Pular para conteúdo

Pular para sumário

 CAPÍTULO 7

Filipe declara “as boas novas a respeito de Jesus”

Filipe declara “as boas novas a respeito de Jesus”

Filipe dá exemplo como evangelizador

Baseado em Atos 8:4-40

1, 2. Como os esforços para silenciar as boas novas tiveram efeito contrário no primeiro século?

COMEÇA uma onda de violenta perseguição e Saulo passa a tratar a congregação “de modo ultrajante” — uma expressão que no idioma original denota brutalidade. (Atos 8:3) Os discípulos fogem e, para algumas pessoas, pode parecer que Saulo será bem-sucedido em acabar com o cristianismo. Mas espalhar os cristãos resulta em algo inesperado. Como assim?

2 Os que são espalhados começam a ‘declarar as boas novas da palavra’ nos lugares para onde fogem. (Atos 8:4) Imagine só! A perseguição não apenas falhou em silenciar as boas novas, mas acabou contribuindo para a divulgação da mensagem. Embora não fosse sua intenção, ao espalharem os discípulos, os perseguidores possibilitaram que a pregação do Reino alcançasse territórios bem distantes. Como veremos, algo parecido tem acontecido em nossos dias.

“Os que tinham sido espalhados” (Atos 8:4-8)

3. (a) Quem era Filipe? (b) Por que a maioria das pessoas em Samaria ainda não tinha ouvido as boas novas? (c) O que Jesus havia predito que aconteceria com aquele território?

3 Um dos “que tinham sido espalhados” foi Filipe. * (Atos 8:4; veja o quadro  “Filipe — ‘o evangelizador’”, na página 53.) Ele foi para Samaria. A maioria das pessoas nessa cidade ainda não tinha ouvido as boas novas, pois certa vez Jesus havia instruído seus apóstolos: “Não entreis em cidade samaritana; mas, ide antes continuamente às ovelhas perdidas da casa de Israel.” (Mat. 10:5, 6) No entanto, Jesus sabia que, no tempo devido, Samaria receberia testemunho cabal, pois, antes de ascender ao céu, ele disse: “Sereis testemunhas de mim tanto em Jerusalém como em toda a Judeia e Samaria, e até à parte mais distante da terra.” — Atos 1:8.

4. Como os samaritanos reagiram à mensagem de Filipe, e que fator talvez tenha contribuído para isso?

 4 Filipe viu que o campo em Samaria estava ‘branco para a colheita’. (João 4:35) Sua mensagem era como uma sombra no deserto para os que moravam ali, e não é difícil entender por quê. Os judeus evitavam os samaritanos; muitos até os tratavam com desprezo. Em contraste com isso, os samaritanos descobriram que a mensagem das boas novas não fazia distinção de pessoas, sendo muito diferente da mentalidade fechada dos fariseus. Por dar testemunho com zelo e imparcialidade em Samaria, Filipe mostrou que não era influenciado pelo preconceito dos que desprezavam os samaritanos. Não é de surpreender, então, que multidões de samaritanos tenham ouvido Filipe “de comum acordo”. — Atos 8:6.

5-7. Dê exemplos de como o fato de os cristãos serem forçados a se mudar de um lugar para outro contribui para a divulgação das boas novas.

5 Hoje, assim como no primeiro século, a perseguição ao povo de Deus não consegue silenciar a pregação. Vez após vez, forçar os cristãos a se mudar de um lugar para outro — ou mandá-los para a prisão — só tem ajudado a levar a mensagem do Reino às pessoas nesses lugares. Por exemplo, durante a Segunda Guerra Mundial, as Testemunhas de Jeová puderam dar um notável testemunho em campos de  concentração nazistas. Um judeu que conheceu as Testemunhas de Jeová num desses campos disse: “A força moral dos prisioneiros que eram Testemunhas de Jeová me convenceu de que a fé que eles tinham baseava-se nas Escrituras, e eu mesmo acabei aderindo a essa fé.”

