Ir para conteúdo

A BÍBLIA MUDA VIDAS

“As artes marciais eram a minha paixão”

“As artes marciais eram a minha paixão”
  • Ano de nascimento: 1962

  • País de origem: Estados Unidos

  • Histórico: As artes marciais eram a coisa mais importante na vida dele

O MEU PASSADO

A lesão do meu parceiro de treino foi muito maior do que eu esperava. Acidentalmente, pontapeei-o no nariz. Senti-me culpado e comecei a questionar se deveria continuar nas artes marciais. Porque é que esse erro me levou a ponderar desistir de um desporto que praticara apaixonadamente durante tantos anos? Primeiro, vou explicar como é que me envolvi nas artes marciais.

Cresci perto da cidade de Buffalo, em Nova Iorque, nos Estados Unidos da América. Fui criado numa família feliz. Como éramos católicos devotos, frequentei escolas católicas e servi como acólito. Os meus pais queriam que eu e a minha irmã tivéssemos sucesso na vida. Portanto, desde que eu tivesse boas notas, deixavam-me praticar desportos ou trabalhar a tempo parcial depois das aulas. Isto forçou-me a desenvolver autodisciplina desde muito jovem.

Quando tinha 17 anos, comecei a aprender artes marciais. Durante muitos anos, treinei três horas por dia, seis dias por semana. Todas as semanas, eu também passava muitas horas a ensaiar mentalmente técnicas e movimentos e a ver vídeos para melhorar. Eu gostava de praticar de olhos vendados, mesmo quando treinava com armas. Conseguia partir tábuas ou tijolos dando apenas um golpe com a mão. Alcancei boas classificações e ganhei troféus em competições. As artes marciais tornaram-se a coisa mais importante na minha vida.

Consegui o que eu pensava ser uma vida bem-sucedida. Tirei um curso universitário e fiquei no quadro de honra. Trabalhei para uma grande empresa como engenheiro de sistemas informáticos. Eu usufruía de benefícios extrassalariais, tinha uma casa própria e namorava. Aparentemente, a minha vida era ótima, mas eu tinha perguntas desconcertantes sobre a vida.

COMO A BÍBLIA MUDOU A MINHA VIDA

Para encontrar as respostas às minhas perguntas, comecei a frequentar a igreja duas vezes por semana e a orar a Deus por ajuda. Então, certo dia, uma conversa com um amigo mudou a minha vida. Eu perguntei-lhe: “Já alguma vez te questionaste sobre porque é que estamos aqui?” E acrescentei: “Existem tantos problemas e tanta injustiça!” Ele disse-me que tinha feito perguntas semelhantes e que tinha encontrado respostas satisfatórias na Bíblia. Deu-me um livro intitulado Poderá Viver Para Sempre no Paraíso na Terra. * Ele explicou que estava a estudar a Bíblia com as Testemunhas de Jeová. No início, hesitei, porque achava que não devia ler literatura de outra religião. No entanto, o desejo de saber as respostas às minhas perguntas levou-me a ver se o que as Testemunhas de Jeová ensinavam fazia sentido.

Fiquei espantado ao descobrir o que a Bíblia realmente ensina. Aprendi que o propósito original de Deus era que os humanos vivessem para sempre num paraíso na Terra e que esse propósito não tinha mudado. (Génesis 1:28) Fiquei surpreendido quando vi o nome de Deus, Jeová, no meu próprio exemplar da Bíblia Rei Jaime e quando aprendi que era a esse nome que eu me referia na oração do Pai-Nosso. (Salmo 83:18; Mateus 6:9) Além disso, finalmente entendi a razão de Deus estar a permitir temporariamente o sofrimento. Tudo o que eu aprendia fazia muito sentido! Fiquei entusiasmado.

Nunca me vou esquecer de como me senti quando comecei a assistir às reuniões das Testemunhas de Jeová. Todos eram amigáveis e queriam saber o meu nome. Na minha primeira reunião, houve um discurso público especial sobre as orações que são ouvidas por Deus. Esse tema interessou-me, porque eu andava a orar a Deus por ajuda. A seguir, assisti ao Memorial da morte de Jesus. Nessas reuniões, fiquei surpreendido ao ver que até as crianças acompanhavam a leitura dos textos na sua Bíblia. No princípio, eu não conseguia encontrar os textos, mas as Testemunhas de Jeová foram muito prestativas e ensinaram-me a usar a Bíblia.

