As Boas Novas Segundo Mateus 21:1-46

21  Quando se aproximaram de Jerusalém e chegaram a Betfagé, no monte das Oliveiras,+ Jesus enviou dois discípulos,+  dizendo-lhes: “Vão à aldeia que está ao alcance da vista e logo acharão uma jumenta amarrada, e um jumentinho com ela. Desamarrem-nos e tragam-nos para mim.  Se alguém lhes disser alguma coisa, digam: ‘O Senhor precisa deles.’ Com isso, imediatamente os deixará trazê-los.”  Isso aconteceu para que se cumprissem as palavras do profeta, que disse:  “Digam à filha de Sião: ‘Veja! Seu rei está vindo a você,+ de temperamento brando+ e montado num jumento, sim, num jumentinho, filho de um animal de carga.’”+  Os discípulos foram então e fizeram conforme Jesus lhes havia ordenado.+  Trouxeram a jumenta e seu jumentinho, colocaram sobre eles suas capas, e ele se sentou nelas.+  A maior parte da multidão estendeu suas capas na estrada,+ ao passo que outros cortavam ramos das árvores e os espalhavam pela estrada.  Além disso, as multidões que iam na frente dele e as que o seguiam gritavam: “Salva, rogamos, o Filho de Davi!+ Bendito é aquele que vem em nome de Jeová!+ Salva-o, rogamos, nas maiores alturas!”*+ 10  Quando ele entrou em Jerusalém, a cidade inteira ficou em alvoroço, e diziam: “Quem é este?” 11  As multidões respondiam: “Este é o profeta Jesus,+ de Nazaré da Galileia!” 12  Jesus entrou no templo, expulsou todos os que vendiam e compravam no templo, e derrubou as mesas dos cambistas e as cadeiras dos que vendiam pombas.+ 13  E lhes disse: “Está escrito: ‘Minha casa será chamada casa de oração’,+ mas vocês fazem dela um abrigo de ladrões.”+ 14  Também, cegos e mancos se aproximaram dele no templo, e ele os curou. 15  Quando os principais sacerdotes e os escribas viram as coisas maravilhosas que ele fazia e os meninos que gritavam no templo: “Salva, rogamos, o Filho de Davi!”,+ ficaram indignados+ 16  e lhe disseram: “Está ouvindo o que eles estão dizendo?” Jesus lhes disse: “Sim. Vocês nunca leram o seguinte: ‘Da boca de crianças e de bebês fizeste sair louvor’?”+ 17  E, deixando-os para trás, saiu da cidade para Betânia e passou a noite ali.+ 18  Ao voltar à cidade de manhã cedo, sentiu fome.+ 19  Ele viu uma figueira à beira da estrada e se dirigiu a ela, mas não encontrou nada, a não ser folhas,+ e lhe disse: “Nunca mais produza fruto algum.”+ E a figueira secou instantaneamente. 20  Quando os discípulos viram isso, ficaram admirados e disseram: “Como é que a figueira secou instantaneamente?”+ 21  Em resposta, Jesus lhes disse: “Eu lhes digo a verdade: Se tiverem fé e não duvidarem, vocês não só farão o que eu fiz à figueira, mas até mesmo se disserem a este monte: ‘Levante-se e jogue-se no mar’, isso acontecerá.+ 22  E tudo o que pedirem em oração, tendo fé, vocês receberão.”+ 23  Depois de ele entrar no templo, os principais sacerdotes e os anciãos do povo se aproximaram dele, enquanto ensinava, e perguntaram: “Com que autoridade você faz essas coisas? E quem lhe deu essa autoridade?”