Ir para conteúdo

Eles ofereceram-se – na Bulgária

Eles ofereceram-se – na Bulgária

Na Bulgária, as Testemunhas de Jeová têm muito para fazer na obra de ensinar a outros a verdade sobre Deus e a sua Palavra, a Bíblia. Para as ajudarem, desde o ano 2000, centenas de Testemunhas de Jeová de outros países mudaram-se para a Bulgária. Quais são os desafios de se mudar para outro país para pregar? Porque é que o esforço vale a pena? Aqui estão as opiniões de alguns dos que foram servir para a Bulgária.

Estabelecer o alvo

“Sempre tivemos o alvo de servir onde havia mais necessidade”, disse Darren, que vivia na Inglaterra. “Depois de ter casado com a Dawn, fomos viver para Londres para ajudar a pregar no campo russo. Fizemos várias vezes planos específicos para irmos servir noutro país, mas, por várias razões, nunca conseguimos partir. Estávamos quase a desistir da ideia, quando um amigo nos ajudou a perceber que as nossas circunstâncias tinham mudado e que o alvo estava ao nosso alcance.” Darren e Dawn começaram a procurar um país onde houvesse mais necessidade de pregadores da Bíblia e para onde, sendo realistas, se pudessem mudar. Em 2011, eles mudaram-se para a Bulgária.

Darren e Dawn

A alegria daqueles que se mudaram para outras partes do mundo contagiou até alguns que, inicialmente, nem tinham o alvo de servir noutro país. “Eu conheci irmãs zelosas que estavam muito felizes por estarem a servir na América do Sul e em África”, disse Giada, que vivia em Itália com o seu marido, Luca. “Fiquei muito impressionada com a felicidade delas e as experiências que elas contavam. Isso ajudou-me a ajustar os meus alvos espirituais.”

Luca e Giada

Em 2015, Tomasz e Veronika mudaram-se da República Checa para a Bulgária com os seus dois filhos, Klara e Mathias. O que é que os motivou? Tomasz responde: “Nós analisámos cuidadosamente os exemplos de outros que se tinham mudado para outro país, incluindo familiares nossos, e meditámos em algumas das suas experiências. Sentimo-nos tocados pela sua alegria e falámos sobre isto em família.” Agora, esta família feliz prega no seu novo território, na Bulgária, na cidade de Montana.

Klara, Tomasz, Veronika, e Mathias

Linda é outra irmã que se mudou para a Bulgária. Ela disse: “Há muitos anos, visitei o Equador e conheci alguns irmãos que se tinham mudado para lá para pregar. Isso fez-me pensar que, um dia, talvez eu também pudesse ir servir onde a necessidade era maior.” Petteri e Nadja, um casal da Finlândia, também meditaram nos exemplos de outros. Eles disseram: “Na nossa congregação na Finlândia, tínhamos alguns publicadores experientes que se tinham mudado para ensinar as pessoas sobre a Bíblia. Eles falavam sempre com entusiasmo sobre os anos que tinham passado nesse serviço. Eles diziam que tinham sido os melhores anos das suas vidas.”

Linda

Nadja e Petteri

Planear com antecedência

Um bom planeamento é vital para aqueles que querem servir noutro país. (Lucas 14:28-30) Nele, da Bélgica, recorda: “Quando comecei a pensar mais seriamente em ir servir noutro país, comecei, com muita oração, a procurar artigos relevantes nas nossas publicações. Estudei-os e tentei perceber em que aspetos tinha de melhorar.”

Nele (à direita)

Kristian e Irmina são da Polónia, mas vivem na Bulgária há mais de 9 anos. Quando ainda estavam na Polónia, eles começaram a assistir às reuniões num grupo búlgaro e isso ajudou-os muito. O grupo encorajou-os e ajudou-os a aprender a língua. Kristian e Irmina disseram: “Nós sentimos que, quando nos pomos à disposição, Jeová Deus cuida das nossas necessidades, e isso é maravilhoso. Quando, de boa vontade, dizemos a Jeová: ‘Aqui estou! Envia-me!’, conseguimos fazer coisas que nem pensávamos que seriam possíveis.” — Isaías 6:8.

