Pular para conteúdo

Pular para sumário

 CAPÍTULO VINTE

‘Eu acredito’

‘Eu acredito’

1. Descreva a dor de Marta e o que a causou.

MARTA não conseguia parar de pensar naquela imagem — o túmulo onde estava seu irmão, uma caverna fechada com uma pedra. A dor que ela sentia era tão grande quanto aquela pedra. Era difícil acreditar que seu querido irmão tinha morrido. Os quatro dias após a morte dele foram muito difíceis para ela; pessoas iam e vinham, havia muito choro e condolências.

2, 3. (a) Como Marta provavelmente se sentiu ao ver Jesus? (b) O que podemos concluir sobre Marta com base na sua importante declaração?

2 E agora, ali perto de Marta estava aquele de quem Lázaro tanto gostava. Ver Jesus provavelmente intensificou a sua dor, porque ele era a única pessoa no mundo que poderia ter salvado seu irmão. Ainda assim, Marta se sentiu consolada por estar com Jesus ali, fora da pequena cidade de Betânia. Nos poucos momentos com ele, Marta viu de novo a calorosa bondade em seus olhos, aquela profunda empatia sempre tão encorajadora. Ele fez algumas perguntas que a ajudaram a se concentrar em sua fé na ressurreição. A conversa levou Marta a fazer uma das mais importantes declarações de sua vida: ‘Eu acredito que tu és o Cristo, o Filho de Deus, Aquele que vem ao mundo.’ — João 11:27.

3 Essas palavras mostram que Marta era uma mulher de notável fé. O pouco que a Bíblia fala sobre ela nos ensina profundas lições que podem fortalecer a nossa própria fé. Como? Vamos considerar a primeira vez em que Marta é mencionada na Bíblia.

“Ansiosa e perturbada”

4. Em que sentido a família de Marta era incomum, e que relacionamento a família tinha com Jesus?

4 Alguns meses antes, Lázaro estava vivo e bem de saúde. Sua casa em Betânia estava prestes a receber o mais ilustre dos visitantes,  Jesus Cristo. Lázaro, Marta e Maria eram uma família incomum — três irmãos adultos que pelo visto moravam na mesma casa. Alguns pesquisadores acham que Marta talvez fosse a mais velha dos três, porque parece que ela agia como anfitriã e às vezes é mencionada primeiro. (João 11:5) Não é possível saber se algum deles já havia sido casado. De qualquer forma, eles se tornaram grandes amigos de Jesus. Durante seu ministério na Judeia, onde enfrentou muita oposição e hostilidade, Jesus sempre se hospedava na casa deles. Sem dúvida, ele apreciava muito aquele ambiente de paz, onde recebia apoio.

5, 6. (a) Por que Marta estava muito ocupada durante a visita de Jesus? (b) O que Maria fez quando Jesus visitou sua casa?

5 Marta contribuía muito para o conforto e a hospitalidade daquele lar. Ela era uma mulher dinâmica e trabalhadora, e parece que estava sempre ocupada com muitas tarefas. Quando Jesus os visitou desta vez não foi diferente. Ela logo pensou numa refeição especial com pratos variados para seu ilustre visitante e talvez para alguns que viajavam com ele. Naquela época, a hospitalidade era muito importante. Quando um convidado chegava, era recebido com um beijo, suas sandálias eram retiradas, seus pés eram lavados e um refrescante óleo perfumado era derramado em sua cabeça. (Leia Lucas 7:44-47.) Com respeito a acomodações e alimentação, tudo era cuidado nos mínimos detalhes.

6 Marta e Maria tinham muita coisa para fazer. Maria, que às vezes é considerada a mais sensível e ponderada das duas, com certeza ajudou sua irmã no começo. Mas as coisas mudaram depois que Jesus chegou; ele achou que era uma boa ocasião para ensinar — e foi isso que fez! Jesus não era como os líderes religiosos daquela época. Ele respeitava as mulheres e não hesitava em lhes ensinar sobre o Reino de Deus, que era o tema do seu ministério. Maria ficou maravilhada com essa oportunidade. Ela se sentou aos pés dele e assimilou cada palavra.

7, 8. Por que Marta ficou cada vez mais tensa, e como ela por fim expressou isso?

