Atos dos Apóstolos 6:1-15

6  Naqueles dias, ao aumentar o número de discípulos, os judeus que falavam grego começaram a reclamar dos judeus que falavam hebraico, porque as suas viúvas estavam sendo deixadas de lado na distribuição diária.+  De modo que os Doze reuniram a multidão dos discípulos e disseram: “Não é correto que deixemos a palavra de Deus para servir alimento às mesas.+  Portanto, irmãos, escolham entre vocês sete homens de boa reputação,+ cheios de espírito e de sabedoria,+ e nós os designaremos para essa tarefa necessária.+  Mas nós mesmos nos dedicaremos à oração e ao ministério da palavra.”+  O que eles disseram agradou a toda a multidão, e escolheram Estêvão, homem cheio de fé e de espírito santo,+ e também Filipe,+ Prócoro, Nicanor, Timão, Pármenas e Nicolau, prosélito de Antioquia.  Eles os levaram aos apóstolos, que, depois de orar, lhes impuseram as mãos.+  Assim, a palavra de Deus continuava se espalhando,+ e o número de discípulos se multiplicava muito+ em Jerusalém. E uma grande multidão de sacerdotes se tornou obediente à fé.+  Estêvão, cheio de favor divino e de poder, realizava grandes sinais e milagres entre o povo.  Mas alguns homens da chamada Sinagoga dos Libertos, junto com alguns cireneus e alexandrinos, bem como alguns da Cilícia e da Ásia, vieram para discutir com Estêvão. 10  Contudo, não puderam resistir à sabedoria e ao espírito com que ele falava.+ 11  Então, eles secretamente persuadiram alguns homens a dizer: “Nós o ouvimos falar blasfêmias contra Moisés e contra Deus.”+ 12  E eles atiçaram o povo, os anciãos e os escribas; e, numa investida, agarraram-no e levaram-no ao Sinédrio. 13  Apresentaram então testemunhas falsas, que disseram: “Este homem não para de falar contra este lugar santo e contra a Lei.+ 14  Por exemplo, nós o ouvimos dizer que esse Jesus, o Nazareno, derrubará este lugar+ e mudará os costumes que Moisés nos transmitiu.” 15  E, quando todos os sentados no Sinédrio fixaram os olhos nele, viram que o seu rosto era como o rosto de um anjo.

Notas de rodapé

Notas de estudo

os judeus de língua grega: Lit.: “os helenistas”. Tudo indica que a palavra grega que aparece aqui se refere a judeus que usavam a língua grega para se comunicar, em vez do hebraico. É provável que esses judeus que estavam em Jerusalém fossem de diferentes partes do Império Romano. Embora essa palavra tenha sido usada em At 6:1 para se referir a cristãos, aqui em At 9:29 ela obviamente não se refere a discípulos de Cristo, como mostra o contexto. Na colina de Ofel, em Jerusalém, foi encontrada a Inscrição de Teódoto, que prova que muitos judeus que falavam grego iam a Jerusalém. — Veja a nota de estudo em At 6:1.

