Pular para conteúdo

Pular para sumário

 CAPÍTULO DEZ

Ele defendeu a adoração pura

Ele defendeu a adoração pura

1, 2. (a) O que afligia as pessoas nos dias de Elias? (b) Que oposição Elias enfrentou no monte Carmelo?

ELIAS observava a multidão que subia quase se arrastando pelas encostas do monte Carmelo. Mesmo na fraca luz do amanhecer, era fácil ver como a pobreza e a necessidade afligiam aquelas pessoas. Elas sentiam na pele os efeitos de três anos e meio de seca.

2 No meio delas, andando de maneira arrogante, estavam os 450 profetas de Baal, cheios de orgulho e ardendo de ódio por Elias, profeta de Jeová. A Rainha Jezabel tinha executado muitos servos de Jeová, mas esse homem continuava firme contra a adoração de Baal. Mas por quanto tempo? Talvez aqueles sacerdotes pensassem que um homem sozinho jamais conseguiria vencer todos eles. (1 Reis 18:4, 19, 20) O Rei Acabe os acompanhava em sua carruagem real. Ele também não gostava nem um pouco de Elias.

3, 4. (a) Por que Elias talvez tenha sentido medo à medida que aquele dia importante ia amanhecendo? (b) Que perguntas consideraremos?

3 Aquele profeta solitário tinha diante de si um dia como nenhum outro em sua vida. Enquanto Elias observava, preparava-se o cenário para um dos mais dramáticos confrontos entre o bem e o mal que o mundo já viu. Como ele se sentia à medida que ia amanhecendo? Sendo um “homem com sentimentos iguais aos nossos”, Elias também sentia medo. (Leia Tiago 5:17.) Mas podemos ter certeza de uma coisa: rodeado por aqueles sacerdotes assassinos, pelo povo sem fé e pelo rei apóstata deles, Elias sentiu que estava totalmente sozinho. — 1 Reis 18:22.

4 Mas o que levou Israel a essa crise? E o que esse relato tem a ver com você? Considere o exemplo de fé de Elias e como ele pode ser prático para nós hoje.

Uma longa luta chega ao clímax

5, 6. (a) Em que luta Israel estava envolvido? (b) De que maneiras o Rei Acabe tinha ofendido profundamente a Jeová?

5 Por quase toda a vida, Elias observou a adoração de Jeová, a melhor coisa que sua terra e seu povo tinham, ser deixada de lado  e desprezada, sem poder fazer nada a respeito. Veja só: Israel estava envolvido numa longa luta, uma guerra entre a religião verdadeira e a falsa, entre a adoração de Jeová Deus e a idolatria das nações vizinhas. Nos dias de Elias, aquela luta tinha piorado ainda mais.

6 O Rei Acabe tinha ofendido profundamente a Jeová. Ele havia se casado com Jezabel, filha do rei de Sídon. Jezabel estava decidida a espalhar a adoração de Baal pela terra de Israel e a eliminar a adoração de Jeová. Acabe logo cedeu à influência dela. Ele construiu um templo e um altar a Baal e tomou a liderança em se curvar diante desse deus pagão. — 1 Reis 16:30-33.

7. (a) O que tornou a adoração de Baal tão ofensiva? (b) Com respeito ao tempo que durou a seca nos dias de Elias, por que podemos ter certeza de que a Bíblia não se contradiz? (Inclua o  quadro.)

7 O que tornou a adoração de Baal tão ofensiva? Ela seduziu Israel, levando muitos a se afastar do Deus verdadeiro. Era também uma religião repugnante e cruel. Envolvia a prostituição de homens e mulheres no templo, orgias sexuais e até mesmo o sacrifício de crianças. Por causa disso, Jeová enviou Elias a Acabe para anunciar uma seca que duraria até que o profeta de Deus decretasse o fim dela. (1 Reis 17:1) Depois de vários anos, Elias compareceu novamente perante Acabe e lhe disse para reunir o povo e os profetas de Baal no monte Carmelo. *

De certo modo, a maioria dos principais aspectos que caracterizavam a adoração de Baal são cada vez mais comuns hoje