+ 24  Jesus lhes disse em resposta: “Eu também lhes perguntarei uma coisa. Se me responderem, então eu lhes direi com que autoridade faço essas coisas: 25  O batismo de João, de onde se originou? Do céu ou dos homens?”* Mas eles começaram a raciocinar entre si, dizendo: “Se dissermos: ‘Do céu’, ele nos dirá: ‘Então, por que vocês não acreditaram nele?’+ 26  Mas, se dissermos: ‘Dos homens’, temos a multidão para temer, porque todos eles consideram João como profeta.”+ 27  Assim, responderam a Jesus: “Não sabemos.” Ele, por sua vez, lhes disse: “Então eu também não lhes digo com que autoridade faço essas coisas. 28  “O que vocês acham? Um homem tinha dois filhos. Dirigindo-se ao primeiro, disse: ‘Filho, vá trabalhar hoje no vinhedo.’ 29  Em resposta, esse lhe disse: ‘Não irei’, mas depois se arrependeu e foi. 30  Aproximando-se do segundo, o pai disse a mesma coisa. Esse respondeu: ‘Sim, senhor’, mas não foi. 31  Qual dos dois fez a vontade do pai?” Eles disseram: “O primeiro.” Jesus lhes disse: “Garanto a vocês que os cobradores de impostos e as prostitutas entrarão antes de vocês no Reino de Deus.+ 32  Porque João veio a vocês num caminho de justiça, mas vocês não acreditaram nele. No entanto os cobradores de impostos e as prostitutas acreditaram nele;+ e nem mesmo depois de verem isso vocês se arrependeram a ponto de acreditar nele. 33  “Ouçam outra ilustração: havia um homem, um proprietário, que plantou um vinhedo,+ pôs uma cerca em volta dele, cavou um lagar de vinho e ergueu uma torre;+ então arrendou o vinhedo a lavradores e viajou para fora.+ 34  Quando chegou a estação dos frutos, enviou seus escravos aos lavradores, para receber seus frutos. 35  No entanto, os lavradores pegaram os escravos dele, e a um espancaram, a outro mataram e a outro apedrejaram.+ 36  Enviou novamente outros escravos, em maior número do que no primeiro grupo, mas fizeram-lhes o mesmo.+ 37  Por fim enviou a eles seu filho, dizendo: ‘Respeitarão o meu filho.’ 38  Ao verem o filho, os lavradores disseram entre si: ‘Este é o herdeiro.+ Venham, vamos matá-lo e ficar com a sua herança!’ 39  Assim, eles o pegaram, o lançaram para fora do vinhedo e o mataram.+ 40  Portanto, quando o dono do vinhedo voltar, o que fará com aqueles lavradores?” 41  Disseram-lhe: “Por serem maus, trará sobre eles uma destruição terrível e arrendará o vinhedo a outros lavradores, que lhe darão os frutos no seu tempo devido.” 42  Jesus lhes disse: “Vocês nunca leram nas Escrituras: ‘A pedra que os construtores rejeitaram, essa se tornou a principal pedra angular.+ Isso procede de Jeová e é maravilhoso aos nossos olhos’?+ 43  É por isso que lhes digo: O Reino de Deus será tirado de vocês e será dado a uma nação que produza os seus frutos. 44  Também, quem cair sobre essa pedra será despedaçado.+ Quanto àquele sobre quem ela cair, será esmagado.”+ 45  Quando os principais sacerdotes e os fariseus ouviram as ilustrações dele, sabiam que falava deles.+ 46  Embora quisessem prendê-lo,* tinham medo das multidões, porque elas o consideravam como profeta.+

