A Carta aos Romanos 10:1-21

10  Irmãos, o que eu realmente desejo de coração e suplico a Deus por eles é que sejam salvos.+  Pois posso testemunhar que eles têm zelo por Deus,+ mas não segundo o conhecimento exato.  Pois, por não conhecerem a justiça de Deus,+ mas buscarem estabelecer a sua própria,+ não se sujeitaram à justiça de Deus.+  Porque Cristo é o fim da Lei,+ para que todo aquele que exercer fé possa alcançar a justiça.+  Pois Moisés escreve sobre a justiça que vem por meio da Lei: “O homem que fizer estas coisas viverá por meio delas.”+  Mas a justiça resultante da fé diz: “Não diga no seu coração:+ ‘Quem subirá aos céus?’+ isto é, para fazer Cristo descer;  ou: ‘Quem descerá ao abismo?’+ isto é, para fazer Cristo subir dentre os mortos.”  Mas o que ela diz? “A palavra está perto de você, na sua própria boca e no seu próprio coração”;+ isto é, “a palavra” da fé, que estamos pregando.  Pois, se você declarar publicamente com a sua boca que Jesus é Senhor,+ e no seu coração tiver fé em que Deus o levantou dentre os mortos, você será salvo. 10  Porque com o coração se tem fé visando a justiça, mas com a boca se faz declaração pública+ visando a salvação. 11  Pois certa passagem das Escrituras diz: “Ninguém que basear nele a sua fé ficará decepcionado.”+ 12  Pois não há distinção entre judeu e grego;+ o mesmo Senhor está sobre todos e é rico para com* todos os que o invocam. 13  Pois “todo aquele que invocar o nome de Jeová será salvo”.+ 14  Mas como o invocarão se não depositaram fé nele? E como depositarão fé naquele de quem não ouviram falar? E como ouvirão se não houver quem pregue? 15  Por sua vez, como pregarão, a menos que tenham sido enviados?+ Assim como está escrito: “Como são lindos os pés daqueles que declaram boas novas de coisas boas!”+ 16  No entanto, nem todos obedeceram às boas novas. Pois Isaías diz: “Jeová, quem depositou fé no que falamos?”*+ 17  De modo que a fé segue ao que se ouve.+ E o que se ouve vem por meio da palavra a respeito de Cristo. 18  Mas eu pergunto: Será que ficaram sem ouvir? Ora, de fato, “o som deles saiu por toda a terra; e a sua mensagem, até os confins da terra habitada”.+ 19  Novamente pergunto: Será que Israel não compreendeu?+ Primeiro, Moisés diz: “Eu provocarei vocês ao ciúme por meio daquilo que não é nação; eu provocarei vocês à ira violenta por meio de uma nação insensata.”+ 20  E Isaías ousa dizer: “Fui achado por aqueles que não me buscavam;+ tornei-me conhecido pelos que não perguntavam por mim.”+ 21  Mas ele diz com respeito a Israel: “O dia inteiro estendi as mãos a um povo desobediente e obstinado.”+

Notas de rodapé

Ou: “e que dá ricamente a; e que é generoso para com”.
Ou: “no nosso relato; na nossa mensagem”. Lit.: “na coisa ouvida de nós”.

Notas de estudo

o conhecimento exato: Nas Escrituras Gregas Cristãs, existem duas palavras que normalmente são traduzidas como “conhecimento”: gnósis e epígnosis. Essas duas palavras estão relacionadas com o verbo ginósko, que significa “conhecer; saber; entender; perceber”. A palavra usada aqui, epígnosis, é uma forma intensificada de gnósis (o sentido literal de epí é “sobre; em cima de”, mas aqui passa a ideia de “adicional”). Muitas vezes, o contexto mostra que epígnosis significa “conhecimento exato, verdadeiro ou pleno”. Aqui, Paulo usou essa palavra para mostrar que o zelo dos judeus estava mal direcionado. O zelo deles não se baseava no conhecimento exato sobre a vontade de Deus que tinha sido revelado por meio de Jesus, o Messias prometido.

o fim: A palavra grega télos, que geralmente é traduzida como “fim”, pode ter diversas variações de sentido. Ela pode se referir ao “fim” como o oposto do “começo”. (Mt 24:14; Mr 3:26; Ap 21:6) Esse sentido da palavra se encaixa bem aqui, já que a Lei mosaica chegou ao seu fim completo, ou definitivo, depois que Jesus morreu, foi ressuscitado e voltou ao céu. (Jo 1:17; Ro 6:14; Gál 5:18; Col 2:14, 16, 17) Mas télos também pode se referir a um “fim” no sentido de “finalidade; objetivo”. (Compare com 1Ti 1:5, onde a palavra télos foi traduzida como “objetivo”.) Em Gál 3:24, Paulo falou da Lei mosaica como um “tutor, conduzindo a Cristo”. Por isso, pode-se dizer que Cristo era o objetivo da Lei. Assim, pelo visto, aqui neste versículo, télos tem os dois sentidos.