8. O que podemos aprender do relato sobre a adoração de Baal?

8 Mas o que essa luta significa para nós hoje? Alguns talvez achem que a história sobre a adoração de Baal não é importante hoje, já que não vemos templos e altares de Baal ao nosso redor. Mas esse relato não é só história antiga. (Rom. 15:4) A palavra “Baal” significa “dono” ou “amo”. Jeová disse a seu povo que eles deveriam escolher a Ele como seu “baal”, ou dono marital. (Isa. 54:5) Não concorda que as pessoas ainda servem a uma variedade de amos em vez de ao Deus Todo-Poderoso? Quer as pessoas usem sua vida para ir atrás de dinheiro, carreira, diversão, prazeres sexuais, quer para ir atrás de qualquer um dos incontáveis deuses que são adorados em vez de Jeová, elas escolhem um amo. (Mat. 6:24; leia Romanos 6:16.) De certo modo, a maioria dos principais aspectos que caracterizavam a adoração de Baal são cada vez  mais comuns hoje. Refletir naquela antiga disputa entre Jeová e Baal pode nos ajudar a escolher sabiamente a quem vamos servir.

‘Mancar’ em que sentido?

9. (a) Como a situação em que o monte Carmelo se encontrava fazia dele um local ideal para expor o baalismo? (Veja também a nota.) (b) O que Elias disse ao povo?

9 Do cume do monte Carmelo é possível ter uma vista ampla — desde o vale da torrente do Quisom, abaixo, até o Grande Mar (mar Mediterrâneo) nas proximidades, e até os montes do Líbano, no horizonte do extremo norte. * Mas, à medida que o Sol nascia nesse dia decisivo, a vista era sinistra. A terra anteriormente fértil  que Jeová tinha dado aos filhos de Abraão parecia estar morrendo. Agora era uma terra endurecida pelo sol causticante, arruinada por causa da tolice do próprio povo de Deus. Enquanto as pessoas se ajuntavam, Elias se aproximou e disse: “Até quando ficareis mancando em duas opiniões diferentes? Se Jeová é o verdadeiro Deus, ide segui-lo; mas se é Baal, ide segui-lo.” — 1 Reis 18:21.

10. Como as pessoas dos dias de Elias estavam “mancando em duas opiniões diferentes”, e de que verdade básica tinham se esquecido?

10 O que Elias queria dizer com a expressão “mancando em duas opiniões diferentes”? Bem, aquelas pessoas não se davam conta de que precisavam escolher entre a adoração de Jeová e a adoração de Baal. Elas pensavam que podiam fazer as duas coisas — manter a paz com Baal por meio de seus rituais repugnantes e ao mesmo tempo pedir favores a Jeová Deus. Talvez pensassem que Baal abençoaria suas plantações e seus rebanhos, ao passo que “Jeová dos exércitos” os protegeria nas batalhas. (1 Sam. 17:45) Mas tinham se esquecido de uma verdade básica, uma verdade que muitos ainda hoje despercebem: Jeová não divide sua adoração com ninguém. Ele exige e merece devoção exclusiva. Para ele, qualquer adoração que esteja misturada com outra forma de adoração é inaceitável, até mesmo ofensiva! — Leia Êxodo 20:5.

11. Como você acha que as palavras de Elias no monte Carmelo podem nos ajudar a reavaliar nossas prioridades e nossa adoração?

11 Portanto, aqueles israelitas estavam “mancando” como alguém tentando seguir dois caminhos ao mesmo tempo. Hoje muitos cometem um erro parecido, permitindo que outros “baals” se infiltrem aos poucos em sua vida, deixando de lado a adoração a Deus. Acatar o apelo alto e claro de Elias para parar de mancar pode nos ajudar a reavaliar nossas prioridades e nossa adoração.

Um teste decisivo

12, 13. (a) Que teste Elias propôs? (b) Como podemos mostrar que temos tanta confiança em Jeová como Elias tinha?

12 A seguir, Elias propôs um teste bem simples. Os sacerdotes de Baal deviam preparar um altar e colocar ali um sacrifício; depois deviam orar a seu deus para que ele acendesse o fogo. Elias faria o mesmo. Ele disse: “O verdadeiro Deus que responder por fogo é o verdadeiro Deus.” Elias sabia muito bem quem era o verdadeiro Deus. Sua fé era tão forte que ele não hesitou em dar aos seus oponentes toda a vantagem. Ele deixou os profetas de Baal fazer o teste primeiro. Assim, eles escolheram o novilho para o sacrifício e começaram a invocar a Baal. * — 1 Reis 18:24, 25.

