Pular para conteúdo

Pular para sumário

 Capítulo 25

A “terna compaixão de nosso Deus”

A “terna compaixão de nosso Deus”

1, 2. (a) Qual é a reação natural da mãe ao choro do bebê? (b) Que sentimento é mais forte do que a compaixão materna?

UM CHORO no meio da noite. Imediatamente, a mãe acorda. Desde que o bebê nasceu, ela nunca mais dormiu tão profundamente como antes. Além disso, aprendeu a identificar os diferentes choros do filho e, assim, sabe se ele quer mamar, ser embalado ou se precisa de alguma outra coisa. Mas não importa qual seja a razão do choro do bebê, a mãe sempre lhe dá atenção. Seu coração a impede de ignorar as necessidades da criança.

2 A compaixão da mãe pelo filho está entre os sentimentos mais afetuosos conhecidos pelos humanos. Mas existe um sentimento infinitamente mais forte: a terna compaixão de nosso Deus, Jeová. Uma análise dessa qualidade maravilhosa ajudará a nos achegarmos mais a Ele. Vejamos, então, o que é compaixão e como nosso Deus a manifesta.

O que é compaixão?

3. Qual é o significado do verbo hebraico traduzido “mostrar misericórdia” ou “ter pena”?

3 Na Bíblia, compaixão e misericórdia estão intimamente ligadas. Várias palavras hebraicas e gregas transmitem a ideia de terna compaixão. Veja, por exemplo, o verbo hebraico ra·hhám, frequentemente traduzido “mostrar misericórdia” ou “ter pena”. Uma obra de referência explica que o verbo ra·hhám “expressa um sentimento profundo e terno de compaixão, tal como o que é provocado por vermos fraquezas ou sofrimentos naqueles que nos são queridos ou que precisam da nossa ajuda”. Esse termo hebraico,  que Jeová aplica a si mesmo, se relaciona com a palavra para “útero” e pode ser descrito como “compaixão maternal”. * — Êxodo 33:19; Jeremias 33:26.

“Haverá mãe que possa esquecer seu bebê?”

4, 5. Como a Bíblia usa os sentimentos que a mãe tem pelo bebê para nos ensinar sobre a compaixão de Jeová?

4 A Bíblia usa os sentimentos que a mãe tem pelo bebê para nos ensinar o sentido da compaixão de Jeová. Em Isaías 49:15 lemos: “Haverá mãe que possa esquecer seu bebê que ainda mama e não ter compaixão [ra·hhám] do filho que gerou? Embora ela possa esquecê-lo, eu não me esquecerei de você!” (Nova Versão Internacional) Essa descrição emocionante destaca a intensidade da compaixão de Jeová pelo seu povo. Como assim?

5 É difícil imaginar que uma mãe se esqueça de amamentar e cuidar do bebê. Afinal, a criança é indefesa e precisa da atenção e do afeto materno 24 horas por dia! Infelizmente, porém, a negligência materna não é tão incomum assim, em especial nestes “tempos críticos” marcados pela falta de “afeição natural”. (2 Timóteo 3:1, 3) Mas Jeová diz: “Eu não me esquecerei de você!” A terna compaixão que Deus sente pelo seu povo é infalível. O mais afetuoso sentimento natural que conhecemos é a compaixão que a mãe costuma sentir pelo bebê. Mas a compaixão divina é incomparavelmente mais forte. Não é de admirar que um comentarista tenha dito o seguinte sobre Isaías 49:15: “Essa é uma das mais intensas (talvez a mais intensa) expressões do amor de Deus no Velho Testamento.”

6. Qual é a opinião de muitos humanos imperfeitos a respeito da terna compaixão, mas do que Jeová nos assegura?

6 Será que essa terna compaixão é sinal de fraqueza? Na opinião de muitos humanos imperfeitos, sim. Por  exemplo, o filósofo romano Sêneca, contemporâneo de Jesus e um dos mais importantes intelectuais de Roma, ensinava que “sentir pena é uma fraqueza da mente”. Sêneca era partidário do estoicismo, a filosofia que dava ênfase à calma desprovida de sentimentos. O sábio podia ajudar os necessitados, dizia ele, mas não devia ter pena, porque esse sentimento o privaria da serenidade. Segundo esse raciocínio egocêntrico, era inadmissível demonstrar compaixão de coração. Mas Jeová não é assim. Na sua Palavra, ele nos assegura que “é mui terno em afeição e é compassivo”. (Tiago 5:11, nota, NM com Referências) Como veremos, a compaixão não é uma fraqueza, mas uma qualidade forte e vital. Analisemos como Jeová, igual a um pai ou uma mãe amorosos, a manifesta.

