Juízes 16:1-31

16  Certa vez, Sansão foi a Gaza, viu ali uma prostituta e entrou na casa dela.  Foi dito aos gazitas: “Sansão está aqui.” Então eles o cercaram e ficaram de emboscada contra ele a noite inteira no portão da cidade. E ficaram quietos a noite toda, pensando: “Quando amanhecer, nós o mataremos.”  No entanto, Sansão ficou deitado ali até a meia-noite. Então ele se levantou à meia-noite e segurou os portões da cidade, junto com as duas ombreiras, e os arrancou junto com a tranca. Ele os pôs sobre os ombros e os carregou para cima, ao cume do monte que fica em frente a Hebrom.  Depois disso, ele se apaixonou por uma mulher do vale* de Soreque, chamada Dalila.+  Então os governantes dos filisteus se dirigiram a ela e disseram: “Engane* Sansão+ e descubra o que lhe dá tanta força, e como podemos dominá-lo, amarrá-lo e vencê-lo. Se você fizer isso, cada um de nós lhe dará 1.100 peças de prata.”  Mais tarde, Dalila disse a Sansão: “Por favor, diga-me de onde vem a sua grande força e o que pode ser usado para amarrá-lo e vencê-lo.”  Sansão lhe disse: “Se me amarrarem com sete cordas de arco novas,* que ainda não estão secas, ficarei fraco igual a um homem comum.”  Portanto, os governantes dos filisteus lhe trouxeram sete cordas de arco novas, que ainda não estavam secas, e ela o amarrou com elas.  Os homens armaram uma emboscada no quarto, e ela gritou: “Os filisteus estão aqui, Sansão!” Nisto ele arrebentou as cordas de arco, com a mesma facilidade com que um fio de linho* se rompe quando toca no fogo.+ Assim, o segredo da sua força não foi descoberto. 10  Então Dalila disse a Sansão: “Você me enganou* e me disse mentiras! Agora, por favor, diga-me o que pode ser usado para amarrar você.” 11  Portanto, ele lhe disse: “Se me amarrarem com cordas novas, que nunca foram usadas, ficarei fraco igual a um homem comum.” 12  Então Dalila pegou cordas novas e o amarrou com elas, e gritou: “Os filisteus estão aqui, Sansão!” (Enquanto isso, os homens estavam de emboscada no quarto.) Nisto ele arrancou as cordas dos braços como se fossem fios.+ 13  Mais tarde, Dalila disse a Sansão: “Até agora você me enganou e me disse mentiras.+ Diga-me o que pode ser usado para amarrar você.” Então ele lhe disse: “É só tecer as sete tranças da minha cabeça com o fio da urdidura de um tear.” 14  Assim, ela as fixou com um pino e gritou: “Os filisteus estão aqui, Sansão!” Ele acordou então do sono e arrancou o pino do tear e o fio da urdidura. 15  Então ela lhe disse: “Como você pode dizer que me ama,+ se não abre o seu coração para mim? Você me enganou essas três vezes e não me disse de onde vem a sua grande força.”+ 16  Visto que dia após dia ela o importunava e o pressionava, ele ficou esgotado* a ponto de querer morrer.+ 17  Por fim, ele lhe abriu o coração e disse: “Nunca se passou navalha na minha cabeça, pois sou um nazireu de Deus desde o nascimento.*+ Se meu cabelo for cortado, perderei a força, ficarei fraco e me tornarei igual a todos os outros homens.” 18  Quando Dalila viu que ele lhe tinha aberto o coração, imediatamente mandou chamar os governantes filisteus,+ dizendo: “Venham, pois desta vez ele abriu o coração para mim.” Assim, os governantes filisteus foram até ela, levando o dinheiro. 19  Ela o fez dormir sobre os seus joelhos. Chamou então um homem para cortar as sete tranças da cabeça dele. Depois disso ela começou a ter domínio sobre ele, pois ele foi perdendo a força. 20  Então ela gritou: “Os filisteus estão aqui, Sansão!” Ele acordou do sono e disse: “Eu sairei disso como das outras vezes+ e me livrarei.” Mas ele não sabia que Jeová o havia deixado. 21  Portanto, os filisteus o agarraram e furaram os seus olhos. Depois o levaram para baixo, a Gaza, e o prenderam com duas correntes de cobre, e ele se tornou moedor de grãos na prisão. 22  Mas seu cabelo começou a crescer de novo depois de ter sido cortado.+ 23  Os governantes filisteus se reuniram para oferecer um grande sacrifício a Dagom,+ seu deus, e para celebrar, pois diziam: “Nosso deus entregou Sansão, nosso inimigo, nas nossas mãos!” 24  Quando o povo o viu, louvou seu deus, dizendo: “Nosso deus entregou nas nossas mãos nosso inimigo, aquele que devastava nossa terra+ e matava tantos de nós.”+ 25  Visto que o coração deles estava alegre, disseram: “Chamem Sansão, para que nos divirta.” De modo que chamaram Sansão da prisão para diverti-los; eles o fizeram ficar de pé entre as colunas. 26  Então Sansão disse ao jovem que o segurava pela mão: “Deixe-me tocar as colunas que sustentam a casa, para que eu possa me apoiar nelas.” 27  (A propósito, a casa estava cheia de homens e mulheres. Todos os governantes filisteus estavam ali, e no terraço havia cerca de 3.000 homens e mulheres que olhavam enquanto Sansão os divertia.) 28  Sansão+ clamou então a Jeová: “Soberano Senhor Jeová, por favor, lembra-te de mim e fortalece-me+ só mais esta vez, por favor, ó Deus, e deixa que eu me vingue dos filisteus por pelo menos um dos meus olhos.”+ 29  Então Sansão se apoiou nas duas colunas centrais que sustentavam a casa, apoiando-se numa com a mão direita e na outra com a mão esquerda. 30  Sansão clamou: “Que eu* morra com os filisteus!” Então ele empurrou as colunas com toda a sua força, e a casa caiu sobre os governantes e todos os que estavam ali.+ Assim, ao morrer, ele matou mais pessoas do que tinha matado durante a sua vida.+ 31  Mais tarde, seus irmãos e toda a família do seu pai desceram para pegar o seu corpo. Eles o levaram e o enterraram entre Zorá+ e Estaol, na sepultura de Manoá,+ seu pai. Sansão tinha julgado Israel por 20 anos.+

Notas de rodapé

Ou: “uádi”.
Ou: “Convença”.
Ou: “tendões frescos”.
Ou: “estopa”.
Ou: “zombou de mim”.
Ou: “a alma dele ficou esgotada”.
Lit.: “desde o ventre da minha mãe”.
Ou: “a minha alma”.

Notas de estudo

Mídia