Pular para conteúdo

Pular para sumário

 HISTÓRIA 90

A morte de Jesus

A morte de Jesus

Os principais sacerdotes levaram Jesus até o palácio do governador Pilatos. Quando Pilatos perguntou o que Jesus tinha feito de errado, os sacerdotes falaram muitas mentiras sobre Jesus. Até disseram que ele queria ser o rei. Então, Pilatos perguntou a Jesus se ele era o Rei dos judeus. Mas Jesus respondeu:

— Meu Reino não faz parte deste mundo.

Pilatos não achou que Jesus tinha feito algo errado e o mandou para Herodes, o governante da Galileia. Mas Herodes também não achou que Jesus fosse criminoso e o mandou de volta para Pilatos. Então, Pilatos disse que ia libertar Jesus. Só que o povo não gostou disso e começou a gritar que Jesus devia morrer. Aí, os soldados bateram em Jesus com um chicote, cuspiram nele e deram socos nele. Os soldados colocaram uma coroa de espinhos na cabeça de Jesus e começaram a rir dele. Pilatos disse outra vez para o povo que achava que Jesus era inocente. Mas o povo insistiu que Jesus devia ser pregado numa estaca. Então, Pilatos deixou Jesus ser morto.

Jesus foi levado para um lugar chamado Gólgota. Daí, pregaram seus pés e suas mãos numa estaca. Jesus orou:

— Pai, perdoe essas pessoas. Elas não sabem o que estão fazendo.

As pessoas continuaram rindo da cara de Jesus, dizendo:

— Você não é o Filho de Deus? Então, saia dessa estaca. Se salve!

Do lado de Jesus, tinha um criminoso pregado numa estaca. O criminoso pediu para Jesus:

— Quando o senhor entrar no seu Reino, lembre de mim.

Jesus prometeu para o criminoso:

— Você vai estar comigo no Paraíso.

De repente, o dia ficou escuro como a noite, e ficou assim por três horas. Maria, a mãe de Jesus, e alguns discípulos estavam perto da estaca. Então, Jesus pediu para João cuidar de Maria como se ela fosse a mãe dele.

Por fim, Jesus disse:

— Está terminado!

Jesus baixou a cabeça e morreu. Naquele momento, aconteceu um terremoto bem forte. E, lá no templo, a cortina que separava o Santo  do Santíssimo se rasgou ao meio. Um soldado disse:

— Ele era mesmo o Filho de Deus!

“Não importa quantas sejam as promessas de Deus, elas se tornaram ‘sim’ por meio dele.” — 2 Coríntios 1:20