Pular para conteúdo

Pular para sumário

 CAPÍTULO 3

Ame os que Deus ama

Ame os que Deus ama

“Quem anda com sábios se tornará sábio.” — PROVÉRBIOS 13:20.

1-3. (a) Que grande verdade a Bíblia expressa? (b) Como podemos escolher amigos que terão boa influência sobre nós?

DE CERTA forma, as pessoas são como esponjas; elas têm a tendência de absorver o que está à sua volta. É muito fácil adotar, mesmo sem querer, as atitudes, os padrões e os traços de personalidade daqueles com quem temos muito contato.

2 A Bíblia expressa uma grande verdade ao dizer: “Quem anda com sábios se tornará sábio, mas quem se junta com tolos acabará mal.” (Provérbios 13:20) Esse provérbio se refere a mais que um contato superficial. A expressão ‘andar com’ sugere companheirismo. * Ao comentar esse versículo, uma obra de referência bíblica diz: “Andar com uma pessoa envolve amor e apego.” Não concorda que temos a tendência de imitar a quem amamos? De fato, visto que nos apegamos emocionalmente às pessoas que amamos, elas podem nos influenciar, quer para o bem, quer para o mal.

3 Para permanecermos no amor de Deus, é essencial que procuremos nos associar com pessoas que terão boa influência sobre nós. Como podemos fazer isso? Dito de  forma simples, por amar os que Deus ama, fazendo dos Seus amigos os nossos amigos. Pense bem: poderíamos ter amigos melhores do que aqueles que têm as qualidades que Jeová procura nos amigos dele? Examinemos, portanto, o tipo de pessoas que Deus ama. Com o ponto de vista de Jeová bem em mente, teremos melhores condições de escolher boas amizades.

AQUELES QUE DEUS AMA

4. Por que Jeová tem o direito de ser exigente na escolha de seus amigos, e por que ele se referiu a Abraão como “meu amigo”?

4 Quando se trata de amizade, Jeová é exigente. Não acha que ele tem esse direito? Afinal, ele é o Soberano Senhor do Universo, e ser amigo dele é a maior honra que existe. Quem, portanto, ele escolhe como amigos? Jeová se achega aos que confiam e têm plena fé nele. Veja o exemplo do patriarca Abraão, conhecido por sua notável fé. Dificilmente existiria uma prova maior de fé para um pai humano do que se lhe pedir que ofereça seu filho como sacrifício. * Mesmo assim, Abraão “praticamente ofereceu Isaque”, com plena fé em ‘que Deus era capaz de levantar seu filho até mesmo dentre os mortos’. (Hebreus 11:17-19) Por Abraão demonstrar tal fé e obediência, Jeová carinhosamente o chamou de “meu amigo”. — Isaías 41:8; Tiago 2:21-23.

5. O que Jeová sente por aqueles que lealmente lhe obedecem?

5 Jeová valoriza muito a obediência leal. Ele ama os que estão dispostos a colocar a lealdade a ele acima de todas as outras coisas. (Leia 2 Samuel 22:26.) Como vimos no capítulo 1 deste livro, Jeová se agrada muito dos  que lhe obedecem por amor. Provérbios 3:32 diz: “[Ele] tem amizade íntima com os íntegros.” Os que lealmente cumprem com os requisitos de Jeová recebem dele um bondoso convite: o de ser hóspedes na sua “tenda” — ser acolhidos para adorá-lo e ter livre acesso a ele em oração. — Salmo 15:1-5.

6. Como podemos mostrar que amamos a Jesus, e como Jeová se sente em relação aos que amam seu Filho?

6 Jeová ama os que amam a Jesus, seu Filho unigênito. Jesus disse: “Se alguém me amar, obedecerá à minha palavra, e o meu Pai o amará, e nós iremos a ele e faremos a nossa morada com ele.” (João 14:23) Como podemos mostrar que amamos a Jesus? Com certeza, uma maneira é por obedecer seus mandamentos, incluindo a comissão de pregar as boas novas e fazer discípulos. (Mateus 28:19, 20; João 14:15, 21) Também mostramos que amamos a Jesus quando ‘seguimos fielmente seus passos’, imitando-o em palavras e ações da melhor forma possível, apesar de sermos imperfeitos. (1 Pedro 2:21) Jeová se alegra de ver os esforços dos que, por amor, procuram imitar seu Filho.

