Atos dos Apóstolos 15:1-41

15  Alguns homens desceram da Judeia e começaram a ensinar os irmãos: “A menos que vocês sejam circuncidados segundo o costume de Moisés,+ não podem ser salvos.”  Mas, depois de muita discórdia e discussão de Paulo e Barnabé com eles, decidiu-se que Paulo, Barnabé e alguns outros subiriam a Jerusalém+ para tratar dessa questão com os apóstolos e os anciãos.  Assim, depois que a congregação os acompanhou parte do caminho, esses homens seguiram viagem através da Fenícia+ e de Samaria, contando em detalhes a conversão de pessoas das nações e trazendo grande alegria a todos os irmãos.  Ao chegarem a Jerusalém, foram recebidos bondosamente pela congregação, pelos apóstolos e pelos anciãos, e contaram as muitas coisas que Deus tinha feito por meio deles.+  Mas alguns da seita dos fariseus, que tinham se tornado crentes, se levantaram dos seus assentos e disseram: “É necessário circuncidá-los e lhes ordenar que obedeçam à Lei de Moisés.”+  Então os apóstolos e os anciãos se reuniram para considerar essa questão.  Depois de longa e intensa discussão, Pedro se levantou e lhes disse: “Homens, irmãos, vocês bem sabem que, desde os primeiros dias, Deus me escolheu dentre vocês para que as pessoas das nações ouvissem da minha boca a palavra das boas novas e cressem.+  E Deus, que conhece os corações,+ mostrou que os aprovava,* dando-lhes o espírito santo+ assim como também tinha dado a nós.  E ele não fez nenhuma distinção entre nós e eles,+ mas purificou o coração deles pela fé.+ 10  Portanto, por que vocês agora põem Deus à prova, colocando no pescoço dos discípulos um jugo+ que nem os nossos antepassados nem nós fomos capazes de levar?+ 11  Ao contrário, temos fé em que somos salvos pela bondade imerecida do Senhor Jesus+ do mesmo modo que eles.”+ 12  Em vista disso, o grupo inteiro ficou calado e começou a escutar Barnabé e Paulo relatar os muitos sinais e milagres que Deus tinha feito por meio deles entre as nações. 13  Depois que pararam de falar, Tiago+ tomou a palavra: “Homens, irmãos, ouçam-me.+ 14  Simeão+ relatou em detalhes como Deus, pela primeira vez, voltou sua atenção para as nações, a fim de tirar delas um povo para o Seu nome.+ 15  E com isso concordam as palavras dos Profetas, como está escrito: 16  ‘Depois disso voltarei e levantarei novamente a tenda de Davi, que está caída; eu reconstruirei as suas ruínas e a restaurarei, 17  a fim de que o restante dos homens busque diligentemente a Jeová, junto com pessoas de todas as nações, pessoas que são chamadas por meu nome, diz Jeová, aquele que está fazendo essas coisas,+ 18  conhecidas desde a antiguidade.’+ 19  Por isso, a minha decisão é não causar dificuldades a essas pessoas das nações, que estão se convertendo a Deus,+ 20  mas lhes escrever para que se abstenham de coisas contaminadas por ídolos,+ de imoralidade sexual,+ do que foi estrangulado e de sangue.+ 21  Pois, desde os tempos antigos,* Moisés tem os que o pregam em cada cidade, porque ele é lido em voz alta nas sinagogas todo sábado.”+ 22  Então os apóstolos e os anciãos, junto com toda a congregação, decidiram enviar a Antioquia homens escolhidos dentre eles, junto com Paulo e Barnabé; enviaram Judas, que era chamado Barsabás, e Silas,+ homens que tomavam a liderança entre os irmãos. 23  Escreveram esta carta e a mandaram por meio deles: “Os apóstolos e os anciãos, seus irmãos, mandam saudações aos irmãos que são das nações, que estão em Antioquia,+ na Síria e na Cilícia. 24  Ouvimos falar que alguns saíram do nosso meio e causaram problemas a vocês com o que disseram,+ e tentaram transtorná-los; nós, porém, não tínhamos dado nenhuma instrução a eles. 25  Por isso decidimos, de comum acordo, escolher homens para enviar a vocês junto com nossos amados Barnabé e Paulo, 26  que entregaram a vida ao nome do nosso Senhor Jesus Cristo.+ 27  Portanto, enviamos Judas e Silas, para relatarem verbalmente essas mesmas coisas.+ 28  Pois pareceu bem ao espírito santo+ e a nós não impor a vocês nenhum fardo além destas coisas necessárias: 29  que persistam em se abster de coisas sacrificadas a ídolos,+ de sangue,+ do que foi estrangulado+ e de imoralidade sexual.+ Se vocês se guardarem cuidadosamente dessas coisas, tudo irá bem com vocês. Saudações!” 30  Assim, depois de serem dispensados, esses homens desceram para Antioquia, reuniram todo o grupo e lhes entregaram a carta. 31  Estes, depois de lerem a carta, se alegraram com o encorajamento. 32  E Judas e Silas, visto que também eram profetas, encorajaram os irmãos com muitos discursos e os fortaleceram.+ 33  Depois de passarem algum tempo ali, os irmãos os mandaram de volta em paz para os que os tinham enviado. 34  —— 35  Mas Paulo e Barnabé ficaram em Antioquia ensinando e declarando, junto com muitos outros, as boas novas da palavra de Jeová. 36  Depois de alguns dias, Paulo disse a Barnabé: “Agora,* vamos voltar e visitar os irmãos em cada uma das cidades em que proclamamos a palavra de Jeová, para ver como estão.”+ 37  Barnabé estava decidido a levar João, que era chamado Marcos.+ 38  Paulo, no entanto, não concordava que o levassem junto, visto que ele tinha se separado deles na Panfília, e não os tinha acompanhado no trabalho.+ 39  Em vista disso, tiveram uma forte discussão,* de modo que se separaram um do outro. Então Barnabé+ levou consigo Marcos e navegou para Chipre. 40  Paulo escolheu Silas e partiu, depois de os irmãos o entregarem à bondade imerecida de Jeová.+ 41  Ele passou pela Síria e pela Cilícia, fortalecendo as congregações.

