Ir para conteúdo

 A BÍBLIA MUDA VIDAS

“Eles queriam que eu provasse a verdade por mim mesmo”

“Eles queriam que eu provasse a verdade por mim mesmo”
  • ANO DE NASCIMENTO: 1982

  • PAÍS DE ORIGEM: REPÚBLICA DOMINICANA

  • HISTÓRICO: CRIADO COMO MÓRMON

O MEU PASSADO:

Nasci em São Domingos, República Dominicana, e sou o mais novo de quatro filhos. Os meus pais eram pessoas instruídas e queriam que tivéssemos uma boa criação. Quatro anos antes de eu nascer, os meus pais conheceram missionários mórmons e ficaram impressionados ao ver como eles se vestiam bem e eram educados. Por isso, decidiram logo que a nossa família seria uma das primeiras do país a entrar para a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, ou Igreja Mórmon.

À medida que eu crescia, comecei a gostar das atividades sociais da igreja e a respeitar o foco que os mórmons davam à vida familiar e a valores morais. Eu tinha orgulho de ser mórmon e queria tornar-me missionário.

Quando eu tinha 18 anos, a minha família mudou-se para os Estados Unidos, onde eu poderia continuar a andar na universidade. Mais ou menos um ano depois, os meus tios, que são Testemunhas de Jeová, visitaram-nos e convidaram-nos para assistir a um congresso bíblico com eles. Fiquei impressionado quando vi que todos acompanhavam a leitura dos textos na Bíblia e faziam anotações. Por isso, pedi papel e uma caneta para fazer o mesmo.

Após o congresso, os meus tios disseram que, já que eu queria ser missionário, eles podiam ajudar-me a aprender mais sobre a Bíblia. Gostei da ideia porque, na época, eu tinha muito mais contacto com o Livro de Mórmon do que com a Bíblia.

COMO A BÍBLIA MUDOU A MINHA VIDA:

Nas nossas conversas bíblicas por telefone, os meus tios incentivavam-me sempre a comparar as minhas crenças com o que a Bíblia ensinava. Eles queriam que eu provasse a verdade por mim mesmo.

 Eu tinha aceitado muitas das doutrinas dos mórmons, mas não sabia muito bem se estavam de acordo com o que a Bíblia dizia. A minha tia enviou-me a revista Despertai! de 8 de novembro de 1995, publicada pelas Testemunhas de Jeová, que incluía artigos sobre a religião mórmon. Fiquei surpreendido quando percebi que não conhecia muitas das suas doutrinas. Isso motivou-me a fazer pesquisas no site oficial dos mórmons para verificar se o que a revista Despertai! dizia era verdade. Comprovei isso não só por aceder ao site, mas também por visitar museus mórmons em Utah, Estados Unidos.

Sempre acreditei que o Livro de Mórmon e a Bíblia se complementavam. No entanto, quando comecei a ler a Bíblia com mais atenção, percebi contradições entre as doutrinas dos mórmons e os ensinos bíblicos. Por exemplo, em Ezequiel 18:4, a Bíblia diz que a alma morre. Mas o Livro de Mórmon, em Alma 42:9, declara: “A alma nunca poderia morrer.”

Além das diferenças doutrinais, fiquei incomodado com as ideias nacionalistas ensinadas pelos mórmons. Por exemplo, ensina-se que o jardim do Éden ficava no Condado de Jackson, Missouri, Estados Unidos. E profetas da igreja dizem que, quando “o Reino de Deus começar a reger, a bandeira dos Estados Unidos orgulhosamente agitará imaculada no mastro da liberdade e igualdade de direitos”.

Eu perguntava-me onde é que o meu país – ou qualquer outro – se encaixava nisso. Certa noite, um jovem mórmon que estava a estudar para ser missionário telefonou-me, e conversámos sobre esse assunto. Perguntei-lhe francamente se ele estaria disposto a lutar contra mórmons de outros países numa guerra. Fiquei chocado quando ele disse que sim! Pesquisei mais a fundo os ensinos mórmons. Também consultei líderes da Igreja Mórmon, que me disseram que as respostas às minhas perguntas envolviam mistérios ainda não solucionados.

Dececionado com essa explicação, reavaliei os meus motivos para querer ser missionário mórmon. Percebi que desejava ser missionário para ajudar as pessoas, algo que poderia fazer em qualquer outra obra humanitária. Eu também queria ter o status que os missionários geralmente têm entre os mórmons. Mas, no que dizia respeito a Deus, eu não sabia quase nada. Embora já tivesse consultado a Bíblia muitas vezes, eu não a valorizava realmente. Não fazia ideia de qual era o propósito de Deus para com a Terra e a humanidade.

COMO FUI BENEFICIADO:

Ao estudar a Bíblia com as Testemunhas de Jeová, aprendi o nome de Deus, o que acontece na morte, o papel de Jesus no cumprimento do propósito de Deus e muitas outras coisas. Finalmente, eu estava a aprender mais sobre esse livro maravilhoso, e gostava de partilhar essas verdades com outros. Eu sempre soube que Deus existe, mas agora podia conversar com ele em oração como o meu melhor Amigo. Fui batizado como Testemunha de Jeová no dia 12 de julho de 2004, e seis meses depois entrei no serviço de tempo integral.

Servi durante cinco anos na sede mundial das Testemunhas de Jeová em Brooklyn, Nova Iorque, Estados Unidos. Gostei muito de ajudar na produção de Bíblias e publicações bíblicas que beneficiam milhões de pessoas em todo o mundo, e continuo a ter prazer em ajudar outros a aprender sobre Deus.