Atos dos Apóstolos 5:1-42

5  No entanto, um homem chamado Ananias, junto com Safira, sua esposa, vendeu uma propriedade.  Mas ele secretamente ficou com parte do valor, com o conhecimento de sua esposa. Então, pegou o restante e o colocou aos pés dos apóstolos.+  Mas Pedro disse: “Ananias, como Satanás levou você a mentir+ de forma descarada ao espírito santo+ e ficar secretamente com parte do valor do campo?  O campo não era seu antes de você o vender? E, depois de ter sido vendido, o valor não ficou sob o seu controle? Por que você tramou no coração fazer uma coisa dessas? Você mentiu não a homens, mas a Deus.”  Ao ouvir essas palavras, Ananias caiu e morreu. E todos os que souberam disso ficaram com muito medo.  Então os mais jovens se levantaram e o enrolaram em panos; em seguida o levaram para fora e o enterraram.  Cerca de três horas depois, a esposa dele entrou, sem saber o que tinha acontecido.  Pedro lhe perguntou: “Diga-me: Vocês dois venderam o campo por tanto?” Ela respondeu: “Sim, por esse valor.”  Assim, Pedro lhe disse: “Por que vocês dois concordaram em pôr à prova o espírito de Jeová? Os pés daqueles que enterraram seu marido estão à porta; eles a levarão para fora.” 10  Ela caiu instantaneamente aos pés dele e morreu. Quando os jovens entraram, encontraram-na morta; então a levaram para fora e a enterraram ao lado do marido. 11  Assim, toda a congregação e todos os que ouviram falar sobre isso ficaram com muito medo. 12  Além disso, pelas mãos dos apóstolos continuavam a ocorrer muitos sinais e milagres entre o povo;+ e todos se reuniam no Pórtico* de Salomão.+ 13  É verdade que nenhum dos outros tinha coragem de se juntar a eles, mas o povo falava muito bem deles. 14  Não só isso: um grande número de homens e mulheres passavam a crer no Senhor e eram acrescentados a eles.+ 15  Até mesmo levavam os doentes para fora, às ruas principais, e os deitavam em pequenas camas e em esteiras, para que, quando Pedro passasse, pelo menos a sua sombra tocasse alguns deles.+ 16  Também, vinham multidões das cidades vizinhas de Jerusalém, trazendo os doentes e os afligidos por espíritos impuros, e todos eles eram curados. 17  No entanto, o sumo sacerdote e todos os que estavam com ele, que eram da seita dos saduceus,+ se levantaram cheios de ciúme. 18  Então eles agarraram os* apóstolos e os puseram na cadeia pública.+ 19  Mas, durante a noite, o anjo de Jeová abriu as portas da prisão,+ levou-os para fora e disse: 20  “Vão, apresentem-se no templo e continuem falando ao povo toda a mensagem a respeito da vida.” 21  Depois de ouvirem essas palavras, entraram no templo ao amanhecer e começaram a ensinar. Quando chegaram o sumo sacerdote e os que estavam com ele, convocaram o Sinédrio e toda a assembleia dos anciãos dos filhos de Israel, e mandaram trazer da cadeia os apóstolos. 22  No entanto, quando os guardas* chegaram à prisão, não os acharam. Assim, voltaram e relataram o seguinte: 23  “Encontramos a cadeia trancada com toda a segurança, e os guardas estavam parados às portas, mas, quando a abrimos, não achamos ninguém dentro.” 24  Ao ouvirem isso, o capitão do templo e os principais sacerdotes ficaram perplexos, perguntando-se o que aconteceria a seguir. 25  Mas alguém chegou e lhes disse: “Os homens que vocês puseram na prisão estão no templo, ensinando o povo!” 26  Então o capitão foi buscá-los com os seus guardas, mas sem violência, porque tinham medo de ser apedrejados pelo povo.+ 27  Assim, eles os trouxeram e os puseram diante do Sinédrio. E o sumo sacerdote os interrogou 28  e disse: “Nós lhes demos ordens expressas para que não ensinassem nesse nome,+ mas, vejam só! Vocês encheram Jerusalém com os seus ensinamentos, e estão decididos a trazer o sangue desse homem sobre nós.”+ 29  Pedro e os outros apóstolos responderam: “Temos de obedecer a Deus como governante em vez de a homens.+ 30  O Deus de nossos antepassados levantou dentre os mortos Jesus, a quem vocês mataram pendurando-o num madeiro.+ 31  Deus o enalteceu à sua direita+ como Agente Principal+ e Salvador,+ para dar arrependimento a Israel e perdão de pecados.+ 32  Nós somos testemunhas dessas coisas,+ e o espírito santo, que Deus deu aos que lhe obedecem como governante, também é.”+ 33  Quando ouviram isso, ficaram furiosos e quiseram matá-los.+ 34  Mas se levantou no Sinédrio um fariseu chamado Gamaliel,+ instrutor da Lei estimado por todo o povo, e ele mandou que levassem os homens para fora por um momento. 35  Então lhes disse: “Homens de Israel, tomem cuidado com o que vão fazer com esses homens. 36  Por exemplo, um tempo atrás apareceu Teudas, dizendo ser alguém, e alguns homens, cerca de 400, se juntaram a ele. Mas ele foi morto, e todos os que o seguiam foram espalhados, e seus planos acabaram em nada. 37  Depois dele, nos dias do recenseamento, apareceu Judas, o galileu, e juntou seguidores atrás de si. Esse homem também morreu, e todos os que o seguiam foram espalhados. 38  Por isso, diante das circunstâncias, digo-lhes: Não se metam com esses homens; deixem-nos em paz. Porque, se esse plano ou essa obra for de homens, será derrubada; 39  mas, se for de Deus, vocês não poderão derrubá-los.+ Senão, pode ser que vocês estejam até mesmo lutando contra o próprio Deus.”+ 40  Então aceitaram o seu conselho. Mandaram chamar os apóstolos e, depois de os açoitarem,+ lhes ordenaram que parassem de falar em nome de Jesus e os soltaram. 41  Assim, eles saíram do Sinédrio, alegres+ porque tinham sido considerados dignos de ser desonrados por causa do nome dele. 42  E todo dia, no templo e de casa em casa,+ continuavam, sem parar, a ensinar e a declarar as boas novas a respeito do Cristo, Jesus.+