Kristian e Irmina

Para se prepararem e pouparem dinheiro, Reto e Cornelia, um casal da Suíça, decidiram simplificar a vida. Eles explicam: “Um ano antes de nos mudarmos, passámos uma semana na Bulgária para aprendermos mais sobre como seria vivermos aqui. Conversámos com um casal de missionários experientes e eles deram-nos conselhos práticos.” Reto e Cornelia aplicaram essas sugestões e já estão na Bulgária há mais de 20 anos.

Cornelia e Reto, com os seus filhos, Luca e Yannik

Lidar com desafios

Aqueles que se mudam para outro país têm de se adaptar a circunstâncias novas e, talvez, desafiadoras. (Atos 16:9, 10; 1 Coríntios 9:19-23) Para muitos, o maior obstáculo é aprender uma nova língua. Luca, já mencionado, diz: “Nas reuniões, nós sempre gostámos de fazer comentários sinceros, nas nossas próprias palavras. Mas, durante algum tempo, foi difícil para mim e para a minha esposa prepararmos até um comentário simples em búlgaro! Era como se fossemos crianças novamente. Aliás, as crianças búlgaras davam comentários bem melhores do que os nossos.”

Ravil, da Alemanha, disse: “Aprender uma língua é cansativo. Mas eu pensava para mim mesmo: ‘Não leves os erros muito a peito; mantém o sentido de humor quando te enganares.’ Eu olho para os desafios não como um problema, mas como parte do meu serviço sagrado a Jeová.”

Ravil e Lilly

Linda, já mencionada, disse: “Eu não tenho inclinação para aprender línguas. O búlgaro não é uma língua fácil e eu pensei muitas vezes em desistir. Quando não consegues falar com as pessoas nem entender o que elas dizem, acabas por te sentir sozinho. Para manter a minha relação com Jeová forte, eu estudava tudo em sueco. E, finalmente, com a ajuda dos meus queridos irmãos e irmãs, consegui ultrapassar a barreira linguística.”

Outro desafio que pode surgir são as saudades de casa. Aqueles que se mudam deixam, no seu país, família e amigos. Eva, que se mudou para a Bulgária com o seu marido, Yannis, disse: “Ao início, senti-me sozinha. Para conseguir lidar com isso, falava regularmente com os nossos amigos e com a nossa família que estava longe, e fizemos novos amigos aqui.”

Yannis e Eva

Há mais desafios. Robert e Liana, que são da Suíça, explicaram: “Tanto o idioma como a cultura foram grandes desafios para nós. Também não estávamos preparados para enfrentar invernos tão frios aqui.” No entanto, manter uma atitude positiva e sentido de humor tem ajudado este casal a servir fielmente na Bulgária há já 14 anos.

Robert e Liana

As bênçãos

Lilly recomenda vivamente a pregação onde a necessidade é maior. Ela disse: “Eu tenho sentido a ajuda de Jeová de formas que nunca teria sentido se tivesse ficado no meu país. Estou mais ocupada a ajudar outros, e isso tem-me ajudado a crescer espiritualmente e dá-me alegria e satisfação.” O marido dela, Ravil, concorda. Ele disse: “Este é o melhor modo de vida, uma oportunidade única para conhecer cristãos zelosos de diferentes países que têm muita experiência em ensinar as verdades da Bíblia. Tenho aprendido muito com eles.”

Muitos irmãos têm demonstrado um espírito animado e disponibilidade. Isso tem resultado numa pregação bem-sucedida das “boas novas do Reino [...] em toda a terra habitada”. (Mateus 24:14) Graças ao seu espírito voluntário, aqueles que se mudaram para a Bulgária têm visto como Jeová ‘lhes concedeu os desejos do seu coração e tornou bem-sucedidos todos os seus planos’. — Salmo 20:1-4.