hebraico: Nas Escrituras Gregas Cristãs, os escritores inspirados da Bíblia chamaram de “hebraico” o idioma falado pelos judeus (Jo 19:13, 17, 20; At 21:40; 22:2; Ap 9:11; 16:16) e usado pelo glorificado Jesus ao falar com Saulo de Tarso (At 26:14, 15). O texto de At 6:1 diferencia os “judeus que falavam hebraico” dos “judeus que falavam grego”. Alguns estudiosos afirmam que todas essas ocorrências da palavra “hebraico” deveriam ser traduzidas como “aramaico”, mas há bons motivos para acreditar que a palavra realmente se refere ao idioma hebraico. Por exemplo, o médico Lucas diz em Atos que o apóstolo Paulo falou ao povo de Jerusalém “no idioma hebraico”. Paulo estava falando com pessoas que gastavam grande parte de seu tempo estudando a Lei de Moisés, em hebraico. Além disso, os Rolos do Mar Morto (um conjunto de muitos fragmentos e manuscritos bíblicos e não bíblicos), em sua maior parte, foram escritos em hebraico, mostrando que o idioma era usado pelos judeus no dia a dia. Também foram encontrados alguns fragmentos em aramaico, mas isso mostra apenas que os dois idiomas eram usados. Assim, parece muito improvável que os escritores bíblicos usassem a palavra “hebraico” para se referir ao idioma aramaico, ou siríaco. (At 21:40; 22:2; compare com At 26:14.) Em 2Rs 18:26, as Escrituras Hebraicas diferenciam o “aramaico” do “idioma dos judeus”. E o historiador judeu Josefo, comentando sobre esse mesmo relato de 2 Reis, fala do “aramaico” e do “hebraico” como dois idiomas diferentes. (Jewish Antiquities, X, 8 [i, 2]) É verdade que o hebraico e o aramaico têm algumas palavras bem parecidas e que algumas palavras hebraicas vêm do aramaico. Mas parece não haver motivo para os escritores das Escrituras Gregas Cristãs terem usado “hebraico” se estivessem se referindo ao “aramaico”.

para servir alimento: Ou: “para ministrar”. Aqui, a palavra grega diakonéo se refere a um aspecto específico do ministério cristão: cuidar das necessidades materiais de irmãos e irmãs necessitados, mas merecedores. — Veja a nota de estudo em At 6:1, onde o substantivo relacionado, diakonía, foi traduzido como “distribuição”; veja também a nota de estudo em Lu 8:3.

ajudavam a eles: Ou: “apoiavam a eles; faziam provisões para eles”. A palavra grega diakonéo pode se referir a cuidar do bem-estar de outros por obter, preparar e servir alimentos, entre outras coisas. Ela é usada com um sentido parecido em Lu 10:40 (“cuidar das coisas”), Lu 12:37; 17:8 (‘servir’) e At 6:2 (“servir alimento”), mas também pode se referir a qualquer outro serviço de natureza pessoal. Aqui, a palavra diakonéo é usada para descrever como as mulheres mencionadas nos versículos 2 e 3 apoiavam Jesus e seus discípulos, ajudando-os a cumprir a designação que tinham recebido de Deus. Ao fazer isso, aquelas mulheres davam honra a Jeová. E Jeová mostrou que valorizava a bondade e a generosidade delas fazendo com que os escritores da Bíblia registrassem o que elas fizeram, para que as futuras gerações pudessem ler. (Pr 19:17; He 6:​10) Os textos de Mt 27:55 e Mr 15:41 também usam essa palavra para falar da ajuda que algumas mulheres davam a Jesus. — Para informações sobre o substantivo relacionado, diákonos, veja a nota de estudo em Lu 22:26.

judeus que falavam grego: Lit.: “helenistas”. A palavra grega usada aqui, Hellenistés, não aparece na literatura grega nem na literatura judaico-helenística, mas a tradução “judeus que falavam grego” está de acordo com o contexto e é apoiada por muitos léxicos. Na ocasião mencionada nesta passagem, todos os cristãos em Jerusalém, incluindo os que falavam grego, eram judeus de nascença ou prosélitos que tinham se convertido ao judaísmo. (At 10:28, 35, 44-48) A palavra traduzida como “judeus que falavam grego” é usada em contraste com a palavra traduzida como “judeus que falavam hebraico” (lit.: “hebreus”; plural do grego Ebraíos). Assim, os “helenistas” mencionados aqui eram judeus que falavam grego que tinham viajado de diferentes partes do Império Romano para Jerusalém, e talvez incluíssem pessoas de Decápolis. Por outro lado, tudo indica que a maioria dos “judeus que falavam hebraico” era da Judeia e da Galileia. É provável que existissem diferenças culturais entre os cristãos judeus que falavam grego e os cristãos judeus que falavam hebraico. — Veja a nota de estudo em At 9:29.