Notas de rodapé

At 5:12  Ou: “na Colunata”.
At 5:18  Ou: “prenderam os”. Lit.: “deitaram as mãos nos”.
At 5:22  Ou: “guardas do templo”.

Notas de estudo

levou você a mentir de forma descarada: Lit.: “encheu o seu coração para mentir”. Neste contexto, “ter o coração cheio” passa a ideia de “se atrever a fazer algo; ter coragem de fazer algo”. A expressão grega para “encher o coração” talvez venha de uma expressão idiomática hebraica que tem esse mesmo significado. Por exemplo, em Est 7:5 a expressão hebraica “encheu seu coração para” foi traduzida como “se atreveu a” e em Ec 8:11 a mesma expressão foi traduzida como “o coração . . . se enche de coragem para fazer o mal”.

o espírito de Jeová: A expressão “o espírito de Jeová” aparece muitas vezes nas Escrituras Hebraicas. (Algumas dessas ocorrências estão em Jz 3:10; 6:34; 11:29; 13:25; 14:6; 15:14; 1Sa 10:6; 16:13; 2Sa 23:2; 1Rs 18:12; 2Rs 2:16; 2Cr 20:14; Is 11:2; 40:13; 63:14; Ez 11:5; Miq 2:7 e 3:8.) Em Lu 4:18, a expressão “o espírito de Jeová” é usada como parte de uma citação de Is 61:1. Tanto no texto original desse versículo de Isaías como no de outras passagens das Escrituras Hebraicas, essa expressão é formada pela palavra hebraica para “espírito” e o Tetragrama. Os motivos que levaram a Tradução do Novo Mundo a usar a expressão “o espírito de Jeová” no texto principal aqui em At 5:9, apesar de os manuscritos gregos disponíveis usarem “o espírito de Senhor”, são explicados nos Apêndices C1 e C3 (introdução e At 5:9).