Notas de rodapé

At 15:8  Ou: “deu testemunho”.
At 15:21  Ou: “desde muitas gerações”.
At 15:36  Ou, possivelmente: “Sem falta”.
At 15:39  Ou: “um forte acesso de ira”.

Notas de estudo

longa e intensa discussão: Ou: “longo debate”. A palavra grega usada aqui está relacionada com um verbo grego que significa “buscar” (zetéo), e passa a ideia de “busca; questionamento”. (Kingdom Interlinear) Neste contexto, ela indica que os apóstolos e os anciãos analisaram com atenção o assunto, fazendo perguntas, examinando cuidadosamente as evidências e, sem dúvida, expressando abertamente suas diferenças de opinião.

anciãos: Lit.: “homens idosos”. Na Bíblia, a palavra grega presbýteros se refere principalmente a uma pessoa que tem autoridade e responsabilidade numa comunidade ou nação. Embora essa palavra possa ser usada às vezes para indicar idade (como acontece em Lu 15:25; At 2:17), ela não se refere apenas a quem é idoso. Neste versículo, a palavra “anciãos” se refere a homens de autoridade entre os judeus. Muitas vezes eles são mencionados junto com outros dois grupos: os principais sacerdotes e os escribas. O Sinédrio era formado por homens desses três grupos. — Mt 21:23; 26:3, 47, 57; 27:1, 41; 28:12; veja o Glossário, “Ancião; Homem idoso”.

anciãos: Lit.: “homens mais velhos (idosos)”. Na Bíblia, a palavra grega presbýteros se refere principalmente a quem tem autoridade e responsabilidade numa comunidade ou nação, apesar de às vezes também ser usada para se referir a alguém idoso. (Veja a nota de estudo em Mt 16:21.) Na nação de Israel, os anciãos tomavam a liderança entre o povo e ajudavam na administração do país, tanto em nível local (De 25:7-9; Jos 20:4; Ru 4:1-12) como em nível nacional (Jz 21:16; 1Sa 4:3; 8:4; 1Rs 20:7). Esta é a primeira vez que a palavra presbýteros é usada com relação à congregação cristã. No Israel espiritual, assim como acontecia no Israel literal, os anciãos seriam responsáveis por tomar a liderança. Na ocasião mencionada aqui, as contribuições foram entregues aos anciãos, e eles supervisionaram a distribuição delas para as congregações da Judeia.

questão: Ou: “controvérsia”. A palavra grega que aparece aqui, zétema, muitas vezes se refere a um assunto polêmico ou a uma questão específica que está em discussão. A palavra zétema está relacionada com a palavra grega para “buscar” (zetéo). — Veja a nota de estudo em At 15:7.

anciãos: Lit.: “homens mais velhos (idosos)”. Neste versículo, a palavra grega presbýteros se refere a homens que tinham um cargo de responsabilidade na congregação cristã daquela época. Os anciãos da congregação em Jerusalém são mencionados aqui junto com os apóstolos. Paulo, Barnabé e alguns outros irmãos de Antioquia da Síria foram até esses homens para resolver a questão da circuncisão. Assim como alguns anciãos no Israel literal serviam em posições de responsabilidade em nível nacional, os anciãos da congregação em Jerusalém e os apóstolos serviam juntos como um corpo governante que supervisionava todas as congregações do século 1 d.C. Isso indica que o corpo governante, que no início era formado apenas pelos 12 apóstolos, tinha aumentado. — At 1:21, 22, 26; veja as notas de estudo em Mt 16:21; At 11:30.

Arrependam-se: A palavra grega usada aqui pode ser traduzida literalmente como “mudar de ideia”. Significa mudar o modo de pensar, as atitudes ou os objetivos na vida. No contexto deste versículo, ‘arrepender-se’ indica que a pessoa deve fazer mudanças na vida para poder agradar a Deus e ter a amizade dele. — Veja as notas de estudo em Mt 3:8, 11 e o Glossário, “Arrependimento”.

fruto próprio do arrependimento: As pessoas que ouviam João precisavam produzir “fruto”, ou seja, mostrar por suas ações que tinham mudado seu modo de pensar e suas atitudes. — Lu 3:8; At 26:20; veja as notas de estudo em Mt 3:2, 11 e o Glossário, “Arrependimento”.

Arrependam-se . . . e deem meia-volta: A palavra grega para “arrepender-se” (metanoéo) significa literalmente “mudar de ideia”. Ela passa a ideia de mudar o modo de pensar, as atitudes ou os objetivos na vida. Neste contexto, o arrependimento envolve o desejo de restaurar ou reparar a amizade com Deus. Um pecador mostra que está arrependido de verdade quando lamenta profundamente o caminho errado que tomou e está decidido a não repetir seus erros. (2Co 7:10, 11; veja as notas de estudo em Mt 3:28.) Além disso, o verdadeiro arrependimento leva o pecador a agir e ‘dar meia-volta’, abandonando o caminho errado e passando a viver de uma forma que agrada a Deus. Os verbos gregos para “dar meia-volta” (stréfo; epistréfo) e o verbo hebraico correspondente (shuv) significam “retornar; voltar; dar meia-volta” em sentido literal. (Gên 18:10; 50:14; At 15:36) Mas, quando são usados em sentido espiritual para se referir a uma mudança positiva, eles podem transmitir a ideia de dar as costas para um caminho errado e passar a fazer a vontade de Deus. — 1Rs 8:33; Ez 33:11; veja as notas de estudo em At 15:3; 26:20.

se arrepender: A palavra grega usada aqui pode ser traduzida literalmente como “mudar de ideia”. Ela passa a ideia de mudar o modo de pensar, as atitudes ou os objetivos na vida. Neste contexto, a expressão “se arrepender” está ligada com a expressão se converter a Deus, indicando que a pessoa deve fazer mudanças na vida para poder agradar a Deus e ter a amizade dele. A pessoa mostra que está arrependida de verdade quando pratica obras próprias do arrependimento. Em outras palavras, as ações da pessoa vão mostrar que ela realmente mudou seu modo de pensar e suas atitudes. — Veja as notas de estudo em Mt 3:2, 8; Lu 3:8 e o Glossário, “Arrependimento”.

