Pular para conteúdo

Pular para sumário

 CAPÍTULO 15

“Fortalecendo as congregações”

“Fortalecendo as congregações”

Ministros viajantes ajudam as congregações a serem firmadas na fé

Baseado em Atos 15:36–16:5

1-3. (a) Quem era o novo companheiro de viagem de Paulo, e como ele era? (b) O que aprenderemos neste capítulo?

À MEDIDA que os viajantes seguem caminho através de estradas acidentadas entre uma cidade e outra, o apóstolo Paulo está pensativo ao olhar para o jovem ao seu lado. O nome do rapaz é Timóteo. Cheio de energia, Timóteo talvez tenha uns 20 anos. Cada passo nessa nova viagem o leva para mais longe de casa. Conforme o dia vai chegando ao fim, a região de Listra e Icônio fica cada vez mais para trás. O que os aguarda? Paulo tem uma boa noção, pois essa é a sua segunda viagem missionária. Ele sabe que haverá muitos perigos e dificuldades. Mas como esse jovem ao seu lado vai se sair?

2 Paulo confia em Timóteo, talvez mais do que este humilde jovem confie em si mesmo. Acontecimentos recentes deixaram Paulo mais convencido do que nunca de que ele precisa do companheiro certo de viagem. Paulo sabe que o trabalho à frente — visitar as congregações e fortalecê-las — exigirá que os ministros viajantes sejam unidos e bem determinados. Por que Paulo talvez se sinta assim? Um dos fatores pode ser um desacordo que levou Paulo e Barnabé a se separarem.

3 Neste capítulo, aprenderemos muito sobre a melhor maneira de resolver desacordos. Também vamos aprender por que Paulo escolheu Timóteo como companheiro de viagem e entender melhor o papel vital dos que servem como superintendentes viajantes hoje.

“Voltemos e visitemos os irmãos” (Atos 15:36)

4. Quais eram os objetivos da segunda viagem missionária de Paulo?

4 No capítulo anterior, vimos como um grupo de quatro irmãos — Paulo, Barnabé, Judas e Silas — encorajou a congregação em Antioquia com a decisão do corpo governante a respeito da circuncisão. O que Paulo fez a seguir? Ele apresentou a Barnabé um novo plano de viagem, dizendo: “Acima de tudo, voltemos e visitemos os irmãos em cada uma das cidades em que publicamos a palavra de Jeová, para ver como estão.”  (Atos 15:36) Paulo não estava sugerindo uma mera visita social a esses cristãos recém-convertidos. O livro de Atos revela os verdadeiros objetivos da segunda viagem missionária de Paulo. Primeiro, ele continuaria a transmitir as decisões tomadas pelo corpo governante. (Atos 16:4) Segundo, como superintendente viajante, Paulo estava decidido a encorajar as congregações em sentido espiritual, ajudando-as a serem firmadas na fé. (Rom. 1:11, 12) Como a organização das Testemunhas de Jeová hoje segue esse modelo estabelecido pelos apóstolos?

5. Como o Corpo Governante hoje dá orientação e encorajamento às congregações?

5 Hoje, Cristo usa o Corpo Governante das Testemunhas de Jeová para orientar sua congregação. Por meio de cartas, publicações, reuniões e outros meios de comunicação, esses fiéis homens ungidos dão orientação e encorajamento às congregações no mundo inteiro. O Corpo Governante também procura manter contato mais direto com as congregações por meio dos superintendentes viajantes. O próprio Corpo Governante designa milhares de anciãos qualificados em todo o mundo para servirem como ministros viajantes.

6, 7. Quais são algumas responsabilidades dos superintendentes viajantes?

6 Os superintendentes viajantes atuais concentram-se em dar atenção individual e encorajamento espiritual a todos os irmãos nas congregações que visitam. Como? Por seguirem o modelo estabelecido por cristãos do primeiro século como Paulo. Ele deu o seguinte incentivo a outro superintendente como ele: “Prega a palavra, ocupa-te nisso urgentemente, em época favorável, em época dificultosa, repreende, adverte, exorta, com toda a longanimidade e arte de ensino. . . . Faze a obra dum evangelizador.” — 2 Tim. 4:2, 5.

7 Em harmonia com essas palavras, o superintendente viajante — e sua esposa, se for casado — participa com os publicadores locais em diversos aspectos do ministério. Esses irmãos e irmãs viajantes são zelosos na pregação e habilidosos instrutores, características que têm um efeito positivo sobre o rebanho. (Rom. 12:11; 2 Tim. 2:15) Os que participam nessa modalidade de serviço se destacam por seu amor abnegado. De bom grado, dão de si mesmos, enfrentando condições climáticas desfavoráveis e até mesmo viajando por regiões perigosas. (Fil. 2:3, 4) Os superintendentes viajantes também encorajam, ensinam e aconselham as congregações por meio de discursos baseados na Bíblia. Todos os irmãos na congregação são beneficiados por observar a conduta desses ministros viajantes e imitar sua fé. — Heb. 13:7.