 13 Não vivemos numa época de milagres. No entanto, Jeová não mudou. Podemos ter tanta confiança nele como Elias tinha. Por exemplo, quando outros não concordam com o que a Bíblia ensina, não precisamos ter medo de deixá-los se expressar primeiro. Como Elias, podemos recorrer ao Deus verdadeiro para resolver o assunto. Fazemos isso, não por confiar em nós mesmos, mas em sua Palavra inspirada, que tem como objetivo “endireitar as coisas”. — 2 Tim. 3:16.

Elias encarava a adoração de Baal como uma fraude ridícula, e queria que o povo de Deus visse isso claramente

14. Como Elias zombou dos profetas de Baal, e por que ele fez isso?

14 Os profetas de Baal começaram a preparar o sacrifício e a invocar seu deus. “Ó Baal, responde-nos!”, clamavam vez após vez. Os minutos e as horas passavam, e eles não desistiam. “Mas não havia voz e não havia quem respondesse”, diz a Bíblia. Ao meio-dia, Elias começou a zombar deles dizendo de modo sarcástico que Baal devia estar muito ocupado para lhes responder, que estava satisfazendo suas necessidades ou tirando uma soneca e precisava que alguém o acordasse. “Clamai ao máximo da vossa voz”, exortou Elias àqueles impostores. Fica claro que ele encarava a adoração de Baal como uma fraude ridícula, e queria que o povo de Deus visse isso claramente. — 1 Reis 18:26, 27.

15. Como o caso envolvendo os sacerdotes de Baal mostra a tolice de escolher qualquer amo que não seja Jeová?

15 Os sacerdotes de Baal ficaram ainda mais exaltados, ‘clamando ao máximo da sua voz e fazendo cortes em si mesmos com punhais e com lanças, segundo o seu costume, até derramarem sangue sobre si’. Mas tudo isso foi em vão! “Não havia voz e não havia quem respondesse, e não se dava atenção.” (1 Reis 18:28, 29) De fato, não havia nenhum Baal. Ele era uma invenção de Satanás para desviar as pessoas de Jeová. A verdade é que escolher qualquer amo que não seja Jeová só traz decepção, até mesmo vergonha. — Leia Salmo 25:3; 115:4-8.

A resposta

16. (a) De que o povo talvez tenha se lembrado ao ver Elias reconstruir o altar a Jeová no monte Carmelo? (b) De que outra maneira Elias mostrou confiança em seu Deus?

16 No fim da tarde, chegou a vez de Elias oferecer um sacrifício. Ele reconstruiu um altar a Jeová, que sem dúvida tinha sido derrubado por inimigos da adoração pura. Usou 12 pedras, talvez fazendo  com que muitos da nação de Israel, de dez tribos, se lembrassem que a Lei dada a todas as 12 tribos ainda estava em vigor. Depois colocou o sacrifício e fez com que tudo fosse encharcado com água, provavelmente trazida do mar Mediterrâneo ali perto. Também fez uma vala em volta do altar e a encheu com água. Ele tinha dado muitas vantagens aos profetas de Baal, mas para Jeová ele dificultou as coisas, pois tinha muita confiança em seu Deus. — 1 Reis 18:30-35.

A oração de Elias mostrou que ele ainda se preocupava com seu povo, pois estava ansioso para ver Jeová fazer “o coração deles voltar atrás”

17. Como a oração de Elias mostrou o que era mais importante para ele, e como podemos imitar seu exemplo em nossas orações?

17 Quando tudo estava pronto, Elias fez uma oração simples, mas expressiva, que deixou claro o que era mais importante para ele. Primeiro de tudo, ele queria mostrar que Jeová, não aquele tal de Baal, era “Deus em Israel”. Segundo, queria que todos soubessem que ele era apenas um servo de Jeová; toda glória e todo crédito deviam ser dados a Deus. Por fim, mostrou que ainda se preocupava com seu povo, pois estava ansioso para ver Jeová fazer “o coração deles voltar atrás”. (1 Reis 18:36, 37) Elias ainda os amava, apesar de todo o sofrimento que a infidelidade deles tinha causado. Em nossas orações, será que podemos mostrar similar humildade, interesse no nome de Deus e compaixão por outros que precisam de ajuda?

