Pular para conteúdo

Pular para sumário

 CAPÍTULO SETE

Ele “continuava a crescer com Jeová”

Ele “continuava a crescer com Jeová”

1, 2. Qual era a situação quando Samuel se dirigiu ao povo de Israel, e por que ele precisava levá-los ao arrependimento?

SAMUEL olhava atentamente para o seu povo. A nação estava reunida na cidade de Gilgal, convocada por esse homem fiel que já servia como profeta e juiz por décadas. Era maio ou junho, segundo o calendário atual; a estação seca já tinha começado. Os campos de trigo da região estavam dourados, prontos para a colheita. A multidão estava em silêncio. Como Samuel tocaria o coração daquelas pessoas?

2 O povo não entendia a gravidade da situação. Eles haviam insistido em ter um rei humano para governá-los. Não percebiam que tinham mostrado grande desrespeito por seu Deus, Jeová, e pelo profeta dele. Na verdade, estavam rejeitando o próprio Jeová; eles não o queriam mais como Rei. O que Samuel poderia fazer para levá-los ao arrependimento?

A infância de Samuel pode nos ensinar muito sobre desenvolver fé em Jeová apesar de más influências

3, 4. (a) Por que Samuel falou sobre sua juventude? (b) Por que o exemplo de fé que Samuel deixou é útil para nós hoje?

3 Samuel disse à multidão: “Fiquei velho e grisalho.” Seus cabelos brancos davam mais peso às suas palavras. Ele continuou, dizendo: “Tenho andado diante de vós desde a minha mocidade até o dia de hoje.” (1 Sam. 11:14, 15; 12:2) Embora fosse idoso, Samuel não havia esquecido de sua juventude. Suas lembranças daqueles dias ainda estavam bem vivas em sua mente. As decisões que havia tomado quando era jovem resultaram numa vida de fé e devoção ao seu Deus, Jeová.

4 Samuel teve de fortalecer e manter sua fé apesar de muitas vezes estar cercado de pessoas sem fé e desleais. Hoje também é um desafio desenvolver essa qualidade, pois vivemos num mundo sem  fé e perverso. (Leia Lucas 18:8.) Vejamos o que podemos aprender de Samuel, começando por sua infância.

“Como rapazinho, ministrava perante Jeová”

5, 6. Em que sentido Samuel teve uma infância incomum, mas por que seus pais tinham certeza de que ele seria bem cuidado?

5 Samuel teve uma infância incomum. Pouco depois de ser desmamado, talvez quando tinha 3 anos ou um pouco mais, ele começou uma vida de serviço no tabernáculo sagrado de Jeová, que ficava em Silo, a mais de 30 quilômetros de sua casa, em Ramá. Seus pais, Ana e Elcana, dedicaram seu filho a Jeová para servir de uma forma especial: ser nazireu a vida inteira. * Será que os pais de Samuel não o amavam e o estavam abandonando?

6 De forma alguma! Eles sabiam que seu filho seria bem cuidado em Silo. E o Sumo Sacerdote Eli sem dúvida cuidou desse assunto, pois Samuel trabalhava diretamente com ele. Também havia várias mulheres que prestavam serviços relacionados ao tabernáculo, pelo visto de maneira organizada. — Êxo. 38:8; Juí. 11:34-40.

7, 8. (a) Como os pais de Samuel lhe davam encorajamento ano após ano? (b) O que os pais podem aprender de Ana e Elcana?

7 Além disso, Ana e Elcana nunca se esqueceram de seu primeiro filho, que tanto amavam; afinal, seu nascimento tinha sido a resposta a uma oração. Ana havia pedido um filho a Deus, prometendo dedicá-lo a Ele para prestar-lhe serviço sagrado a vida inteira. Todo ano, quando ia visitar Samuel, Ana levava uma túnica sem mangas, que ela mesma fazia, para ele usar em seu serviço no tabernáculo. O menino com certeza gostava muito dessas visitas. Sem dúvida, o bom progresso de Samuel se devia ao encorajamento e à orientação que seus pais lhe davam, lembrando-lhe sempre do privilégio que era servir a Jeová naquele lugar incomparável.

8 Os pais hoje podem aprender muito de Ana e Elcana. Ao criar os filhos, é comum os pais só se preocuparem com coisas materiais, deixando de lado as necessidades espirituais. Mas os pais de Samuel colocaram os assuntos espirituais em primeiro lugar, e isso teve grande influência no tipo de homem que seu filho se tornou. — Leia Provérbios 22:6.

9, 10. (a) Descreva o tabernáculo e os sentimentos do jovem Samuel a respeito daquele lugar sagrado. (Veja também a nota.) (b) O que talvez estivesse incluído nas responsabilidades de Samuel, e como você acha que os jovens hoje podem imitar o exemplo dele?

