Ir para conteúdo

Ir para índice

 UMA CONVERSA SOBRE A BÍBLIA

Quando é que o Reino de Deus começou a governar? (Parte 1)

Quando é que o Reino de Deus começou a governar? (Parte 1)

Leia a seguir uma conversa típica que uma Testemunha de Jeová pode ter com um morador. Imaginemos que Carlos bateu à porta de um homem chamado João.

‘CONTINUE A BUSCAR’ O ENTENDIMENTO

Carlos: Estou a gostar muito das nossas conversas sobre a Bíblia, * João. Na última vez, perguntou-me sobre o Reino de Deus. O João queria saber porque é que as Testemunhas de Jeová acreditam que o Reino começou a governar em 1914.

João: É que eu estava a ler uma das vossas publicações, e dizia que o Reino de Deus começou a governar em 1914. Isso deixou-me curioso porque o Carlos disse-me que as Testemunhas de Jeová baseiam todas as suas crenças na Bíblia.

Carlos: Sim, isso é verdade.

João: Bem, eu já li a Bíblia toda. Mas não me lembro de ter visto nenhum texto que falasse de 1914. Então, pesquisei “1914” numa Bíblia online, mas não apareceu nenhum resultado.

Carlos: Parabéns por ter lido a Bíblia toda, João. Deve gostar muito da Palavra de Deus.

João: Gosto mesmo. Nenhum livro se compara à Bíblia.

Carlos: Concordo. E o João também está de parabéns por procurar na Bíblia a resposta à sua pergunta. Fez exatamente o que a Bíblia nos incentiva a fazer, ou seja, ‘continuar a buscar’ o entendimento. * Que bom que está a fazer isso.

João: Obrigado. Eu realmente quero aprender. Na verdade, eu pesquisei um pouco mais e encontrei algumas informações sobre 1914 neste livro que estamos a estudar. Aqui fala do sonho de um rei. Pelo que eu entendi, ele sonhou com uma árvore muito grande que foi cortada e, depois, cresceu novamente.

Carlos: Ah, sim. Essa profecia está no capítulo 4 do livro de Daniel. Ali fala do sonho de Nabucodonosor, rei de Babilónia.

João: Sim, é essa mesma. Eu li-a várias vezes. Mas para dizer a verdade, eu ainda não entendi o que essa profecia tem a ver com o Reino de Deus ou com 1914.

Carlos: Na verdade, João, nem o profeta Daniel entendeu o significado de tudo o que foi inspirado a escrever!

João: A sério?

Carlos: Sim. Em Daniel 12:8, ele disse: “Quanto a mim, ouvi, mas não consegui entender.”

João: Ainda bem que não sou o único.

Carlos: O motivo de Daniel não entender era porque ainda não tinha chegado o tempo determinado  por Deus para que essas profecias fossem entendidas. Mas hoje conseguimos entendê-las.

João: Como assim?

Carlos: Bem, veja o que diz o versículo seguinte. Daniel 12:9 diz: “As palavras devem ser mantidas em segredo e seladas até ao tempo do fim.” Isso mostra que essas profecias só seriam entendidas muito depois, no “tempo do fim”. E, como ainda vamos ver no nosso estudo, há evidências de que já estamos a viver nessa época. *

João: Ai, sim? Então, pode explicar-me a profecia de Daniel?

Carlos: Vou tentar.

O SONHO DE NABUCODONOSOR

Carlos: Para começar, vou resumir o que o Rei Nabucodonosor sonhou. Depois, podemos ver o significado desse sonho.

João: Está bem.

Carlos: Nabucodonosor viu uma árvore enorme que chegava ao céu. Então, ele ouviu um mensageiro de Deus ordenar que ela fosse cortada, mas que o toco fosse deixado. Depois de “sete tempos” a árvore voltaria a crescer. * Essa profecia aplicou-se primeiro ao Rei Nabucodonosor. Ele era um rei poderoso – assim como aquela árvore que chegava ao céu –, mas foi “cortado” do seu reinado durante “sete tempos”. Lembra-se do que aconteceu?

João: Não.

