Pular para conteúdo

Pular para sumário

 Capítulo 16

‘Exerça a justiça’ ao andar com Deus

‘Exerça a justiça’ ao andar com Deus

1-3. (a) Por que temos uma dívida com Jeová? (b) O que nosso amoroso Resgatador pede que façamos?

IMAGINE-SE preso num navio que está afundando. Quando acha que não há mais esperança, aparece alguém que o resgata e leva para um lugar seguro. Que alívio você sente quando ele lhe diz: “Agora você está a salvo”! Não se sentiria em dívida com essa pessoa? No mais pleno sentido, poderia dizer: “Devo minha vida a você.”

2 Em certos aspectos, isso ilustra o que Jeová fez por nós. É evidente que temos uma dívida com ele. Afinal, ele forneceu o resgate, que tornou possível nosso livramento das garras do pecado e da morte. Nós nos sentimos seguros por saber que, enquanto exercermos fé naquele sacrifício valioso, nossos pecados serão perdoados e nosso futuro eterno estará assegurado. (1 João 1:7; 4:9) Como vimos no Capítulo 14, o resgate é a suprema expressão do amor e da justiça de Jeová. Em vista disso, qual deveria ser nossa atitude?

3 Nada mais apropriado do que analisarmos o que nosso amoroso Resgatador pede que façamos em troca. Por meio do profeta Miqueias, Jeová diz: “Ele te informou, ó homem terreno, sobre o que é bom. E o que é que Jeová pede de volta de ti senão que exerças a justiça, e ames a benignidade, e andes modestamente com o teu Deus?” (Miqueias 6:8) Note que uma das coisas que Jeová nos pede é que ‘exerçamos a justiça’. Como podemos fazer isso?

Empenhe-se pela “verdadeira justiça”

4. Como sabemos que Jeová espera que vivamos em harmonia com suas normas justas?

4 Jeová espera que sigamos suas normas do que é certo e do  que é errado. Visto que elas são justas, quando as obedecemos estamos nos empenhando pela justiça. “Aprendei a fazer o bem; buscai a justiça”, diz Isaías 1:17. A Palavra de Deus nos incentiva a ‘procurar a justiça’. (Sofonias 2:3) Ela também nos encoraja a nos revestirmos “da nova personalidade, que foi criada segundo a vontade de Deus, em verdadeira justiça”. (Efésios 4:24) A verdadeira justiça não admite a violência, a impureza e a imoralidade, visto que essas práticas violam o que é santo. — Salmo 11:5; Efésios 5:3-5.

5, 6. (a) Por que não deve ser difícil demais para nós nos harmonizarmos com as normas de Jeová? (b) Como a Bíblia indica que se empenhar pela justiça é um processo contínuo?

5 É difícil demais para nós nos harmonizarmos com as normas justas de Jeová? Não. Se estivermos achegados a Deus de coração, não consideraremos a vontade Dele um fardo. Visto que amamos o tipo de pessoa que nosso Criador é, queremos levar a vida de um modo que o agrade. (1 João 5:3) Lembre-se de que Jeová “deveras ama atos justos”. (Salmo 11:7) Se realmente imitarmos a justiça divina, nos esforçaremos a amar o que Jeová ama e odiar o que ele odeia. — Salmo 97:10.

6 Para humanos imperfeitos, não é fácil empenhar-se pela justiça. Temos de nos livrar da velha personalidade com suas práticas pecaminosas e nos revestir duma nova, que, segundo a Bíblia, está “sendo renovada” por meio do conhecimento exato. (Colossenses 3:9, 10) A expressão “sendo renovada” indica que revestir-se da nova personalidade é um processo contínuo, que exige bastante esforço. Mas, não importa quanto tentemos fazer o que é direito, haverá ocasiões em que nossa natureza imperfeita nos fará tropeçar em pensamento, palavras ou ações. — Romanos 7:14-20; Tiago 3:2.

7. Ao nos empenharmos pela justiça, como devemos encarar nossas recaídas?

7 Ao nos empenharmos pela justiça, como devemos  encarar nossas recaídas? É claro que não devemos minimizar a seriedade do pecado. Ao mesmo tempo, jamais devemos desistir, achando que nossas falhas nos tornam indignos de servir a Jeová. Nosso Deus bondoso tomou providências para que os sinceramente arrependidos voltem a ter o Seu favor. Note estas palavras tranquilizadoras do apóstolo João: “Escrevo-vos estas coisas para que não cometais um pecado.” Mas daí, de forma bem realista, ele acrescentou: “Contudo, se alguém cometer um pecado [por causa da imperfeição herdada], temos um ajudador junto ao Pai, Jesus Cristo.” (1 João 2:1) De modo que Jeová forneceu o sacrifício resgatador de Jesus para que pudéssemos servir-lhe aceitavelmente apesar de nossa natureza pecaminosa. Isso nos motiva a querer fazer o melhor para agradar a Jeová, não é verdade?