7 Podemos até imaginar Marta ficando cada vez mais tensa. Com todos os pratos que tinha para preparar e tudo que precisava fazer pelos convidados, ela foi ficando mais ansiosa e desatenta. Ao passar para lá e para cá e ver sua irmã sentada sem fazer nada para ajudá-la, será que ficou um tanto irritada, talvez suspirando ou olhando com reprovação? Isso não seria de admirar. Afinal, ela não conseguiria fazer tudo sozinha.

 8 Por fim, Marta não pôde mais conter a frustração. Interrompeu Jesus e disse: “Senhor, não te importa que minha irmã me deixou sozinha para cuidar das coisas? Dize-lhe, portanto, que venha ajudar-me.” (Luc. 10:40) Essas foram palavras fortes. Ela pediu que Jesus corrigisse Maria e a mandasse voltar ao trabalho.

9, 10. (a) Qual foi a resposta de Jesus a Marta? (b) Como sabemos que Jesus não estava fazendo pouco caso do esforço de Marta?

9 Marta deve ter ficado surpresa com a resposta de Jesus, e muitos leitores da Bíblia também. Ele disse bondosamente: “Marta, Marta, estás ansiosa e perturbada com muitas coisas. Poucas coisas, porém, são necessárias, ou apenas uma. Maria, por sua parte, escolheu a boa porção, e esta não lhe será tirada.” (Luc. 10:41, 42) O que Jesus quis dizer com isso? Será que ele estava chamando Marta de materialista? Será que estava fazendo pouco caso do esforço dela de preparar uma boa refeição?

Apesar de estar “ansiosa e perturbada com muitas coisas”, Marta humildemente aceitou a correção

10 Não. Jesus não duvidava das boas intenções de Marta. Além disso, ele não achava que ser muito hospitaleiro fosse necessariamente errado. Ele tinha aceitado o convite para uma “grande festa de recepção” que Mateus tinha lhe oferecido. (Luc. 5:29) O problema não era a refeição, mas as prioridades de Marta. Ela estava tão preocupada em preparar algo requintado que deixou de dar atenção ao que era mais importante. O quê?

Jesus apreciava a hospitalidade de Marta e não duvidava das suas boas intenções

11, 12. Como Jesus gentilmente corrigiu Marta?

11 Jesus, o Filho unigênito de Jeová Deus, estava na casa de Marta para ensinar a verdade. Nada era mais importante do que isso, nem mesmo aquela refeição saborosa e todos os preparativos. Sem dúvida, Jesus ficou triste por Marta estar perdendo uma oportunidade única de aprofundar sua fé, mas deixou que ela fizesse a sua escolha. * Agora, pedir que Jesus forçasse Maria a também perder essa oportunidade era algo bem diferente.

12 Portanto, ele gentilmente corrigiu Marta, repetindo seu nome de modo bondoso para acalmá-la, e garantiu que não havia necessidade de ela ficar “ansiosa e perturbada com muitas  coisas”. Uma refeição simples de um ou dois pratos seria suficiente, em especial quando havia um banquete espiritual à disposição. Por isso, Jesus jamais tiraria “a boa porção” que Maria havia escolhido, ou seja, aprender de Jesus.

13. Que lições podemos aprender do modo como Jesus corrigiu Marta?

13 Esse breve episódio ensina valiosas lições para os seguidores de Cristo hoje. Não devemos permitir que nada nos impeça de satisfazer nossa “necessidade espiritual”. (Mat. 5:3) Queremos imitar o espírito generoso e diligente de Marta, mas nunca devemos ficar tão ‘ansiosos e perturbados’ com a parte menos essencial da hospitalidade a ponto de perder o que é mais importante. O motivo principal de nos associarmos com nossos irmãos  não é servir ou usufruir uma refeição muito elaborada, mas transmitir dons espirituais e ter um intercâmbio de encorajamento. (Leia Romanos 1:11, 12.) Essa associação pode ser edificante mesmo que a refeição seja bem simples.

Morte e ressurreição de um irmão querido

14. Por que podemos ter certeza de que Marta deu um bom exemplo em aceitar correção?

14 Será que Marta aceitou a correção branda de Jesus e aprendeu algo dela? A Bíblia dá a resposta. Ao introduzir um relato emocionante sobre o irmão de Marta, o apóstolo João disse: “Ora, Jesus amava a Marta, e a sua irmã, e a Lázaro.” (João 11:5) Já haviam se passado meses desde aquela visita de Jesus a Betânia. É óbvio que Marta não tinha ficado aborrecida nem estava ressentida com Jesus por causa de seu conselho amoroso. Ela o acatou de coração, dando um excelente exemplo de fé para nós. Afinal, quem não precisa de uma pequena correção de vez em quando?