7. Por que é importante que nossos amigos sejam amigos de Jeová?

7 Fé, lealdade, obediência e amor por Jesus e seu modo de agir — essas são qualidades que Jeová procura nos Seus amigos. Devemos nos perguntar: ‘Essas qualidades são evidentes nos meus amigos? Os meus amigos são amigos de Jeová?’ É importante que sejam. Pessoas que cultivam qualidades divinas e pregam as boas novas do Reino com zelo podem ter uma boa influência sobre nós, motivando-nos a continuar agradando a Deus. — Veja o quadro “ O que faz de alguém um bom amigo?”.

 EXEMPLOS BÍBLICOS DE AMIZADE

8. O que impressiona você na amizade que havia entre: (a) Noemi e Rute? (b) os três jovens hebreus? (c) Paulo e Timóteo?

8 As Escrituras contêm muitos exemplos de pessoas que foram beneficiadas por escolher bons amigos. Você pode ler sobre a amizade entre Noemi e sua nora Rute, sobre os três jovens hebreus em Babilônia que eram amigos leais e sobre a amizade entre Paulo e Timóteo. (Rute 1:16; Daniel 3:17, 18; 1 Coríntios 4:17; Filipenses 2:20-22) No entanto, vamos nos concentrar em outro exemplo notável: a amizade entre Davi e Jonatã.

9, 10. Em que se baseava a amizade entre Davi e Jonatã?

9 A Bíblia diz que, depois de Davi matar Golias, “surgiu uma grande amizade entre Jonatã e Davi; e Jonatã começou a amá-lo como a si mesmo”. (1 Samuel 18:1) Assim teve início uma amizade inabalável que, apesar da grande diferença de idade entre os dois, durou até a morte de Jonatã no campo de batalha. * (2 Samuel 1:26) Em que se baseava o forte vínculo que existia entre esses dois amigos?

10 Davi e Jonatã eram muito apegados porque amavam a Deus e tinham forte desejo de permanecer fiéis a ele. Isso criou um vínculo espiritual entre os dois. Cada um tinha qualidades que o outro apreciava. Jonatã sem dúvida ficou impressionado com a coragem e o zelo do jovem que destemidamente defendeu o nome de Jeová. Davi com certeza respeitava esse homem mais velho que lealmente apoiava o modo de Jeová fazer as coisas e que, de forma abnegada, colocava os interesses de Davi acima  dos seus. Como exemplo, veja o que aconteceu quando Davi estava passando por momentos difíceis na vida. Ele estava morando como fugitivo no deserto enquanto fugia da ira do mau Rei Saul, pai de Jonatã. Demonstrando notável lealdade, Jonatã tomou a iniciativa e foi encontrar-se com Davi “e o ajudou a encontrar forças em Jeová”. (1 Samuel 23:16) Imagine como Davi deve ter se  sentido quando seu querido amigo foi lhe dar apoio e encorajamento! *

11. O que o exemplo de Jonatã e Davi lhe ensinou sobre amizade?

11 O que aprendemos do exemplo de Jonatã e Davi? Em especial, aprendemos que a coisa mais importante que os amigos devem ter em comum são os valores espirituais. Quando fazemos amizade com pessoas que têm as mesmas crenças e os mesmos valores morais que nós, e que também desejam permanecer fiéis a Deus, podemos  compartilhar pensamentos, sentimentos e experiência que nos animam e nos fortalecem. (Leia Romanos 1:11, 12.) Encontramos essas pessoas de inclinação espiritual entre nossos irmãos. Significa isso, porém, que todos os que assistem às reuniões no Salão do Reino são boas companhias? Não necessariamente.

COMO ESCOLHER AMIGOS

12, 13. (a) Por que precisamos ser seletivos ao escolher amigos até mesmo entre os irmãos? (b) Que dificuldade as congregações do primeiro século enfrentaram, levando Paulo a dar que fortes avisos?

12 Mesmo na congregação, temos de ser seletivos se queremos ter amigos que vão nos edificar espiritualmente. Devemos achar isso estranho? Na realidade, não. Alguns cristãos na congregação podem levar mais tempo que outros para atingir a madureza espiritual, assim como alguns frutos numa árvore podem demorar mais para amadurecer. Por isso, em toda congregação encontramos cristãos que estão em estágios diferentes de desenvolvimento espiritual. (Hebreus 5:12–6:3) Naturalmente, demonstramos paciência e amor aos que são novos ou estão fracos, pois queremos ajudá-los a crescer em sentido espiritual. — Romanos 14:1; 15:1.

