Ir para conteúdo

OS JOVENS PERGUNTAM

O que fazer se tenho um problema de saúde? (Parte 3)

O que fazer se tenho um problema de saúde? (Parte 3)

Os adolescentes, na maioria dos casos, têm uma saúde excelente e a sua energia parece nunca acabar. Mas alguns jovens enfrentam as limitações impostas por doenças graves. É este o teu caso? Então, vais gostar dos relatos de três jovens Testemunhas de Jeová – V’loria, Justin e Nisa. Vê como eles conseguem lidar com os seus problemas de saúde.

 V’loria

Eu tenho fibromialgia desde os 14 anos. Com 20 anos, também tinha artrite, lúpus e a doença de Lyme. É difícil fazer tudo o que queres quando te sentes sempre fraco. Às vezes, ficava paralisada da cintura para baixo e tinha de usar uma cadeira de rodas.

Além de sofrer fisicamente com as minhas doenças, também ficava frustrada por não conseguir fazer coisas simples, como escrever ou abrir um frasco. Quando via outras crianças a caminhar, perguntava-me porque andar era tão difícil para mim. Sentia-me um fracasso.

Ainda bem que tive apoio – não só da minha família, mas também da congregação das Testemunhas de Jeová. Alguns amigos da congregação visitavam-me sempre, assim, não me sentia tão sozinha. Alguns convidavam-me para sair e fazer alguma coisa, apesar de ser difícil tirarem-me da cadeira de rodas e ajudarem-me a entrar num carro.

Principalmente os idosos na congregação foram de muita ajuda porque eles sabem como é lidar com problemas de saúde. Eles ajudaram-me a aceitar as minhas limitações e a não me sentir culpada por não conseguir fazer as coisas como todos os outros. Para mim, os momentos mais felizes são quando estou nas reuniões ou na pregação. (Hebreus 10:25) Nessas ocasiões, sinto que, apesar das minhas doenças, não sou tão diferente das outras pessoas.

Tenho sempre em mente que Jeová nos dá o que precisamos para perseverar. Por exemplo, a Bíblia diz que, mesmo que a pessoa que somos por fora se definhe, a pessoa que somos por dentro pode ser ‘renovada a cada dia’. (2 Coríntios 4:16) É exatamente isso o que eu sinto!

Para pensares: Se estás a enfrentar um problema sério de saúde, porque é importante procurar a ajuda de outros? Se tens boa saúde, como podes ajudar alguém que está doente? — Provérbios 17:17.

 Justin

Eu caí e não conseguia levantar-me. Senti um aperto no peito e não conseguia mexer-me. Fui levado rapidamente para as urgências do hospital. De início, os médicos não sabiam qual era o problema. Mas, depois de várias outras crises, eles chegaram a um diagnóstico – doença de Lyme.

A doença de Lyme afetou muito o meu sistema nervoso. Tanto que, apesar de já há muitos anos estar em tratamento, ainda tremo, às vezes sem me conseguir controlar. De vez em quando, o meu corpo e os meus dedos doem tanto que nem os consigo mexer. É como se as minhas articulações estivessem totalmente enferrujadas.

Eu costumava dizer a mim próprio: “És demasiado jovem para ficares doente.” E isso deixava-me frustrado. Todos os dias eu chorava e perguntava a Deus: “Porque é que isto me está a acontecer?” Cheguei a pensar que Deus me tinha abandonado. Então, lembrei-me de Jó, mencionado na Bíblia. Jó não entendia muito bem porque tinha de enfrentar tantos desafios. Mas manteve-se fiel a Deus. Se Jó foi fiel apesar dos terríveis problemas que enfrentou, eu também posso ser.

Os anciãos da minha congregação ajudam-me muito. Eles ligam-me sempre para saber como está a minha saúde. Um ancião disse-me que eu posso ligar-lhe sempre que eu precisar, não importa a hora. Agradeço a Jeová todos os dias por ter amigos assim. — Isaías 32:1, 2.

Quando temos uma doença grave, podemos acabar por nos esquecer do óbvio – Jeová sabe o que estamos a passar. A Bíblia diz: “Lança o teu fardo sobre Jeová, e ele irá amparar-te.” (Salmo 55:22) É isso o que tento fazer todos os dias.

Para pensares: Como é que os teus familiares e amigos podem ajudar-te a enfrentar um problema de saúde? — Provérbios 24:10; 1 Tessalonicenses 5:11.

 Nisa

Quando eu tinha cerca de 15 anos, diagnosticaram-me a síndrome de Marfan – uma doença que enfraquece as articulações. A síndrome de Marfan também afeta os olhos, o coração e outros órgãos vitais. Não sinto dores todos os dias, mas, quando sinto, costumam ser muito fortes.

Quando recebi o diagnóstico, chorei muito. Fiquei preocupada com a possibilidade de não conseguir fazer as coisas de que mais gosto. Por exemplo, gosto muito de dançar. Tinha medo quando pensava que talvez um dia eu já não conseguisse dançar, ou até andar.

A minha irmã deu-me muito apoio e ajudou-me a superar aquela fase em que eu sentia pena de mim própria. Ela disse-me que eu não devia deixar que o medo tomasse conta de mim, senão isso ia prejudicar-me ainda mais. Também me incentivou a orar sempre porque, se havia alguém que entendia exatamente o que eu estava a passar, esse alguém era Jeová. — 1 Pedro 5:7.

Um texto bíblico que me ajuda muito é o Salmo 18:6, que diz: “Na minha aflição, invoquei a Jeová, clamei ao meu Deus por ajuda. Do seu templo ele ouviu a minha voz, e o meu clamor por ajuda chegou aos seus ouvidos.” Este texto ajudou-me a entender que, quando oro a Jeová e lhe peço ajuda para lidar com a minha doença, ele ouve-me. Ele está sempre pronto para me ajudar.

Aprendi que é normal sentir tristeza ou raiva quando enfrentamos um problema grave de saúde. Só não podemos deixar que esses sentimentos nos prejudiquem ainda mais ou afetem a nossa amizade com Deus. Ele não é a causa dos nossos problemas e, se o colocarmos em primeiro lugar na nossa vida, ele nunca vai abandonar-nos. — Tiago 4:8.

Para pensares: Será que devemos culpar a Deus pelo nosso sofrimento? — Tiago 1:13.