As boas novas e a justiça divina

8, 9. Como a proclamação das boas novas demonstra a justiça de Jeová?

8 Podemos exercer — ou melhor, imitar — a justiça divina participando plenamente na pregação das boas novas do Reino de Deus a outros. Mas que relação existe entre a justiça de Jeová e as boas novas?

9 Jeová não acabará com este sistema perverso sem antes dar o aviso. Na sua profecia sobre o que aconteceria no tempo do fim, Jesus disse: “Em todas as nações têm de ser pregadas primeiro as boas novas.” (Marcos 13:10; Mateus 24:3) O uso da palavra “primeiro” indica que outros eventos se seguiriam à obra de pregação mundial. Esses incluem a predita grande tribulação, na qual os perversos serão destruídos, abrindo caminho para um novo mundo justo. (Mateus 24:14, 21, 22) Com certeza, ninguém pode acusar a Jeová de ser injusto para com os perversos. Ele soa o aviso e, assim, dá toda a oportunidade para que mudem de vida e escapem da destruição. — Jonas 3:1-10.

Mostramos justiça divina quando transmitimos as boas novas a outros de forma imparcial

10, 11. Como a nossa participação na pregação das boas novas reflete a justiça divina?

 10 Como a nossa pregação das boas novas reflete a justiça divina? Em primeiro lugar, nos empenharmos ao máximo para ajudar outros a ganhar a salvação é a coisa certa a fazer. Pense novamente na ilustração sobre ser resgatado dum navio que está afundando. Quando estivesse seguro num bote salva-vidas, você sem dúvida tentaria ajudar outros que ainda estivessem na água. De modo similar, temos uma obrigação para com os que ainda estão se debatendo nas “águas” deste mundo perverso. É verdade que muitos rejeitam a nossa mensagem. Mas, enquanto Jeová continuar a demonstrar paciência, temos a responsabilidade de dar-lhes a oportunidade de ‘alcançar o arrependimento’ e de se candidatar à salvação. — 2 Pedro 3:9.

11 Quando pregamos as boas novas a todos os que encontramos, demonstramos justiça de outro modo importante: mostramos imparcialidade. Lembre-se de que “Deus não é parcial, mas, em cada nação, o homem que o teme e que faz a justiça lhe é aceitável”. (Atos 10:34, 35) Se queremos imitar a justiça dele, não podemos prejulgar as pessoas. Antes, devemos transmitir as boas novas a outros não importa qual seja sua raça, posição social ou situação financeira. Assim, damos a todos os que nos escutam a oportunidade de ouvir as boas novas e reagir a elas. — Romanos 10:11-13.

Nosso modo de tratar outros

12, 13. (a) Por que não devemos nos apressar a julgar outros? (b) Qual é o sentido do conselho de Jesus de ‘parar de julgar’ e ‘parar de condenar’? (Veja também a nota.)

12 Também podemos exercer justiça tratando outros como Jeová nos trata. É muito fácil julgar alguém, criticando seus defeitos e questionando suas motivações. Mas quem de nós gostaria que Jeová inspecionasse impiedosamente todas as nossas motivações e falhas? Não é assim que ele lida  conosco. O salmista perguntou: “Se vigiasses os erros, ó Jah, ó Jeová, quem poderia ficar de pé?” (Salmo 130:3) Não somos gratos de que nosso Deus justo e misericordioso prefere não se concentrar nos nossos defeitos? (Salmo 103:8-10) Como, então, devemos tratar outros?

13 Se compreendermos a natureza misericordiosa da justiça divina, não vamos nos apressar a julgar outros em questões que, na verdade, não nos competem ou que são de pouca importância. No seu Sermão do Monte, Jesus avisou: “Parai de julgar, para que não sejais julgados.” (Mateus 7:1) Segundo o relato de Lucas, Jesus acrescentou: “Parai de condenar, e de modo algum sereis condenados.” * (Lucas 6:37) Com essas palavras, Jesus demonstrou que se apercebia que humanos imperfeitos têm a tendência de julgar outros. Se algum de seus ouvintes tinha esse hábito, deveria parar com isso.