9 Podemos imaginar aquele menino explorando as colinas em  volta de Silo ao passo que crescia. Lá de cima, quando olhava para a cidade e o vale atrás dela, seu coração provavelmente se enchia de alegria e orgulho ao ver o tabernáculo de Jeová. Aquele tabernáculo era de fato sagrado. * Construído quase 400 anos antes sob a orientação do próprio Moisés, era o único centro da adoração pura de Jeová em todo o mundo.

10 O jovem Samuel amava o tabernáculo. No relato que ele escreveu mais tarde, lemos: “Samuel, como rapazinho, ministrava perante Jeová, estando cingido dum éfode de linho.” (1 Sam. 2:18) Pelo visto, essa vestimenta simples, sem mangas, indicava que Samuel auxiliava os sacerdotes no tabernáculo. Embora não fosse da classe sacerdotal, ele tinha tarefas que incluíam abrir de manhã as portas do tabernáculo que davam para o pátio e ajudar o idoso Eli. No entanto, por mais que ele prezasse seus privilégios, com o tempo seu coração inocente ficou aflito. Algo muito errado estava acontecendo na casa de Jeová.

Permaneceu puro apesar da perversão à sua volta

11, 12. (a) Que falha grave Hofni e Fineias tinham? (b) Que tipo de maldade e perversão Hofni e Fineias praticavam no tabernáculo? (Veja também a nota.)

11 Ainda bem jovem, Samuel viu muita maldade e perversão. Eli tinha dois filhos: Hofni e Fineias. O relato de Samuel diz: “Os filhos de Eli eram homens imprestáveis; não reconheciam a Jeová.” (1 Sam. 2:12) As duas ideias estão relacionadas. Hofni e Fineias eram “homens imprestáveis” — literalmente “filhos de inutilidade” — porque não tinham respeito por Jeová. Eles desprezavam os padrões e os requisitos justos dele. Isso os levou a cometer outros pecados.

12 A Lei de Deus era específica quanto aos deveres dos sacerdotes e à forma em que deviam oferecer sacrifícios no tabernáculo. E não era para menos! Aqueles sacrifícios representavam as provisões de Deus para o perdão de pecados, para que as pessoas se tornassem limpas aos seus olhos, merecendo sua  bênção e orientação. Mas Hofni e Fineias influenciavam os outros sacerdotes a tratar as ofertas com grande desrespeito. *

13, 14. (a) Como pessoas sinceras estavam sendo afetadas pela perversidade no tabernáculo? (b) De que modo Eli falhou como sumo sacerdote e como pai?

13 Imagine o jovem Samuel observando, espantado, esses graves abusos acontecerem sem ninguém fazer nada. Quantas pessoas pobres, humildes ou oprimidas ele viu se aproximar do tabernáculo sagrado na esperança de obter consolo e força em sentido espiritual, mas que saíram desapontadas, magoadas ou humilhadas? E como ele se sentiu quando soube que Hofni e Fineias também desrespeitavam as leis de moral de Jeová por terem relações sexuais com algumas das mulheres que serviam no tabernáculo? (1 Sam. 2:22) Talvez ele esperasse que Eli fizesse algo a respeito.

Samuel deve ter ficado muito aflito ao ver a maldade dos filhos de Eli

14 Eli era a pessoa mais indicada para resolver esse problema que aumentava a cada dia. Como sumo sacerdote, ele era responsável por tudo que acontecia no tabernáculo. Como pai, ele tinha a obrigação de corrigir seus filhos. Afinal, eles estavam prejudicando a si mesmos e a muitas outras pessoas no país. No entanto, Eli falhou como sumo sacerdote e como pai. Ele deu aos filhos apenas uma repreensão branda. (Leia 1 Samuel 2:23-25.) Mas eles precisavam de uma disciplina bem mais severa. Estavam cometendo pecados passíveis de morte!

15. Que forte mensagem Jeová enviou a Eli, e como sua família reagiu a esse aviso?

15 A situação ficou tão grave que Jeová enviou a Eli “um homem de Deus”, um profeta cujo nome não é mencionado, com uma forte mensagem de julgamento. Jeová disse a Eli: “Tu persistes em honrar mais a teus filhos do que a mim.” Por isso, Deus predisse que os filhos perversos de Eli morreriam no mesmo dia e que a família de Eli sofreria muito, perdendo até mesmo sua posição privilegiada como membros da classe sacerdotal. Será que essa família mudou de atitude em vista desse forte aviso? O registro bíblico mostra que não houve nenhuma mudança. — 1 Sam. 2:27–3:1.