15, 16. (a) O que Marta com certeza fez quando seu irmão ficou doente? (b) Por que as esperanças de Marta e Maria foram frustradas?

15 Quando seu irmão ficou doente, Marta com certeza cuidou dele com dedicação. Fez tudo o que pôde para aliviar sua dor e ajudá-lo a melhorar. Apesar disso, a saúde de Lázaro piorou. As horas foram passando e suas irmãs permaneceram ao seu lado, cuidando dele. Quantas vezes Marta deve ter olhado para o rosto abatido de seu irmão e se lembrado dos muitos anos de alegrias e tristezas que tinham passado juntos!

16 Quando parecia que não havia mais o que fazer por Lázaro, suas irmãs mandaram avisar Jesus. Ele estava pregando a uma distância de cerca de dois dias. A mensagem delas era simples: “Senhor, eis que aquele por quem tens afeição está doente.” (João 11:1, 3) Elas sabiam que Jesus amava Lázaro e tinham fé em que ele faria todo o possível para ajudar seu amigo. Será que esperavam que Jesus chegasse antes que fosse tarde demais? Se esse foi o caso, suas esperanças foram frustradas. Lázaro morreu.

17. O que deixou Marta intrigada, e qual foi a reação dela quando soube que Jesus estava chegando à cidade?

17 Marta e Maria choraram a morte do seu irmão, cuidaram dos detalhes do enterro e receberam muitas pessoas que vieram de Betânia e da região. Jesus ainda não tinha dado notícias. À medida que o tempo passava, Marta talvez tenha ficado cada vez mais intrigada com essa demora. Por fim, quatro dias depois da  morte de Lázaro, ela soube que Jesus estava chegando à cidade. Dinâmica como sempre, mesmo nessa hora difícil, Marta saiu sem avisar Maria e se apressou para encontrar Jesus. — Leia João 11:18-20.

18, 19. Qual era a esperança de Marta, e por que sua fé era notável?

18 Quando avistou seu Mestre, Marta expressou os sentimentos que por dias atormentavam tanto a ela quanto a Maria: “Senhor, se tivesses estado aqui, meu irmão não teria morrido.” Mas Marta não tinha perdido a esperança nem a fé. Ela acrescentou: “E, contudo, sei atualmente que quantas coisas pedires a Deus, Deus te dará.” Nesse momento, Jesus disse algo para fortalecer sua fé: “Teu irmão se levantará.” — João 11:21-23.

19 Marta achou que Jesus estava falando sobre a ressurreição no futuro, por isso disse: “Sei que ele se levantará na ressurreição, no último dia.” (João 11:24) Sua fé nesse ensinamento era  notável. Alguns líderes religiosos judeus, chamados saduceus, afirmavam que não haveria uma ressurreição, apesar de esse ser um ensinamento claro nas Escrituras inspiradas. (Dan. 12:13; Mar. 12:18) Mas Marta sabia que Jesus tinha ensinado sobre a esperança da ressurreição e até mesmo realizado algumas, embora não tivesse ressuscitado ninguém que estivesse morto havia tanto tempo. Ela não sabia o que estava para acontecer.

20. Explique o significado da memorável declaração de Jesus e da resposta de Marta, registradas em João 11:25-27.

20 A seguir, Jesus fez uma declaração memorável: “Eu sou a ressurreição e a vida.” De fato, Jeová deu ao seu Filho autoridade para ressuscitar pessoas em escala global no futuro. Jesus perguntou a Marta: ‘Acredita nisso?’ Então ela deu a resposta mencionada no início deste capítulo. Ela tinha fé em que Jesus era o Cristo, ou Messias, que ele era o Filho de Jeová Deus e que era aquele que os profetas tinham predito que viria ao mundo. — João 5:28, 29; leia João 11:25-27.

21, 22. (a) Como Jesus revelou seus sentimentos para com os que perdem alguém na morte? (b) Descreva a ressurreição de Lázaro.

