Ir para conteúdo

Uma viagem sem igual

Uma viagem sem igual

Todos os anos, milhares de pessoas visitam os edifícios da filial dos Estados Unidos e a sede mundial das Testemunhas de Jeová, no Estado de Nova Iorque. A estes locais dá-se o nome de Betel, palavra de origem hebraica que significa “Casa de Deus”. Pessoas de todos os lugares vêm para ver como as publicações são feitas, entender como o nosso trabalho é organizado e visitar amigos que trabalham lá. Recentemente, um visitante teve de ser muito determinado para conseguir fazer essa visita.

Marcellus, uma Testemunha de Jeová que mora em Anchorage, no Alasca, Estados Unidos, sofreu um derrame há alguns anos e só consegue dizer algumas palavras. * Ele está confinado a uma cadeira de rodas e depende de outras pessoas para as coisas do dia a dia. Apesar desses obstáculos, ele tinha um desejo enorme de visitar Betel. E há pouco tempo o seu sonho tornou-se realidade.

“Ele não desistia”, conta Corey, um amigo que ajudou Marcellus a planear a viagem. “Ele costumava telefonar-me para saber como estavam os planos. Entre as poucas palavras que Marcellus consegue dizer estão o ‘Sim’ e o ‘Não’. Então, sempre que ele telefonava, eu tinha de fazer várias perguntas.” As conversas entre eles eram mais ou menos assim:

“Precisas que eu vá até à tua casa?”

“Não.”

“Queres que eu chame o médico?”

“Não.”

“É sobre a tua viagem a Betel?”

“Sim.”

“Então, eu tinha de explicar como estavam os planos da viagem”, conta Corey. “Fiquei muito feliz por ver que ele conseguiu fazer o que tanto queria.”

Marcellus teve de superar muitos obstáculos para fazer essa viagem. Como ele não ganha muito, teve de economizar durante dois anos para conseguir pagar a viagem de mais de 5 mil quilómetros até Nova Iorque. Por causa das suas limitações físicas, Marcellus teve de arranjar alguém que pudesse acompanhá-lo na viagem. Além disso, era necessário que o seu médico o autorizasse a viajar. Marcellus recebeu a autorização poucos dias antes da data do voo.

Em Nova Iorque, Marcellus visitou as instalações de Brooklyn, Patterson e Wallkill. Viu máquinas enormes que imprimiam livros e Bíblias, e aprendeu muitos detalhes de como o nosso trabalho é organizado. Também visitou duas exposições: “A Bíblia e o Nome Divino” e “Um Povo Que Leva o Nome de Jeová”. Em cada visita, Marcellus fez muitos amigos novos. Foi realmente uma viagem sem igual!

Muitos dizem que ficam sem palavras quando alguém pede para descrever como é visitar Betel. Mas, quando perguntaram a Marcellus se valeu a pena tudo o que ele fez para visitar Betel, ele respondeu da única forma que podia: “Sim. Sim. Sim!”

Visitar Betel pode ser um incentivo para si e para a sua família, assim como aconteceu a Marcellus. Os visitantes são bem-vindos nas nossas filiais em todo o mundo. Que tal fazer-nos uma visita?

^ par. 3 Marcellus faleceu no dia 19 de maio de 2014, enquanto este artigo estava a ser finalizado.