Notas de rodapé

Ou: “nos lugares mais altos”.
Ou: “de origem humana”.
Ou: “pegá-lo”.

Notas de estudo

Betfagé: Aldeia que ficava no monte das Oliveiras. Seu nome vem do hebraico e provavelmente significa “casa dos primeiros figos”. Acredita-se que ela ficava na encosta sudeste do monte das Oliveiras, perto do topo, a cerca de 1 quilômetro de Jerusalém, no caminho para Betânia. — Mr 11:1; Lu 19:29; veja o Mapa 6 no Apêndice A7-G.

num jumento, sim, num jumentinho: Os versículos 2 e 7 de Mt 21 mencionam uma jumenta e um jumentinho. Mas a profecia em Za 9:9 citada aqui dizia que o rei estaria montado num jumentinho. — Veja a nota de estudo em Mt 21:2.

uma jumenta amarrada, e um jumentinho com ela: Apenas Mateus menciona tanto a jumenta quanto o jumentinho. Os relatos paralelos em Mr 11:2-7; Lu 19:30-35 e Jo 12:14, 15 falam apenas do jumentinho, pelo visto porque foi nele que Jesus montou. — Veja a nota de estudo em Mt 21:5.

para cumprir o que Jeová tinha dito por meio do seu profeta: Mateus usa muitas vezes essa expressão e outras parecidas. Pelo visto, ele queria deixar claro para os leitores judeus que Jesus era o Messias prometido. — Mt 2:15, 23; 4:14; 8:17; 12:17; 13:35; 21:4; 26:56; 27:9.

para que se cumprissem as palavras do profeta: Tudo indica que a primeira parte das “palavras do profeta” registradas em Mt 21:5 foi tirada de Is 62:11 e a segunda parte, de Za 9:9. — Veja a nota de estudo em Mt 1:22.

temperamento brando: É uma qualidade que vem de dentro. A pessoa que tem temperamento brando aceita fazer a vontade de Deus e segue as orientações dele. Ela não tenta dominar outros. A palavra grega usada aqui não passa a ideia de que a pessoa é covarde ou fraca. Na Septuaginta, essa palavra foi usada como equivalente da palavra hebraica que pode ser traduzida como “manso” ou “humilde”. Ela foi usada para se referir a Moisés (Núm 12:3), aos que aceitam ser ensinados por Jeová (Sal 25:9), aos que herdarão a terra (Sal 37:11) e ao Messias (Za 9:9; Mt 21:5). Jesus descreveu a si mesmo como uma pessoa de temperamento brando, ou mansa. — Mt 11:29.

uma jumenta amarrada, e um jumentinho com ela: Apenas Mateus menciona tanto a jumenta quanto o jumentinho. Os relatos paralelos em Mr 11:2-7; Lu 19:30-35 e Jo 12:14, 15 falam apenas do jumentinho, pelo visto porque foi nele que Jesus montou. — Veja a nota de estudo em Mt 21:5.

filha de Sião: A Bíblia muitas vezes personifica cidades como se fossem mulheres. Aqui, a palavra “filha” pode representar a própria cidade ou o povo da cidade. O nome Sião era geralmente usado para se referir à cidade de Jerusalém.

de temperamento brando: Ou: “humilde”. — Veja a nota de estudo em Mt 5:5.

num jumento, sim, num jumentinho: Os versículos 2 e 7 de Mt 21 mencionam uma jumenta e um jumentinho. Mas a profecia em Za 9:9 citada aqui dizia que o rei estaria montado num jumentinho. — Veja a nota de estudo em Mt 21:2.

uma jumenta amarrada, e um jumentinho com ela: Apenas Mateus menciona tanto a jumenta quanto o jumentinho. Os relatos paralelos em Mr 11:2-7; Lu 19:30-35 e Jo 12:14, 15 falam apenas do jumentinho, pelo visto porque foi nele que Jesus montou. — Veja a nota de estudo em Mt 21:5.

num jumento, sim, num jumentinho: Os versículos 2 e 7 de Mt 21 mencionam uma jumenta e um jumentinho. Mas a profecia em Za 9:9 citada aqui dizia que o rei estaria montado num jumentinho. — Veja a nota de estudo em Mt 21:2.

a jumenta e seu jumentinho: Veja as notas de estudo em Mt 21:2, 5.

filho de Davi: Essa expressão indica que Jesus é o herdeiro do pacto que Jeová fez com Davi. Jeová tinha prometido que o herdeiro do Reino seria descendente de Davi. — 2Sa 7:11-16; Sal 89:3, 4.