13 Vez por outra pode haver situações na congregação que exijam que tomemos cuidado com nossas amizades. Alguns talvez estejam tendo uma conduta questionável. Outros podem estar nutrindo ressentimentos e tendo um espírito queixoso. As congregações do primeiro século EC enfrentaram esse tipo de dificuldade. Embora a maioria fosse fiel, alguns não agiam da maneira correta. Visto que alguns na congregação em Corinto não defendiam certos ensinos cristãos, o apóstolo Paulo advertiu a congregação: “Não se deixem enganar. Más companhias estragam bons hábitos.” (1 Coríntios 15:12, 33) Paulo alertou  Timóteo de que mesmo entre os irmãos cristãos poderia haver alguns que não agiriam do modo correto. Timóteo foi aconselhado a se manter longe dessas pessoas, a não se associar com elas. — Leia 2 Timóteo 2:20-22.

14. Como podemos aplicar o princípio encontrado nos avisos que Paulo deu sobre amizades?

14 Como podemos aplicar o princípio encontrado nos avisos de Paulo? Por evitar amizade com qualquer pessoa — quer dentro, quer fora da congregação — que poderia exercer uma má influência sobre nós. (2 Tessalonicenses 3:6, 7, 14) Precisamos proteger nossa espiritualidade. Lembre-se de que somos como esponjas: absorvemos o modo de pensar e de agir de nossos amigos. Não podemos mergulhar uma esponja no vinagre e esperar que ela absorva água. Da mesma forma, não podemos nos associar com pessoas que exercem uma má influência e esperar absorver o que é bom. — 1 Coríntios 5:6.

Você pode encontrar bons amigos entre os irmãos

15. Como você pode encontrar amigos de mentalidade espiritual na congregação?

15 Felizmente, é fácil encontrar bons amigos entre nossos irmãos. (Salmo 133:1) Como você pode encontrar amigos de mentalidade espiritual na congregação? À medida que cultivar qualidades e atitudes divinas, sem dúvida outras pessoas que também se esforçam em fazer isso se sentirão atraídas a você. Ao mesmo tempo, você talvez precise tomar medidas práticas para fazer novos amigos. (Veja o quadro “ Como fizemos boas amizades”.) Procure pessoas que têm as qualidades que você gostaria de ter. Siga o conselho da Bíblia de ‘abrir amplamente seu coração’, fazendo amizade com os irmãos independentemente de raça, nacionalidade ou cultura. (2 Coríntios 6:13; leia 1 Pedro 2:17.) Não se limite aos que têm a mesma idade que você. Lembre-se de que Jonatã era muito mais velho que Davi. Muitos que têm mais  idade podem enriquecer uma amizade com sua experiência e sabedoria.

QUANDO SURGEM PROBLEMAS

16, 17. Se de alguma forma um irmão nos magoar, por que não deveremos nos afastar da congregação?

16 Vez por outra podem surgir problemas por causa da grande diversidade de personalidades e formações na congregação. Um irmão pode falar ou fazer algo que nos magoe. (Provérbios 12:18) Às vezes os problemas surgem por causa de diferenças de personalidade, mal-entendidos ou diferenças de opinião. Será que vamos tropeçar por causa disso e nos afastar da congregação? Não, se tivermos verdadeiro amor a Jeová e aos que ele ama.

17 Como Criador e Sustentador da vida, Jeová merece nosso amor e total devoção. (Apocalipse 4:11) Além disso,  a congregação que ele se agrada em usar merece nosso apoio leal. (Hebreus 13:17) Assim, se de alguma forma um irmão nos magoar ou nos decepcionar, não nos afastaremos da congregação como forma de protesto. Jamais faríamos tal coisa! Não foi Jeová quem nos ofendeu. Nosso amor a Jeová nunca permitirá que demos as costas a ele ou a seu povo. — Leia Salmo 119:165.

18. (a) O que podemos fazer para promover a paz na congregação? (b) Tomar a decisão de perdoar quando existe motivo válido para isso resulta em que bênçãos?