congregação: Esta é a primeira vez que aparece a palavra grega ekklesía. Ela é formada por duas palavras gregas: ek, que significa “para fora”, e kaléo, que significa “chamar”. Ekklesía se refere a um grupo de pessoas convocadas ou reunidas para determinado objetivo ou atividade. (Veja o Glossário, “Congregação”.) Neste versículo, Jesus predisse a ‘construção’, ou formação, da congregação dos cristãos ungidos. Ela seria uma “casa espiritual”, e os cristãos ungidos são comparados a “pedras viventes”. (1Pe 2:4, 5) A palavra grega ekklesía é bastante usada na Septuaginta como equivalente da palavra hebraica qahál, que também é traduzida como “congregação”. Essa palavra hebraica muitas vezes se refere a toda a nação de Israel. (De 23:3; 31:30) O texto de At 7:38 diz que os israelitas que saíram do Egito formavam uma “congregação”. Do mesmo modo, os cristãos foram ‘chamados da escuridão’ e ‘escolhidos do mundo’, e formam a “congregação de Deus”. — 1Pe 2:9; Jo 15:19; 1Co 1:2.

congregação no deserto: Aqui, os israelitas que foram tirados do Egito são chamados de “congregação” (em grego, ekklesía). Nas Escrituras Hebraicas, a palavra hebraica qahál, geralmente traduzida como “congregação” na Tradução do Novo Mundo, vem de uma raiz que significa “convocar; congregar”. (Núm 20:8; De 4:10) Ela é usada com frequência para se referir aos israelitas como grupo organizado, por exemplo nas expressões “congregação de Israel” (Le 16:17; Jos 8:35; 1Rs 8:14), “congregação do verdadeiro Deus” (Ne 13:1) e “congregação de Jeová” (Núm 20:4; De 23:2, 3; 1Cr 28:8; Miq 2:5). Na Septuaginta, a palavra hebraica qahál muitas vezes é traduzida para o grego como ekklesía (por exemplo, no Sal 22:22 [21:23, LXX]), que é a palavra usada para “congregação” nas Escrituras Gregas Cristãs. — Veja as notas de estudo em Mt 16:18; At 5:11.

congregação: Esta é a primeira vez que a palavra grega ekklesía aparece em Atos. Ela é formada por duas palavras gregas: ek, que significa “para fora”, e kaléo, que significa “chamar”. A palavra ekklesía se refere a um grupo de pessoas convocadas ou reunidas para determinado objetivo ou atividade, o que descreve bem a recém-formada congregação cristã. (Veja o Glossário.) A mesma palavra grega foi usada em Mt 16:18 (veja a nota de estudo), onde Jesus predisse a ‘construção’, ou formação, da congregação dos cristãos ungidos. Ela seria uma “casa espiritual”, e os cristãos ungidos são comparados a “pedras viventes”. (1Pe 2:4, 5) Nas Escrituras Gregas Cristãs, a palavra ekklesía é usada para se referir não apenas aos cristãos ungidos como um todo, mas também aos cristãos que viviam numa determinada região ou aos cristãos que formavam uma congregação local. Aqui em At 5:11, a palavra se refere à congregação em Jerusalém. — Veja a nota de estudo em At 7:38.

milagres: Ou: “presságios”. A palavra grega traduzida aqui como “milagres” é o plural de téras. Nas Escrituras Gregas Cristãs, ela é usada junto com a palavra semeíon (“sinal”), as duas sempre no plural. (Mt 24:24; Jo 4:48; At 7:36; 14:3; 15:12; 2Co 12:12) Basicamente, téras se refere a qualquer coisa que cause espanto ou admiração. Quando fica claro que o “milagre” indica um acontecimento futuro, como ocorre neste versículo, a nota de estudo apresentará a tradução alternativa “Ou: presságios”.

milagres: Ou: “presságios”. — Veja a nota de estudo em At 2:19.