“Um forte acesso de ira” (Atos 15:37-41)

8. Como Barnabé reagiu ao convite de Paulo?

8 Barnabé gostou da sugestão de Paulo de ‘visitar os irmãos’. Os dois haviam feito um bom trabalho como companheiros de viagem e  já conheciam as regiões e os povos que visitariam. (Atos 13:2–14:28) Portanto, parecia uma boa ideia servir juntos nessa designação. Mas surgiu um problema. Atos 15:37 relata: “Barnabé, da sua parte, estava resolvido a levar consigo também João, que se chamava Marcos.” Barnabé não estava apenas dando uma sugestão. Ele “estava resolvido” a levar seu primo Marcos nessa viagem missionária.

9. Por que Paulo discordou de Barnabé?

9 Paulo não concordou. Por quê? O relato diz: “Paulo não achava correto que levassem [Marcos], visto que se tinha afastado deles desde Panfília e não tinha ido com eles à obra.” (Atos 15:38) Marcos havia acompanhado Paulo e Barnabé na primeira viagem missionária, mas não ficou com eles até o fim. (Atos 12:25; 13:13) No começo da viagem, ainda na Panfília, Marcos deixou a designação e foi para casa, em Jerusalém. A Bíblia não diz por que ele foi embora, mas, pelo visto, o apóstolo Paulo encarou a atitude de Marcos como irresponsável. Paulo talvez tivesse dúvidas quanto a se Marcos era um homem de confiança.

10. A que levou o desacordo entre Paulo e Barnabé, e com que resultado?

10 Mesmo assim, Barnabé insistia em levar Marcos. Mas Paulo era tão insistente quanto ele em não querer fazer isso. “Em vista disso, houve um forte acesso de ira, de modo que se separaram um do outro”, diz Atos 15:39. Barnabé navegou para Chipre, a ilha onde havia nascido, levando Marcos junto com ele. Paulo deu continuidade a seus planos. Lemos: “Paulo selecionou Silas e partiu, depois de ter sido confiado pelos irmãos à benignidade imerecida de Jeová.” (Atos 15:40) Juntos, eles viajaram “pela Síria e pela Cilícia, fortalecendo as congregações”. — Atos 15:41.

11. Que qualidades são essenciais para evitarmos que um desacordo abale permanentemente a relação entre nós e alguém que nos ofendeu?

11 Esse relato talvez nos lembre de nossa natureza imperfeita. Paulo e Barnabé haviam sido designados como representantes especiais do corpo governante, e é provável que o próprio Paulo se tenha tornado membro desse grupo. Mas, no caso envolvendo Marcos, as imperfeições humanas de Paulo e Barnabé falaram mais alto. Será que eles permitiram que essa situação abalasse permanentemente o relacionamento entre eles? Embora fossem imperfeitos, Paulo e Barnabé eram humildes, tendo a mente de Cristo. Com o tempo, eles sem dúvida perdoaram um ao outro, demonstrando um espírito cristão de amor fraternal. (Efé. 4:1-3) Mais tarde, Paulo e Marcos trabalharam juntos em outras designações teocráticas. * — Col. 4:10.

12. Que qualidades os atuais superintendentes cristãos devem ter em imitação a Paulo e Barnabé?

12 Esse acesso de ira foi um incidente isolado; não era da natureza de  Paulo e Barnabé agir assim. Barnabé era conhecido por ser um homem bondoso e generoso, tanto que, em vez de chamá-lo de José, seu nome próprio, os apóstolos deram-lhe o nome Barnabé, que significa “Filho de Consolo”. Paulo também era conhecido por ser amoroso e gentil. (1 Tes. 2:7, 8) Em imitação a Paulo e Barnabé, todos os superintendentes cristãos hoje, incluindo os ministros viajantes, sempre devem esforçar-se para demonstrar humildade e para tratar com amor outros anciãos e todo o rebanho. — 1 Ped. 5:2, 3.

“Davam dele bom relato” (Atos 16:1-3)

13, 14. (a) Quem era Timóteo, e como Paulo talvez o tenha conhecido? (b) O que levou Paulo a ver que Timóteo tinha bom potencial? (c) Que designação Timóteo recebeu?

