Pular para conteúdo

Pular para sumário

 CAPÍTULO 14

Por que devemos ser perdoadores

Por que devemos ser perdoadores

ALGUÉM já o tratou mal alguma vez? — Já o magoaram ou disseram algo que você não gostou? — Quando uma pessoa faz isso, deve tratá-la da mesma maneira que ela tratou você? —

Muitos hoje, quando são maltratados, querem se vingar, magoando quem os tratou mal. Mas Jesus ensinou que devemos perdoar quem nos magoa. (Mateus 6:12) E se alguém nos tratar mal muitas vezes? Quantas vezes temos de perdoar? —

É isso que Pedro queria saber. Então, um dia ele perguntou a Jesus: ‘Preciso perdoar até sete vezes?’ Não, sete vezes não é suficiente. Jesus disse que ele deveria perdoar “setenta e sete vezes” a pessoa que pecasse contra ele.

O que Pedro queria saber sobre perdão?

Isso é muito! Se alguém fizesse tantas coisas erradas ou ruins contra nós, íamos perder a conta do número de vezes, não é verdade? O que Jesus queria ensinar era o seguinte: não devemos tentar nos lembrar de quantas coisas ruins os outros nos fazem. Se eles pedirem desculpas, devemos perdoá-los.

 Jesus queria mostrar aos discípulos como é importante ser perdoador. Assim, depois de responder à pergunta de Pedro, ele contou uma história. Gostaria de ouvi-la? —

Certa vez havia um rei que era muito bondoso. Ele até emprestava dinheiro aos seus escravos quando eles precisavam de ajuda. Mas um dia, o rei quis que os escravos pagassem o dinheiro que deviam a ele. Trouxeram-lhe  então um escravo que lhe devia 60 milhões de moedas. Isso era muito dinheiro!

O que aconteceu quando o escravo pediu que o rei lhe desse mais tempo para pagar o que devia?

Mas o escravo já tinha gastado todo o dinheiro do rei e não podia pagar o empréstimo. Por isso, o rei ordenou que ele fosse vendido. Disse também que a esposa, os filhos e tudo o que o escravo tinha deviam ser vendidos. Daí, dava para pagar o rei com o dinheiro da venda. Como acha que o escravo se sentiu? —

Ele se ajoelhou diante do rei e implorou: ‘Por favor, me dê mais tempo e eu vou pagar tudo o que lhe devo.’ Se você fosse o rei, o que teria feito? — O rei ficou com pena do escravo. Por isso, o perdoou. Disse que o escravo não precisava mais pagar nem uma moeda dos 60 milhões que devia. Como o escravo deve ter ficado feliz!

Mas o que fez logo a seguir? O escravo saiu e encontrou outro escravo que lhe devia apenas 100 moedas. Ele agarrou o outro escravo pelo pescoço e começou a esganá-lo, dizendo: ‘Pague as 100 moedas que você me deve!’ Dá para imaginar que alguém pudesse fazer isso, ainda mais depois de o rei ter lhe perdoado uma dívida tão grande? —

Como o escravo tratou outro escravo que não podia pagar-lhe uma dívida?

Bem, o escravo que devia apenas 100 moedas era pobre. Ele não tinha como pagar na hora. Assim, ele se ajoelhou aos pés do outro escravo e implorou: ‘Por favor, me dê mais tempo e eu vou pagar o que lhe devo.’ Será que aquele homem deveria dar mais tempo ao outro escravo? — O que você teria feito? —

Aquele homem não era bom, como o rei era. Ele queria o dinheiro na hora. E como o outro escravo não podia pagar, mandou jogá-lo na cadeia. Outros escravos viram isso e não gostaram. Ficaram com pena do escravo que estava na cadeia. Por isso, contaram ao rei o que tinha acontecido.

 O rei também não gostou nada dessa história. Ficou muito bravo com o escravo que não perdoou o outro. Por isso, mandou chamá-lo e disse: ‘Seu escravo malvado, eu não perdoei o que você me devia? Você também devia ter perdoado o outro escravo.’

O que o rei fez com o escravo que não perdoou?

O escravo que não perdoou devia ter aprendido uma lição do rei bom. Mas não aprendeu. Por isso, o rei mandou que o prendessem na cadeia até que pagasse todos os 60 milhões de moedas que devia. É claro que, na cadeia, ele nunca ia poder ganhar esse dinheiro para pagar ao rei. Quer dizer, ele ia ficar preso até morrer.

Quando terminou de contar a história, Jesus disse aos seus seguidores: ‘Do mesmo modo o meu Pai celestial vai tratar vocês, se não perdoarem de coração cada um ao seu irmão.’ — Mateus 18:21-35.

 Sabe, todos nós devemos muito a Deus. Na verdade, devemos a ele a nossa própria vida! Assim, em comparação com o que devemos a Deus, outras pessoas nos devem pouco. O que elas nos devem é como as 100 moedas que o escravo devia ao outro. Mas o que devemos a Deus, por causa das coisas erradas que fazemos, é como os 60 milhões de moedas que o outro escravo devia ao rei.

Deus é muito bom. Fazemos coisas erradas, mas ele nos perdoa. Ele não exige que paguemos pelos nossos erros, tirando nossa vida para sempre. Devemos nos lembrar da seguinte lição: Deus só nos perdoa se nós perdoarmos as pessoas que nos tratam mal. Isso dá o que pensar, não dá? —

O que você vai fazer se alguém lhe pedir desculpas?

Assim, se alguém fizer algo que deixe você triste, mas depois pedir desculpas, o que vai fazer? Vai perdoá-lo? — E se acontecer muitas vezes? Vai perdoá-lo assim mesmo? —

Se fosse a gente que pedisse perdão, íamos gostar de ser perdoados, não acha? — Então, vamos fazer o mesmo. Em vez de só dizer que perdoamos, devemos perdoar mesmo, de coração. Quando fazemos isso, mostramos que queremos muito ser seguidores do Grande Instrutor.

Para entendermos a importância de perdoar, vamos ler também Provérbios 19:11; Mateus 6:14, 15 e Lucas 17:3, 4.