6 Em alguns casos, até mesmo perseguidores receberam testemunho e aceitaram a mensagem. Por exemplo, quando Franz Desch, uma Testemunha de Jeová, foi transferido para o campo de concentração de Gusen, na Áustria, ele conseguiu dirigir um estudo da Bíblia para um oficial da SS. Imagine a alegria que os dois sentiram quando anos mais tarde eles se encontraram num congresso das Testemunhas de Jeová e ambos eram proclamadores das boas novas!

7 Algo parecido aconteceu quando a perseguição obrigou cristãos a fugir de um país para outro. Na década de 70, por exemplo, um grande testemunho foi dado em Moçambique quando Testemunhas de Jeová de Malaui foram forçadas a fugir para lá. Mesmo quando mais tarde surgiu oposição em Moçambique, a obra de pregação não parou. “É verdade que alguns de nós foram detidos e presos várias vezes, devido à nossa pregação”, diz Francisco Coana. “No entanto, vendo que muitos aceitavam a mensagem do Reino, sentíamo-nos confiantes de que Deus nos ajudava, assim como ajudou os cristãos do primeiro século.”

8. Que impacto mudanças políticas e econômicas tiveram na obra de pregação?

8 Claro que a perseguição não é a única razão do crescimento do cristianismo em territórios estrangeiros. Em décadas recentes, mudanças políticas e econômicas também abriram oportunidades para que a mensagem do Reino fosse levada a pessoas de vários idiomas e nacionalidades. Alguns que viviam em zonas de guerra e em regiões muito pobres fugiram para países mais estáveis, onde começaram a estudar a Bíblia. A chegada de muitos refugiados levou à formação de territórios de língua estrangeira. Por exemplo, na cidade de San Diego, Califórnia, EUA, falam-se mais de cem idiomas, e muitas congregações de língua estrangeira foram formadas ali. Você se esforça para dar testemunho a pessoas “de todas as nações, e tribos, e povos, e línguas” no seu território? — Rev. 7:9.

“Dai-me também esta autoridade” (Atos 8:9-25)

“Ora, vendo Simão que o espírito era dado pela imposição das mãos dos apóstolos, ofereceu-lhes dinheiro.” — Atos 8:18

9. Quem era Simão, e o que pelo visto o levou a aproximar-se de Filipe?

9 Filipe realizou muitos sinais em Samaria. Por exemplo, ele curou deficientes físicos e até mesmo expulsou espíritos iníquos. (Atos 8:6-8) Certo homem ficou particularmente impressionado com os dons milagrosos de Filipe. Esse homem era Simão, um praticante de artes mágicas tão respeitado que as pessoas diziam sobre ele: “Este homem é o Poder de Deus.” Mas agora Simão era testemunha ocular do verdadeiro poder de Deus, evidente nos milagres realizados por Filipe, e tornou-se  discípulo. (Atos 8:9-13) Mais tarde, porém, as motivações de Simão foram postas à prova. Como?

10. (a) O que Pedro e João fizeram em Samaria? (b) O que Simão fez ao ver que os novos discípulos recebiam o espírito santo quando Pedro e João colocavam as mãos sobre eles?

10 Quando os apóstolos ficaram sabendo do aumento da obra em Samaria, enviaram Pedro e João para lá. (Veja o quadro  “Pedro usa as ‘chaves do reino’”, nesta página.) Ao chegarem, os dois apóstolos puseram as mãos sobre os novos discípulos, e com isso cada um daqueles novos discípulos recebeu espírito santo. * Ao ver aquilo, Simão ficou impressionado. “Dai-me também esta autoridade”, disse ele aos apóstolos, “para que todo aquele a quem eu impuser as minhas mãos receba espírito santo”. Simão até mesmo lhes ofereceu dinheiro na esperança de comprar esse privilégio sagrado. — Atos 8:14-19.