14. Por que razões devemos ‘parar de julgar’ outros?

14 Por que devemos ‘parar de julgar’ outros? Primeiro, porque nossa autoridade é limitada. O discípulo Tiago nos lembra: “Há um que é legislador e juiz”: Jeová. De modo que ele apropriadamente pergunta: “Quem és tu para julgares o teu próximo?” (Tiago 4:12; Romanos 14:1-4) Além disso, nossa natureza pecaminosa pode facilmente nos levar a sermos injustos no julgamento. Muitas atitudes e motivações — incluindo preconceito, orgulho ferido, ciúme e achar-nos justos — podem distorcer o modo como encaramos outras pessoas. Temos outras limitações e, se refletirmos nelas, isso nos ajudará a tolerar os defeitos de outros. Não podemos ler o coração, nem temos como saber de todas as circunstâncias que outros enfrentam. Quem somos nós, então, para atribuir  motivações erradas a concrentes ou criticar os esforços deles ao servir a Deus? É muito melhor imitarmos a Jeová olhando o que nossos irmãos têm de bom, em vez de nos concentrarmos nas falhas deles.

15. Entre os adoradores de Deus, não há lugar para que tipo de palavras ou atitudes, e por quê?

15 E os membros da nossa família? Infelizmente, hoje em dia o lar — que deveria ser um lugar de refúgio e paz — muitas vezes é onde as pessoas são mais duramente julgadas. Com frequência, ouvimos falar de maridos, esposas ou pais que “sentenciam” seus familiares a uma saraivada constante de abusos verbais ou físicos. Mas entre os adoradores de Deus não há lugar para palavras duras, sarcasmo cruel e tratamento abusivo. (Efésios 4:29, 31; 5:33; 6:4) O conselho de Jesus de ‘parar de julgar’ e ‘parar de condenar’ se aplica  mesmo quando estamos em casa. Lembre-se de que exercer a justiça envolve tratar os outros como Jeová nos trata. E nosso Deus nunca é duro ou cruel ao lidar conosco. Pelo contrário, ele “é mui terno em afeição” para com os que o amam. (Tiago 5:11) Que exemplo maravilhoso para imitarmos!

Anciãos que servem “para o próprio juízo”

16, 17. (a) O que Jeová espera dos anciãos? (b) O que é preciso fazer quando um pecador deixa de demonstrar arrependimento genuíno, e por quê?

16 Todos temos de exercer justiça, mas quem tem a maior responsabilidade nesse sentido são os anciãos da congregação cristã verdadeira. Note a descrição profética dos “príncipes”, ou anciãos, registrada por Isaías: “Eis que um rei reinará para a própria justiça; e quanto a príncipes, governarão como príncipes para o próprio juízo.” (Isaías 32:1) De fato, Jeová espera que os anciãos defendam a justiça. Como podem fazer isso?

17 Esses homens espiritualmente qualificados sabem muito bem que a justiça exige que a congregação seja mantida limpa. Às vezes, surge a necessidade de julgarem casos de transgressão grave. Ao fazer isso, lembram-se de que a justiça divina procura estender misericórdia quando possível. Assim, procuram conduzir o pecador ao arrependimento. Mas o que fazer se ele deixa de demonstrar arrependimento genuíno, apesar dos esforços de ajudá-lo? Em perfeita justiça, a Palavra de Jeová diz que se deve tomar uma atitude firme: “Removei o homem iníquo de entre vós.” Isso quer dizer expulsá-lo da congregação. (1 Coríntios 5:11-13; 2 João 9-11) Os anciãos ficam tristes quando têm de tomar essa ação, mas reconhecem que isso é necessário a fim de proteger a pureza moral e espiritual da congregação. Mesmo depois disso, esperam que, algum dia, o pecador caia em si e volte à congregação. — Lucas 15:17, 18.

