Pular para conteúdo

Pular para sumário

Irmãos numa reunião em Tbilisi, 1992

 GEÓRGIA | 1991-1997

“Deus fazia crescer.” — 1 Cor. 3:6.

“Deus fazia crescer.” — 1 Cor. 3:6.

Genadi Gudadze foi superintendente de circuito no começo dos anos 90

 A GEÓRGIA se tornou um país independente em 1991, quando a União Soviética acabou. Mas as mudanças políticas e os conflitos civis fizeram com que as condições de vida do povo ficassem muito complicadas. Genadi Gudadze era superintendente de circuito na época. Ele lembra que as pessoas chegavam a ficar o dia inteiro numa fila para conseguir pão.

As Testemunhas de Jeová aproveitavam para falar sobre a Bíblia com as pessoas que ficavam nessas filas. Genadi conta: “Nessa época difícil parecia que todo mundo queria ouvir a verdade. A gente recebia o endereço de muitas pessoas que queriam estudar a Bíblia.”

 No final das reuniões, os irmãos liam da tribuna os nomes e endereços das pessoas que queriam uma visita. Então, os publicadores se ofereciam para visitar essas pessoas.

Pregando na fila do pão nos anos 90

O irmão Levani Sabashvili, que era ancião em Tbilisi, se lembra de um casal que pediu uma visita. Ele diz: “Os publicadores pegaram todos os endereços, menos o deles. Esse casal morava bem longe e muitos irmãos já tinham vários estudos.”

Alguns meses depois, esse mesmo casal enviou um segundo pedido. Mais tarde, um terceiro, implorando uma visita. Eles também escreveram: “Venham nos visitar para não ter culpa de sangue.” (Atos 20:26, 27) Levani conta: “Era época de ano-novo, e a gente não costumava visitar as pessoas nessa época. Mas nesse caso não dava mais pra esperar.”

Esse casal tão ansioso para conhecer a verdade era Roini e Nana Grigalashvili. Eles nem acreditaram quando viram Levani e outro irmão chegando em sua casa num dia frio. Eles começaram a estudar na mesma hora. Hoje, Roini e Nana são pioneiros regulares com seus filhos.

Eles viajaram muito para encontrar os interessados

Os que aceitavam a verdade queriam mostrar sua gratidão a Jeová e usavam seu tempo, energia e dinheiro para pregar a outros. Badri e Marina Kopaliani tinham dois filhos adolescentes. Mesmo assim, eles e outros irmãos viajavam bastante para pregar.

Nos fins de semana, esse casal pegava seus filhos, Gocha e Levani, e viajava até a região de Dusheti, um lugar  montanhoso muito bonito ao norte de Tbilisi. Às vezes, eles viajavam quase 150 quilômetros em estradas cheias de curvas para chegar em alguns vilarejos afastados.

Um dia, uma senhora convidou Badri e Marina para falar sobre a Bíblia no trabalho dela. Badri conta: “Entrei numa sala bem grande, e umas 50 pessoas estavam esperando! No começo, eu fiquei meio nervoso. Mas daí eu orei a Jeová e comecei a falar sobre o sinal dos últimos dias em Mateus 24. Então, alguém perguntou: ‘Por que os padres não ensinam isso pra gente?’”

Uma Celebração que chamou a atenção

A época da Celebração foi mais uma boa oportunidade para muitos georgianos aprenderem a verdade. Por exemplo, em 1990, a Celebração em Tbilisi, feita no apartamento da irmã Badridze, chamou a atenção dos vizinhos.

A irmã Badridze recebeu 200 pessoas para a Celebração em seu apartamento

 A irmã Badridze e seus filhos tiraram todos os móveis da sala. Agora eles só precisavam de cadeiras! Na Geórgia é muito comum as famílias alugarem mesas e cadeiras quando fazem uma festa. Mas a irmã Badridze precisava só de cadeira. Então em cada loja que ela ia, o dono perguntava: “E as mesas? Como vocês vão comer?”

