Pular para conteúdo

Pular para sumário

 CAPÍTULO 27

Um convite para Mateus

Um convite para Mateus

MATEUS 9:9-13 MARCOS 2:13-17 LUCAS 5:27-32

  • JESUS CONVIDA MATEUS, O COBRADOR DE IMPOSTOS

  • CRISTO PROCURA A COMPANHIA DE PECADORES PARA AJUDÁ-LOS

Jesus continua na região de Cafarnaum, perto do mar da Galileia, e faz pouco tempo que ele curou o paralítico. Mais uma vez, multidões vão até Jesus, e ele as ensina. Enquanto está andando, ele vê Mateus, também chamado Levi, sentado na coletoria. Jesus lhe faz um convite especial: “Seja meu seguidor.” — Mateus 9:9.

É bem provável que Mateus, assim como Pedro, André, Tiago e João, já conheça alguns ensinamentos de Jesus e as obras que ele realizou na região. Mateus também o segue sem demora. Ele descreve isso no seu Evangelho: ‘Então ele [ou seja, Mateus] se levanta e segue’ a Jesus. (Mateus 9:9) Assim, Mateus deixa suas responsabilidades como cobrador de impostos e se torna discípulo de Jesus.

Algum tempo depois, talvez para agradecer o convite especial de Jesus, Mateus dá um banquete na sua casa. Além de Jesus e seus discípulos, ele também convida seus anteriores colegas, cobradores de impostos. Eles recolhem impostos para as autoridades romanas, que são odiadas pelo povo. Esses incluem taxas cobradas dos barcos que atracam no cais, taxas para caravanas de comerciantes que passam pelas principais estradas e taxas para itens importados. Como a maioria dos judeus encara esses cobradores de impostos? Eles os desprezam, pois costumam ser desonestos, cobrando impostos maiores do que o valor exigido. No banquete também há pecadores, pessoas conhecidas por praticar o que é errado. — Lucas 7:37-39.

Quando veem Jesus com essas pessoas no banquete, os orgulhosos fariseus perguntam aos seus discípulos: “Por que o seu instrutor come com cobradores de impostos e pecadores?” (Mateus 9:11) Ao escutar o que eles dizem, Jesus responde: “As pessoas saudáveis não precisam de médico, mas sim os doentes. Portanto, vão e aprendam o que significa: ‘Quero misericórdia, e não sacrifício.’ Pois eu não vim chamar os justos, mas os pecadores.” (Mateus 9:12, 13; Oseias 6:6) Os fariseus não são sinceros ao chamar Jesus de “instrutor”, mas mesmo assim podem aprender o que é certo com Jesus.

Tudo indica que Mateus convida cobradores de impostos e pecadores para o banquete para que possam ouvir Jesus e ser curados em sentido espiritual, ‘pois muitos deles o seguem’. (Marcos 2:15) Jesus quer ajudá-los para que tenham um bom relacionamento com Deus. Diferentemente dos orgulhosos fariseus, Jesus não os despreza. Ele tem compaixão e é misericordioso; é capaz de ajudar todos os que estão doentes em sentido espiritual.

Jesus mostra misericórdia aos cobradores de impostos e pecadores. Embora não tolere seus pecados, demonstra compaixão por eles assim como demonstrou pelos doentes em sentido literal. Lembre-se, por exemplo, de quando ele mostrou compaixão ao tocar no leproso e disse: “Eu quero! Seja purificado.” (Mateus 8:3) Não devemos cultivar a mesma atitude de Jesus por ser misericordiosos com os necessitados, prestando-lhes ajuda especialmente em sentido espiritual?