Ir para conteúdo

Porque é que as Testemunhas de Jeová não participam em guerras?

Porque é que as Testemunhas de Jeová não participam em guerras?

As Testemunhas de Jeová não participam em guerras pelos seguintes motivos:

  1. Obediência a Deus. A Bíblia diz que os servos de Deus ‘transformariam as suas espadas em relhas de arado’ e já não ‘aprenderiam a guerra’. — Isaías 2:4.

  2. Obediência a Jesus. Ele disse ao apóstolo Pedro: “Devolve a espada ao seu lugar, pois todos os que usarem a espada morrerão pela espada.” (Mateus 26:52) Assim, Jesus deixou claro que os seus seguidores não pegariam em armas.

    Por manterem estrita neutralidade em assuntos políticos, os discípulos de Jesus obedecem à ordem de ‘não fazerem parte do mundo’. (João 17:16) Eles não protestam contra ações militares nem tentam impedir outras pessoas que decidem servir nas forças armadas.

  3. Amor ao próximo. Jesus mandou que os seus discípulos ‘se amassem uns aos outros’. (João 13:34, 35) Desse modo, eles seriam uma fraternidade internacional, e os seus membros nunca lutariam uns contra os outros. — 1 João 3:10-12.

  4. O exemplo dos primeiros cristãos. A The Encyclopedia of Religion and War (Enciclopédia da Religião e da Guerra) declara: “Os primeiros seguidores de Jesus não apoiavam a guerra nem prestavam serviço militar”, encarando essas práticas como “incompatíveis com o amor ético de Jesus e com a ordem de amar os inimigos”. Do mesmo modo, o teólogo alemão Peter Meinhold disse: “Ser cristão e ao mesmo tempo soldado era considerado incompatível.”

Ajuda à comunidade

As Testemunhas de Jeová são membros úteis da sociedade e não representam nenhuma ameaça à segurança dos países onde moram. Nós respeitamos a autoridade do governo, em harmonia com as seguintes ordens bíblicas:

  • “Estejam sujeitos às autoridades superiores.” — Romanos 13:1.

  • “Portanto, paguem a César o que é de César, mas a Deus o que é de Deus.” — Mateus 22:21.

Por isso, nós obedecemos às leis, pagamos os impostos e cooperamos com os esforços dos governos em ajudar a comunidade.