Davi, o rei: Embora vários reis apareçam nesta genealogia, Davi é o único chamado pelo título de “rei”. A linhagem de reis descendentes de Davi era conhecida como “a casa de Davi”. (1Rs 12:19, 20) Ao chamar Jesus de “filho de Davi” no versículo 1, Mateus destaca o tema do Reino e mostra que Jesus é o herdeiro do Reino que Jeová prometeu no pacto com Davi. — 2Sa 7:11-16.

se curvou diante dele: Ou: “lhe prestou homenagem”. A mulher, mesmo não sendo judia, chamou Jesus de “Filho de Davi”. (Mt 15:22) Isso mostra que ela reconhecia Jesus como o Messias prometido. A mulher se curvou diante dele para mostrar respeito a um representante de Deus, e não para adorar um deus. — Veja as notas de estudo em Mt 2:2; 8:2; 14:33; 18:26.

Filho de Davi: Ao chamar Jesus de “Filho de Davi”, os dois cegos declararam abertamente que acreditavam que Jesus era o Messias. — Veja as notas de estudo em Mt 1:16; 15:25.

Salva, rogamos: Lit.: “Hosana”. Essa palavra grega vem de uma expressão hebraica que significa “salva, rogamos” ou “salva, por favor”. Aqui, a palavra é uma súplica para que Deus dê salvação ou vitória, e poderia ser traduzida como “por favor, dá salvação para”. Com o tempo, além de ser usada para fazer súplicas, ela também passou a ser usada para louvar uma pessoa. A expressão hebraica que corresponde à palavra grega pode ser encontrada no Sal 118:25, que faz parte dos Salmos de Halel. Os israelitas sempre cantavam esses salmos na época da Páscoa, e por isso essas palavras vieram à mente das pessoas que receberam Jesus. Uma das maneiras como Deus respondeu a esse pedido e salvou Jesus, o Filho de Davi, foi quando o ressuscitou. Em Mt 21:42, o próprio Jesus citou o Sal 118:22, 23 e deu a entender que essas palavras se cumpririam nele como o Messias.

Filho de Davi: As pessoas usaram essa expressão para mostrar que reconheciam que Jesus era descendente de Davi e o Messias prometido. — Veja as notas de estudo em Mt 1:16; 15:25; 20:30.

Jeová: Esta é uma citação direta do Sal 118:25, 26. No texto hebraico original desse salmo, aparecem as quatro letras hebraicas que formam o nome de Deus (que equivalem a YHWH). — Veja o Apêndice C1.

ficou em alvoroço: Ou: “foi sacudida; ficou agitada”. Mateus usa aqui um verbo grego que, em sentido literal, descreve os efeitos de um terremoto ou de uma tempestade. Neste contexto, o verbo foi usado em sentido figurado para mostrar o impacto da entrada de Jesus sobre os moradores da cidade. (Mt 27:51; Ap 6:13) O substantivo grego relacionado, seismós, é traduzido como “tempestade” ou “terremoto”. — Mt 8:24; 24:7; 27:54; 28:2.

expulsar os que vendiam: Esta foi a segunda vez que Jesus purificou o templo, expulsando os vendedores. Esse acontecimento, que ocorreu no dia 10 de nisã de 33 d.C., foi registrado por Mateus (21:12-17), Marcos (11:15-18) e Lucas. Jesus purificou o templo pela primeira vez quando foi a Jerusalém para a Páscoa do ano 30 d.C., conforme descrito em Jo 2:13-17.

templo: Aqui essa palavra provavelmente se refere à parte conhecida como Pátio dos Gentios. — Veja o Apêndice B11.

expulsou todos os que vendiam: Veja a nota de estudo em Lu 19:45.

cambistas: Havia muitas moedas diferentes em circulação, mas parece que apenas um tipo de moeda era aceito para pagar o imposto anual do templo ou para comprar animais para fazer sacrifícios. Por isso, os judeus que viajavam para Jerusalém tinham que trocar o dinheiro que traziam de outros lugares por moedas que eram aceitas no templo. Pelo visto, Jesus achou que as taxas que os cambistas cobravam eram um absurdo; para ele, aquilo era praticamente um roubo.