16. (a) O que o relato diz sobre o progresso do jovem Samuel? (b) Você acha essas declarações animadoras? Explique.

16 Como toda essa perversão afetou o jovem Samuel? De vez em  quando, no meio desse relato sombrio, encontramos raios de luz, boas notícias sobre o crescimento e o progresso de Samuel. Lembre-se que 1 Samuel 2:18 diz que ele, “como rapazinho, ministrava perante Jeová” de modo fiel. Mesmo bem jovem, ele centralizava sua vida no serviço a Deus. No versículo 21 do mesmo capítulo, lemos algo ainda mais animador: “O rapaz Samuel continuava a crescer com Jeová.” Ao passo que crescia, seu vínculo com seu Pai celestial ficava cada vez mais forte. Essa relação achegada com Jeová é a melhor proteção contra qualquer forma de perversão.

17, 18. (a) Como os jovens cristãos podem imitar o exemplo de Samuel ao se deparar com perversidades? (b) O que mostra que Samuel escolheu o melhor modo de agir?

17 Teria sido fácil para Samuel pensar que, se o sumo sacerdote e seus filhos podiam cometer pecados, ele também podia fazer o que quisesse. Mas a perversão de outros, incluindo daqueles que estão em posição de autoridade, nunca deve ser uma desculpa para o pecado. Hoje, muitos jovens cristãos seguem o exemplo de Samuel e continuam ‘crescendo com Jeová’ por ter uma relação achegada com ele, mesmo quando alguns à sua volta não dão bom exemplo.

18 Que benefícios esse modo de agir trouxe para Samuel? Lemos: “Enquanto isso, o rapaz Samuel ficava cada vez mais crescido e mais benquisto, tanto do ponto de vista de Jeová como do dos homens.” (1 Sam. 2:26) Assim, Samuel era amado, pelo menos por aqueles cuja opinião era importante para ele. O próprio Jeová estimava esse jovem por sua fidelidade. E Samuel certamente sabia que seu Deus acabaria com toda a maldade que ocorria em Silo. Mas talvez ele se  perguntasse quando isso aconteceria. Certa noite, ele obteve a resposta.

“Fala, pois o teu servo está escutando”

19, 20. (a) Descreva o que aconteceu com Samuel certa noite no tabernáculo. (b) Como Samuel tratou Eli, e como ficou sabendo quem era a fonte da mensagem?

19 Já era quase manhã, mas ainda estava escuro; a luz trêmula da lâmpada da tenda continuava acesa. Em meio ao silêncio, Samuel ouviu uma voz chamar seu nome. Ele pensou que fosse Eli, que já era bem idoso e quase cego. Samuel levantou-se e “foi correndo” falar com ele. Consegue visualizar o menino correndo descalço para ver o que Eli queria? É tocante ver que Samuel tratou Eli com respeito e bondade. Apesar de todos os pecados de Eli, ele ainda era o sumo sacerdote de Jeová. — 1 Sam. 3:2-5.

20 Samuel acordou Eli, dizendo: “Eis-me aqui, pois me chamaste.” Mas Eli disse que não tinha chamado Samuel e mandou que ele voltasse para a cama. A mesma coisa aconteceu mais duas vezes. Por fim, Eli percebeu o que estava acontecendo. Já por algum tempo, Jeová raramente enviava visões ou mensagens proféticas ao seu povo, e é fácil entender por quê. Mas Eli sabia que Jeová estava falando de novo — agora a esse menino! Eli mandou Samuel voltar para a cama e lhe explicou como deveria responder a Jeová. Samuel obedeceu. Logo ouviu a voz chamar: “Samuel, Samuel!”. O menino respondeu: “Fala, pois o teu servo está escutando.” — 1 Sam. 3:1, 5-10.

21. Como podemos ouvir a Jeová hoje, e por que vale a pena fazer isso?

21 Finalmente, Jeová tinha um servo em Silo que o escutava. E Samuel continuou a fazer isso a vida inteira. E você, também age assim? Não precisamos esperar uma voz sobrenatural falar conosco. Em certo sentido, sempre podemos ouvir a voz de Deus. Ela está em sua Palavra, a Bíblia. Quanto mais escutamos a Deus e lhe obedecemos, mais a nossa fé aumenta. E foi isso o que aconteceu com Samuel.

Embora sentisse medo, Samuel transmitiu fielmente a Eli a mensagem de julgamento de Jeová

22, 23. (a) Como se cumpriu a mensagem que Samuel inicialmente ficou com medo de transmitir? (b) Por que a reputação de Samuel continuava a melhorar?