conversão: O substantivo grego que aparece aqui, epistrofé, vem de um verbo que significa “retornar; voltar; dar meia-volta”. (Jo 12:40; 21:20; At 15:36) Quando o verbo é usado para se referir a uma mudança em sentido espiritual, ele pode passar a ideia de se voltar para o Deus verdadeiro ou de retornar para ele. Também pode passar a ideia de dar as costas aos ídolos e aos deuses falsos. (Esse verbo aparece em At 3:19; 14:15; 15:19; 26:18, 20 e 2Co 3:16.) No texto de 1Te 1:9, esse verbo foi usado na frase “como vocês se converteram a Deus, abandonando os seus ídolos”. Para se converter, a pessoa precisa primeiro se arrepender. — Veja as notas de estudo em Mt 3:2, 8; At 3:19; 26:20.

eu sou fariseu: Alguns dos que estavam ali conheciam Paulo. (At 22:5) Eles com certeza entenderam que, quando Paulo afirmou que era filho de fariseus, ele estava simplesmente reconhecendo que tinha a mesma formação que eles. Por isso, os fariseus do Sinédrio não pensariam que Paulo estava fingindo ser o que não era quando disse que era fariseu. Eles sabiam que Paulo tinha se tornado um cristão zeloso. Neste contexto, as palavras de Paulo davam a entender que ele se identificava, até certo ponto, com os fariseus, e não com os saduceus, porque os fariseus acreditavam na ressurreição assim como ele. Dessa forma, Paulo mostrou que eles tinham algo em comum. Tudo indica que, ao levantar esse assunto polêmico, a intenção dele era fazer com que alguns membros do Sinédrio tomassem o seu lado, e isso funcionou. (At 23:7-9) O que Paulo disse aqui em At 23:6 também está de acordo com o que ele disse sobre si mesmo ao se defender diante do rei Agripa. (At 26:5) E, quando Paulo estava em Roma e escreveu aos cristãos em Filipos, ele novamente falou sobre o seu passado como fariseu. (Fil 3:5) Também é interessante o modo como outros cristãos que tinham sido fariseus são descritos em At 15:5. — Veja a nota de estudo em At 15:5.

da seita dos fariseus: Pelo visto, esses cristãos ainda eram de alguma forma ligados ao seu passado como fariseus. — Compare com a nota de estudo em At 23:6.

longa e intensa discussão: Ou: “longo debate”. A palavra grega usada aqui está relacionada com um verbo grego que significa “buscar” (zetéo), e passa a ideia de “busca; questionamento”. (Kingdom Interlinear) Neste contexto, ela indica que os apóstolos e os anciãos analisaram com atenção o assunto, fazendo perguntas, examinando cuidadosamente as evidências e, sem dúvida, expressando abertamente suas diferenças de opinião.

milagres: Ou: “presságios”. A palavra grega traduzida aqui como “milagres” é o plural de téras. Nas Escrituras Gregas Cristãs, ela é usada junto com a palavra semeíon (“sinal”), as duas sempre no plural. (Mt 24:24; Jo 4:48; At 7:36; 14:3; 15:12; 2Co 12:12) Basicamente, téras se refere a qualquer coisa que cause espanto ou admiração. Quando fica claro que o “milagre” indica um acontecimento futuro, como ocorre neste versículo, a nota de estudo apresentará a tradução alternativa “Ou: presságios”.

milagres: Ou: “presságios”. — Veja a nota de estudo em At 2:19.

Tiago: Tudo indica que esse meio-irmão de Jesus seja o Tiago mencionado em At 12:17 (veja a nota de estudo) e em Gál 1:19, e o escritor do livro bíblico de Tiago. — Tg 1:1.

Tiago: Tudo indica que este Tiago seja o meio-irmão de Jesus. Quando os quatro meios-irmãos de Jesus (Tiago, José, Simão e Judas) são citados, Tiago é sempre mencionado primeiro. Isso talvez indique que ele era o mais velho deles. (Mt 13:55; Mr 6:3; Jo 7:5) Ele estava presente no Pentecostes de 33 d.C., quando milhares de judeus que moravam fora de Israel e tinham ido a Jerusalém aceitaram as boas novas e foram batizados. (At 1:14; 2:1, 41) As palavras de Pedro “contem essas coisas a Tiago” indicam que Tiago estava tomando a liderança na congregação em Jerusalém. Parece também que ele é o Tiago mencionado em At 15:13; 21:18; 1Co 15:7; Gál 1:19 (onde ele é chamado de “Tiago, o irmão do Senhor”); 2:9, 12, e que foi ele quem escreveu o livro bíblico de Tiago. — Tg 1:1; Ju 1.

Tiago: Tudo indica que este Tiago seja o meio-irmão de Jesus e que seja o mesmo Tiago mencionado em At 12:17. (Veja as notas de estudo em Mt 13:55; At 12:17.) Parece que nessa ocasião, quando o assunto da circuncisão foi levado até “os apóstolos e os anciãos” em Jerusalém, foi Tiago quem presidiu a reunião. (At 15:1, 2) O apóstolo Paulo pelo visto estava se referindo a essa reunião quando disse que Tiago, Cefas (Pedro) e João eram “os que pareciam colunas” da congregação em Jerusalém. — Gál 2:1-9.

Simão, o chamado Pedro: As Escrituras Gregas usam cinco nomes diferentes para Pedro: (1) “Simeão”; (2) “Simão” (tanto “Simeão” como “Simão” vêm de um verbo hebraico que significa “ouvir; escutar”); (3) “Pedro”, nome de origem grega que significa “pedra; um pedaço de rocha” (só esse apóstolo é identificado por esse nome na Bíblia); (4) “Cefas”, que é o equivalente semítico do nome grego Pedro e talvez esteja relacionado com a palavra hebraica kefím (rochas), que aparece em Jó 30:6 e Je 4:29; e (5) a combinação “Simão Pedro”. — At 15:14; Jo 1:42; Mt 16:16.