judeus que falavam hebraico: Lit.: “hebreus”. A palavra grega Ebraíos (singular) geralmente se refere a um israelita, um hebreu. (2Co 11:22; Fil 3:5) Mas aqui neste contexto a palavra se refere a cristãos judeus que falavam hebraico, que no versículo são contrastados com os cristãos judeus que falavam grego. — Veja a nota de estudo em judeus que falavam grego neste versículo e a nota de estudo em Jo 5:2.

na distribuição diária: Ou: “no serviço (ministério) diário”. A palavra grega diakonía muitas vezes é traduzida como “ministério”. Aqui, ela se refere a um aspecto específico do ministério cristão: cuidar das necessidades materiais de irmãos e irmãs da congregação que estejam precisando de ajuda. — Veja a nota de estudo em At 6:2, onde o verbo relacionado, diakonéo, foi traduzido como “para servir alimento”; veja também a nota de estudo em Lu 8:3.

na distribuição diária: Ou: “no serviço (ministério) diário”. A palavra grega diakonía muitas vezes é traduzida como “ministério”. Aqui, ela se refere a um aspecto específico do ministério cristão: cuidar das necessidades materiais de irmãos e irmãs da congregação que estejam precisando de ajuda. — Veja a nota de estudo em At 6:2, onde o verbo relacionado, diakonéo, foi traduzido como “para servir alimento”; veja também a nota de estudo em Lu 8:3.

ajudavam a eles: Ou: “apoiavam a eles; faziam provisões para eles”. A palavra grega diakonéo pode se referir a cuidar do bem-estar de outros por obter, preparar e servir alimentos, entre outras coisas. Ela é usada com um sentido parecido em Lu 10:40 (“cuidar das coisas”), Lu 12:37; 17:8 (‘servir’) e At 6:2 (“servir alimento”), mas também pode se referir a qualquer outro serviço de natureza pessoal. Aqui, a palavra diakonéo é usada para descrever como as mulheres mencionadas nos versículos 2 e 3 apoiavam Jesus e seus discípulos, ajudando-os a cumprir a designação que tinham recebido de Deus. Ao fazer isso, aquelas mulheres davam honra a Jeová. E Jeová mostrou que valorizava a bondade e a generosidade delas fazendo com que os escritores da Bíblia registrassem o que elas fizeram, para que as futuras gerações pudessem ler. (Pr 19:17; He 6:​10) Os textos de Mt 27:55 e Mr 15:41 também usam essa palavra para falar da ajuda que algumas mulheres davam a Jesus. — Para informações sobre o substantivo relacionado, diákonos, veja a nota de estudo em Lu 22:26.

correto: Lit.: “agradável”. Se o “ministério da palavra” fosse negligenciado, isso não agradaria nem a Deus nem aos próprios apóstolos. — At 6:4.

para servir alimento: Ou: “para ministrar”. Aqui, a palavra grega diakonéo se refere a um aspecto específico do ministério cristão: cuidar das necessidades materiais de irmãos e irmãs necessitados, mas merecedores. — Veja a nota de estudo em At 6:1, onde o substantivo relacionado, diakonía, foi traduzido como “distribuição”; veja também a nota de estudo em Lu 8:3.

homens de boa reputação: Ou: “homens de quem se fala bem; homens de quem se dá bom testemunho”. Aqui, o verbo grego martyréo (“dar testemunho”) foi usado na voz passiva. Era preciso escolher homens qualificados porque a tarefa envolvia não apenas distribuir alimentos, mas também lidar com dinheiro, fazer compras e manter registros exatos. De acordo com o versículo, os sete homens deviam estar cheios de espírito e de sabedoria, ou seja, sua vida devia mostrar que eles eram guiados pelo espírito santo e pela sabedoria de Deus. As dificuldades e diferenças que existiam na congregação tornavam a situação delicada. Assim, era necessário escolher homens experientes que tivessem bom senso, discrição e discernimento. Um desses homens foi Estêvão, e a sua defesa diante do Sinédrio indica que ele tinha essas qualidades. — At 7:2-53.