18 O amor por nossos irmãos nos move a promover a paz na congregação. Jeová não espera perfeição dos que ele ama; devemos agir da mesma forma. O amor nos ajuda a desconsiderar pequenas falhas e a lembrar que todos somos imperfeitos e cometemos erros. (Provérbios 17:9; 1 Pedro 4:8) O amor nos ajuda a continuar ‘perdoando uns aos outros liberalmente’. (Colossenses 3:13) Nem sempre é fácil seguir esse conselho. Se permitimos que emoções negativas nos dominem, podemos ser levados a guardar ressentimento, talvez achando que por ficar com raiva estamos de alguma forma punindo quem nos ofendeu. Na realidade, quando guardamos ressentimento, nós é que somos prejudicados. Tomar a decisão de perdoar quando existe motivo válido para isso traz ricas bênçãos. (Lucas 17:3, 4) Isso nos dá paz no íntimo, preserva a paz na congregação e, acima de tudo, protege nossa relação com Jeová. — Mateus 6:14, 15; Romanos 14:19.

QUANDO É PRECISO DEIXAR DE SE ASSOCIAR COM ALGUÉM

19. Que situações podem tornar necessário que deixemos de nos associar com alguém?

19 Vez por outra, é necessário parar de nos associar com alguém que deixa de fazer parte da congregação. Isso acontece quando a pessoa viola a lei de Deus, não se  arrepende e é desassociada, ou quando rejeita a fé por ensinar doutrina falsa ou por se dissociar da congregação. A Palavra de Deus nos diz claramente que devemos ‘parar de ter convivência’ com essas pessoas. * (Leia 1 Coríntios 5:11-13; 2 João 9-11) Pode ser muito difícil fazer isso quando se trata de um amigo ou parente. Será que seremos fiéis e obedientes, mostrando assim que nossa lealdade a Jeová e às suas leis justas está acima de tudo? Lembre-se que Jeová valoriza muito a lealdade e a obediência.

20, 21. (a) Por que a desassociação é um ato de amor? (b) Por que é essencial que escolhamos bem nossas amizades?

20 A desassociação é, na verdade, um ato de amor da parte de Jeová. Como assim? Expulsar um pecador não arrependido é uma demonstração de amor pelo santo nome de Jeová e por tudo o que esse nome representa. (1 Pedro 1:15, 16) A desassociação protege a congregação. Os membros fiéis são protegidos da má influência de pecadores deliberados. Dessa forma, podem continuar adorando a Jeová, certos de que a congregação é um refúgio seguro neste mundo mau. (1 Coríntios 5:7; Hebreus 12:15, 16) A disciplina firme é uma demonstração de amor para com o transgressor. Pode ser justamente o que ele precisa para cair em si e dar os passos necessários para retornar a Jeová. — Hebreus 12:11.

21 Não podemos negar que nossos amigos exercem uma grande influência sobre nós. Por isso é essencial que escolhamos bem nossas amizades. Se fizermos dos amigos de Jeová nossos amigos, amando os que ele ama, teremos as melhores amizades que existem. A influência deles nos ajudará a manter a determinação de agradar a Jeová.

^ parágrafo 2 A palavra hebraica traduzida “juntar-se com” é também traduzida “acompanhar” e “andar com”. — Juízes 14:20; Provérbios 22:24.

^ parágrafo 4 Por pedir isso a Abraão, Jeová estava retratando o sacrifício que ele mesmo faria ao oferecer seu Filho unigênito. (João 3:16) No caso de Abraão, Jeová interveio e forneceu um carneiro para ser oferecido no lugar de Isaque. — Gênesis 22:1, 2, 9-13.

^ parágrafo 9 Davi era bem jovem — “apenas um menino” — quando matou Golias, e tinha cerca de 30 anos quando Jonatã morreu. (1 Samuel 17:33; 31:2; 2 Samuel 5:4) Jonatã, que morreu com mais ou menos 60 anos, pelo visto era cerca de 30 anos mais velho que Davi.

^ parágrafo 10 Conforme registrado em 1 Samuel 23:17, Jonatã mencionou cinco coisas para animar Davi: (1) incentivou-o a não ficar com medo; (2) garantiu-lhe que os esforços de Saul fracassariam; (3) lembrou a Davi que ele receberia o reinado, como Jeová havia prometido; (4) prometeu ser leal a Davi; e (5) falou que até mesmo Saul sabia da lealdade de Jonatã a Davi.

^ parágrafo 19 Para obter mais informações sobre como tratar pessoas desassociadas ou dissociadas, veja o Apêndice tópico “Como tratar uma pessoa desassociada”.