Carlos: Não há problema. A Bíblia mostra que Nabucodonosor ficou louco durante “sete tempos”, ou seja, sete anos. Nesse período, ele não pôde governar. Mas depois desse período, Nabucodonosor recuperou a sua sanidade mental e voltou a governar. *

João: Até agora eu entendi. Mas o que é que tudo isso tem a ver com o Reino de Deus e o ano de 1914?

Carlos: É que essa profecia tem dois cumprimentos. O primeiro, quando o governo do Rei Nabucodonosor foi interrompido. O segundo, quando o governo de Deus foi interrompido. É esse segundo cumprimento que está relacionado com o Reino de Deus.

João: Como é que vocês sabem isso?

Carlos: Primeiro, porque a própria profecia indica isso. De acordo com Daniel 4:17, a profecia foi feita “para que todos os que vivem saibam que o Altíssimo é Governante no reino da humanidade e que ele o dá a quem quiser”. O João notou a expressão “reino da humanidade”?

João: Sim, aí dizia que “o Altíssimo é Governante no reino da humanidade”.

Carlos: Exatamente. Na sua opinião, quem é “o Altíssimo”?

João: Deus?

Carlos: Muito bem. Isso mostra que essa profecia não se aplica somente a Nabucodonosor. Também se aplica a Deus, que exerce domínio sobre o “reino da humanidade”. E podemos ver que é assim quando analisamos o contexto da profecia.

João: O que é que quer dizer?

O TEMA PRINCIPAL DO LIVRO DE DANIEL

Carlos: O livro de Daniel tem um tema principal, que é o estabelecimento do Reino de Deus sob a liderança do seu Filho, Jesus. Por exemplo, vamos alguns capítulos atrás, aqui a Daniel 2:44. Quer ler?

João: Sim. Aqui diz: “Nos dias desses reis, o Deus do céu estabelecerá um reino que nunca será destruído. E este reino não passará para as mãos de nenhum outro povo. Esmiuçará e porá fim a todos estes reinos, e apenas ele permanecerá para sempre.”

 Carlos: Obrigado. Acha que esse versículo se refere ao Reino de Deus?

João: Hum, não sei bem.

Carlos: Note que diz que esse Reino “permanecerá para sempre”. Será que os governos humanos duram para sempre?

João: Não, acho que não.

Carlos: Isso mesmo. Há ainda outra profecia neste livro bíblico que se refere ao Reino de Deus. Está em Daniel 7:13, 14. Falando sobre um futuro governante, a profecia diz: “Foi-lhe dado domínio, honra e um reino, para que os povos, nações e línguas o servissem. O seu domínio é um domínio eterno, que jamais terminará, e o seu reino não será destruído.” O João percebeu nesta profecia algo parecido com a anterior?

João: Também fala de um reino.

Carlos: Isso mesmo. Mas não qualquer reino. Note que diz que esse Reino teria autoridade sobre “povos, nações e línguas”. Ou seja, esse Reino governaria o mundo todo.

João: É verdade. Não tinha percebido.

Carlos: Além disso, veja o que a profecia continua a dizer: “O seu domínio é um domínio eterno, que jamais terminará, e o seu reino não será destruído.” Não acha que se parece muito com a profecia de Daniel 2:44, que já lemos?

João: Tem razão.

Carlos: Então, vamos entender o que vimos até aqui. A profecia em Daniel capítulo 4 foi feita para que as pessoas soubessem que “o Altíssimo é Governante no reino da humanidade”. Isso por si só mostra que ela tem um cumprimento mais amplo do que aquele referente a Nabucodonosor. E em todo o livro de Daniel encontramos profecias sobre o estabelecimento do Reino de Deus, governado por Jesus. Assim, não seria razoável concluir que essa profecia no capítulo 4 de Daniel também está relacionada com o Reino de Deus?

João: Acho que sim. Mas ainda não entendi o que isso tem a ver com 1914.

“SETE TEMPOS”

Carlos: Vamos voltar ao Rei Nabucodonosor. No primeiro cumprimento da profecia, ele foi representado pela árvore. Essa árvore foi cortada e impedida de crescer por sete tempos. Isso representou a interrupção do governo de Nabucodonosor quando ele ficou louco durante certo período. Esse período de sete tempos terminou quando o rei recuperou a sua sanidade mental e voltou a governar. No segundo cumprimento da profecia, o governo de Deus também seria interrompido por um período – mas não por alguma falha da parte de Deus.