ao ministério da palavra: A palavra grega traduzida aqui como “ministério” (diakonía) também foi usada em At 6:1. Assim, fica claro que este relato trata de dois tipos diferentes de ministério: um deles envolvia distribuir alimento físico de maneira imparcial para os necessitados e o outro envolvia dar alimento espiritual baseado na Palavra de Deus para a congregação. Os apóstolos chegaram à conclusão de que não seria apropriado que eles usassem seu tempo distribuindo alimentos em vez de se concentrar no ministério mais importante, o de dar alimento espiritual. Isso envolvia estudar com oração, pesquisar, e ensinar e pastorear a congregação. É verdade que eles sabiam que cuidar das necessidades materiais de viúvas pobres na congregação era uma parte necessária do ministério de um cristão. Mais tarde, Jeová inspirou Tiago a escrever que “cuidar dos órfãos e das viúvas nas suas dificuldades” é um requisito para adorar a Deus da maneira que ele aceita. (Tg 1:27) Mas os apóstolos reconheciam que sua prioridade era cuidar das necessidades espirituais de todos os discípulos, incluindo as viúvas.

por direção divina, foram chamados de: A maioria das Bíblias diz simplesmente “foram chamados (de)”. Mas aqui não aparece nenhuma das palavras gregas que geralmente são traduzidas como “chamar”. (Mt 1:16; 2:23; Mr 11:17; Lu 1:32, 60; At 1:12, 19) A palavra grega usada neste versículo é khrematízo e, na maioria dos nove lugares onde ela aparece nas Escrituras Gregas Cristãs, ela está claramente ligada a coisas que têm origem divina. (Mt 2:12, 22; Lu 2:26; At 10:22; 11:26; Ro 7:3; He 8:5; 11:7; 12:25) Por exemplo, em At 10:22, ela é usada junto com a expressão “por meio de um anjo”. E, em Mt 2:12, 22, ela está ligada com sonhos dados por Deus. No texto de Ro 11:4, aparece o substantivo relacionado, khrematismós, que é traduzido na maioria dos léxicos e traduções da Bíblia como “declaração divina; resposta divina; resposta de Deus”. É possível que Jeová tenha orientado Saulo e Barnabé a usar o nome “cristãos”. Alguns acham que o nome “cristãos” pode ter sido um apelido criado pelos não judeus de Antioquia para zombar dos seguidores de Cristo. Mas o uso da palavra khrematízo aqui mostra claramente que os cristãos foram chamados assim pela vontade de Deus. Também parece muito improvável que tenham sido os judeus de Antioquia que inventaram esse nome. Eles tinham rejeitado Jesus como o Messias e, se dessem aos seguidores dele o nome “cristãos” (do grego) ou “messianistas” (do hebraico), estariam reconhecendo indiretamente que Jesus tinha mesmo sido o Ungido, ou Cristo.

cristãos: A palavra grega Khristianós, que significa “seguidor de Cristo”, aparece apenas três vezes nas Escrituras Gregas Cristãs. (At 11:26; 26:28; 1Pe 4:16) Ela vem da palavra Khristós (Cristo), que significa “ungido”. Os cristãos seguem os ensinamentos e o exemplo de Jesus, “o Cristo”, ou seja, aquele que foi ungido por Jeová. (Lu 2:26; 4:18) É possível que os cristãos tenham recebido esse nome, que foi dado “por direção divina”, já em 44 d.C., quando os acontecimentos mencionados neste versículo ocorreram. Tudo indica que nos anos seguintes esse nome passou a ser bem usado. Por exemplo, quando Paulo foi levado ao rei Herodes Agripa II, por volta de 58 d.C., Agripa sabia quem eram os cristãos. (At 26:28) Os escritos do historiador romano Tácito indicam que, por volta do ano 64 d.C., o termo “cristão” era usado em Roma pelas pessoas em geral. Outra evidência é a primeira carta de Pedro, escrita entre 62 e 64 d.C., que foi dirigida aos cristãos espalhados pelo Império Romano. Pelo visto, a essa altura, o termo “cristão” tinha se tornado bem conhecido e servia para identificar de forma específica e inconfundível quem seguia a Cristo. (1Pe 1:1, 2; 4:16) Com esse nome dado por Deus, ninguém mais pensaria que os seguidores de Cristo pertenciam a uma seita do judaísmo.