Simeão: Ou seja, Simão Pedro. O nome que aparece aqui, Symeón, é a forma grega mais parecida com o nome original hebraico. Esta é a única ocasião em que o apóstolo Pedro é chamado assim na Bíblia. O uso da forma Symeón neste versículo pode indicar que a reunião foi realizada em hebraico. — Veja a nota de estudo em Mt 10:2.

um povo para o Seu nome: Estas palavras talvez sejam uma referência a passagens das Escrituras Hebraicas que falam de Jeová escolher um povo como sua propriedade especial. (Êx 19:5; De 7:6; 14:2; 26:18, 19) O novo povo que levaria o nome de Jeová, “o Israel de Deus” (ou Israel espiritual), agora passaria a incluir não judeus. (Gál 6:16; Ro 11:25, 26a; Ap 14:1) Os membros desse povo deveriam divulgar as qualidades do Deus que representavam e glorificar o nome dele publicamente. (1Pe 2:9, 10) Jeová tinha chamado o Israel literal de “o povo que formei para mim para que proclamasse o meu louvor”, mas agora essas palavras se aplicavam ao Israel espiritual. (Is 43:21) Os cristãos do século 1 d.C. proclamavam com coragem que Jeová é o único Deus verdadeiro, mostrando que todos os outros deuses adorados naquela época eram falsos. — 1Te 1:9.

na Lei de Moisés, nos Profetas e nos Salmos: Esta era a forma como os judeus costumavam agrupar os livros das Escrituras Hebraicas. Pelo visto, foi por isso que Jesus escolheu se referir às Escrituras Hebraicas dessa forma. A “Lei de Moisés” (em hebraico, Tohráh) se refere aos livros de Gênesis a Deuteronômio. A expressão “os Profetas” (em hebraico, Neviʼím) se refere aos livros proféticos das Escrituras Hebraicas, incluindo os conhecidos como Profetas Anteriores (os livros bíblicos de Josué a Segundo dos Reis). E a expressão “os Salmos” se refere a todos os outros livros das Escrituras Hebraicas, que eram conhecidos como “os Escritos” (em hebraico, Kethuvím). Esse último grupo de livros podia ser chamado de “os Salmos” porque começava com esse livro. Foi com base no nome hebraico desses três grupos de livros que os judeus passaram a chamar as Escrituras Hebraicas de “Tanakh”, uma combinação das primeiras letras hebraicas dos três grupos (TaNaKh). O fato de Jesus ter se referido a esses três grupos indica que o cânon das Escrituras Hebraicas já estava bem estabelecido quando ele esteve na Terra e que ele concordava com esse cânon.

as palavras dos Profetas: As coisas que Simeão, ou Simão Pedro, disse (At 15:7-11) e as evidências apresentadas por Barnabé e Paulo (At 15:12) provavelmente fizeram Tiago se lembrar de textos que ajudavam a esclarecer o assunto. (Jo 14:26) Tiago disse “com isso concordam as palavras dos Profetas” e citou Am 9:11, 12, um livro que pertencia à parte das Escrituras Hebraicas que era muitas vezes chamada de “os Profetas”. — Mt 22:40; At 15:16-18; veja a nota de estudo em Lu 24:44.

a tenda de Davi: Ou: “a barraca (morada) de Davi”. Jeová prometeu que o reino de Davi permaneceria ‘firme para sempre’. (2Sa 7:12-16) “A tenda de Davi”, ou seja, sua casa real (dinastia) caiu quando o rei Zedequias foi deposto. (Ez 21:27) Depois que isso aconteceu, nenhum outro rei da linhagem de Davi se sentou no “trono de Jeová” em Jerusalém. (1Cr 29:23) Mas Jeová ergueria novamente a tenda simbólica de Davi, estabelecendo Jesus, o descendente de Davi, como Rei permanente. (At 2:29-36) Tiago indicou que essa restauração predita por Amós (em que o reinado voltaria para a linhagem de Davi) incluiria discípulos de Jesus (herdeiros do Reino) escolhidos tanto entre judeus como não judeus. — Am 9:11, 12.

as palavras dos Profetas: As coisas que Simeão, ou Simão Pedro, disse (At 15:7-11) e as evidências apresentadas por Barnabé e Paulo (At 15:12) provavelmente fizeram Tiago se lembrar de textos que ajudavam a esclarecer o assunto. (Jo 14:26) Tiago disse “com isso concordam as palavras dos Profetas” e citou Am 9:11, 12, um livro que pertencia à parte das Escrituras Hebraicas que era muitas vezes chamada de “os Profetas”. — Mt 22:40; At 15:16-18; veja a nota de estudo em Lu 24:44.

Simeão: Ou seja, Simão Pedro. O nome que aparece aqui, Symeón, é a forma grega mais parecida com o nome original hebraico. Esta é a única ocasião em que o apóstolo Pedro é chamado assim na Bíblia. O uso da forma Symeón neste versículo pode indicar que a reunião foi realizada em hebraico. — Veja a nota de estudo em Mt 10:2.

um povo para o Seu nome: Estas palavras talvez sejam uma referência a passagens das Escrituras Hebraicas que falam de Jeová escolher um povo como sua propriedade especial. (Êx 19:5; De 7:6; 14:2; 26:18, 19) O novo povo que levaria o nome de Jeová, “o Israel de Deus” (ou Israel espiritual), agora passaria a incluir não judeus. (Gál 6:16; Ro 11:25, 26a; Ap 14:1) Os membros desse povo deveriam divulgar as qualidades do Deus que representavam e glorificar o nome dele publicamente. (1Pe 2:9, 10) Jeová tinha chamado o Israel literal de “o povo que formei para mim para que proclamasse o meu louvor”, mas agora essas palavras se aplicavam ao Israel espiritual. (Is 43:21) Os cristãos do século 1 d.C. proclamavam com coragem que Jeová é o único Deus verdadeiro, mostrando que todos os outros deuses adorados naquela época eram falsos. — 1Te 1:9.