abrigo de ladrões: Ou: “caverna de bandidos”. Jesus fez aqui uma referência a Je 7:11. Ele provavelmente chamou os vendedores e os cambistas de “ladrões” porque eles vendiam animais para sacrifício a preços altíssimos e cobravam taxas absurdas pela troca de moedas. Jesus também ficou indignado ao ver que a casa de oração, ou o lugar de adoração a Jeová, tinha sido transformada em um centro de comércio.

templo: Aqui essa palavra provavelmente se refere à parte conhecida como Pátio dos Gentios. — Veja o Apêndice B11.

templo: Provavelmente se refere ao Pátio dos Gentios. (Compare com a nota de estudo em Mt 21:12.) Apenas Mateus fala que nessa ocasião os cegos e mancos foram até Jesus e que ele os curou, assim como já tinha feito em outra ocasião. (Mt 15:30) Alguns afirmam que de acordo com a tradição judaica os cegos e os mancos eram proibidos de entrar em algumas partes do templo. Mas as Escrituras Hebraicas não falam especificamente dessa proibição. Seja como for, o relato de Mateus pode indicar que, nessa ocasião, o zelo de Jesus o motivou não apenas a purificar o templo, mas também a curar os cegos e os mancos que foram até ele ali.

Salva, rogamos: Lit.: “Hosana”. Essa palavra grega vem de uma expressão hebraica que significa “salva, rogamos” ou “salva, por favor”. Aqui, a palavra é uma súplica para que Deus dê salvação ou vitória, e poderia ser traduzida como “por favor, dá salvação para”. Com o tempo, além de ser usada para fazer súplicas, ela também passou a ser usada para louvar uma pessoa. A expressão hebraica que corresponde à palavra grega pode ser encontrada no Sal 118:25, que faz parte dos Salmos de Halel. Os israelitas sempre cantavam esses salmos na época da Páscoa, e por isso essas palavras vieram à mente das pessoas que receberam Jesus. Uma das maneiras como Deus respondeu a esse pedido e salvou Jesus, o Filho de Davi, foi quando o ressuscitou. Em Mt 21:42, o próprio Jesus citou o Sal 118:22, 23 e deu a entender que essas palavras se cumpririam nele como o Messias.

Filho de Davi: As pessoas usaram essa expressão para mostrar que reconheciam que Jesus era descendente de Davi e o Messias prometido. — Veja as notas de estudo em Mt 1:16; 15:25; 20:30.

Salva, rogamos, o Filho de Davi: Veja a nota de estudo em Mt 21:9.

Betânia: Uma aldeia na encosta leste do monte das Oliveiras. Ficava a uns 3 quilômetros de distância de Jerusalém. (Jo 11:18) Marta, Maria e Lázaro moravam em Betânia, e parece que Jesus ficava hospedado na casa deles quando estava na Judeia. (Jo 11:1) No local onde ficava Betânia, existe hoje uma cidade com um nome árabe que significa “o lugar de Lázaro”.

não encontrou nada, a não ser folhas: As figueiras não costumavam dar fruto naquela época do ano, mas aquela já tinha folhas, o que geralmente era um sinal de que a árvore já teria produzido figos. Como aquela figueira só tinha folhas, Jesus sabia que ela não daria frutos; por isso, sua aparência era enganosa. Então Jesus amaldiçoou a figueira e a fez secar.

Eu lhes garanto: Ou: “Digo a vocês a verdade.” Em grego, essa frase inclui a palavra amén. Ela é uma transliteração da palavra hebraica ʼamén, que significa “assim seja” ou “com certeza”. Jesus muitas vezes usava essa palavra antes de fazer uma declaração importante, promessa ou profecia. Era um modo de enfatizar que suas palavras iam se cumprir com certeza e que seus ouvintes podiam confiar nelas. Alguns estudiosos afirmam que não há ninguém que use a palavra amén do mesmo modo que Jesus, nem na Bíblia nem em outros livros sagrados. Nas vezes em que a palavra aparece repetida (amén amén), como acontece várias vezes no Evangelho de João, a expressão é traduzida como “com toda a certeza”. — Veja a nota de estudo em Jo 1:51.

