Ir para conteúdo

AJUDA PARA A FAMÍLIA | PAIS

Como orientar os seus filhos

Como orientar os seus filhos

 O que deve saber

Em algumas culturas, os filhos têm uma relação próxima com os pais e pedem-lhes orientação. Noutras culturas, os filhos costumam pedir conselhos a outros jovens.

Esta última situação enfraquece a autoridade dos pais. Na verdade, quando os filhos se tornam adolescentes, os pais talvez sintam que deixaram de ter influência na vida deles. E não é de admirar! Quando as crianças passam muito tempo com outras crianças, é como se elas estivessem a educar-se umas às outras, em vez de serem educadas pelos pais.

Porque é que é tão fácil para as crianças criarem laços com outras crianças e perderem a ligação com os pais? Considere os seguintes fatores.

  • Escola. Quando as crianças passam a maior parte do tempo na escola, desenvolvem amizades com os colegas e podem começar a dar mais valor à aprovação deles do que à dos pais. Esta situação pode intensificar-se quando os filhos entram na adolescência.

    As crianças devem valorizar mais a aprovação dos pais do que a dos colegas

  • Menos tempo juntos. Em muitas famílias, quando os filhos saem da escola, ficam sozinhos em casa, talvez porque os pais estejam a trabalhar.

  • Cultura jovem (teen culture). Quando atingem a adolescência, os jovens ficam imersos numa cultura com regras próprias sobre como se vestir, falar e agir. Normalmente, o que os outros jovens pensam é mais importante para eles do que a opinião dos pais.

  • Marketing. Muitos negócios desenvolvem produtos e entretenimento pensado exclusivamente para os jovens, o que cria um fosso ainda maior entre pais e filhos. “Se a cultura jovem desaparecesse”, escreve o Dr. Robert Epstein, “muitas destas indústrias multimilionárias colapsariam instantaneamente.” *

 O que pode fazer

  • Mantenha uma ligação forte com os seus filhos.

    O que a Bíblia diz: “Estas palavras que hoje te ordeno devem estar no teu coração, e deves inculcá-las nos teus filhos e falar delas sentado na tua casa, ao andares pela estrada, quando te deitares e quando te levantares.” — Deuteronómio 6:6, 7.

    Os colegas oferecem amizade, mas nunca devem substituir o seu papel como pai ou mãe. A boa notícia é: os especialistas dizem que a maioria das crianças e adolescentes respeita os seus pais e quer agradar-lhes. Se mantiver uma relação próxima com os seus filhos, terá mais influência sobre eles do que os colegas.

    “É preciso que os pais e os filhos passem tempo juntos a fazer coisas do dia-a-dia, como cozinhar, limpar e até fazer os trabalhos de casa. Façam coisas divertidas juntos: façam jogos, vejam um filme ou televisão. Não pense que tudo o que eles precisam é de ‘tempo de qualidade’ – algumas horas aqui e ali. A qualidade não compensa a falta de quantidade!” — Lorraine.

  • Não se contente apenas com amizades com crianças da mesma idade.

    O que a Bíblia diz: “A tolice está ligada ao coração das crianças.” — Provérbios 22:15.

    Alguns pais ficam contentes ao ver que o seu filho tem muitos amigos. Mas, tenha consciência de que, embora as amizades com os colegas possam dar a entender que a criança tem facilidade em relacionar-se com outros, essas amizades não o ajudam a amadurecer. Os que têm a mesma idade não podem dar a orientação e a liderança de que um jovem precisa, e que pais amorosos podem dar melhor do que ninguém.

    “As outras crianças podem ter algum conhecimento, mas não têm competências para a vida, experiência, e sabedoria para ajudar outros jovens a tomar as melhores decisões. Quando os jovens seguem a orientação dos pais, crescem e amadurecem de forma apropriada para a sua idade.” — Nadia.

  • Dê orientação sábia.

    O que a Bíblia diz: “Quem anda com sábios irá tornar-se sábio.” — Provérbios 13:20.

    À medida que crescem, os seus filhos podem beneficiar-se muito do tempo que passam consigo. Seja um bom exemplo.

    “Os pais são os exemplos mais importantes para os filhos. Quando as crianças são ensinadas a valorizar e a respeitar os pais, vão querer ser como eles quando crescerem.” — Katherine.

^ par. 13 Do livro Teen 2.0 – Saving Our Children and Families From the Torment of Adolescence (Adolescente 2.0 – Salvar os Nossos Filhos e as Famílias do Tormento da Adolescência).