Pular para conteúdo

Pular para sumário

Escola de Pioneiro perto de Zugdidi

 GEÓRGIA | 1998-2006

Bênçãos “em tempos favoráveis e em tempos difíceis”. — 2 Tim. 4:2.

Bênçãos “em tempos favoráveis e em tempos difíceis”. — 2 Tim. 4:2.

 NO FINAL dos anos 90, o número de publicadores e pessoas interessadas começou a aumentar muito na Geórgia. Um exemplo disso foi em 1998, quando 32.409 pessoas foram à Celebração da morte de Cristo.

Mas muitos publicadores e anciãos eram novos na verdade. Eles precisavam de treinamento tanto para pregar como para cuidar da congregação. Como eles receberiam esse treinamento?

Mais ajuda da organização de Jeová

O casal Arno e Sonja Tüngler tinha feito a Extensão da Escola de Gileade na Alemanha. Em março de 1998, eles foram enviados para a Geórgia. No mesmo ano, o Corpo Governante aprovou a abertura de um escritório do país que seria cuidado pelo Betel da Rússia.

Esse escritório logo começou a cuidar da obra de pregação. Assim que o governo reconheceu as Testemunhas de Jeová como uma religião oficial, os irmãos começaram a importar publicações da Alemanha. Eles também podiam comprar terrenos para construir Salões do Reino e um prédio para a filial.

Época de treinamento

Durante o regime soviético, a obra era proibida. Isso impediu muitos irmãos de pregar de casa em casa. O irmão Arno lembra: “A maioria dos irmãos dava muito testemunho nas ruas. Mas pregar de casa em casa e fazer revisitas era uma coisa nova pra muitos deles.”

Arno e Sonja Tüngler

 Davit Devidze começou a servir no escritório do país em maio de 1999. Ele conta: “O que não faltava era trabalho, no campo e em Betel. A gente tinha lido algumas orientações, mas não sabia por onde começar. Foi muito bom aprender com os irmãos experientes que o Corpo Governante mandou.”

Durante um tempo, os irmãos da Geórgia receberam um treinamento intensivo. Mas, como sempre acontece, esse treinamento foi bom tanto para quem foi treinado como para os que treinaram. (Pro. 27:17) Esses irmãos que foram dar o treinamento acabaram aprendendo muito.

“Aprendemos muito com eles”

Arno e Sonja nunca vão se esquecer do jeito amoroso dos irmãos que os receberam na Geórgia. Esses irmãos fizeram tudo o que podiam para ajudar o casal a se adaptar à nova designação.

Sonja se lembra até hoje de como os irmãos eram generosos:  “Assim que chegamos, uma irmã nos apresentou para os irmãos da congregação, levou a gente pro campo e nos explicou muitas coisas sobre a cultura do país. Eu também me lembro de um casal que morava perto da nossa casa e vivia levando coisas gostosas pra gente. E não posso esquecer da irmã que teve toda a paciência do mundo pra nos ensinar georgiano.”

Warren e Leslie Shewfelt, do Canadá, foram designados para a Geórgia em 1999. Eles contam: “Era bonito ver o jeito dos irmãos se tratarem. Todos eram muito carinhosos, do mais velho até o mais jovem. Aquilo mexeu tanto com a gente! Aprendemos muito com eles.”

Missionários experientes e irmãos da Geórgia que trabalharam juntos no escritório do país

Os irmãos que foram para a Geórgia tiveram alguns desafios. Mas as pessoas lá tinham belas qualidades. Foi nisso que os irmãos se concentraram. E o jeito  humilde e amoroso dos missionários logo conquistou os irmãos georgianos.

A verdade toca o coração de muitos georgianos

Muitas pessoas aceitaram a verdade na década de 90. Só no ano de 1998, foram batizadas 1.724 pessoas. Mas por que os georgianos tinham tanto interesse na verdade?

Tamazi Biblaia, que foi viajante por muitos anos, explica: “Desde pequenos os georgianos são ensinados a amar a Deus. Por isso, eles gostam de ouvir sobre a Bíblia.”

Davit Samkharadze é instrutor da Escola para Evangelizadores do Reino. Ele diz: “Quando alguém começa a estudar, sempre aparece um parente ou um vizinho querendo atrapalhar. Mas, na tentativa de fazer isso, muitos acabam estudando também.”

Muitas pessoas aceitaram a mensagem da Bíblia e fizeram grandes mudanças na vida. Em 1999, o número de pessoas que foram à Celebração aumentou para 36.669.

“Há muitos opositores”

O apóstolo Paulo disse o seguinte sobre sua pregação aos efésios: “Foi aberta uma porta ampla para atividade, mas há muitos opositores.” (1 Cor. 16:9) Os irmãos na Geórgia podiam dizer o mesmo poucos meses depois do recorde no número de pessoas na Celebração de 1999.

No mês de agosto, um ex-sacerdote da Igreja chamado Vasili Mkalavishvili juntou um grupo de fanáticos  ortodoxos. Eles saíram às ruas e queimaram nossas publicações. A perseguição que eles começaram contra as Testemunhas de Jeová durou quatro anos.

Em 1999, as Testemunhas de Jeová começaram a sofrer muita perseguição na Geórgia

No dia 17 de outubro de 1999, a congregação Gldani estava fazendo uma reunião. De repente, uma turba de mais ou menos 200 pessoas invadiu o Salão do Reino. Eles bateram nos irmãos com pedaços de pau e cruzes de ferro. Vários irmãos tiverem que ser levados para o hospital.

Ninguém foi preso, e infelizmente os ataques continuaram. O presidente Shevardnadze e outras pessoas do governo até criticaram esses ataques, mas fizeram pouco para controlar a situação. Na verdade, muitas vezes a polícia chegava bem depois das agressões.

Na mesma época, um político chamado Guram Sharadze começou uma campanha contra as Testemunhas de Jeová. O objetivo era acabar com a reputação dos irmãos. Ele dizia que eles eram uma ameaça. Parecia que os “tempos favoráveis” para pregar tinham acabado.

A organização de Jeová defende os irmãos

Os irmãos na Geórgia logo tiveram a ajuda que precisavam. A organização de Jeová orientou os irmãos sobre o que fazer quando fossem atacados. E também ajudou os irmãos a lembrarem por que os cristãos verdadeiros são perseguidos. — 2 Tim. 3:12.

A organização de Jeová também recorreu aos tribunais para defender os irmãos. Um irmão que era do Departamento Jurídico no Betel da Geórgia conta: “Naqueles quatro anos, fizemos mais de  800 denúncias contra o grupo de Vasili Mkalavishvili. Pedimos ajuda das autoridades e das organizações dos direitos humanos. E a sede mundial das Testemunhas de Jeová fez uma campanha para divulgar o que estava acontecendo. Mesmo assim, os ataques continuaram.” *

^ parágrafo 30 Para saber mais sobre o que a organização de Jeová fez para defender os irmãos na Geórgia, veja a Despertai! de 22 de janeiro de 2002, páginas 18-24.