o anjo de Jeová: Esta expressão aparece pela primeira vez em Gên 16:7 e é usada muitas vezes nas Escrituras Hebraicas. Ela é formada pela palavra hebraica para “anjo” mais o Tetragrama. Num fragmento de uma cópia muito antiga da Septuaginta, essa expressão aparece em Za 3:5, 6 e foi traduzida pela palavra grega ággelos (anjo; mensageiro) seguida pelo nome de Deus em letras hebraicas. Esse fragmento foi encontrado em uma caverna em Nahal Hever, no deserto da Judeia, em Israel, e é datado de entre 50 a.C. e 50 d.C. Os motivos que levaram a Tradução do Novo Mundo a usar a expressão “o anjo de Jeová” no texto principal de At 5:19, apesar de os manuscritos gregos disponíveis usarem “o anjo de Senhor”, são explicados nos Apêndices C1 e C3 (introdução e At 5:19).

a assembleia dos anciãos: Ou: “o conselho (corpo) de anciãos”. A palavra grega usada aqui, presbytérion, está relacionada com a palavra presbýteros (lit.: “homem mais velho”). Na Bíblia, presbýteros se refere principalmente a uma pessoa que tem autoridade e responsabilidade numa comunidade ou nação. Embora essa palavra possa ser usada às vezes para indicar idade (como acontece em Lu 15:25 e At 2:17), ela não se refere apenas a quem é idoso. A expressão “assembleia dos anciãos” pelo visto se refere aos membros do Sinédrio, o supremo tribunal judaico, que era composto pelos principais sacerdotes, pelos escribas e pelos anciãos. Na Bíblia, esses três grupos são mencionados juntos com frequência. — Mt 16:21; 27:41; Mr 8:31; 11:27; 14:43, 53; 15:1; Lu 9:22; 20:1; veja o Glossário, “Ancião; Homem idoso”, e a nota de estudo em o Sinédrio neste versículo.

toda a assembleia dos anciãos: Ou: “todo o conselho (corpo) de anciãos”. A palavra grega gerousía, traduzida aqui como “assembleia dos anciãos”, está relacionada com a palavra géron (lit.: “homem idoso”), que foi usada em Jo 3:4. Essas duas palavras gregas aparecem apenas uma vez nas Escrituras Gregas Cristãs. Alguns entendem que a expressão “assembleia dos anciãos” seja outra forma de se referir ao Sinédrio, o supremo tribunal judaico, que era composto pelos principais sacerdotes, pelos escribas e pelos anciãos. (Veja a nota de estudo em Lu 22:66.) Mas tudo indica que aqui as expressões “Sinédrio” e “assembleia dos anciãos” se refiram a dois grupos diferentes, que talvez tivessem membros em comum. É possível que alguns membros da “assembleia dos anciãos” também fossem membros do Sinédrio, e que outros membros da assembleia fossem consultados pelo Sinédrio quando necessário.

dos filhos de Israel: Ou: “do povo de Israel; dos israelitas”. — Veja o Glossário, “Israel”.

o capitão do templo: Esse oficial também é mencionado em At 5:24, 26. No século 1 d.C., a pessoa que ocupava esse cargo era um sacerdote, e apenas o sumo sacerdote tinha mais autoridade do que ele. O capitão do templo supervisionava o trabalho dos sacerdotes no templo. Ele também era responsável por manter a ordem no templo e em seus arredores. Para isso, ele usava um grupo de levitas que servia como uma força policial do templo. Havia outros capitães subordinados a ele que supervisionavam os levitas que abriam os portões do templo de manhã e os fechavam à noite. Os guardas levitas também protegiam o tesouro do templo, mantinham a ordem entre as multidões e cuidavam para que ninguém entrasse em áreas restritas. Os levitas estavam divididos em 24 turmas. As turmas se revezavam, e cada turma servia por uma semana, duas vezes ao ano. É provável que cada turma tivesse um capitão, que estava debaixo da autoridade do capitão do templo. Todos esses capitães que trabalhavam no templo eram homens influentes. Eles são mencionados junto com os principais sacerdotes que planejaram a morte de Jesus. Na noite em que Jesus foi traído, eles foram com seus guardas prender Jesus. — Lu 22:4 (veja a nota de estudo), 52.

o capitão do templo: Veja a nota de estudo em At 4:1.