Eu lhes digo a verdade: Veja a nota de estudo em Mt 5:18.

principais sacerdotes: Quando a palavra grega aparece no singular e se refere ao principal representante do povo diante de Deus, ela é traduzida como “sumo sacerdote”. Aqui, a palavra grega aparece no plural e se refere aos homens mais importantes do sacerdócio, incluindo ex-sumos sacerdotes e, possivelmente, os cabeças das 24 turmas de sacerdotes.

anciãos: Lit.: “homens idosos”. Na Bíblia, a palavra grega presbýteros se refere principalmente a uma pessoa que tem autoridade e responsabilidade numa comunidade ou nação. Embora essa palavra possa ser usada às vezes para indicar idade (como acontece em Lu 15:25; At 2:17), ela não se refere apenas a quem é idoso. Neste versículo, a palavra “anciãos” se refere a homens de autoridade entre os judeus. Muitas vezes eles são mencionados junto com outros dois grupos: os principais sacerdotes e os escribas. O Sinédrio era formado por homens desses três grupos. — Mt 21:23; 26:3, 47, 57; 27:1, 41; 28:12; veja o Glossário, “Ancião; Homem idoso”.

principais sacerdotes: Veja a nota de estudo em Mt 2:4.

anciãos: Veja a nota de estudo em Mt 16:21.

esse lhe disse: ‘Não irei’: Em alguns manuscritos gregos, os dois filhos da ilustração de Mt 21:28-31 aparecem numa ordem diferente. (Veja a tradução em edições anteriores da Tradução do Novo Mundo.) A ideia geral é a mesma, mas um número maior de manuscritos mais antigos apoia a ordem dos eventos usada nesta revisão.

cobradores de impostos: Muitos judeus trabalhavam para as autoridades romanas como cobradores de impostos. Eles eram odiados pelos outros judeus porque, além de colaborarem com o governo de Roma (que os judeus odiavam), eles roubavam o povo, cobrando mais dinheiro do que o imposto oficial. Os judeus em geral não se misturavam com cobradores de impostos e os consideravam como estando no mesmo nível de pecadores e prostitutas. — Mt 11:19; 21:32.

cobradores de impostos: Veja a nota de estudo em Mt 5:46.

ilustrações: Ou: “parábolas”. A palavra grega parabolé significa literalmente “colocar ao lado (junto)”, e pode se referir a uma parábola, um provérbio ou uma comparação. Jesus muitas vezes explicava uma coisa por ‘colocá-la ao lado’ de algo, ou seja, por compará-la com outra coisa parecida. (Mr 4:30) As ilustrações de Jesus eram curtas, e muitas vezes eram histórias fictícias que ensinavam uma lição de moral ou uma verdade espiritual.

ilustração: Ou: “parábola”. — Veja a nota de estudo em Mt 13:3.

torre: Esse tipo de torre servia de posto de observação para os vigias, a fim de proteger o vinhedo de ladrões ou animais. — Is 5:2.

arrendou: Esse era um costume bem comum em Israel nos dias de Jesus. Nessa ilustração, o homem tinha investido muito esforço no vinhedo. Assim, ele tinha bons motivos para esperar que, na época da colheita, os lavradores dessem a parte dele.

uma destruição terrível: Ou: “uma destruição cruel”. O texto grego faz aqui um jogo de palavras: ele usa duas palavras com a mesma raiz para que a mensagem de julgamento soe mais forte: “Por serem cruéis, trará sobre eles uma destruição cruel.

nas Escrituras: Expressão muitas vezes usada para se referir às Escrituras Hebraicas como um todo.