18, 19. (a) Como Jeová respondeu à oração de Elias? (b) O que Elias ordenou que o povo fizesse, e por que os sacerdotes de Baal não mereciam misericórdia?

18 Antes da oração de Elias, a multidão ali talvez tenha se perguntado se Jeová não passaria de uma mentira, assim como Baal. Mas, depois da oração, não havia mais tempo para dúvidas. O relato diz: “Nisto veio cair fogo da parte de Jeová e passou a consumir a oferta queimada e a lenha, bem como as pedras, e o pó, e lambeu a água que havia no rego.” (1 Reis 18:38) Que resposta espetacular! E qual foi a reação do povo?

“Nisto veio cair fogo da parte de Jeová”

19 Todos clamaram: “Jeová é o verdadeiro Deus! Jeová é o verdadeiro Deus!” (1 Reis 18:39) Finalmente viram a verdade. Mas ainda não haviam mostrado nenhuma fé. Convenhamos, reconhecer que Jeová é o verdadeiro Deus depois de ver fogo descer do céu em resposta a uma oração não é uma demonstração impressionante de fé. Por isso, Elias esperava mais deles. Pediu que fizessem o que deveriam ter feito muitos anos antes — obedecer à Lei de Jeová. A Lei  de Deus dizia que falsos profetas e idólatras deviam ser mortos. (Deut. 13:5-9) Esses sacerdotes de Baal eram inimigos declarados de Jeová Deus e agiam deliberadamente contra Seus propósitos. Será que mereciam misericórdia? Pense bem: que misericórdia eles tinham concedido a todas as crianças inocentes que foram queimadas vivas em sacrifício a Baal? (Leia Provérbios 21:13; Jer. 19:5) Esses homens não mereciam nenhuma misericórdia! Assim, Elias ordenou que fossem executados, e foi isso o que aconteceu. — 1 Reis 18:40.

20. Por que as preocupações dos críticos modernos sobre a execução que Elias fez dos sacerdotes de Baal são infundadas?

20 Críticos modernos talvez não concordem com a conclusão desse teste no monte Carmelo. Algumas pessoas talvez receiem que fanáticos religiosos usem isso para justificar atos violentos de intolerância religiosa. E infelizmente existem hoje muitos fanáticos religiosos violentos. Mas Elias não era nenhum fanático. Ele estava agindo a favor de Jeová numa execução justa. Além disso, os cristãos verdadeiros sabem que não podem fazer o que Elias fez, ou seja, pegar uma espada e acabar com as pessoas más. Pelo contrário, eles seguem o modelo para todos os discípulos de Jesus, conforme suas palavras a Pedro: “Devolve a espada ao seu lugar, pois todos os que tomarem a espada perecerão pela espada.” (Mat. 26:52) Jeová usará seu Filho para executar a justiça divina no futuro.

21. Por que o exemplo de Elias é apropriado para os cristãos verdadeiros hoje?

21 A responsabilidade dos cristãos verdadeiros é levar uma vida de fé. (João 3:16) Um modo de fazer isso é por imitar homens fiéis como Elias. Ele adorou exclusivamente a Jeová e incentivou outros a fazer o mesmo. De forma corajosa, expôs como fraude uma religião que Satanás usava para desviar as pessoas de Jeová. Para resolver os assuntos, ele confiou em Jeová e não em suas próprias habilidades ou vontade. Elias defendeu a adoração pura. Que todos nós imitemos a sua fé!

^ parágrafo 9 O monte Carmelo normalmente é viçoso e verde, visto que ventos marítimos carregados de umidade passam pelas suas encostas, com frequência trazendo chuvas e formando bastante orvalho. Uma vez que Baal recebia o crédito pelas chuvas, esse monte evidentemente era um local importante para a sua adoração. Assim, um monte Carmelo improdutivo e seco era um local ideal para expor o baalismo como uma fraude.

^ parágrafo 12 É curioso que Elias tenha lhes dito: ‘Não deveis pôr fogo’ no sacrifício. Alguns eruditos dizem que esses idólatras às vezes usavam altares com uma abertura secreta por baixo para parecer que o fogo tinha sido aceso de modo sobrenatural.