o abismo: Ou: “o lugar profundo”. A palavra grega ábyssos significa “extremamente profundo” ou “insondável; ilimitado”, e se refere a um lugar ou condição de confinamento ou prisão. Ela é usada nove vezes nas Escrituras Gregas Cristãs: uma vez neste versículo, uma vez em Ro 10:7 e sete vezes em Apocalipse. Em Ap 20:1-3, a Bíblia mostra que Satanás será lançado no abismo e ficará preso ali por 1.000 anos. Pode ser que a legião de demônios estivesse pensando nesse acontecimento futuro quando suplicou que Jesus não a mandasse “para o abismo”. No versículo 28, um dos demônios pediu para Jesus não “atormentá-lo”. O relato paralelo em Mt 8:29 diz que os demônios perguntaram a Jesus: “Veio aqui nos atormentar antes do tempo determinado?” Assim, parece que o ‘tormento’ de que os demônios estavam falando era serem aprisionados ‘no abismo’. — Veja o Glossário e a nota de estudo em Mt 8:29.

ao abismo: Ou: “às profundezas”. A palavra grega ábyssos significa “extremamente profundo” ou “insondável; ilimitado”. Ela é usada nove vezes nas Escrituras Gregas Cristãs, onde geralmente se refere a um lugar ou condição de confinamento. (Veja a nota de estudo em Lu 8:31.) Aqui, em Ro 10:7, ábyssos se refere ao lugar simbólico em que Cristo Jesus ficou parte de três dias e de onde foi ressuscitado por seu Pai. (Compare com o Sal 71:19, 20 e Mt 12:40.) Pode-se dizer que, enquanto Jesus estava morto, ele estava como que “confinado”, ou preso. Jesus estava inconsciente, num estado de total inatividade. Apenas seu Pai poderia libertá-lo desse lugar. (Compare com 2Sa 22:5, 6; Jó 38:16, 17; Sal 9:13; 107:18; 116:3 e At 2:24.) Mas não seria correto dizer que a palavra “abismo” se aplica apenas ao lugar simbólico (ou a condição) onde estão os mortos em geral. (Veja o Glossário, “Sepultura”.) É interessante que a Septuaginta grega não usou a palavra ábyssos para traduzir a palavra hebraica sheʼóhl (“a Sepultura”). Além disso, a Bíblia usa ábyssos para se referir ao lugar simbólico de confinamento onde Satanás e seus demônios serão presos, que também é chamado de “prisão”. — Lu 8:31; Ap 20:1, 3, 7.

pregar: A palavra grega traduzida como “pregar” tem o sentido básico de “proclamar como um mensageiro público”. A palavra enfatiza como a proclamação é feita: geralmente de modo público, aberto, para todos ouvirem, em vez de um simples sermão para um grupo.

pregando: Ou seja, proclamando publicamente. — Veja a nota de estudo em Mt 3:1.

declarar publicamente: O verbo grego que aparece aqui, homologéo, é traduzido em algumas Bíblias como “confessar”. Muitos léxicos definem essa palavra como “declarar (reconhecer) publicamente”. No versículo 10, esse mesmo verbo é traduzido como “se faz declaração pública”. Aqui, Paulo explica que, para um cristão ser salvo, não basta que ele tenha fé no coração; ele também precisa declarar publicamente a sua fé. (Sal 40:9, 10; 96:2, 3, 10; 150:6; Ro 15:9) Os cristãos não declaram publicamente sua fé uma única vez, como, por exemplo, quando são batizados. Eles continuam fazendo isso quando se reúnem com outros cristãos e quando declaram as boas novas de salvação para outras pessoas. — He 10:23-25; 13:15.