Antioquia, na Pisídia: Esta cidade pertencia à província romana da Galácia e ficava na fronteira de duas regiões, a Frígia e a Pisídia. Assim, dependendo da época da história, ela talvez fosse considerada parte de uma região ou da outra. As ruínas da cidade ficam perto de Yalvaç, na Turquia. Ela também é citada em At 14:19, 21. A viagem da cidade de Perge, perto do mar Mediterrâneo, para Antioquia, não era nada fácil, já que Antioquia ficava uns 1.100 metros acima do nível do mar. (Veja o Apêndice B13.) Além disso, as estradas nas montanhas eram perigosas e acidentadas, e os viajantes corriam o risco de serem assaltados. Existia outra cidade chamada Antioquia, que ficava na Síria. (At 6:5; 11:19; 13:1; 14:26; 15:22; 18:22) Na verdade, na maioria das vezes que esse nome aparece em Atos, ele não se refere à Antioquia da Pisídia, mas à Antioquia da Síria.

Estêvão, . . . Filipe, Prócoro, Nicanor, Timão, Pármenas e Nicolau: Todos estes sete nomes são gregos. Assim, é possível que, dentre todos os homens qualificados da congregação de Jerusalém, os apóstolos tenham escolhido judeus ou prosélitos que falavam grego. Mas Nicolau é o único sobre quem o versículo acrescenta a descrição prosélito de Antioquia, o que pode indicar que somente ele não era judeu de nascença. Os outros seis nomes gregos eram comuns mesmo entre o povo judeu. De qualquer forma, parece que os apóstolos, agindo como corpo governante, pensaram nos sentimentos dos judeus que falavam grego quando escolheram esses sete homens. — At 6:1-6.

Antioquia: Esta é a primeira vez que a cidade de Antioquia da Síria é mencionada na Bíblia. Ela ficava uns 500 quilômetros ao norte de Jerusalém e se tornou a capital da província romana da Síria em 64 a.C. No século 1 d.C., ela era a terceira maior cidade do Império Romano, atrás apenas de Roma e Alexandria. Antioquia era admirada por sua beleza e grande influência política, comercial e cultural, mas ela também era conhecida por ser uma cidade muito imoral. Havia uma grande população de judeus em Antioquia e, pelo visto, muitas pessoas que falavam grego se tornaram prosélitos por causa deles. Um desses prosélitos foi Nicolau, que depois se converteu ao cristianismo. Barnabé e o apóstolo Paulo passaram um ano ensinando em Antioquia, e Paulo usou essa cidade como ponto de apoio, de onde ele partia para suas viagens missionárias. Foi primeiro em Antioquia que os seguidores de Cristo, “por direção divina, foram chamados de cristãos”. (Veja as notas de estudo em At 11:26.) Essa Antioquia não é a mesma Antioquia mencionada em At 13:14, que ficava na Pisídia. — Veja a nota de estudo em At 13:14 e o Apêndice B13.

lhes impuseram as mãos: Nas Escrituras Hebraicas, o gesto de pôr as mãos sobre uma pessoa ou um animal podia ter vários significados. (Gên 48:14; Le 16:21; 24:14) Quando era feito com uma pessoa, esse gesto geralmente indicava que ela estava recebendo reconhecimento especial ou que ela estava sendo designada para uma tarefa especial. (Núm 8:10) Por exemplo, Moisés pôs suas mãos sobre Josué para mostrar que ele seria seu sucessor. Depois disso, Josué ficou “cheio do espírito de sabedoria” e foi bem-sucedido em liderar a nação de Israel. (De 34:9) Na ocasião mencionada aqui em At 6:6, os apóstolos impuseram suas mãos sobre os homens que eles designaram para cargos de responsabilidade. Mas os apóstolos só fizeram isso depois de orar sobre o assunto, mostrando que queriam a orientação de Deus. Tempos depois, o corpo de anciãos de uma congregação impôs as mãos sobre Timóteo, indicando que ele estava recebendo uma designação especial. (1Ti 4:14) O próprio Timóteo foi autorizado a designar outros por impor suas mãos sobre eles, mas ele só deveria fazer isso depois de analisar com cuidado as qualificações deles. — 1Ti 5:22.