num madeiro: Ou: “numa árvore”. Aqui, a palavra grega xýlon (lit.: “madeira”) é usada como um sinônimo da palavra grega staurós (traduzida como “estaca de tortura”) e se refere ao instrumento em que Jesus foi pregado e executado. Nas Escrituras Gregas Cristãs, xýlon foi usada nesse sentido por Lucas, Paulo e Pedro num total de cinco vezes. (At 5:30; 10:39; 13:29; Gál 3:13; 1Pe 2:24) A Septuaginta usou xýlon em De 21:22, 23 para traduzir a palavra hebraica correspondente ʽets (que significa “árvore; madeira; pedaço de madeira”) na parte que diz “e você o pendurar num madeiro”. Paulo citou essa passagem de Deuteronômio em Gál 3:13 e usou xýlon na frase “maldito é todo aquele pendurado num madeiro”. A Septuaginta também usou essa palavra em Esd 6:11 (1 Esdras 6:31, LXX) para traduzir a palavra aramaica ʼaʽ, que corresponde ao hebraico ʽets. Esse versículo de Esdras diz que quem violasse o decreto do rei persa sofreria a seguinte punição: “Seja arrancada da sua casa uma viga de madeira e seja ele pendurado nela.” Em todos esses contextos, xýlon significa uma estaca sem uma barra transversal. Assim, o fato de os escritores da Bíblia usarem xýlon como sinônimo de staurós reforça a conclusão de que Jesus foi executado numa estaca simples, ou poste.

Agente Principal: A palavra grega que aparece aqui, arkhegós, tem o sentido básico de “líder principal; alguém que vai primeiro”. Ela é usada quatro vezes na Bíblia e sempre se refere a Jesus. (At 3:15; 5:31; He 2:10; 12:2) Essa palavra grega também pode passar a ideia de alguém que vai na frente e prepara o caminho para outros, como um pioneiro ou um desbravador. Jesus se tornou o Mediador entre Deus e a humanidade e abriu o caminho para a vida eterna. Por isso, ele podia ser chamado de o Agente Principal da vida ou o Pioneiro da vida. A palavra grega arkhegós também indica que aquele que vai na frente faz isso cumprindo uma função oficial ou administrativa, como um líder ou um príncipe. (Uma palavra relacionada é usada em At 7:27, 35, que diz que Moisés era um “líder” em Israel.) Aqui, neste contexto, a palavra também inclui a ideia de que a pessoa é usada por Deus para cumprir o propósito dele. Jesus se tornou um “resgate correspondente” em troca de muitos. (1Ti 2:5, 6; Mt 20:28; At 4:12) Depois da sua ressurreição, Jesus, no papel de Sumo Sacerdote e Juiz, podia ajudar a humanidade a receber os benefícios do resgate. Seu sacrifício tornou possível que os humanos que exercessem fé nele fossem libertados do pecado e da morte. Dessa forma, a ressurreição dos mortos acontece por meio de Jesus. (Jo 5:28, 29; 6:39, 40) Assim, Jesus abre o caminho para a vida eterna. (Jo 11:25; 14:6; He 5:9; 10:19, 20) Algumas traduções da Bíblia usam aqui a expressão “Autor” da vida. Mas a Bíblia deixa claro que Jesus não é o originador da vida. Ele recebeu sua vida e sua autoridade de Deus e é usado por ele. — Sal 36:9; Jo 6:57; At 17:26-28; Col 1:15; Ap 3:14.

Agente Principal: A palavra grega que aparece aqui, arkhegós, tem o sentido básico de “líder principal; alguém que vai primeiro”. Ela é usada quatro vezes na Bíblia e sempre se refere a Jesus. (At 3:15; 5:31; He 2:10; 12:2) Aqui, ela aparece junto com o título “Salvador”. — Veja a nota de estudo em At 3:15.

ficaram furiosos: Ou: “sentiram-se feridos”. Esta expressão grega aparece apenas aqui e em At 7:54. Ela significa literalmente “ser cortado de fora a fora com uma serra” e foi usada em sentido figurado nas duas ocorrências para indicar uma forte reação emocional.