A irmã Badridze conseguiu acomodar todos os que foram à Celebração. Imagine 200 pessoas num apartamento no 13.° andar! Não foi à toa que muitos vizinhos ficaram curiosos sobre as Testemunhas de Jeová.

Eles encheram o teatro

Em 1992, em várias regiões do país, os irmãos alugaram lugares maiores para a Celebração. O irmão Davit Samkharadze, que morava em Gori, lembra que o superintendente viajante perguntou onde eles iam fazer a Celebração naquele ano.

Quando o viajante ficou sabendo que a ideia era fazer a Celebração na casa de irmãos, ele perguntou: “Será que não tem um lugar grande na cidade, tipo um teatro? Por que vocês não alugam?” Mas o teatro da cidade  era para mais de mil pessoas. E a congregação tinha uns cem publicadores. Não parecia necessário tudo aquilo.

Daí, o viajante disse: “É só cada publicador trazer dez pessoas que a gente enche o teatro.” No começo, isso parecia loucura, mas os irmãos fizeram de tudo para convidar as pessoas. Eles ficaram muito felizes quando viram 1.036 pessoas na Celebração. *

Novos territórios

Em 1992, a pregação ainda não tinha chegado em alguns lugares da Geórgia. Numa época de crise econômica, como os irmãos iam pregar nesses lugares?

Tamazi Biblaia lembra: “O superintendente viajante fez uma reunião com alguns de nós para ver o que podia ser feito. A gente não sabia muito bem como organizar o trabalho com os pioneiros especiais. O que a gente sabia era que as boas novas tinham que ser pregadas.” (2 Tim. 4:2) Então, eles escolheram 16 pioneiros para trabalhar em territórios onde não havia Testemunha de Jeová. — Veja o mapa.

Cidades para onde os pioneiros foram enviados por cinco meses

Em maio, os anciãos fizeram uma reunião de três horas em Tbilisi para ajudar esses pioneiros. Eles ficariam no território por cinco meses. E uma vez por mês os anciãos fariam uma visita para fortalecer a fé dos pioneiros e ver o que eles precisavam para se manter.

Duas pioneiras, Manea Aduashvili e Nazy Zhvania, foram mandadas para a cidade de Ozurgeti. A irmã Manea tinha 60 anos na época. Ela lembra: “A gente tinha  o contato de uma pessoa interessada. Ela morava perto da cidade. Assim que chegamos falamos com ela e marcamos um dia pra ir na casa dela. No dia, ela e mais 30 pessoas estavam esperando a gente. Nós começamos vários estudos.”

Manea e Nazy continuaram encontrando muitas pessoas interessadas. Apenas cinco meses depois, 12 pessoas já estavam prontas para se batizar.

O sacrifício deles valeu a pena

Dois pioneiros, Pavle Abdushelishvili e Paata Morbedadze, foram enviados à cidade de Tsageri. Naquela região há uma mistura de tradições e ensinos religiosos. As pessoas ali são muito apegadas a essas coisas.

A paisagem em volta de Tsageri

A designação de Pavle e Paata estava acabando, e o inverno ia começar. Paata ia embora. Ele tinha sido convidado para fazer um trabalho de tradução em outro lugar. Mas o que Pavle ia fazer? Ele diz: “Eu sabia que ia  ser complicado ficar em Tsageri porque o inverno ali era muito rigoroso. Mas os estudantes precisavam de ajuda, então eu decidi ficar.

“Eu fiquei morando com uma família. De dia eu pregava. À noite eu ficava junto com a família perto do fogão à lenha. E, quando chegava a hora de ir pra cama, eu colocava o meu gorro e me enrolava num cobertor bem grosso.”

Quando o inverno acabou, os anciãos foram visitar Pavle. Onze estudantes estavam prontos para começar a pregar. E logo eles foram batizados.

^ parágrafo 20 Em 1992, havia 1.869 publicadores na Geórgia, e 10.332 pessoas assistiram à Celebração.