13 Em sua segunda viagem missionária, Paulo passou pela província romana da Galácia, onde algumas congregações já haviam sido formadas. Por fim, ele “chegou . . . a Derbe e também a Listra”. O relato continua: “Havia ali um certo discípulo de nome Timóteo, filho duma mulher judia crente, mas de pai grego.” — Atos 16:1. *

14 Pelo visto, Paulo havia conhecido a família de Timóteo durante sua primeira viagem àquela região, por volta de 47 EC. Passados dois ou três anos desde aquela ocasião, na sua segunda visita, Paulo percebeu que o jovem Timóteo tinha bom potencial, pois os irmãos “davam dele bom relato”. Não era apenas em Listra, sua cidade natal, que os irmãos tinham um bom conceito de Timóteo. O relato explica que também em Icônio, a uns 30 quilômetros, os irmãos diziam boas coisas a respeito dele. (Atos 16:2) Guiados pelo espírito santo, os anciãos deram a Timóteo uma séria responsabilidade: servir como ministro viajante, ajudando Paulo e Silas. — Atos 16:3.

15, 16. Como Timóteo conseguiu fazer um nome tão bom para si mesmo?

15 Como Timóteo conseguiu fazer um nome tão bom para si apesar de ser bem jovem? Será que foi por causa de sua inteligência, sua aparência ou suas habilidades naturais? Em geral, são essas coisas que impressionam as pessoas. Até mesmo o profeta Samuel se deixou influenciar demais pelas aparências em certa ocasião. Mas Jeová lembrou-lhe: “Não como o homem vê é o modo de Deus ver, pois o mero homem vê o que aparece aos olhos, mas quanto a Jeová, ele vê o que o coração é.” (1 Sam. 16:7) Não foram as características físicas ou intelectuais de Timóteo que fizeram com que ele tivesse um bom nome entre seus irmãos, mas sim o que ele era no coração.

16 Anos mais tarde, o apóstolo Paulo mencionou algumas qualidades  espirituais de Timóteo. Paulo descreveu a boa disposição de Timóteo, seu amor abnegado e seu zelo ao cuidar de designações teocráticas. (Fil. 2:20-22) Timóteo também era conhecido por ter fé “sem qualquer hipocrisia”. — 2 Tim. 1:5.

17. Como os jovens podem imitar a Timóteo?

17 Hoje, muitos jovens imitam a Timóteo por cultivar qualidades que agradam a Deus. Assim, fazem um bom nome perante Jeová e seu povo apesar de sua pouca idade. (Pro. 22:1; 1 Tim. 4:15) Eles demonstram fé sem hipocrisia, recusando-se a levar uma vida dupla. (Sal. 26:4) Em resultado disso, podem ser bem úteis na congregação, assim como Timóteo. Quando eles se qualificam como publicadores das boas novas e, com o tempo, dedicam-se a Jeová e são batizados, todos os seus amigos e parentes que amam a Jeová se sentem muito encorajados!

“Firmadas na fé” (Atos 16:4, 5)

18. (a) Que privilégios Paulo e Timóteo tiveram como ministros viajantes? (b) Como as congregações foram abençoadas?

18 Paulo e Timóteo trabalharam juntos por anos. Como ministros viajantes, eles cumpriram muitas designações representando o corpo governante. A Bíblia diz: “Enquanto viajavam através das cidades, entregavam aos que estavam ali, para a sua observância, os decretos decididos pelos apóstolos e anciãos, que estavam em Jerusalém.” (Atos 16:4) Pelo visto, as congregações realmente seguiam as orientações dos apóstolos e anciãos de Jerusalém. Por serem obedientes, ‘as congregações continuavam a ser firmadas na fé e a aumentar em número, dia a dia’. — Atos 16:5.

19, 20. Por que os cristãos devem ser obedientes aos que “tomam a dianteira”?

19 De modo similar, hoje as Testemunhas de Jeová são abençoadas por serem submissas e obedientes às orientações que recebem dos que “tomam a dianteira” entre elas. (Heb. 13:17) Visto que a cena do mundo está sempre mudando, é vital que os cristãos se mantenham em dia com o alimento espiritual fornecido pelo “escravo fiel e discreto”. (Mat. 24:45; 1 Cor. 7:29-31) Fazermos isso pode evitar a ruína espiritual e nos ajudar a permanecer sem mancha do mundo. — Tia. 1:27.

20 É verdade que os superintendentes cristãos atuais, incluindo os membros do Corpo Governante, são imperfeitos, assim como eram Paulo, Barnabé, Marcos e outros anciãos ungidos do primeiro século. (Rom. 5:12; Tia. 3:2) Mas, visto que os irmãos do Corpo Governante seguem de perto a Palavra de Deus e se apegam ao padrão estabelecido pelos apóstolos, eles são dignos de confiança. (2 Tim. 1:13, 14) Em resultado disso, as congregações são fortalecidas e firmadas na fé.