18. De que os anciãos devem se lembrar ao dar conselhos bíblicos a outros?

 18 Servir aos interesses da justiça também envolve dar conselhos bíblicos quando necessário. É claro que os anciãos não procuram defeitos nos outros. Nem ficam dando conselho sobre cada coisinha. Mas um concristão talvez “dê um passo em falso antes de se aperceber disso”. Lembrando-se de que a justiça divina não é cruel nem insensível, os anciãos se sentem motivados a tentar “reajustar tal homem num espírito de brandura”. (Gálatas 6:1) Assim, não seria correto que eles insultassem a pessoa que errou ou falassem com ela de forma grosseira. O que encoraja o aconselhado são conselhos amorosos. Mesmo quando dão repreensão pertinente — indicando de forma bem direta as consequências de um proceder imprudente —, os anciãos têm em mente que um concristão que errou é uma ovelha do rebanho de Jeová. * (Lucas 15:7) Quando fica óbvio que o conselho ou a repreensão são motivados por amor e dados de forma amorosa, é mais provável que o transgressor mude de atitude.

19. Que decisões os anciãos precisam tomar, e em que eles devem se basear?

19 Muitas vezes, os anciãos precisam tomar decisões que afetam a vida de concrentes. Por exemplo, eles se reúnem periodicamente para avaliar se outros irmãos na congregação se qualificam para serem recomendados como anciãos ou servos ministeriais. Os anciãos sabem que é importante ser imparcial. Em vez de confiar em sentimentos pessoais, deixam que os requisitos de Deus para essas designações os orientem nas suas decisões. Assim, agem “sem preconceito, não fazendo nada por parcialidade”. — 1 Timóteo 5:21.

20, 21. (a) Os anciãos se esforçam a ser o quê, e por quê? (b) O que os anciãos podem fazer para ajudar as “almas deprimidas”?

 20 Os anciãos administram a justiça divina ainda de outras maneiras. Depois de predizer que eles serviriam “para o próprio juízo”, Isaías continuou: “Cada um deles terá de mostrar ser como abrigo contra o vento e como esconderijo contra o temporal, como correntes de água numa terra árida, como a sombra dum pesado rochedo numa terra esgotada.” (Isaías 32:2) Assim, os anciãos se esforçam a ser fontes de consolo e revigoramento para seus concrentes.

21 Hoje, com tantos problemas que tendem a causar desânimo, muitos precisam de encorajamento. Anciãos, o que podem fazer para ajudar as “almas deprimidas”? (1 Tessalonicenses 5:14) Escutem-nas com empatia. (Tiago 1:19) Devido à “ansiedade no coração”, talvez esses irmãos precisem desabafar  com alguém em quem confiam. (Provérbios 12:25) Assegurem-lhes de que são queridos, valiosos e amados — tanto por Jeová como pelos irmãos. (1 Pedro 1:22; 5:6, 7) Além disso, orem com eles e a favor deles. É muito consolador ouvir um ancião orar de coração a nosso favor. (Tiago 5:14, 15) Seus esforços amorosos de ajudar os deprimidos não passarão despercebidos ao Deus de justiça.

Os anciãos refletem a justiça de Jeová quando encorajam os desanimados

22. De que maneiras podemos imitar a justiça de Jeová, e com que resultado?

22 Na verdade, quando imitamos a justiça de Jeová, nos achegamos cada vez mais a ele. Quando defendemos suas normas justas, participamos em transmitir as boas novas de salvação a outros e procuramos nos concentrar nas boas qualidades das pessoas, em vez de procurar seus defeitos, estamos demonstrando justiça divina. Anciãos, quando vocês protegem a pureza da congregação, dão conselhos bíblicos edificantes, tomam decisões imparciais e encorajam os desanimados, refletem a justiça divina. Como o coração de Jeová deve ficar feliz quando ele olha desde os céus e observa que o seu povo procura, da melhor maneira possível, ‘exercer a justiça’ ao andar com seu Deus!

^ parágrafo 13 Algumas traduções dizem “não julguem” e “não condenem”. Essas expressões transmitem a ideia de que ‘não se deve começar a julgar’ e ‘não se deve começar a condenar’. Mas os escritores bíblicos usaram a forma negativa do tempo presente (contínuo). De modo que as ações descritas estavam acontecendo naquele momento, mas deviam cessar.

^ parágrafo 18 Em 2 Timóteo 4:2, a Bíblia diz que os anciãos às vezes têm de ‘repreender, advertir, exortar’. A palavra grega traduzida ‘exortar’ (pa·ra·ka·lé·o) pode significar “encorajar”. Uma palavra derivada, pa·rá·kle·tos, pode se referir a um assistente legal ou advogado. Assim, mesmo quando os anciãos dão repreensão firme, devem agir como ajudadores dos que precisam de orientação espiritual.