a fim de que o restante dos homens busque diligentemente a Jeová: Como mostra a nota de estudo em At 15:15, Tiago estava citando as palavras de Am 9:11, 12. Mas algumas partes dessa citação estão diferentes do texto hebraico disponível hoje. Alguns sugerem que Tiago citou essa passagem como ela aparece na Septuaginta, uma tradução para o grego das Escrituras Hebraicas, e que esse é o motivo das diferenças. No entanto, o nome usado para se referir a Pedro em At 15:14 pode indicar que a reunião foi realizada em hebraico. (Veja a nota de estudo em At 15:14.) Se isso for verdade, outra possível explicação para as diferenças é que Tiago tenha citado os versículos em hebraico, mas que Lucas, ao fazer seu registro, tenha usado as palavras da Septuaginta. Isso não seria de estranhar, já que Lucas, Tiago e outros escritores da Bíblia usaram a Septuaginta ao citar passagens das Escrituras Hebraicas. Apesar de haver algumas diferenças entre a Septuaginta e os manuscritos hebraicos disponíveis hoje, Jeová permitiu que os escritores da Bíblia usassem a Septuaginta, e as citações que eles fizeram se tornaram parte do registro inspirado. (2Ti 3:16) É interessante que o texto de Am 9:12 na Septuaginta diz “o restante dos homens”, assim como aparece aqui em Atos, enquanto os manuscritos hebraicos disponíveis dizem “o que restar de Edom”. Alguns acreditam que essa diferença pode ter surgido porque no hebraico antigo a palavra para “homens” era muito parecida com a palavra para “Edom”. Além disso, a palavra hebraica para “buscar” também é parecida com a palavra hebraica para “tomar posse”. Outra possibilidade sugerida é que a tradução da Septuaginta de Am 9:12 tenha se baseado em um texto hebraico antigo que era um pouco diferente do texto hebraico disponível hoje, mas isso nunca ficou provado. Seja qual for o caso, tanto na Septuaginta quanto no texto hebraico massorético as palavras de Amós indicam que pessoas das nações seriam chamadas pelo nome de Jeová, apoiando o argumento de Tiago.

Jeová: Nos manuscritos gregos, a palavra Kýrios (Senhor) aparece duas vezes aqui em At 15:17. Há bons motivos para se usar o nome de Deus nas ocorrências de Kýrios neste versículo. O contexto mostra que as duas ocorrências se referem a Deus. Tiago disse no versículo 14 que Simeão tinha relatado “como Deus . . . voltou sua atenção para as nações”. E no versículo 19, ele fala “das nações, que estão se convertendo a Deus”. Além disso, aqui neste versículo Tiago estava citando Am 9:11, 12 e, no texto hebraico original de Amós, o nome de Deus é usado uma vez, na expressão “diz Jeová”. Assim, levando em conta o contexto, o uso do nome de Deus na passagem que Tiago estava citando e a forma como a palavra Kýrios foi usada na Septuaginta e em outros versículos das Escrituras Gregas Cristãs, o nome de Deus foi usado duas vezes neste versículo. — Veja os Apêndices C1 e C3 (introdução e At 15:17).

junto com pessoas de todas as nações: Ou seja, junto com não judeus. Quando um não judeu era circuncidado e se tornava um prosélito, ele não era mais considerado um homem das nações. Ele ‘se tornava como um israelita de nascimento’, um judeu. (Êx 12:48, 49) Nos dias de Ester, muitos não judeus ‘se declararam judeus’. (Est 8:17) É interessante notar que a tradução da Septuaginta de Est 8:17 diz que esses não judeus “foram circuncidados e se tornaram judeus”. A profecia de Am 9:11, 12, da maneira como foi citada aqui em Atos, diz que “pessoas de todas as nações” (não judeus incircuncisos) se juntariam com “o restante dos homens” da casa de Israel (judeus e prosélitos) e se tornariam ‘pessoas chamadas pelo nome’ de Jeová. Com base nessa profecia, os discípulos entenderam que as pessoas das nações não precisavam ser circuncidadas para serem aceitas por Deus.

pessoas que são chamadas por meu nome: Ou: “pessoas que levam o meu nome”. Nas Escrituras Hebraicas, o fato de os israelitas serem chamados pelo nome de Jeová indicava que eles eram o povo dele. (De 28:10; 2Cr 7:14; Is 43:7; 63:19; Da 9:19) O texto de 2Rs 21:4, 7 diz que Jeová também colocou o nome dele em Jerusalém e em seu templo. Isso mostrava que ele tinha escolhido esse lugar para servir como o centro de sua adoração.

diz Jeová: Esta é uma citação de Am 9:12. No texto hebraico original de Amós, aparecem as quatro letras hebraicas que formam o nome de Deus (que equivalem a YHWH). — Veja o Apêndice C1.

aquele que está fazendo essas coisas, [versículo 18] conhecidas desde a antiguidade: O texto grego também permite um outro entendimento e poderia ser traduzido como “aquele que está fazendo essas coisas [versículo 18] se tornarem conhecidas desde a antiguidade”.

a minha decisão é: Ou: “a minha opinião (conclusão) é”. Lit.: “Eu julgo”. Ao dizer estas palavras, Tiago, que pelo visto estava presidindo a reunião, não estava tentando impor sua opinião ao restante do grupo. A maneira como essas palavras foram usadas em grego não passa essa ideia. Tiago estava na verdade dando uma sugestão com base nas evidências apresentadas e no que as Escrituras diziam sobre o assunto. De acordo com um léxico, o verbo grego usado aqui (lit.: “julgo”) nesse contexto significa “julgar [formar uma opinião] levando em conta vários fatores”. Assim, esse verbo não se refere aqui a uma sentença, ou decisão final. Em vez disso, ele se refere à opinião de Tiago baseada no texto que ele tinha acabado de citar.

imoralidade sexual: A palavra grega porneía é um termo genérico usado para se referir a todos os tipos de atividade sexual que a Bíblia condena. Isso inclui adultério, prostituição, sexo entre pessoas não casadas, entre pessoas do mesmo sexo e entre humanos e animais. — Veja o Glossário.