milagres: Ou: “presságios”. A palavra grega traduzida aqui como “milagres” é o plural de téras. Nas Escrituras Gregas Cristãs, ela é usada junto com a palavra semeíon (“sinal”), as duas sempre no plural. (Mt 24:24; Jo 4:48; At 7:36; 14:3; 15:12; 2Co 12:12) Basicamente, téras se refere a qualquer coisa que cause espanto ou admiração. Quando fica claro que o “milagre” indica um acontecimento futuro, como ocorre neste versículo, a nota de estudo apresentará a tradução alternativa “Ou: presságios”.

milagres: Ou: “presságios”. — Veja a nota de estudo em At 2:19.

Sinagoga dos Libertos: Durante o domínio romano, o termo “liberto” era usado para se referir a uma pessoa que tinha sido libertada da escravidão. Alguns acreditam que os membros dessa sinagoga eram judeus que tinham sido escravizados pelos romanos e mais tarde foram libertados. Outros acreditam que eles eram prosélitos que tinham sido escravos.

anciãos: Lit.: “homens idosos”. Na Bíblia, a palavra grega presbýteros se refere principalmente a uma pessoa que tem autoridade e responsabilidade numa comunidade ou nação. Embora essa palavra possa ser usada às vezes para indicar idade (como acontece em Lu 15:25; At 2:17), ela não se refere apenas a quem é idoso. Neste versículo, a palavra “anciãos” se refere a homens de autoridade entre os judeus. Muitas vezes eles são mencionados junto com outros dois grupos: os principais sacerdotes e os escribas. O Sinédrio era formado por homens desses três grupos. — Mt 21:23; 26:3, 47, 57; 27:1, 41; 28:12; veja o Glossário, “Ancião; Homem idoso”.

anciãos: Veja a nota de estudo em Mt 16:21.

o Nazareno: Expressão usada para se referir a Jesus e, mais tarde, aos seus discípulos. (At 24:5) Alguns nomes eram comuns entre os judeus, incluindo o nome Jesus, e por isso muitos acrescentavam ao nome alguma palavra ou expressão para identificar a pessoa. Nos tempos bíblicos, era costume associar a pessoa com seu lugar de origem. (2Sa 3:​2, 3; 17:27; 23:25-​39; Na 1:1; At 13:1; 21:29) Visto que Jesus passou a maior parte da sua vida na Terra em Nazaré, na Galileia, era natural que o chamassem de “o Nazareno”. Várias pessoas usavam essa expressão para se referir a ele, em diversas situações. (Mr 1:​23, 24; 10:46, 47; 14:66-​69; 16:​5, 6; Lu 24:13-​19; Jo 18:​1-7) O próprio Jesus aceitou esse nome e o usou. (Jo 18:​5-8; At 22:​6-8) Na placa que Pilatos colocou na estaca de Jesus, ele escreveu em hebraico, latim e grego: “Jesus, o Nazareno, Rei dos judeus”. (Jo 19:19, 20) A partir do Pentecostes de 33 d.C., os apóstolos e outros muitas vezes chamaram Jesus de “o Nazareno” ou disseram que ele era de Nazaré. — At 2:​22; 3:6; 4:​10; 6:​14; 10:38; 26:9; veja também a nota de estudo em Mt 2:​23.

o Nazareno: Veja a nota de estudo em Mr 10:47.