João: Interrompido como?

Carlos: Nos tempos bíblicos, os reis israelitas que governavam em Jerusalém sentavam-se no “trono de Jeová”, * por assim dizer, pois governavam como representantes de Deus. Mas com o tempo, a maioria desses reis tornou-se desobediente a Deus, e a maior parte dos seus súbditos seguiu o seu mau exemplo. Por causa da  desobediência dos israelitas, Deus permitiu que eles fossem conquistados pelos babilónios em 607 AEC. Dali em diante, nenhum outro rei representou Jeová em Jerusalém. Nesse sentido, o Reino de Deus foi interrompido. Conseguiu entender até aqui?

João: Consegui.

Carlos: Assim, o ano de 607 AEC marcou o início dos sete tempos, ou o período em que o governo de Deus ficaria interrompido. No fim dos sete tempos, Deus escolheria um novo governante para o representar – dessa vez, alguém no céu. Seria aí que as outras profecias de Daniel se cumpririam. Mas a questão é: quando é que os sete tempos terminaram? A resposta ajuda-nos a saber quando o Reino de Deus começou a governar.

João: Entendo. Acho que até já sei. Os sete tempos terminaram em 1914?

Carlos: Muito bem! É isso mesmo.

João: Mas como podemos saber isso?

Carlos: Bem, quando estava na Terra, Jesus indicou que os sete tempos ainda não tinham terminado. * Isso mostra-nos que os sete tempos seriam um período longo. Esse período começou centenas de anos antes de Jesus vir à Terra e continuou até algum tempo depois de ele retornar ao céu. Lembre-se de que o significado das profecias de Daniel seria esclarecido no “tempo do fim”. * É interessante que, no final dos anos 1800, sinceros estudantes da Bíblia começaram a examinar cuidadosamente essa e outras profecias. Eles entenderam que os sete tempos terminariam em 1914. A partir desse ano, ocorreram acontecimentos importantes na Terra que confirmaram que 1914 era mesmo o ano em que o Reino de Deus começou a governar no céu. Foi nesse ano que o mundo entrou nos seus últimos dias, ou o tempo do fim. Mas eu sei que é muita informação de uma vez só...

João: Pois, com certeza vou ter de reler tudo para entender bem.

Carlos: Não se preocupe. Eu também demorei algum tempo para entender este assunto. Mas espero que tenha percebido que as nossas crenças se baseiam na Bíblia.

João: Ah, claro. Sempre fiquei impressionado com isso!

Carlos: Eu percebo que o João também deseja basear as suas crenças na Bíblia. Mas como eu disse, é muita informação de uma vez só. Ainda deve ter algumas dúvidas. Por exemplo, vimos que os sete tempos estão relacionados com o Reino de Deus e que começaram em 607 AEC. Mas como podemos saber a duração dos sete tempos? *

João: Pois, estava a pensar nisso.

Carlos: A própria Bíblia ajuda-nos a determinar a duração exata dos sete tempos. O que acha de considerarmos esse assunto na próxima vez que eu cá vier? *

João: É uma boa ideia.

Tem alguma pergunta sobre um assunto bíblico específico? Quer saber mais sobre as crenças ou as práticas religiosas das Testemunhas de Jeová? Então, fique à vontade para perguntar a uma Testemunha de Jeová. Ela terá prazer em considerar esses assuntos consigo.

^ par. 5 Por meio de um estudo bíblico gratuito, as Testemunhas de Jeová consideram regularmente a Bíblia com pessoas interessadas.

^ par. 21 Veja o capítulo 9 do livro O Que a Bíblia Realmente Ensina, publicado pelas Testemunhas de Jeová.

^ par. 63 Na profecia a respeito dos últimos dias, Jesus disse: “Jerusalém [que representava o governo de Deus] será pisada pelas nações, até se cumprirem os tempos designados das nações.” (Lucas 21:24) Isso mostra que o governo de Deus continuava interrompido na época de Jesus e continuaria assim até aos últimos dias.

^ par. 67 Veja as páginas 215-218 do livro O Que a Bíblia Realmente Ensina.

^ par. 69 O próximo artigo desta série considerará versículos bíblicos que explicam a duração dos sete tempos.