Gamaliel: Este instrutor da Lei é mencionado duas vezes no livro de Atos: aqui e em At 22:3. Os estudiosos acreditam que ele seja a mesma pessoa que, em fontes não bíblicas, é chamada de Gamaliel, o Velho. Esse Gamaliel era neto, ou possivelmente filho, de Hilel, o Velho, que é considerado por muitos o criador de uma escola de pensamento mais liberal entre os fariseus. Gamaliel era tão estimado pelo povo que parece ter sido o primeiro a ser chamado pelo título de honra “raban”. Ele teve grande influência na sociedade judaica da sua época e instruiu muitos filhos de fariseus, entre eles, Saulo de Tarso. (At 22:3; 23:6; 26:4, 5; Gál 1:13, 14) Pelo visto, Gamaliel muitas vezes interpretava a Lei e as tradições de um modo mais liberal do que outros. Por exemplo, algumas fontes dizem que ele criou leis que protegiam esposas e viúvas contra injustiças por parte de maridos ou filhos e que defendeu a ideia de que os pobres que não eram judeus deveriam ter os mesmos direitos de respiga que os pobres que eram judeus. A atitude tolerante de Gamaliel fica clara na maneira que ele tratou Pedro e os outros apóstolos. (At 5:35-39) Apesar disso, os escritos rabínicos mostram que Gamaliel dava mais importância à tradição rabínica do que às Escrituras Sagradas. Assim, de forma geral, os ensinos de Gamaliel eram parecidos com os da maioria dos rabinos que viveram antes dele e dos líderes religiosos de sua época. — Mt 15:3-9; 2Ti 3:16, 17; veja o Glossário, “Fariseus”; “Sinédrio”.

açoitarem: Ou: “espancarem”. Os apóstolos provavelmente receberam a punição comum entre os judeus de “40 golpes menos um”. — 2Co 11:24; De 25:2, 3.

as boas novas: Primeira vez que a palavra grega euaggélion aparece. Em algumas Bíblias, ela é traduzida como “evangelho”. Uma palavra grega relacionada, euaggelistés, que é traduzida como “evangelizador”, significa “proclamador de boas novas (boas notícias)”. — At 21:8; notas de rodapé em Ef 4:11 e 2Ti 4:5.

estas boas novas: A palavra grega euaggélion é formada por duas palavras: eu, que significa “bom; bem”, e ággelos, que significa “alguém que traz notícias; alguém que proclama (anuncia)”. (Veja o Glossário.) Em algumas Bíblias em português ela é traduzida como “evangelho”. Uma palavra relacionada, “evangelizador” (em grego, euaggelistés), significa “proclamador de boas novas (boas notícias)”. — At 21:8; notas de rodapé em Ef 4:11 e 2Ti 4:5.

de casa em casa: A expressão grega que aparece aqui, katʼ oíkon, significa literalmente “segundo a casa”. Várias obras de referência dizem que a preposição grega katá pode ser entendida em sentido distributivo. Por exemplo, uma delas diz que katʼ oíkon se refere a “lugares vistos como parte de uma sequência, sentido distributivo . . . de casa em casa”. (A Greek-English Lexicon of the New Testament and Other Early Christian Literature, 3.ª edição) Outra obra diz que a preposição katá é “distributiva (Atos 2:46; 5:42: . . . casa em casa/dentro das casas [individuais] . . .)”. (Exegetical Dictionary of the New Testament, editado por Horst Balz e Gerhard Schneider) O estudioso Richard Lenski fez o seguinte comentário: “Os apóstolos não interrompiam seu trabalho abençoado, nem mesmo por um momento. Eles continuavam ‘todo dia’, e faziam isso abertamente ‘no Templo’, onde o Sinédrio e a polícia do Templo podiam vê-los e ouvi-los, e claro, também κατ’ οἴκον, que é distributivo, ‘de casa em casa’, e não apenas adverbial, ‘em casa’.” (The Interpretation of the Acts of the Apostles, 1961) Essas obras apoiam o entendimento de que, neste versículo, katá tem sentido distributivo e que os discípulos pregavam indo de uma casa para outra. A palavra katá é usada de forma parecida em Lu 8:1, que diz que Jesus pregou “de cidade em cidade e de aldeia em aldeia”. O método usado pelos discípulos para alcançar as pessoas, indo diretamente na casa delas, trouxe excelentes resultados. — At 6:7; compare com At 4:16, 17; 5:28.