Senhor: A palavra grega que aparece aqui é Kýrios. Apesar de geralmente ser usada nas Escrituras como um substantivo, essa palavra é um adjetivo que significa “que possui poder (kýros) ou autoridade”. Ela aparece em todos os livros das Escrituras Gregas Cristãs, com exceção da carta de Paulo a Tito e das cartas de João. Jesus Cristo foi criado por Deus e é seu Filho e Servo. Assim, já que Deus tem poder e autoridade superiores a Jesus e é seu Cabeça (1Co 11:3), faz sentido que Jesus chame seu Pai e Deus (Jo 20:17) de “Senhor” (Mt 11:25). Mas, na Bíblia, o título “Senhor” não é usado apenas para se referir a Jeová Deus. Ele é usado também para se referir a Jesus Cristo (Mt 7:21; Ro 1:4, 7), a um dos anciãos que João viu no céu numa visão (Ap 7:13, 14), a anjos (Da 12:8), a humanos (At 16:16, 19, 30) e a deuses falsos (1Co 8:5). Alguns afirmam que a expressão “Jesus é Senhor” significa que ele e seu Pai, Jeová, são a mesma pessoa. Mas fica claro pelo contexto que esse não é o caso, já que o versículo diz que “Deus o levantou [ou seja, levantou Jesus] dentre os mortos”. Jesus é Senhor porque seu Pai lhe deu essa autoridade. — Mt 28:18; Jo 3:35; 5:19, 30. — Veja a nota de estudo em que Jesus é Senhor neste versículo.

que Jesus é Senhor: Quando Jesus esteve na Terra, pessoas que não o seguiam o chamaram de “Senhor” por educação ou para mostrar respeito. Por exemplo, foi por respeito que a samaritana se dirigiu a Jesus como “senhor”. (Jo 4:11; Mt 8:2) A palavra grega usada pelos escritores bíblicos, Kýrios (“Senhor”), pode ter vários sentidos, dependendo do contexto. Mas Jesus indicou que, quando seus discípulos (ou alunos) o chamavam assim, eles estavam reconhecendo que ele era seu Senhor, ou Mestre. (Jo 13:13, 16) Esse título passou a ter um significado especial depois que Jesus morreu e foi ressuscitado para ocupar uma posição superior no céu. Quando Jesus deu sua vida como sacrifício, ele comprou seus seguidores e se tornou seu Dono (1Co 7:23; 2Pe 2:1; Ju 4; Ap 5:9, 10) e seu Rei (Col 1:13; 1Ti 6:14-16; Ap 19:16). Reconhecer a Jesus como Senhor envolve mais do que simplesmente chamar a Jesus por esse título. Os verdadeiros cristãos precisam reconhecer a posição que Jesus ocupa e obedecer a ele. — Mt 7:21; Fil 2:9-11.

Ninguém que basear nele a sua fé ficará decepcionado: Aqui, Paulo está citando as palavras de Is 28:16, conforme elas aparecem na Septuaginta. A palavra grega traduzida aqui como “ficará decepcionado” tem o sentido básico de “ficar envergonhado”. Assim, Paulo está mostrando que a pessoa que exerce fé em Jesus nunca sentirá a vergonha e a decepção que serão sentidas pelos que descobrirem que sua fé foi em vão. Essa mesma palavra grega aparece em Ro 9:33 e 1Pe 2:6.

Senhor: O contexto não deixa claro quem é o “Senhor” (Kýrios) mencionado neste versículo, e os estudiosos não chegaram a um consenso sobre a quem Paulo está se referindo: ao Senhor Jesus Cristo ou ao Senhor Jeová Deus. No texto de Ro 10:9, Paulo se refere claramente a Jesus Cristo como Senhor, e a citação de Is 28:16, que aparece em Ro 10:11, também se aplica a Jesus. Assim, se o “Senhor” mencionado aqui em Ro 10:12 estiver diretamente ligado com a palavra “nele” de Ro 10:11, então aqui o “Senhor” é Jesus Cristo. Por outro lado, em Ro 10:9, depois de falar sobre Jesus Cristo, Paulo fala sobre ter fé no coração de que “Deus o levantou dentre os mortos”. Além disso, Ro 10:13, que cita Jl 2:32, diz: “Todo aquele que invocar o nome de Jeová será salvo.” Assim, se o “Senhor” aqui em Ro 10:12 for o mesmo de Ro 10:13, então o “Senhor” é Jeová Deus. Se esse for o caso, a ideia seria a mesma de Ro 3:29, ou seja, de que há apenas um Deus sobre judeus e não judeus. Este é um exemplo de como a Comissão da Tradução do Novo Mundo da Bíblia examinou o contexto de cada ocorrência da palavra Kýrios para determinar onde o nome de Deus deveria ser restaurado. Quando o contexto ou as Escrituras Hebraicas não deixavam claro que o nome de Deus devia ser restaurado, a comissão manteve a tradução “Senhor” para não ultrapassar os limites da tradução e entrar no campo da interpretação. — Veja o Apêndice C1.