Jeová mostrou compaixão por uma nação

7, 8. Como os israelitas sofreram no Egito antigo, e qual foi a reação de Jeová aos sofrimentos deles?

7 Pode-se observar claramente a compaixão de Jeová no modo como ele lidou com a nação de Israel. No fim do século 16 AEC, milhões de israelitas eram escravos no Egito antigo. Ali, eram muito oprimidos, pois os egípcios “amarguravam-lhes a vida com dura escravidão, em argamassa argilosa e em tijolos”. (Êxodo 1:11, 14) Por causa da aflição, os israelitas clamaram a Jeová por ajuda. Como o Deus de terna compaixão reagiu?

8 A súplica do povo tocou o coração de Jeová. Ele disse: “Indubitavelmente, tenho visto a tribulação do meu povo que está no Egito e tenho ouvido seu clamor por causa daqueles que os compelem a trabalhar; porque eu bem sei das dores que sofrem.” (Êxodo 3:7) Jeová não conseguia ver o sofrimento do seu povo ou ouvir seus clamores sem sentir  pena deles. Como vimos no Capítulo 24 deste livro, Jeová é um Deus de empatia. Essa qualidade — definida como a habilidade de sentir a dor dos outros — está intimamente ligada à compaixão. Mas, em vez de apenas sentir pena do seu povo, Jeová foi motivado a agir em favor dele. Isaías 63:9 diz: “Ele mesmo os resgatou no seu amor e na sua compaixão.” Com “mão forte”, Deus resgatou os israelitas do Egito. (Deuteronômio 4:34) Posteriormente, forneceu-lhes alimento de forma milagrosa e conduziu-os a uma terra fértil.

9, 10. (a) Por que Jeová libertou os israelitas repetidas vezes depois de eles se estabelecerem na Terra Prometida? (b) Nos dias de Jefté, Jeová libertou os israelitas de que opressão, e o que o levou a fazer isso?

9 A compaixão de Jeová, porém, não parou por aí. Depois de se estabelecer na Terra Prometida, Israel repetidas vezes se tornou infiel e sofreu as consequências disso. Mas então o povo caía em si, suplicava a Jeová e ele os livrava, vez após vez. Por quê? ‘Porque tinha compaixão do seu povo.’ — 2 Crônicas 36:15; Juízes 2:11-16.

10 Veja o que aconteceu nos dias de Jefté. Visto que os israelitas haviam passado a adorar deuses falsos, Jeová permitiu que os amonitas os oprimissem por 18 anos. Por fim, se arrependeram. A Bíblia nos diz: “Começaram a remover os deuses estrangeiros do seu meio e a servir a Jeová, de modo que a alma dele ficou impaciente por causa da desgraça de Israel.” * (Juízes 10:6-16) Uma vez que seu povo demonstrou arrependimento genuíno, Jeová não pôde mais suportar vê-los sofrer. De modo que o Deus de terna compaixão habilitou Jefté para livrar os israelitas das mãos de seus inimigos. — Juízes 11:30-33.

11. Quando analisamos os tratos de Jeová com os israelitas, o que aprendemos sobre a compaixão?

 11 O que os tratos de Jeová com a nação de Israel nos ensinam a respeito da terna compaixão? Primeiro, é fácil perceber que não se trata apenas de notar os problemas que as pessoas estão passando. Lembre-se do exemplo de compaixão da mãe que dá pronta atenção ao choro do bebê. De modo similar, Jeová não se faz de surdo diante das súplicas do seu povo. Sua terna compaixão o motiva a aliviar o sofrimento dele. Além disso, o modo como Jeová lidou com os israelitas nos ensina que a compaixão não é uma fraqueza, pois essa qualidade bondosa o levou a tomar ação firme e decisiva a favor do seu povo. Mas será que Jeová só mostra compaixão aos seus servos coletivamente?