que foi estrangulado: Ou: “que foi morto sem ser sangrado”. Pelo visto, esta proibição também incluía animais que morriam por causas naturais ou por ferimentos causados por outros animais. Nesses casos, o animal não teria sido sangrado corretamente. — Êx 22:31; Le 17:15; De 14:21.

se levantou para ler: De acordo com estudiosos, esta é a primeira descrição conhecida de como eram as reuniões nas sinagogas. A história judaica diz que as reuniões normalmente começavam com as pessoas fazendo suas orações pessoais enquanto todos entravam. Depois, as palavras de De 6:4-9 e 11:13-21 eram recitadas. Daí, eram feitas orações públicas e uma parte do Pentateuco era lida em voz alta, seguindo uma programação. De acordo com At 15:21, essa leitura era feita “todo sábado”. Depois, vinha a parte da reunião que este versículo parece mencionar, a leitura de um trecho dos livros escritos pelos profetas junto com uma aplicação do que tinha sido lido. O leitor normalmente ficava de pé para ler, e é possível que ele pudesse escolher a passagem profética que leria. — Veja a nota de estudo em At 13:15.

da leitura pública da Lei e dos Profetas: No século 1 d.C., essa leitura pública era feita “todo sábado”. (At 15:21) Como parte das reuniões nas sinagogas, os judeus recitavam as palavras de De 6:4-9 e 11:13-21 em sua profissão (declaração) de fé conhecida como Shema. O nome Shema vem da primeira palavra hebraica do primeiro versículo que era recitado: “Escute [Shemáʽ], ó Israel: Jeová, nosso Deus, é um só Jeová.” (De 6:4) A parte mais importante da reunião era a leitura da Torá (o Pentateuco). Em muitas sinagogas, a Lei inteira era lida em um ano; em outras, essa leitura era programada para ser feita em três anos. Além disso, trechos dos Profetas eram lidos e explicados. Depois da leitura pública, era feito um discurso. Foi nessa parte da reunião que Paulo foi convidado a falar palavras de encorajamento para as pessoas que estavam na sinagoga em Antioquia, na Pisídia. — Veja a nota de estudo em Lu 4:16.

se levantou para ler: De acordo com estudiosos, esta é a primeira descrição conhecida de como eram as reuniões nas sinagogas. A história judaica diz que as reuniões normalmente começavam com as pessoas fazendo suas orações pessoais enquanto todos entravam. Depois, as palavras de De 6:4-9 e 11:13-21 eram recitadas. Daí, eram feitas orações públicas e uma parte do Pentateuco era lida em voz alta, seguindo uma programação. De acordo com At 15:21, essa leitura era feita “todo sábado”. Depois, vinha a parte da reunião que este versículo parece mencionar, a leitura de um trecho dos livros escritos pelos profetas junto com uma aplicação do que tinha sido lido. O leitor normalmente ficava de pé para ler, e é possível que ele pudesse escolher a passagem profética que leria. — Veja a nota de estudo em At 13:15.

da leitura pública da Lei e dos Profetas: No século 1 d.C., essa leitura pública era feita “todo sábado”. (At 15:21) Como parte das reuniões nas sinagogas, os judeus recitavam as palavras de De 6:4-9 e 11:13-21 em sua profissão (declaração) de fé conhecida como Shema. O nome Shema vem da primeira palavra hebraica do primeiro versículo que era recitado: “Escute [Shemáʽ], ó Israel: Jeová, nosso Deus, é um só Jeová.” (De 6:4) A parte mais importante da reunião era a leitura da Torá (o Pentateuco). Em muitas sinagogas, a Lei inteira era lida em um ano; em outras, essa leitura era programada para ser feita em três anos. Além disso, trechos dos Profetas eram lidos e explicados. Depois da leitura pública, era feito um discurso. Foi nessa parte da reunião que Paulo foi convidado a falar palavras de encorajamento para as pessoas que estavam na sinagoga em Antioquia, na Pisídia. — Veja a nota de estudo em Lu 4:16.

Moisés: Aqui, Tiago estava se referindo aos escritos de Moisés. Esses escritos incluíam não apenas a Lei, mas também coisas que antecederam à Lei, como os tratos de Deus com seus servos e indicações de sua vontade. Por exemplo, o livro de Gênesis mostra claramente o ponto de vista de Deus sobre o uso do sangue, o adultério e a idolatria. (Gên 9:3, 4; 20:2-9; 35:2, 4) Dessa forma, Jeová revelou princípios que se aplicam a todos os humanos, sejam judeus sejam não judeus. A sugestão registrada em At 15:19, 20 não iria “causar dificuldades” desnecessárias aos cristãos não judeus, já que eles não seriam obrigados a seguir os muitos requisitos da Lei mosaica. Ao mesmo tempo, a consciência dos cristãos judeus, que por anos ouviram Moisés . . . lido em voz alta nas sinagogas todo sábado, estava sendo respeitada. (Veja as notas de estudo em Lu 4:16; At 13:15.) A solução que Tiago sugeriu fortaleceria a união entre os cristãos judeus e não judeus.

lido em voz alta nas sinagogas todo sábado: Veja as notas de estudo em Lu 4:16; At 13:15.

anciãos: Lit.: “homens mais velhos (idosos)”. Neste versículo, a palavra grega presbýteros se refere a homens que tinham um cargo de responsabilidade na congregação cristã daquela época. Os anciãos da congregação em Jerusalém são mencionados aqui junto com os apóstolos. Paulo, Barnabé e alguns outros irmãos de Antioquia da Síria foram até esses homens para resolver a questão da circuncisão. Assim como alguns anciãos no Israel literal serviam em posições de responsabilidade em nível nacional, os anciãos da congregação em Jerusalém e os apóstolos serviam juntos como um corpo governante que supervisionava todas as congregações do século 1 d.C. Isso indica que o corpo governante, que no início era formado apenas pelos 12 apóstolos, tinha aumentado. — At 1:21, 22, 26; veja as notas de estudo em Mt 16:21; At 11:30.

os apóstolos e os anciãos: Veja a nota de estudo em At 15:2.