todo aquele: Neste versículo, Paulo está citando Jl 2:32. No versículo anterior de Romanos, Paulo diz que “não há distinção entre judeu e grego” e que “o mesmo Senhor está sobre todos e é rico para com todos os que o invocam”. Aqui, a expressão “todo aquele” dá ainda mais destaque ao fato de que Deus trata judeus e não judeus da mesma forma, de modo imparcial.

invocar o nome de Jeová: Esta expressão envolve mais do que apenas conhecer e usar o nome pessoal de Deus. A expressão “invocar o nome [de alguém]” vem das Escrituras Hebraicas. Aqui, Paulo está citando Jl 2:32. Antes de falar sobre invocar o nome de Jeová, Joel falou da necessidade de a pessoa se arrepender de coração pelos seus erros e confiar no perdão de Jeová. (Jl 2:12, 13) No Pentecostes de 33 d.C., Pedro citou essa mesma profecia de Joel e incentivou seus ouvintes a se arrependerem e a agirem para ter a aprovação de Jeová. (At 2:21, 38) Outros versículos bíblicos mostram que invocar o nome de Deus envolve conhecer a Deus, confiar nele e buscar sua ajuda e orientação. (Sal 20:7; 99:6; 116:4; 145:18) Em alguns contextos, invocar o nome de Jeová pode envolver declarar o nome e as qualidades dele. (Gên 12:8; compare com Êx 34:5, onde a mesma expressão hebraica foi traduzida como “declarou o nome de Jeová”.) Em Ro 10:14, Paulo relaciona invocar a Deus com depositar fé nele.

o nome de Jeová: Aqui, Paulo está citando Jl 2:32, onde aparece a expressão “o nome de Jeová”. Ela é uma combinação da palavra hebraica para “nome” com o Tetragrama e ocorre mais de 90 vezes nas Escrituras Hebraicas. Alguns exemplos são: Gên 12:8; Êx 33:19; 34:5; De 28:10; 32:3; Jó 1:21; Sal 118:26; Pr 18:10 e Miq 4:5. Falando sobre essa expressão hebraica, uma obra de referência diz que ela “se refere não apenas ao nome, mas ao poder e à inteira pessoa [de Jeová]”. O uso da expressão “o nome de Jeová” (que está no caso genitivo), em vez de “o nome Jeová”, indica que o nome de Deus não deve ser usado como se fosse um amuleto de proteção. O nome de Deus está ligado com a personalidade, o modo de agir e os propósitos dele. Assim, invocar o nome de Jeová envolve mais do que saber o seu nome e usá-lo. Para invocar o nome de Jeová, é preciso conhecer a Pessoa que está por trás desse nome. Também é necessário adorar a Jeová e viver de uma forma que agrada a ele. Além disso, como mostra Ro 10:14, invocar o nome de Jeová envolve exercer fé nele.

Jeová: Esta é uma citação de Jl 2:32. No texto hebraico original de Joel, aparecem as quatro letras hebraicas que formam o nome de Deus (que equivalem a YHWH). Esse mesmo versículo de Joel foi citado por Pedro durante o seu discurso no Pentecostes de 33 d.C. — At 2:21; veja o Apêndice C1.

Como são lindos os pés: Aqui, Paulo está citando Is 52:7. As Escrituras muitas vezes se referem a partes do corpo humano como se elas representassem a pessoa como um todo. Em Is 52:7, o profeta Isaías falou como se um mensageiro figurativo estivesse se aproximando de Jerusalém, vindo dos montes de Judá próximos dali. Não seria possível ver os pés do mensageiro dessa distância. Assim, o foco das palavras de Isaías estava no fato de que o mensageiro estava chegando. Na verdade, “os pés” representavam o mensageiro e os esforços que ele estava fazendo para proclamar boas novas. “Os pés” de Jesus e de seus discípulos eram considerados por Deus como lindos, ou preciosos, porque Jesus e seus discípulos cumpriram a profecia de Isaías e declararam “boas novas de coisas boas”. — Veja a nota de estudo em daqueles que declaram boas novas de coisas boas neste versículo.

daqueles que declaram boas novas de coisas boas: Aqui, Paulo está citando Is 52:7, que fala “daquele que traz boas novas”, no singular. No período do exílio dos judeus em Babilônia, seria emocionante para os que estivessem em Jerusalém ver um mensageiro chegando com notícias de libertação. A profecia de Isaías teve um cumprimento maior em Jesus Cristo, o maior de todos os proclamadores de boas novas. Paulo indica que essa profecia tem um cumprimento ainda mais amplo quando fala “daqueles [plural] que declaram boas novas”. Assim como Jesus, todos os cristãos são mensageiros das boas novas de paz.