Ao assistir a mais reuniões, desenvolvi um profundo apreço pela alta qualidade do ensino que as Testemunhas de Jeová apresentavam. Aprendia muito em cada reunião a que assistia e saía sempre encorajado e revigorado. Depois, ofereceram-me um estudo bíblico.

O que via entre as Testemunhas de Jeová era completamente diferente daquilo a que estava habituado na minha igreja. Descobri que as Testemunhas de Jeová eram um grupo unido e sincero, composto de pessoas que tentavam dar o seu melhor para agradar a Deus. Fiquei convencido de que mostravam a marca identificadora dos verdadeiros cristãos, a saber, amor entre si. — João 13:35.

Quanto mais eu estudava a Bíblia, mais mudanças fazia para viver de acordo com os seus padrões. No entanto, achava que nunca seria capaz de desistir das artes marciais. Eu gostava muito de treinar e competir. Quando disse isso à Testemunha de Jeová que estudava a Bíblia comigo, ele bondosamente garantiu-me: “Continua a estudar, e eu sei que vais tomar a decisão certa.” Era exatamente o que eu precisava de ouvir. Quanto mais eu estudava, mais eu queria agradar a Jeová Deus.

Para mim, um ponto de viragem foi o incidente que mencionei no início, quando pontapeei acidentalmente um parceiro de treino no nariz. Esse acidente fez-me ponderar seriamente se eu poderia ser um seguidor pacífico de Cristo caso continuasse a praticar artes marciais. Aprendi que Isaías 2:3, 4 predisse que aqueles que seguem as instruções de Jeová não “aprenderão mais a guerra”. Além disso, Jesus ensinou outros a não recorrer à violência, mesmo quando enfrentassem injustiças. (Mateus 26:52) Portanto, deixei o desporto que tanto amava.

Depois, segui o conselho da Bíblia: “Treina-te com a devoção a Deus por alvo”. (1 Timóteo 4:7) Passei a investir na minha rotina espiritual todo o tempo e esforço que antes dedicava às artes marciais. A minha namorada não concordou com o que eu estava a aprender na Bíblia, por isso, terminámos o nosso relacionamento. Fui batizado como Testemunha de Jeová no dia 24 de janeiro de 1987. Pouco tempo depois, comecei a servir como ministro de tempo integral, utilizando de modo voluntário o meu tempo para ensinar a Bíblia a outros. Desde então, tenho continuado no serviço de tempo integral e, durante algum tempo, servi na sede mundial das Testemunhas de Jeová em Nova Iorque, nos Estados Unidos da América.

COMO FUI BENEFICIADO

Agora que sei a verdade sobre Deus, encontrei o que faltava na minha vida. Já não me sinto vazio. Em vez disso, tenho um objetivo significativo na vida e uma esperança real para o futuro. Sinto-me genuinamente feliz. Ainda gosto de fazer exercício regularmente, mas o treino físico já não é a coisa mais importante na minha vida. A minha prioridade é servir a Jeová Deus.

Quando eu praticava artes marciais, estava sempre atento às pessoas ao meu redor e pensava constantemente em como me poderia defender se alguém me atacasse. Hoje, ainda continuo atento às pessoas que me rodeiam, mas por um motivo diferente – para ajudá-las. A Bíblia ajudou-me a tornar-me uma pessoa generosa e um marido melhor para a minha linda esposa, Brenda.

As artes marciais eram a minha paixão. No entanto, substituí-as por algo melhor. Como dizem as palavras da Bíblia: “Pois o exercício físico traz algum benefício, mas a devoção a Deus é benéfica para todas as coisas, visto que tem a promessa da vida presente e da vida que há de vir.” — 1 Timóteo 4:8.

^ par. 5 Publicado pelas Testemunhas de Jeová, mas atualmente esgotado.