Cláudio Lísias a Sua Excelência, o governador Félix. Saudações!: Na antiguidade, era costume usar esse tipo de introdução nas cartas. Primeiro, se identificava o autor da carta, depois para quem era a carta e então se incluía a palavra grega khaíro, que era um cumprimento comum. Essa palavra significa literalmente “alegrar-se” e passa a seguinte ideia: “Que tudo esteja bem com você.” Ela aparece com frequência em cartas não bíblicas escritas em papiro. Neste versículo, a palavra khaíro pode ser corretamente traduzida como “Saudações!” Outros textos que contêm introduções parecidas são At 15:23 e Tg 1:1. — Veja a nota de estudo em At 15:23.

mandam saudações aos irmãos . . . e na Cilícia: Ou: “aos irmãos . . . e na Cilícia: Saudações!” A palavra grega traduzida aqui como “saudações”, khaíro, significa literalmente “alegrar-se”. Aqui, ela foi usada como um cumprimento e passa a ideia de “que tudo esteja bem com vocês”. No texto original grego dessa carta para as congregações sobre o assunto da circuncisão, a introdução segue o padrão que era usado ao escrever cartas na antiguidade. Primeiro, se identificava o autor da carta, depois para quem era a carta e então se incluía um cumprimento. (Veja a nota de estudo em At 23:26.) De todas as cartas inspiradas das Escrituras Gregas Cristãs, apenas a de Tiago usa a palavra khaíro como cumprimento da mesma forma que essa carta do corpo governante do século 1 d.C. (Tg 1:1) Isso apoia a conclusão de que a carta de Tiago foi escrita pelo mesmo Tiago mencionado aqui em At 15, que teve um papel importante na reunião sobre a circuncisão e que participou na escrita da carta para as congregações.

transtorná-los: Aqui, o texto grego diz literalmente transtornar “as suas almas”. Neste contexto, a palavra grega psykhé, traduzida como “alma” nas edições anteriores da Tradução do Novo Mundo, se refere à pessoa em si. — Veja o Glossário, “Alma”.

de comum acordo: Lit.: “de uma só mente”. A palavra grega traduzida aqui como “de comum acordo” é homothymadón. Ela ocorre várias vezes no livro de Atos e com frequência é usada para descrever a união especial que existia entre os cristãos do século 1 d.C. Algumas dessas ocorrências estão em At 1:14 (“de comum acordo”), At 2:46 (“unidos no mesmo propósito”) e At 4:24 (“unidos”).

entregaram a vida ao: A palavra grega psykhé, traduzida como “alma” nas edições anteriores da Tradução do Novo Mundo, foi traduzida aqui como “vida”. Ela pode se referir a uma pessoa ou à vida de uma pessoa. (Veja o Glossário, “Alma”.) Assim, a frase poderia ser entendida como “arriscaram sua vida (alma) pelo” ou como “devotaram sua vida (ou: “a si mesmos”) ao”.

que foi estrangulado: Ou: “que foi morto sem ser sangrado”. Pelo visto, esta proibição também incluía animais que morriam por causas naturais ou por ferimentos causados por outros animais. Nesses casos, o animal não teria sido sangrado corretamente. — Êx 22:31; Le 17:15; De 14:21.

imoralidade sexual: A palavra grega porneía é um termo genérico usado para se referir a todos os tipos de atividade sexual que a Bíblia condena. Isso inclui adultério, prostituição, sexo entre pessoas não casadas, entre pessoas do mesmo sexo e entre humanos e animais. — Veja o Glossário.

persistam em se abster de: Ou: “fiquem longe de”. O verbo grego traduzido aqui como “persistam em se abster de” pode se aplicar a todas as práticas citadas na sequência. Os cristãos não deviam se envolver com idolatria e imoralidade sexual, nem comer a carne de animais estrangulados, já que esses animais não teriam sido sangrados corretamente. No caso do sangue, esse verbo passa a ideia não apenas de não comer sangue, mas também de não fazer nenhum outro uso errado dele. Dessa forma, a pessoa mostraria respeito pela santidade do sangue. — Le 17:11, 14; De 12:23.

persistam em se abster . . . de sangue: Esta ordem de não comer sangue se baseia, em última análise, na ordem que Deus deu a Noé e seus filhos e, por extensão, a todos os humanos. (Gên 9:4-6) Uns 800 anos mais tarde, Deus incluiu essa ordem na Lei que deu aos israelitas. (Le 17:13-16) E, uns 1.500 anos depois disso, na ocasião mencionada aqui, ele mostrou que essa ordem ainda valia para a congregação cristã. Aos olhos de Deus, se abster de sangue é tão importante quanto ficar longe da idolatria e da imoralidade sexual.

do que foi estrangulado: Veja a nota de estudo em At 15:20.

imoralidade sexual: Veja a nota de estudo em At 15:20.

Saudações!: Ou: “Adeus; Boa saúde para vocês”. A expressão grega que aparece aqui era muito usada nas cartas daquela época. O fato de ela poder ser traduzida como “boa saúde para vocês” não quer dizer necessariamente que as coisas mencionadas logo antes fossem recomendações de saúde, como se a carta estivesse dizendo ‘se vocês ficarem longe dessas coisas, terão uma saúde melhor’. Em vez disso, a expressão era usada na conclusão das cartas para desejar para a pessoa força, saúde e felicidade. Ela tem um sentido parecido com a expressão hebraica shalóhm, que era usada para desejar “paz” a alguém. (Êx 4:18; Jz 18:6; 19:20; 1Sa 1:17) É interessante que, numa tradução moderna das Escrituras Gregas Cristãs para o hebraico (chamada de J22 no Apêndice C4), a expressão grega que aparece aqui foi traduzida como shalóhm lakhém, que significa: “A paz esteja com vocês!”

