Ir para conteúdo

Como é que o sacrifício de Jesus pode servir como “resgate em troca de muitos”?

Como é que o sacrifício de Jesus pode servir como “resgate em troca de muitos”?

A resposta da Bíblia

Por meio do sacrifício de Jesus, Deus livra, ou salva, a humanidade do pecado e da morte. A Bíblia diz que o sangue derramado de Jesus é como o preço de um resgate. (Efésios 1:7; 1 Pedro 1:18, 19) Foi por isso que Jesus disse que veio à Terra para “dar a sua vida como resgate em troca de muitos”. — Mateus 20:28.

Porque era necessário um “resgate em troca de muitos”?

Adão, o primeiro homem, foi criado perfeito, ou seja, sem pecado. Ele podia ter vivido para sempre, mas perdeu essa oportunidade quando escolheu desobedecer a Deus. (Génesis 3:17-19) O pecado é como um defeito. Quando Adão teve filhos, ele transmitiu-lhes esse defeito. (Romanos 5:12) É por isso que a Bíblia diz que Adão se “vendeu” a si e aos seus filhos como escravos ao pecado e à morte. (Romanos 7:14) Nenhum dos filhos de Adão podia recuperar o que ele tinha perdido, porque todos eram imperfeitos. — Salmo 49:7, 8.

Assim, os descendentes de Adão ficaram sem nenhuma esperança. Porém, Deus sentiu profunda compaixão, ou pena, deles. (João 3:16) No entanto, o padrão de justiça de Deus não lhe permitia simplesmente perdoar ou fazer vista grossa aos pecados dos descendentes de Adão sem um motivo justo. (Salmo 89:14; Romanos 3:23-26) Deus ama a humanidade e, por isso, providenciou uma forma justa de perdoar e até apagar os nossos pecados. (Romanos 5:6-8) O resgate de Jesus foi essa forma justa de o fazer.

Como é que o resgate funciona?

Na Bíblia, a palavra “resgate” envolve três aspetos:

  1. É um pagamento. — Números 3:46, 47.

  2. Traz livramento, ou redenção. — Êxodo 21:30.

  3. O seu preço equivale, ou é igual, ao valor do que se quer resgatar. *

Veja como estes três aspetos se aplicam ao resgate de Jesus Cristo.

  1. Pagamento. A Bíblia diz que os cristãos foram “comprados por um preço”. (1 Coríntios 6:20; 7:23) O preço foi o sangue de Jesus, que comprou “pessoas para Deus, de todas as tribos, línguas, povos e nações”. — Apocalipse 5:8, 9.

  2. Livramento. O sacrifício de resgate de Jesus torna possível o livramento do pecado. — 1 Coríntios 1:30; Colossenses 1:14; Hebreus 9:15.

  3. Equivalência. O sacrifício de Jesus corresponde ao que Adão perdeu – uma vida humana perfeita. (1 Coríntios 15:21, 22, 45, 46) A Bíblia diz: “Assim como pela desobediência de um só homem [Adão] muitos se tornaram pecadores, assim também, pela obediência de um só [Jesus Cristo], muitos se tornarão justos.” (Romanos 5:19) Este texto explica como a morte de um único homem pagou o resgate de muitos pecadores. De facto, o sacrifício de Jesus é um “resgate correspondente”. Todos os que fazem o que é necessário podem receber os benefícios desse sacrifício. — 1 Timóteo 2:5, 6.

^ par. 7 Nas línguas em que a Bíblia foi escrita, as palavras traduzidas como “resgate” transmitem a ideia de uma quantia, ou objeto de valor, dada em troca de alguma coisa. Por exemplo, o verbo hebraico ka·fár significa “cobrir” – geralmente, com o sentido de cobrir os prejuízos causados pelo pecado. (Salmo 65:3) Já o substantivo kó·fer é usado para referir o preço pago para cobrir esses prejuízos. Por vezes, na Bíblia, chama-se a isso “redenção”. (Êxodo 21:30) Da mesma forma, a palavra grega lý·tron, que geralmente é traduzida como “resgate”, também pode significar “preço de redenção”. (1 Timóteo 2:6, Almeida, revista e corrigida) Escritores gregos usaram esse termo para se referirem ao valor pago para resgatar um prisioneiro de guerra ou para libertar um escravo.