Jeová demonstra compaixão em base individual

12. Como a Lei refletia a compaixão que Jeová sente pelas pessoas em base individual?

12 A Lei que Deus deu à nação de Israel mostrou a compaixão que ele sente pelas pessoas em base individual. Um exemplo disso é sua preocupação com os pobres. Jeová sabia que, devido a circunstâncias inesperadas, um israelita poderia acabar se atolando na pobreza. Como os pobres deviam ser tratados? Jeová deu uma ordem direta aos israelitas: “Não deves endurecer teu coração, nem fechar a mão para com o teu irmão pobre. Deves terminantemente dar-lhe e teu coração não deve ser mesquinho ao lhe dares, porque é por esta razão que Jeová, teu Deus, te abençoará em todo ato teu.” (Deuteronômio 15:7, 10) Deus também ordenou que não colhessem totalmente as beiradas dos campos nem juntassem as sobras. A respiga deveria ser deixada para os menos favorecidos. (Levítico 23:22; Rute 2:2-7) Quando a nação de Israel obedecia a  essas leis bondosas a favor dos pobres no seu meio, esses não precisavam mendigar por comida. Não concorda que isso refletia a terna compaixão de Jeová?

13, 14. (a) Como as palavras de Davi nos asseguram que Jeová está profundamente interessado em nós como indivíduos? (b) Como se pode ilustrar que Jeová está perto quando estamos com o “coração quebrantado” ou o “espírito esmagado”?

13 Hoje também nosso Deus amoroso está profundamente interessado em nós como indivíduos. Podemos ter certeza de que ele está plenamente ciente de qualquer sofrimento que passemos. O salmista Davi escreveu: “Os olhos de Jeová estão atentos aos justos e seus ouvidos estão atentos ao seu clamor por ajuda. Perto está Jeová dos que têm coração quebrantado; e salva os que têm espírito esmagado.” (Salmo 34:15, 18) Um comentarista bíblico disse o seguinte a respeito dos que são descritos nas palavras acima: “Têm o coração quebrantado e espírito contrito, isto é, o pecado os torna humildes e têm pouca autoestima; eles se acham insignificantes e não confiam nos próprios méritos.” Talvez achem que Jeová está muito distante deles e que são insignificantes demais para que Deus se preocupe com eles. Mas não é bem assim. As palavras de Davi nos asseguram que Jeová não abandona os que “se acham insignificantes”. Nosso Deus compassivo sabe que, nessas ocasiões, precisamos dele mais do que nunca e ele está sempre perto de nós.

14 Preste atenção à seguinte história: uma mãe nos Estados Unidos correu para o hospital com o filho de dois anos que estava com uma grave inflamação na garganta. Depois de examinar o menino, os médicos informaram a mãe de que, aquela noite, ele teria de ficar em observação no hospital. Onde você acha que a mãe passou a noite? Numa cadeira no quarto de hospital, ao lado do leito do filho! Seu  filhinho estava doente e ela simplesmente tinha de ficar por perto. Sem dúvida, podemos esperar que nosso amoroso Pai celestial faça ainda mais por nós! Afinal, fomos criados à imagem dele. (Gênesis 1:26) As palavras comoventes do Salmo 34:18 nos dizem que, quando estamos com o “coração quebrantado” ou o “espírito esmagado”, Jeová, como um pai amoroso, ‘está perto’ — sempre compassivo e pronto para ajudar.

15. De que maneiras Jeová nos ajuda individualmente?

15 Como, então, Jeová nos ajuda individualmente? Nem sempre ele remove a causa dos nossos sofrimentos. Mas ele fez muitas provisões para os que imploram a Sua ajuda. Sua Palavra, a Bíblia, fornece conselhos práticos que auxiliam bastante. Na congregação, Jeová providenciou que superintendentes espiritualmente qualificados, que se esforçam para refletir a compaixão divina, deem atenção aos seus companheiros de adoração. (Tiago 5:14, 15) Como “Ouvinte de oração”, ele dará “espírito santo aos que lhe pedirem”. (Salmo 65:2; Lucas 11:13) Esse espírito pode nos dar o “poder além do normal” a fim de perseverarmos até que o Reino de Deus remova todos os problemas estressantes. (2 Coríntios 4:7) Não somos gratos por tudo o que Jeová faz por nós? Não nos esqueçamos de que essas são demonstrações da terna compaixão de Deus.

