Ir para conteúdo

Dennis Christensen durante uma audiência em 2017

10 DE MAIO DE 2018
RÚSSIA

Tribunal de Oriol ouve primeiras testemunhas no julgamento de Dennis Christensen

Tribunal de Oriol ouve primeiras testemunhas no julgamento de Dennis Christensen

O processo criminal de Dennis Christensen voltou a ser julgado no dia 23 de abril de 2018, no Tribunal Distrital Zheleznodorozhniy, em Oriol. Dennis é cidadão dinamarquês e Testemunha de Jeová. Ele foi preso durante uma reunião religiosa em maio de 2017 e, desde então, encontra-se em prisão preventiva.

O procurador da justiça, Sr. Fomin, acusou Dennis de ‘coordenar atividades de uma organização religiosa extremista’, ou seja, da associação jurídica das Testemunhas de Jeová em Oriol, que foi fechada em junho de 2016, sob a acusação injusta de extremismo. Os advogados de Dennis afirmaram que a acusação é inválida, porque a congregação das Testemunhas de Jeová em Oriol não é uma entidade legal, mas um grupo de pessoas pacíficas que se reúnem para estudar a Bíblia. Os advogados enfatizaram que as autoridades russas admitem que a religião das Testemunhas de Jeová não foi proibida e que a Constituição da Rússia garante o direito a uma pessoa de seguir a sua crença religiosa. * Por essa razão, quando Dennis participava numa reunião religiosa, ele estava simplesmente a praticar a sua religião.

Os depoimentos começaram no dia 24 de abril de 2018. A primeira testemunha a ser chamada pelo promotor foi um agente do Serviço Federal de Segurança. O agente confirmou que o Salão do Reino em Oriol era vigiado por câmaras desde 2017, mas não pôde dizer o que tinha acontecido dentro do salão, porque as gravações só mostravam Dennis a dar as boas-vindas às pessoas que entravam no local. Seguidamente, o procurador chamou uma mulher da região, que tinha assistido às reuniões das Testemunhas de Jeová em Oriol, mas ela não pôde dizer nada sobre as atividades de Dennis, porque ela só tinha assistido às reuniões antes de a associação jurídica em Oriol ser fechada.

Irina Christensen

No dia seguinte, o procurador chamou uma mulher Testemunha de Jeová, de 78 anos, para testemunhar. Interrogou-a durante duas horas e meia, numa tentativa de encontrar “provas” incriminatórias, mas ela simplesmente afirmou que as Testemunhas de Jeová não têm diretores nem líderes e que, durante as reuniões, nunca usam publicações religiosas proibidas na Rússia.

A audiência vai continuar no dia 14 de maio de 2018 e deve estender-se por vários dias ao longo do mês. Se for condenado, Dennis poderá ficar preso entre seis e dez anos. As Testemunhas de Jeová de todo o mundo estão muito preocupadas com essa possibilidade e com o bem-estar de Dennis e da sua esposa, Irina.

^ par. 3 Ao manter a decisão de proibir as atividades da associação jurídica das Testemunhas de Jeová em Oriol, o Supremo Tribunal afirmou: “O direito dos membros desta associação de praticar a sua religião não vai ser violado, uma vez que eles não estão proibidos de realizar reuniões religiosas independentes, que não estejam associadas à distribuição de publicações religiosas de conteúdo extremista.”