anjos: Ou: “mensageiros”. A palavra grega ággelos e a palavra hebraica correspondente malʼákh aparecem na Bíblia um total de quase 400 vezes. Elas têm o sentido básico de “mensageiro”. Quando se referem a mensageiros espirituais, elas são traduzidas como “anjos”, e quando que se referem a humanos, são traduzidas como “mensageiros”. (Gên 16:7; 32:3; Mt 1:20; Tg 2:25; Ap 22:8) Nos poucos casos em que o contexto não deixa claro a quem elas se referem, notas de rodapé muitas vezes mostram a tradução alternativa. (Veja as notas de rodapé em Jó 4:18; 33:23; Ec 5:6; Is 63:9 e o Glossário.) No livro de Apocalipse, que faz uso de muitos simbolismos, algumas vezes a palavra “anjo” pode estar se referindo a humanos. — Ap 2:1, 8, 12, 18; 3:1, 7, 14.

como o rosto de um anjo: Tanto a palavra hebraica como a palavra grega para “anjo” significam “mensageiro”. (Veja a nota de estudo em Jo 1:51.) Os anjos são mensageiros enviados por Deus e, por isso, agem sempre com coragem e serenidade, sabendo que têm o apoio dele. O rosto de Estêvão era o de um mensageiro de Deus. Ele permaneceu sereno, sabendo que era completamente inocente. Sua expressão facial refletia a sua certeza de que Jeová, “o Deus glorioso”, o apoiava. — At 7:2.

Mídia

Inscrição de Teódoto para judeus que falavam grego
Inscrição de Teódoto para judeus que falavam grego

Esta foto mostra a inscrição conhecida como Inscrição de Teódoto. Ela foi feita em uma placa de calcário que mede 72 centímetros por 42 centímetros. A inscrição foi encontrada no início do século 20, na colina de Ofel, em Jerusalém. O texto foi escrito em grego e fala de Teódoto, um sacerdote que “construiu a sinagoga para a leitura da Lei e para o ensino dos mandamentos”. A inscrição é datada de antes da destruição de Jerusalém em 70 d.C. Ela confirma que havia judeus que falavam grego em Jerusalém no século 1 d.C. (At 6:1) Alguns acreditam que a sinagoga mencionada nessa inscrição seja a “Sinagoga dos Libertos” citada em At 6:9. A inscrição mostra que tanto Teódoto como seu pai e seu avô foram chamados de arkhisynágogos (“presidente da sinagoga”), um título que aparece diversas vezes nas Escrituras Gregas Cristãs. (Mr 5:35; Lu 8:49; At 13:15; 18:8, 17) Ela também diz que Teódoto construiu acomodações para os que vinham de outros lugares. É provável que essas acomodações fossem usadas por judeus que estivessem visitando Jerusalém, especialmente durante as festividades anuais. — At 2:5.

Antioquia da Síria
Antioquia da Síria

Esta foto mostra a cidade de Antáquia, na Turquia. Era ali que ficava a antiga cidade de Antioquia, que era a capital da província romana da Síria. Há evidências de que, no século 1 d.C., Antioquia da Síria era a terceira maior cidade do Império Romano, atrás apenas de Roma e Alexandria. Alguns estudiosos calculam que a cidade tivesse uma população de 250.000 pessoas ou mais. Depois que Estêvão foi assassinado em Jerusalém e os cristãos começaram a ser perseguidos, alguns dos discípulos de Jesus foram para Antioquia. Ali, eles tiveram bons resultados ao pregar as boas novas para pessoas de língua grega. (At 11:19-21) Mais tarde, o apóstolo Paulo usou a cidade como ponto de apoio, de onde ele partia para suas viagens missionárias. E “foi primeiro em Antioquia que os discípulos, por direção divina, foram chamados de cristãos”. (At 11:26) Essa Antioquia não é a mesma Antioquia mencionada em At 13:14; 14:19, 21 e 2Ti 3:11, que ficava na Pisídia (Turquia central).