Jeová, quem depositou fé no que falamos?: Aqui, Paulo está citando o começo de Is 53:1, que faz parte da profecia de Isaías sobre o servo de Jeová. Paulo mostra que essa profecia se cumpriu em Jesus. A notícia sobre Jesus, o Messias, ter vindo e ter sido glorificado eram boas novas. Mas Paulo explica que nem todos os judeus obedeceram às boas novas. Na verdade, relativamente poucos judeus nos dias de Paulo depositaram fé nas boas novas sobre o Servo de Deus. — Para uma explicação sobre os motivos de o nome de Deus ter sido usado aqui, veja o Apêndice C3 (introdução e Ro 10:16).

palavra a respeito de Cristo: A expressão grega que aparece aqui também poderia ser traduzida como “palavra de Cristo”, ou seja, a palavra falada por Cristo. Mas a opção usada aqui no texto principal, que passa a ideia de que a palavra é falada não por Cristo, mas a respeito dele, é mais provável pelo contexto. Alguns manuscritos dizem aqui “palavra de Deus”. Mas as traduções “palavra a respeito de Cristo” ou “palavra de Cristo” têm o apoio de manuscritos muito antigos e confiáveis.

não têm desculpa: Ou: “são indesculpáveis”. Lit.: “são sem defesa”. A palavra grega anapológetos era um termo jurídico usado para se referir a uma pessoa que não conseguia apresentar nenhuma prova convincente em sua defesa. Aqui, a palavra é usada para se referir aos que não reconhecem a autoridade de Deus. As provas de que Deus existe estão evidentes “desde a criação do mundo”. As qualidades dele são claramente vistas. Assim, aqueles que se negam a aceitar a verdade sobre Deus não têm argumentos válidos para defender sua causa. Paulo também diz que as qualidades de Deus são percebidas por meio das coisas feitas. A palavra grega traduzida aqui como “percebidas” está relacionada com a palavra para “mente” (em grego, nous), que pode passar a ideia de compreender algo usando o raciocínio. Uma Bíblia traduz essa parte do versículo dizendo que as qualidades de Deus são “reconhecíveis com a consideração da mente humana”. Os humanos podem descobrir muitas qualidades de Deus por observar as coisas que ele criou e meditar nelas. Quando uma pessoa une essa compreensão com o conhecimento detalhado que o estudo das Escrituras dá sobre o propósito e a maneira de pensar do Criador, ela é capaz de desenvolver uma forte fé.

o som deles saiu por toda a terra: Aqui, Paulo está citando o Sal 19:4, que fala que o testemunho silencioso da criação visível de Deus alcança toda a Terra. Paulo aplica esse salmo para o trabalho de pregação. Ele dá a entender que, assim como o alcance do testemunho da criação faz com que não exista desculpa para se rejeitar a Deus (Ro 1:20), o alcance da pregação das “boas novas” (Ro 10:15) sobre Cristo também tinha dado aos judeus muitas oportunidades de aceitar a Cristo. O problema deles foi a falta de fé. É possível que Paulo também tivesse em mente o sentido original do Sal 19 e estivesse pensando no testemunho silencioso que a criação dá a todos os humanos, que faz com que não exista desculpa para negar que Deus é o Criador. — Veja a nota de estudo em Ro 1:20.

terra habitada: A palavra grega para “terra habitada” (oikouméne) tem um sentido amplo e se refere à Terra como o lar da humanidade. (Lu 4:5; At 17:31; Ap 12:9; 16:14) Aqui, o foco da palavra está mais nos humanos que vivem na Terra do que no planeta em si. No século 1 d.C., essa palavra também era usada para se referir ao enorme território do Império Romano, por onde os judeus tinham sido espalhados. (Lu 2:1; At 24:5) Neste versículo, Paulo está citando o Sal 19:4, onde a Septuaginta (Sal 18:5, LXX) usou oikouméne para traduzir uma palavra hebraica que pode se referir às partes habitadas da Terra.

estendi as mãos: Aqui, Paulo está citando Is 65:2. O gesto de estender as mãos indicava um convite ou um apelo. Assim como um pai que faz um apelo a um filho rebelde pedindo que ele mude, Jeová como que estendeu as mãos, fazendo um apelo à nação de Israel, que tinha se desviado.

Mídia