Ir para conteúdo

TEXTOS BÍBLICOS EXPLICADOS

João 1:1: “No princípio era a Palavra”

João 1:1: “No princípio era a Palavra”

“No princípio era a Palavra, e a Palavra estava com Deus, e a Palavra era um deus.” — João 1:1, Tradução do Novo Mundo.

“No princípio era a Palavra. A Palavra estava com Deus, e a Palavra era Deus.” — João 1:1, A Bíblia Para Todos, Sociedade Bíblica Portuguesa.

Significado de João 1:1

Este versículo revela detalhes sobre a vida de Jesus antes de ele vir à Terra como humano. (João 1:14-17) No versículo 14, a expressão “a Palavra” (ou “o Verbo”, ou “o Logos”; em grego: ho loʹgos) é usado como um título. Aparentemente, o título “a Palavra” descreve o papel de Jesus ao transmitir as ordens e as instruções de Deus a outros. Jesus continuou a tornar conhecida a palavra, ou mensagem, de Deus, durante o seu ministério na Terra e depois de ter regressado ao céu. — João 7:16; Apocalipse 1:1.

“O princípio” refere-se ao tempo em que Deus começou o seu trabalho criativo, criando a Palavra. Depois disso, a Palavra foi usada por Deus na criação de todas as outras coisas. (João 1:2, 3) A Bíblia diz que Jesus é “o primogénito de toda a criação” e que, “por meio dele, foram criadas todas as outras coisas”. — Colossenses 1:15, 16.

A declaração “a Palavra era um deus” mostra que, antes de vir à Terra, Jesus tinha uma natureza divina, ou seja, era um ser espiritual poderoso e com outras qualidades semelhantes às de Deus. Ele pode ser descrito desta forma devido ao seu papel como Porta-Voz de Deus e à sua posição única como Filho primogénito de Deus, por meio de quem Deus criou todas as outras coisas.

Contexto de João 1:1

O livro bíblico de João é um registo da vida e do ministério de Jesus na Terra. Os versículos iniciais deste primeiro capítulo do evangelho de João falam da existência pré-humana de Jesus, da sua relação única com Deus e do seu papel central na forma de Deus lidar com os humanos. (João 1:1-18) Esses detalhes ajudam-nos a entender o que Jesus disse e fez durante o seu ministério na Terra. — João 3:16; 6:38; 12:49, 50; 14:28; 17:5.

Mitos sobre João 1:1

Mito: A última parte de João 1:1 devia ser traduzida: “A Palavra era Deus.”

Facto: Apesar de muitos tradutores da Bíblia verterem o versículo dessa forma, outros viram a necessidade de o traduzir de forma diferente. Na língua original, a palavra “Deus” (em grego, the·osʹ) surge duas vezes em João 1:1. Mas, gramaticalmente, há uma diferença. Na primeira ocorrência, a palavra “Deus” é precedida pelo artigo definido, mas esse artigo não aparece antes da segunda ocorrência. Muitos eruditos sublinham que a ausência do artigo definido antes do segundo the·osʹ tem de ser levada em conta. Por exemplo, referindo-se à ausência do artigo, The Translator’s New Testament afirma: “Na verdade, confere à segunda ocorrência de Theos (Deus) o valor de um adjetivo, de modo que a frase significa: ‘A Palavra era divina.’” * Outros eruditos * e tradutores da Bíblia também fazem esta distinção. — Veja “ João 1:1 em outras traduções da Bíblia”.

Mito: Este versículo ensina que a Palavra é o Deus Todo-Poderoso.

Facto: A declaração “a Palavra estava com Deus” mostra que o versículo está a falar de duas pessoas diferentes. Seria impossível a Palavra estar “com Deus” e, ao mesmo tempo, ser o Deus Todo-Poderoso. O contexto também mostra que a Palavra não é o Deus Todo-Poderoso. Por exemplo, João 1:18 afirma que “nunca nenhum homem viu a Deus”. No entanto, as pessoas viram a Palavra, Jesus, conforme mostra João 1:14: “A Palavra tornou-se carne e residiu entre nós, e nós vimos a sua glória.”

Mito: A Palavra sempre existiu.

Facto: O “princípio” mencionado neste versículo não pode referir-se ao “princípio” de Deus, porque Deus não teve início. Jeová * Deus é “de eternidade a eternidade”. (Salmo 90:1, 2) No entanto, a Palavra, Jesus Cristo, teve um princípio. Ele é o “princípio da criação de Deus.” — Apocalipse 3:14.

Mito: Dizer que a Palavra é “um deus” é ensinar o politeísmo, ou seja, a crença em muitos deuses.

Facto: Geralmente, a palavra grega para “Deus” ou “deus” (the·osʹ) corresponde a duas palavras hebraicas muito usadas no chamado Antigo Testamento: ʼel e ʼelo·himʹ. Pensa-se que estes termos hebraicos têm o significado básico de “o Poderoso; o Forte”. São termos usados para se referir ao Deus Todo-Poderoso, a outros deuses e até a humanos. (Salmo 82:6; João 10:34) Tendo em conta que a Palavra é aquele através de quem Deus criou todas as outras coisas, então, ele pode ser corretamente descrito como um ser poderoso. (João 1:3) Descrever a Palavra como “um deus” está de acordo com a profecia de Isaías 9:6, que predisse que o escolhido de Deus, o Messias ou Cristo, seria chamado de “Deus Poderoso” (em hebraico, ʼEl Gib·bohrʹ), mas não “Deus Todo-Poderoso” (ʼEl Shad·daiʹ, como em Génesis 17:1; 35:11; Êxodo 6:3; e Ezequiel 10:5).

A Bíblia não ensina o politeísmo. Jesus Cristo disse: “Adora a Jeová, teu Deus, e presta-lhe serviço sagrado apenas a ele.” (Mateus 4:10) A Bíblia diz: “Pois, embora haja os que são chamados deuses, quer no céu, quer na terra, assim como há muitos ‘deuses’ e muitos ‘senhores’, para nós há realmente um só Deus, o Pai, de quem procedem todas as coisas, e nós existimos para ele; e há um só Senhor, Jesus Cristo, por meio de quem todas as coisas são, e nós existimos por meio dele.” — 1 Coríntios 8:5, 6.

 João 1:1 em outras traduções da Bíblia

“No princípio era a Palavra. A Palavra estava com Deus e a Palavra era divina.” — The Bible – An American Translation, de J.M.P. Smith e E. J. Goodspeed, 1935.

“O Logos existia no princípio, o Logos estava com Deus, o Logos era divino.” — The Bible – Containing the Old and New Testaments, de James Moffatt, 1950.

“No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era um deus.” — The New Testament in an Improved Version, editado por by Thomas Belsham, baseado na tradução do Novo Testamento de William Newcome, 1808.

“No princípio era a Palavra. E a Palavra estava com Deus. Portanto, a Palavra era divina.” — The Authentic New Testament, de Hugh J. Schonfield, 1958.

^ par. 8 The Translator’s New Testament, página 451.

^ par. 8 O erudito Jason David BeDuhn afirma que a ausência do artigo definido faz com que as duas ocorrências do termo “Deus” sejam muito diferentes, “assim como em inglês [e em português] ‘um deus’ é bem diferente de ‘Deus’”. Este erudito afirma ainda: “Em João 1:1, a Palavra não é o Deus único e exclusivo, mas é um deus, ou um ser divino.” — Truth in Translation: Accuracy and Bias in English Translations of the New Testament, páginas 115, 122 e 123.

^ par. 12 Jeová é o nome pessoal de Deus. — Salmo 83:18.