22 Aquela noite em Silo foi um marco na vida de Samuel, porque a partir de então ele passou a conhecer a Jeová de uma forma especial, tornando-se profeta e porta-voz dele. No início, o menino ficou com medo de transmitir a mensagem de Jeová a Eli, pois era uma declaração final de que a profecia contra aquela família logo se cumpriria. Mas Samuel reuniu coragem, e Eli humildemente aceitou a sentença divina. Pouco tempo depois, tudo o que Jeová havia dito se cumpriu: Israel entrou em guerra contra os filisteus, Hofni e Fineias foram mortos no mesmo dia e o próprio Eli morreu ao saber  que a Arca sagrada de Jeová tinha sido capturada. — 1 Sam. 3:10-18; 4:1-18.

23 No entanto, a reputação de Samuel como profeta fiel melhorava cada vez mais. O relato diz que ‘o próprio Jeová mostrava estar com ele’ e que Jeová cumpria todas as profecias de Samuel. — Leia 1 Samuel 3:19.

“Samuel clamou a Jeová”

24. Com o tempo, que decisão os israelitas tomaram, e por que isso era um pecado grave?

24 Será que os israelitas seguiram a liderança de Samuel e se tornaram pessoas fiéis, que davam valor à espiritualidade? Não. Com o tempo, eles decidiram que não queriam mais que um simples profeta os liderasse. Queriam ser como as outras nações e ter um rei humano para governá-los. Sob a orientação de Jeová, Samuel atendeu ao pedido deles. Mas ele tinha de mostrar a Israel a seriedade de seu pecado. Eles estavam rejeitando, não um simples homem, mas o próprio Jeová! Por isso, Samuel convocou o povo a Gilgal.

Samuel orou com fé, e Jeová respondeu enviando uma tempestade

25, 26. Em Gilgal, como o idoso Samuel finalmente ajudou o povo a ver a gravidade de seu pecado contra Jeová?

25 Vamos voltar àquele momento tenso em que Samuel estava falando a Israel em Gilgal. Ali, o idoso Samuel lembrou os israelitas de como ele tinha sido fiel e íntegro a Jeová. Em seguida, “Samuel clamou a Jeová”, pedindo que ele enviasse uma tempestade. — 1 Sam. 12:17, 18.

26 Uma tempestade? Na estação seca? Ninguém nunca tinha ouvido falar de uma coisa dessas! Se havia entre o povo algum sinal de zombaria ou dúvida, foi por pouco tempo. De repente, o céu escureceu. O vento castigava o trigo nos campos. Ouviram-se trovões estrondosos, ensurdecedores. E a chuva caiu. Qual foi a reação deles? “O povo ficou com muito temor de Jeová e de Samuel.” Eles finalmente viram a gravidade de seu pecado. — 1 Sam. 12:18, 19.

27. Como Jeová encara os que imitam a fé de Samuel?

27 Jeová, o Deus de Samuel, havia tocado o coração daquele povo rebelde. Samuel exerceu fé em seu Deus desde a juventude até a velhice, e este o recompensou. Jeová não mudou; ele ainda apoia quem tem fé como a de Samuel.

^ parágrafo 5 Os nazireus estavam sob um voto que incluía a proibição de tomar bebidas alcoólicas e de cortar o cabelo e a barba. A maioria deles fazia esse tipo de voto por apenas um período limitado, mas alguns, como Sansão, Samuel e João Batista, foram nazireus a vida inteira.

^ parágrafo 9 O tabernáculo era retangular, basicamente uma grande tenda montada sobre uma estrutura de madeira. No entanto, os materiais usados nele eram os melhores: pele de foca, tecidos com belos bordados e madeiras caras revestidas de prata e ouro. O tabernáculo ficava num pátio retangular que incluía um majestoso altar para sacrifícios. Pelo visto, com o tempo, outras câmaras foram montadas nas laterais do tabernáculo para uso dos sacerdotes. Samuel provavelmente dormia numa delas.

^ parágrafo 12 O relato contém dois exemplos desse desrespeito. Primeiro, a Lei especificava quais partes da oferta deviam ser consumidas pelos sacerdotes. (Deut. 18:3) Mas, no tabernáculo, os sacerdotes perversos haviam estabelecido uma prática bem diferente; eles mandavam os ajudantes simplesmente enfiar um grande garfo no caldeirão onde a carne estava cozinhando e pegar qualquer pedaço. Segundo, quando as pessoas traziam seus sacrifícios para serem queimados no altar, aqueles sacerdotes mandavam um ajudante ameaçar o ofertante, exigindo a carne crua antes mesmo que a gordura do sacrifício fosse oferecida a Jeová. — Lev. 3:3-5; 1 Sam. 2:13-17.