11. O que Pedro admoestou Simão a fazer, e como Simão reagiu?

11 A resposta que Pedro deu a Simão foi firme. “Pereça contigo a tua prata”, disse o apóstolo, “porque pensaste obter posse da dádiva gratuita de Deus por meio de dinheiro. Não tens nem parte nem quinhão neste assunto, porque o teu coração não é reto à vista de Deus”. Pedro então admoestou Simão a se arrepender e a orar pedindo perdão. “Suplica a Jeová”, disse Pedro, “para que, se possível, te seja perdoada esta astúcia do teu coração [“esta sua trama”, New Jerusalem Bible]”. Pelo visto, Simão não era uma pessoa má; ele queria fazer o que era certo, mas momentaneamente  se deixou levar por seus desejos errados. De modo que ele implorou aos apóstolos: “Fazei súplica a Jeová por mim, para que nenhuma destas coisas que dissestes venha sobre mim.” — Atos 8:20-24.

12. O que é “simonia”, e como esse laço é evidente na cristandade?

12 A repreensão que Pedro deu a Simão serve de aviso para os cristãos hoje. Na verdade, a palavra “simonia”, que se deriva do nome Simão, surgiu por causa desse incidente. “Simonia” refere-se a comprar ou vender privilégios, em especial no contexto religioso. A história da cristandade apóstata está repleta de exemplos dessa prática. De fato, a nona edição da The Encyclopædia Britannica (1878) observou: “Um estudo da história dos conclaves papais [eleições dos papas] dá ao estudioso a convicção de que nunca houve uma eleição que não tivesse sido manchada pela simonia e que, em muitos casos, a simonia praticada nos conclaves tem sido da espécie mais grave, descarada e aberta.”

13. De que maneiras os cristãos devem proteger-se contra a simonia?

13 Os cristãos precisam evitar o pecado da simonia. Por exemplo, eles não devem tentar ganhar favores por dar presentes generosos ou muitos elogios àqueles que parecem estar em posição de dar privilégios na congregação. Por outro lado, os que parecem ter condições de dar privilégios devem tomar cuidado para não mostrar favoritismo aos que são ricos. As duas situações são exemplos de simonia. Realmente, todos os servos de Deus devem comportar-se como ‘menores’, esperando que o espírito de Jeová faça designações de privilégios de serviço. (Luc. 9:48) Não há lugar na organização de Deus para aqueles que tentam ‘buscar sua própria glória’. — Pro. 25:27.

“Sabes realmente o que estás lendo?” (Atos 8:26-40)

14, 15. (a) Quem era o “eunuco etíope”, e como Filipe o encontrou? (b) Como o etíope reagiu à mensagem de Filipe, e por que seu batismo não foi um ato precipitado? (Veja a nota.)

14 O anjo de Jeová instruiu Filipe a viajar pela estrada que ia de Jerusalém a Gaza. Se Filipe estivesse se perguntando por que devia ir até lá, logo soube o motivo ao encontrar um eunuco etíope “lendo em voz  alta Isaías, o profeta”. (Veja o quadro “ ‘Eunuco’ em que sentido?”.) O espírito santo de Jeová moveu Filipe a se aproximar do carro daquele homem. “Sabes realmente o que estás lendo?” perguntou ele ao etíope, correndo ao lado do carro. O etíope respondeu: “Como é que eu posso, a menos que alguém me guie?” — Atos 8:26-31.

15 O etíope convidou Filipe a entrar no carro. Imagine como deve ter sido animada a conversa que eles tiveram! Por muito tempo, a identidade da “ovelha”, ou “servo”, mencionada na profecia de Isaías havia sido um mistério. (Isa. 53:1-12) Mas, à medida que seguiam viagem, Filipe explicou ao eunuco etíope que essa profecia havia se cumprido em Jesus Cristo. Como no caso daqueles que foram batizados no Pentecostes de 33 EC, o etíope, que já era prosélito, soube imediatamente o que devia fazer. Ele disse a Filipe: “Eis um corpo de água! O que me impede ser batizado?” O etíope foi batizado por Filipe sem demora. * (Veja o quadro “ Batismo em ‘um corpo de água’”.) Depois disso, Filipe foi conduzido a uma nova designação, em Asdode, onde continuou a declarar as boas novas. — Atos 8:32-40.