a principal pedra angular: Ou: “a pedra mais importante”. A expressão hebraica que aparece no Sal 118:22 e a expressão grega usada aqui significam literalmente “a cabeça do cunhal”. Embora existam opiniões diferentes sobre o significado dessa expressão, ela aparentemente se refere à pedra que era colocada em cima da quina formada por duas paredes. Essa pedra unia firmemente as duas paredes. Jesus citou essa profecia e explicou que ele mesmo era “a principal pedra angular”. Assim como essa pedra no topo de uma construção era bem visível, Jesus seria a pedra mais destacada e importante da congregação de cristãos ungidos, que é comparada a um templo ou casa espiritual.

Jeová: Esta é uma citação direta do Sal 118:22, 23. No texto hebraico original desse salmo, aparecem as quatro letras hebraicas que formam o nome de Deus (que equivalem a YHWH). — Veja o Apêndice C1.

Mídia

Betfagé, monte das Oliveiras e Jerusalém
Betfagé, monte das Oliveiras e Jerusalém

Este vídeo mostra um trajeto para chegar em Jerusalém vindo do leste. Começa no que hoje é o bairro de At-Tur (provavelmente onde ficava a aldeia de Betfagé citada na Bíblia) e vai até um dos pontos mais altos do monte das Oliveiras. Ao leste de Betfagé, na encosta leste do monte das Oliveiras, ficava a aldeia de Betânia. Jesus e seus discípulos costumavam passar a noite ali quando iam a Jerusalém. Betânia é hoje a cidade de el-ʽAzariyeh (Al ʽEizariya), nome árabe que significa “o lugar de Lázaro”. Tudo indica que Jesus se hospedava na casa de Lázaro, Marta e Maria. (Mt 21:17; Mr 11:11; Lu 21:37; Jo 11:1) Quando Jesus ia da casa de Lázaro, em Betânia, para Jerusalém, ele talvez seguisse um trajeto parecido com o que o vídeo mostra. Em 9 de nisã de 33 d.C., é bem possível que Jesus tenha saído de Betfagé quando montou num jumentinho, passou pelo monte das Oliveiras e foi para Jerusalém.

1. Estrada que vai de Betânia a Betfagé

2. Betfagé

3. Monte das Oliveiras

4. Vale do Cédron

5. Monte do Templo

Jumentinho
Jumentinho

O jumento é um animal de casco duro da mesma família que os cavalos. Em comparação com o cavalo, ele é menor e tem a crina mais curta, e suas orelhas são maiores. O rabo do jumento tem o pelo mais curto e um tufo de pelos compridos no final. O jumento tem a fama de ser teimoso e pouco inteligente. Mas, na verdade, o jumento é considerado mais inteligente que o cavalo, e ele costuma ser um animal paciente. Nos tempos bíblicos, tanto homens como mulheres, até mesmo israelitas importantes, montavam jumentos. (Jos 15:18; Jz 5:10; 10:3, 4; 12:14; 1Sa 25:42) Quando Salomão foi a Giom para ser ungido como rei, ele estava montado na mula (descendente híbrido de jumento) que pertencia a seu pai, Davi. (1Rs 1:33-40) Assim, era muito apropriado que Jesus, que era maior que Salomão, cumprisse a profecia de Za 9:9 montado num jumentinho, e não num cavalo.

Lagar de vinho
Lagar de vinho

Em Israel, a colheita das uvas era feita em agosto ou setembro, dependendo do tipo de uva e do clima da região. Em seguida, era comum colocar as uvas num lagar, ou tanque, feito de pedra calcária ou escavado numa rocha. Os homens geralmente esmagavam as uvas com os pés descalços, cantando enquanto pisavam as uvas no lagar. — Is 16:10; Je 25:30; 48:33.

1. Uvas recém-colhidas

2. Lagar de vinho

3. Canal para escoar o vinho

4. Tanque de coleta inferior

5. Jarros de barro para vinho