16. Qual é o maior exemplo da compaixão de Jeová, e como nos afeta pessoalmente?

16 Naturalmente, o maior exemplo da compaixão de Jeová é o fato de ele ter entregado seu Filho mais querido para nos resgatar. Foi um sacrifício amoroso da parte de Jeová e abriu caminho para a nossa salvação. Lembre-se de que o resgate se aplica a cada um de nós. Com toda a razão, Zacarias, pai de João Batista, predisse que essa dádiva magnificaria a “terna compaixão de nosso Deus”. — Lucas 1:78.

 Quando Jeová se refreia de mostrar compaixão

17-19. (a) Como a Bíblia mostra que a compaixão de Jeová tem limites? (b) O que fez com que a compaixão de Jeová para com seu povo chegasse ao limite?

17 Quer dizer, então, que a terna compaixão de Jeová não tem limites? Muito pelo contrário, a Bíblia mostra claramente que, quando alguém se opõe aos modos corretos de Jeová, ele refreia-se de demonstrar compaixão — o que é bastante justo. (Hebreus 10:28) Para entender por que ele age assim, lembre-se do exemplo da nação de Israel.

18 Embora vez após vez Jeová libertasse os israelitas dos seus inimigos, Sua compaixão por fim chegou ao limite. Aquele povo teimoso praticava idolatria a tal ponto que trazia seus ídolos repulsivos para dentro do templo de Jeová! (Ezequiel 5:11; 8:17, 18) Além disso, lemos: “Caçoavam continuamente dos mensageiros do verdadeiro Deus e desprezavam as suas palavras, e zombavam dos seus profetas até que subiu o furor de Jeová contra o seu povo, até que não havia mais cura.” (2 Crônicas 36:16) Os israelitas chegaram a um ponto em que não havia mais base para compaixão. Despertaram a ira justa de Jeová. Qual foi o resultado?

19 Jeová não pôde mais mostrar compaixão pelo seu povo. Declarou: “Não terei compaixão, nem terei dó, nem terei misericórdia, de modo a não arruiná-los.” (Jeremias 13:14) Assim, Jerusalém e seu templo foram destruídos e os israelitas foram levados para Babilônia como prisioneiros. Quando humanos pecadores se tornam tão rebeldes que ultrapassam os limites da compaixão divina, o resultado só pode ser trágico. — Lamentações 2:21.

20, 21. (a) O que ocorrerá quando a compaixão divina atingir o seu limite nos nossos dias? (b) Que demonstração da compaixão de Jeová será analisada no próximo capítulo?

20 Qual é a situação hoje? Jeová não mudou. Por compaixão,  ele incumbiu suas Testemunhas de pregar as “boas novas do reino” em toda a Terra habitada. (Mateus 24:14) Ele ajuda os sinceros que aceitam essa mensagem a entender o sentido dela. (Atos 16:14) Mas essa obra não continuará para sempre. Não seria compassivo da parte de Jeová se ele permitisse que este mundo perverso, com toda a sua dor e sofrimento, continuasse existindo indefinidamente. Quando a compaixão divina atingir o limite, Jeová executará seu julgamento contra o atual sistema. Mesmo então, esse será um ato de compaixão — compaixão pelo seu “santo nome” e por seus servos dedicados. (Ezequiel 36:20-23) Jeová eliminará a maldade e introduzirá um novo mundo justo. Falando dos perversos, ele declara: “Meu olho não terá dó, nem terei compaixão. Hei de trazer o procedimento deles sobre a sua própria cabeça.” — Ezequiel 9:10.

21 Enquanto esse dia não chegar, Jeová continuará a sentir compaixão pelas pessoas, até pelas que se encaminham para a destruição. Os humanos pecadores que se arrependem sinceramente podem beneficiar-se de uma das maiores demonstrações da compaixão de Jeová: o seu perdão. No próximo capítulo, veremos algumas lindas ilustrações bíblicas que indicam o alcance do perdão divino.

^ parágrafo 3 O interessante, porém, é que no Salmo 103:13 o verbo hebraico ra·hhám denota a misericórdia, ou compaixão, que um pai demonstra aos filhos.

^ parágrafo 10 A expressão “a alma dele ficou impaciente” significa literalmente “sua alma foi encurtada; sua paciência se esgotou”. A Bíblia Pastoral diz: “Não pôde mais suportar o sofrimento de Israel.” A Bíblia — Mensagem de Deus traduz assim esse trecho: “Não tolerou mais a desgraça de Israel.”