16, 17. Como os anjos participam na obra de pregação hoje?

16 Os cristãos hoje têm o privilégio de participar numa obra como a realizada por Filipe. Com frequência, eles têm a oportunidade de apresentar a mensagem do Reino àqueles que encontram em situações informais, como em viagens. Em muitos casos, fica evidente que o contato com uma pessoa sincera não é mera coincidência. Isso é de esperar, pois a Bíblia deixa claro que os anjos dirigem a obra de pregação para que a mensagem alcance “toda nação, e tribo, e língua, e povo”. (Rev. 14:6) A orientação angélica na obra de pregação cumpre exatamente o que Jesus predisse. Na sua ilustração sobre o joio e o trigo, Jesus disse que, durante  a colheita, ou seja, no final do sistema de coisas, “os ceifeiros” seriam “os anjos”. Ele também disse que essas criaturas espirituais ‘reuniriam dentre o seu reino todas as coisas que causassem tropeço e os que fizessem o que é contra a lei’. (Mat. 13:37-41) Ao mesmo tempo, os anjos ajuntariam os que Jeová deseja atrair à sua organização: os prospectivos herdeiros celestiais do Reino e, mais tarde, “uma grande multidão” de “outras ovelhas”. — Rev. 7:9; João 6:44, 65; 10:16.

17 Como prova de que isso está acontecendo, algumas pessoas que encontramos no ministério dizem que estavam orando por orientação espiritual. Veja o que aconteceu com dois publicadores que pregavam junto com uma criança. Quando as duas Testemunhas de Jeová estavam para encerrar a atividade de pregação daquela manhã, o menino quis muito falar na próxima casa. Na verdade, ele foi sozinho bater na porta! Ao verem que uma jovem senhora abriu a porta, os dois publicadores aproximaram-se para falar com ela. Para a surpresa deles, a mulher explicou que havia acabado de orar pedindo a Deus que alguém a visitasse a fim de ajudá-la a entender a Bíblia. Ela aceitou um estudo bíblico.

“Deus, quem quer que sejas, por favor, ajuda-me”

18. Por que nunca devemos subestimar o ministério?

18 Como membro da congregação cristã, você tem o privilégio de trabalhar junto com os anjos na atual obra de pregação, realizada em escala sem precedentes. Nunca subestime esse privilégio. Por perseverar em seus esforços, você sentirá muita alegria à medida que continuar a declarar “as boas novas a respeito de Jesus”. — Atos 8:35.

^ parágrafo 3 Esse não se trata do apóstolo Filipe, mas do Filipe que, conforme mencionado no Capítulo 5 deste livro, estava entre os “sete homens acreditados” designados para organizar a distribuição diária de alimentos entre as viúvas em Jerusalém, tanto as que falavam grego como as que falavam hebraico. — Atos 6:1-6.

^ parágrafo 10 Pelo visto, naquela época, os novos discípulos normalmente eram ungidos por espírito santo, ou o recebiam, ao serem batizados. Isso lhes dava a esperança de no futuro serem reis e sacerdotes com Jesus no céu. (2 Cor. 1:21, 22; Rev. 5:9, 10; 20:6) Mas, no caso mencionado no parágrafo, os novos discípulos não foram ungidos ao ser batizados. Receber o espírito santo — e os dons milagrosos associados com ele — só acontecia depois que Pedro e João colocavam as mãos sobre o cristão recém-batizado.

^ parágrafo 15 Isso não foi um ato precipitado. Visto que era prosélito, o etíope já conhecia as Escrituras, incluindo as profecias messiânicas. Agora que tinha informações do papel de Jesus no propósito de Deus, ele podia ser batizado sem demora.