declarar as boas novas: O verbo grego usado aqui, euaggelízomai, é relacionado com o substantivo euaggélion, que significa “boas novas”. Nas Escrituras Gregas Cristãs, dois aspectos muito importantes das boas novas são o Reino de Deus, que foi o tema da pregação e do ensino de Jesus, e a salvação por meio da fé em Jesus Cristo. No livro de Atos, euaggelízomai aparece muitas vezes, dando destaque ao trabalho de pregação. — At 8:4, 12, 25, 35, 40; 10:36; 11:20; 13:32; 14:7, 15, 21; 15:35; 16:10; 17:18; veja as notas de estudo em Mt 4:23; 24:14.

Mídia

Antigo manuscrito das Escrituras Gregas Cristãs em pergaminho
Antigo manuscrito das Escrituras Gregas Cristãs em pergaminho

O manuscrito em pergaminho que aparece aqui contém At 5:3-21. Esta folha, conhecida como Uncial 0189, fazia parte de um códice do livro de Atos. O trecho de At 5:3-12 aparece na frente da folha (à esquerda na imagem), enquanto o trecho de At 5:12-21 aparece no verso (à direita na imagem). Alguns estudiosos datam este manuscrito de entre o fim do século 2 d.C. e o começo do século 3 d.C., mas outros acreditam que ele tenha sido escrito mais tarde no século 3 d.C. ou no século 4 d.C. Existem fragmentos mais antigos em papiro, mas este é um dos manuscritos mais antigos das Escrituras Gregas Cristãs já encontrados em pergaminho. Ele faz parte do acervo do Museu Staatliche, em Berlim, na Alemanha.

Pórtico de Salomão
Pórtico de Salomão

Não se sabe exatamente como era o Pórtico de Salomão no templo do século 1 d.C., mas esta animação em 3D mostra uma das possibilidades. O pórtico era uma grande passagem coberta que ficava do lado leste do pátio externo do templo em Jerusalém. A Bíblia cita três vezes o Pórtico de Salomão por nome. Na primeira delas, o apóstolo João fala sobre uma ocasião em que Jesus estava andando no pórtico e foi rodeado por judeus que queriam que ele lhes dissesse se era o Cristo. (Jo 10:22-24) Tempos depois, quando Pedro curou um homem manco de nascença, uma multidão surpresa se reuniu no Pórtico de Salomão para ouvi-lo explicar como tinha feito isso. (At 3:1-7, 11) E a Bíblia também fala que cristãos do século 1 d.C. se reuniam à vista de todos no Pórtico de Salomão. — At 5:12, 13; veja o Glossário, “Pórtico de Salomão”.

Pregando de casa em casa
Pregando de casa em casa

Depois do Pentecostes de 33 d.C., os discípulos de Jesus continuaram a levar as boas novas diretamente às casas das pessoas. O registro inspirado mostra que, mesmo depois de receberem a ordem de ‘parar de falar’, os discípulos “todo dia, no templo e de casa em casa, continuavam, sem parar, a ensinar e a declarar as boas novas a respeito do Cristo, Jesus”. (At 5:40-42) Por volta de 56 d.C., o apóstolo Paulo disse aos anciãos de Éfeso: “Não deixei de . . . ensiná-los publicamente e de casa em casa.” (At 20:20) Paulo estava se referindo ao esforço que tinha feito para pregar para aqueles anciãos antes de eles se tornarem cristãos, quando eles ainda precisavam aprender “que deviam se arrepender e se voltar para Deus, e ter fé no nosso Senhor Jesus”. (At 20:21) Quando alguém mostrava interesse por assuntos espirituais, Paulo com certeza continuava a ir à sua casa para ensinar mais. E ele sem dúvida continuava visitando os que se tornavam cristãos para fortalecer a fé deles. — Veja as notas de estudo em At 5:42; 20:20.