Alguns manuscritos gregos e algumas traduções antigas da Bíblia para outros idiomas acrescentam aqui algo como: “No entanto, pareceu bem a Silas ficar ali, e Judas partiu sozinho para Jerusalém.” Mas essas palavras não aparecem nos manuscritos mais antigos e mais confiáveis, e por isso não fazem parte do relato inspirado de Atos. Essa passagem era provavelmente uma nota marginal que tinha como objetivo explicar At 15:40. Com o tempo, ela foi incluída no texto principal de alguns poucos manuscritos. — Veja o Apêndice A3.

a palavra de Jeová: Esta expressão vem das Escrituras Hebraicas, onde aparece em uns 200 versículos e é formada pelo termo hebraico para “palavra” e o nome de Deus. (Algumas dessas ocorrências estão em 2Sa 12:9; 2Rs 7:1; 20:16; 24:2; Is 1:10; 2:3; 28:14; 38:4; Je 1:4; 2:4; Ez 1:3; 6:1; Os 1:1; Miq 1:1 e Za 9:1.) Numa cópia muito antiga da Septuaginta, feita em pergaminho, essa expressão aparece em Za 9:1 e foi traduzida pela palavra grega lógos seguida pelo nome de Deus em letras hebraicas antigas (). O rolo que contém essa passagem foi encontrado em Nahal Hever, no deserto da Judeia, em Israel, e é datado de entre 50 a.C. e 50 d.C. Os motivos que levaram a Tradução do Novo Mundo a usar a expressão “a palavra de Jeová” aqui no texto principal, apesar de muitos manuscritos gregos usarem “a palavra do Senhor”, são explicados no Apêndice C3 (introdução e At 8:25).

da palavra de Jeová: Veja a nota de estudo em At 8:25 e o Apêndice C3 (introdução e At 15:35).

a palavra de Jeová: Esta expressão vem das Escrituras Hebraicas, onde aparece em uns 200 versículos e é formada pelo termo hebraico para “palavra” e o nome de Deus. (Algumas dessas ocorrências estão em 2Sa 12:9; 2Rs 7:1; 20:16; 24:2; Is 1:10; 2:3; 28:14; 38:4; Je 1:4; 2:4; Ez 1:3; 6:1; Os 1:1; Miq 1:1 e Za 9:1.) Numa cópia muito antiga da Septuaginta, feita em pergaminho, essa expressão aparece em Za 9:1 e foi traduzida pela palavra grega lógos seguida pelo nome de Deus em letras hebraicas antigas (). O rolo que contém essa passagem foi encontrado em Nahal Hever, no deserto da Judeia, em Israel, e é datado de entre 50 a.C. e 50 d.C. Os motivos que levaram a Tradução do Novo Mundo a usar a expressão “a palavra de Jeová” aqui no texto principal, apesar de muitos manuscritos gregos usarem “a palavra do Senhor”, são explicados no Apêndice C3 (introdução e At 8:25).

a palavra de Jeová: Veja a nota de estudo em At 8:25 e o Apêndice C3 (introdução e At 15:36).

de Jeová: Na maioria das vezes que a expressão bondade imerecida aparece no livro de Atos, ela se refere à bondade imerecida de Deus. (At 11:23; 13:43; 20:24, 32) Uma frase parecida com a que foi usada aqui aparece em At 14:26, que diz “entregues à bondade imerecida de Deus”. — Veja o Apêndice C3 (introdução e At 15:40).

Mídia

Atos dos Apóstolos — Segunda viagem missionária de Paulo (At 15:36–18:22) c. 49-52 d.C.
Atos dos Apóstolos — Segunda viagem missionária de Paulo (At 15:36–18:22) c. 49-52 d.C.

Os acontecimentos foram alistados em ordem cronológica

1. Paulo e Barnabé se separam; Paulo viaja com Silas, e Barnabé viaja com João (também chamado de Marcos) (At 15:36-41)

2. Paulo viaja para Derbe e depois para Listra, onde ele escolhe Timóteo como companheiro de viagem (At 16:1-4)

3. O espírito santo proíbe Paulo de falar a palavra na província da Ásia; Paulo viaja pela Frígia e pela Galácia e depois desce para a Mísia (At 16:6, 7)

4. Quando Paulo e seus companheiros de viagem chegam a Trôade, Paulo tem uma visão em que um homem macedônio os convida para ir à Macedônia (At 16:8-10)

5. Paulo e seus companheiros navegam de Trôade para Neápolis e de lá vão para Filipos (At 16:11, 12)

6. Paulo sai por um dos portões de Filipos e fala com as mulheres que estão junto de um rio; Lídia e os da sua casa são batizados (At 16:13-15)

7. Paulo e Silas são presos em Filipos; o carcereiro e os da sua casa são batizados (At 16:22-24, 31-33)

8. Paulo exige uma retratação oficial; os magistrados da cidade acompanham Paulo e Silas para fora da prisão; Paulo visita Lídia e encoraja os recém-batizados (At 16:37-40)

9. Paulo e seus companheiros passam por Anfípolis e Apolônia, e chegam a Tessalônica (At 17:1)

10. Paulo prega em Tessalônica; alguns judeus, além de muitos gregos, se tornam cristãos; judeus descrentes provocam um tumulto na cidade (At 17:2-5)

11. Quando Paulo e Silas chegam a Bereia, eles pregam na sinagoga; judeus de Tessalônica vão a Bereia e agitam a multidão (At 17:10-13)

12. Paulo navega para Atenas, mas Silas e Timóteo permanecem em Bereia (At 17:14, 15)

13. Em Atenas, Paulo fala no Areópago; alguns se tornam cristãos (At 17:22, 32-34)

14. Paulo permanece em Corinto por um ano e seis meses, ensinando a palavra de Deus; alguns se opõem a ele, mas muitos passam a crer e são batizados (At 18:1, 8, 11)

15. Partindo de Cencreia, um porto de Corinto, Paulo, Priscila e Áquila navegam para Éfeso, onde Paulo prega na sinagoga (At 18:18, 19)

16. Paulo navega para Cesareia, mas Priscila e Áquila permanecem em Éfeso; Paulo, pelo visto, vai a Jerusalém e de lá vai para Antioquia da Síria (At 18:20-22)