama Gaio de “o amado, a quem eu amo verdadeiramente”. Daí, João diz que espera que a saúde de Gaio esteja tão forte como sua fé. Que belas palavras! — 3 João 1, 2, 4.

A carta não deixa claro, mas é possível que Gaio fosse ancião na congregação. João elogia Gaio por hospedar irmãos mesmo sem conhecê-los e diz que isso mostra que Gaio é fiel. Afinal, ser hospitaleiro sempre foi uma marca registrada dos servos de Deus. — Gên. 18:1-8; 1 Tim. 3:2; 3 João 5.

Se João elogiou a hospitalidade de Gaio, isso significa que alguns irmãos viajavam com frequência entre o lugar onde João estava e as congregações. Pelo visto, esses irmãos levavam notícias das congregações para João.

Naquela época, as pessoas que viajavam preferiam ficar na casa de um amigo sempre que possível. As hospedarias tinham uma fama muito ruim, por causa das péssimas condições e porque ali a imoralidade era muito comum. Por isso, um cristão com certeza preferia ficar na casa de um irmão.

 “FOI A FAVOR DO NOME DELE QUE SAÍRAM”

João incentivou Gaio a continuar sendo hospitaleiro. Ele pediu para Gaio ‘encaminhar [alguns irmãos] na viagem deles de uma maneira digna de Deus’. O que isso queria dizer? Que Gaio devia dar o que os irmãos precisavam para continuar a viagem até a próxima parada ou até o destino final. Não há dúvida de que Gaio já tinha feito isso porque alguns irmãos haviam falado para João sobre o amor e a fé de Gaio. — 3 João 3, 6.

Os hóspedes de Gaio talvez fossem missionários, mensageiros de João ou superintendentes viajantes. De qualquer forma, eles estavam viajando para trabalhar para Jeová. Como sabemos isso? João disse que eles estavam viajando “a favor do nome dele”. (3 João 7) “Dele” quem? Tudo indica que era Jeová, porque João tinha acabado de falar sobre Deus no versículo 6. Por isso, aqueles irmãos mereciam ser bem tratados. É como João escreveu: “Nós temos a obrigação de mostrar hospitalidade a irmãos como esses, para que nos tornemos colaboradores na verdade.” — 3 João 8.

AJUDA NUMA SITUAÇÃO DIFÍCIL

João não escreveu essa carta só para elogiar a hospitalidade de Gaio. Ele também queria ajudar Gaio a lidar com um problema sério. Que problema? Por algum motivo, Diótrefes não queria mostrar hospitalidade aos irmãos de outras cidades. Ele até tentava impedir outros da congregação de fazer isso. — 3 João 9, 10.

Mas, mesmo que Diótrefes convidasse outros para sua casa, dificilmente um irmão aceitaria. Por quê? Porque Diótrefes não era leal. Ele era ambicioso e não agia como um cristão de verdade. Por exemplo, ele sempre buscava ter destaque na congregação, não aceitava com respeito nada que vinha de João e espalhava calúnias sobre João e outros irmãos. Diótrefes não era um falso instrutor, mas ele sempre queria ser melhor que os outros e não respeitava João como apóstolo. O exemplo de Diótrefes mostra como a influência de pessoas ambiciosas e arrogantes pode ser perigosa para uma congregação. É por isso que João disse a Gaio: “Não imite o que é mau.” (3 João 11) Esse conselho também vale para nós hoje.

UM EXCELENTE MOTIVO PARA FAZER O BEM

Ao contrário de Diótrefes, um cristão chamado Demétrio era um bom exemplo. João escreveu: “Todos eles falam bem de Demétrio . . . De fato, nós também testemunhamos a favor dele, e você sabe que o testemunho que damos é verdadeiro.” (3 João 12) Demétrio talvez fosse um superintendente viajante enviado para entregar a carta de João a Gaio. Como mensageiro de João, Demétrio deve ter dado mais detalhes sobre as coisas escritas na carta. Já que Demétrio precisaria de hospedagem, João usou sua carta para apresentá-lo a Gaio e dar boas recomendações dele.

Por que João incentivou Gaio a continuar sendo hospitaleiro, se ele já estava fazendo isso? Talvez Gaio precisasse de mais coragem porque Diótrefes estava tentando expulsar da congregação irmãos que eram hospitaleiros. Qualquer que fosse o motivo, João garantiu a Gaio: “Quem faz o bem se origina de Deus.” (3 João 11) Esse é um excelente motivo para sempre fazermos o bem.

Será que a carta de João motivou Gaio a continuar sendo hospitaleiro? Sim. Como sabemos? Jeová fez questão de incluir essa carta na Bíblia para que ela pudesse incentivar outras pessoas a imitar o que é bom.

 O QUE APRENDEMOS DE TERCEIRA JOÃO?

Isso é tudo que sabemos de Gaio, esse querido irmão do passado. Mas essas poucas informações são suficientes para aprendermos algumas lições.

Como podemos ‘mostrar hospitalidade’?

Primeira lição: muitos de nós aprendemos a verdade, direta ou indiretamente, porque alguém estava disposto a viajar para pregar. É claro que nem todos os irmãos percorrem grandes distâncias para trabalhar para Jeová. Mas, assim como Gaio, podemos fazer algumas coisas para ajudar e encorajar aqueles que viajam, como, por exemplo, superintendentes de circuito e suas esposas. Também podemos ajudar irmãos e irmãs que se mudam para outras regiões, ou até outros países, onde a obra de pregação precisa de mais apoio. Então, vamos ‘mostrar hospitalidade’. — Rom. 12:13; 1 Tim. 5:9, 10.

Segunda lição: pode acontecer de alguém desafiar a autoridade dos anciãos nas congregações. Isso aconteceu com João e também com o apóstolo Paulo. (2 Cor. 10:7-12; 12:11-13) Então, como devemos reagir numa situação assim? A Bíblia nos dá o seguinte conselho: “O escravo do Senhor não precisa brigar, mas precisa ser meigo com todos, qualificado para ensinar, precisa se controlar ao sofrer algum mal, e instruir com brandura os que não tiverem uma atitude favorável.” Quando alguém nos provoca e nós mantemos a calma, isso pode com o tempo ajudar a pessoa crítica a mudar. E Jeová ‘talvez conceda a ela arrependimento, o que a levará a um conhecimento exato da verdade’. — 2 Tim. 2:24, 25.

Terceira lição: irmãos que se mantêm fiéis a Jeová mesmo enfrentando oposição merecem elogios. A carta de João com certeza encorajou Gaio e o deixou confiante de que estava fazendo o que era certo. Os anciãos hoje devem seguir o exemplo de João e elogiar os irmãos para que eles ‘não fiquem exaustos’. — Isa. 40:31; 1 Tes. 5:11.

Com apenas 219 palavras no texto grego, a carta do apóstolo João para Gaio é o menor livro da Bíblia. Mesmo assim, é um livro que tem muito valor para os cristãos hoje!