21 Será que Jeová Deus e seu Filho, Jesus Cristo, valorizam o tipo de fé que Marta demonstrou? O que Marta viu a seguir não deixa nenhuma dúvida. Ela correu para avisar sua irmã. Depois, percebeu que Jesus estava muito emocionado ao falar com Maria e com as pessoas ali. Marta notou que os olhos dele se encheram de lágrimas enquanto expressava sua tristeza por causa da dor que a morte traz. Ela ouviu Jesus mandar que a pedra na entrada do túmulo de seu irmão fosse retirada. — João 11:28-39.

22 Prática como sempre, Marta questionou a ordem de Jesus, dizendo que o corpo já devia estar cheirando, por terem se passado quatro dias. Jesus lembrou a ela: “Não te disse eu que, se cresses, verias a glória de Deus?” Ela realmente acreditou, e viu a glória de Jeová Deus. Naquele mesmo instante, ele deu poder ao seu Filho para trazer Lázaro de volta à vida. Pense nos momentos que devem ter ficado gravados na mente de Marta pelo resto de sua vida: Jesus dando a ordem “Lázaro, vem para fora!”; o som abafado vindo da caverna enquanto Lázaro se levantava ainda enfaixado e caminhava lentamente para fora; Jesus dizendo “soltai-o e deixai-o ir”; e, sem dúvida, Marta e Maria correndo para dar um abraço emocionado em seu irmão. (Leia João 11:40-44.) A dor no coração de Marta desapareceu.

A fé que Marta tinha em Jesus foi recompensada quando ela e Maria viram seu irmão ser ressuscitado

23. O que Jeová e Jesus querem fazer por você, e o que você precisa fazer?

23 Esse relato mostra que a ressurreição dos mortos não é  mera fantasia; é um ensinamento bíblico animador e um fato historicamente comprovado. (Jó 14:14, 15) Jeová e seu Filho têm prazer em recompensar a fé de seus servos, como fizeram no caso de Marta, Maria e Lázaro. Eles também vão recompensá-lo se você desenvolver uma forte fé.

“Marta ministrava”

24. Qual é a última declaração que a Bíblia faz sobre Marta?

24 A Bíblia menciona Marta apenas mais uma vez. Era o início da última semana de Jesus na Terra. Ciente das dificuldades que o aguardavam, Jesus novamente decidiu ficar naquele lar tranquilo em Betânia. Dali, ele andaria os três quilômetros até Jerusalém. Jesus e Lázaro estavam tomando uma refeição na casa de Simão, o leproso, e é ali que ouvimos falar de Marta pela última vez. O relato diz: “Marta ministrava.” — João 12:2.

25. Por que as congregações hoje são abençoadas por ter mulheres como Marta?

25 Isso era bem típico dessa mulher trabalhadora. Na primeira vez que a Bíblia fala dela, ela está trabalhando; na última vez, ela também está trabalhando, fazendo o seu melhor para cuidar das necessidades das pessoas à sua volta. As congregações dos seguidores de Cristo hoje são abençoadas por terem em seu meio mulheres como Marta — determinadas e generosas, sempre colocando sua fé em ação por dar de si mesmas. Será que Marta continuou fazendo isso? É provável que sim. Nesse caso, ela agiu com sabedoria, pois ainda tinha de passar por outras dificuldades.

26. O que a fé de Marta a ajudou a fazer?

26 Poucos dias depois, Marta teve de enfrentar a terrível morte de seu amado Mestre, Jesus. Como se isso não bastasse, os mesmos assassinos hipócritas que o mataram estavam determinados a matar Lázaro também, visto que sua ressurreição estava fortalecendo a fé de muitos. (Leia João 12:9-11.) E naturalmente, com o tempo, a morte acabou rompendo os laços que uniam Marta a seus irmãos. Não sabemos como ou quando isso aconteceu, mas uma coisa é certa: a notável fé de Marta a ajudou a perseverar até o fim. É por isso que os cristãos hoje fazem bem em imitar a fé que ela demonstrou.

^ parágrafo 11 Na sociedade judaica do primeiro século, as mulheres geralmente não podiam participar de atividades acadêmicas. Elas aprendiam principalmente a realizar as tarefas de casa. Assim, Marta talvez achasse muito incomum uma mulher sentar-se aos pés de um erudito para aprender.