Ir para conteúdo

Por que motivos a desassociação é uma provisão amorosa

Por que motivos a desassociação é uma provisão amorosa

“AO ESCUTAR o anúncio da desassociação do meu filho, o meu mundo desabou”, lembra-se Julian. “Ele era o meu filho mais velho, e nós éramos muito achegados; fazíamos muitas coisas juntos. Ele sempre foi um filho exemplar, mas, de repente, começou a comportar-se de uma forma inaceitável. A minha esposa chorava muito, e eu não sabia o que fazer para a consolar. Perguntávamo-nos onde tínhamos errado como pais.”

Como podemos dizer que desassociar um cristão é algo amoroso, se causa tanto sofrimento? Que motivos é que a Bíblia dá para que essa medida radical seja tomada? E o que é que, exatamente, leva uma pessoa a ser desassociada?

DOIS FATORES QUE LEVAM À DESASSOCIAÇÃO

Dois fatores – que devem ocorrer juntos – resultam na desassociação de uma Testemunha de Jeová. Primeiro, o cristão batizado comete um pecado grave. Segundo, não se arrepende do que fez.

Embora Jeová não exija perfeição de nós, espera que os seus servos vivam de acordo com o Seu padrão de santidade. Por exemplo, ele ordena que evitemos pecados graves como imoralidade sexual, idolatria, roubo, extorsão, assassinato e ocultismo. — 1 Cor. 6:9, 10; Apo. 21:8.

Não concorda que os padrões puros de Jeová são razoáveis e servem para nos proteger? Quem não gosta de conviver com pessoas pacíficas, decentes e confiáveis? Encontramos um ambiente assim entre os nossos irmãos espirituais. Porquê? Porque todos nós, quando nos dedicamos a Deus, prometemos seguir as normas descritas na sua Palavra.

Mas e se um cristão batizado comete um pecado grave por causa de uma fraqueza? Isso aconteceu a servos fiéis de Jeová do passado; apesar disso, Deus não os rejeitou imediatamente. O que aconteceu ao Rei David ilustra bem isso. Mesmo tendo cometido adultério e assassinato, o profeta Natã disse-lhe: ‘Jeová perdoa o seu pecado.’ — 2 Sam. 12:13.

Deus perdoou o pecado de David porque ele se arrependeu sinceramente. (Sal. 32:1-5) De modo similar, um servo de Jeová hoje só é desassociado quando não mostra arrependimento ou continua a praticar o que é mau. (Atos 3:19; 26:20) Durante uma comissão judicativa, se os anciãos não conseguem ver evidências de um arrependimento de coração, devem desassociar a pessoa.

No início, talvez achemos que a decisão de desassociar o transgressor é muito severa ou até desamorosa, principalmente se formos achegados a ele. Mas a Palavra de Jeová dá-nos  motivos convincentes para acreditar que essa decisão, na realidade, é amorosa.

A DESASSOCIAÇÃO PODE BENEFICIAR TODOS OS ENVOLVIDOS

Jesus disse que “a sabedoria prova-se justa pelos seus resultados”. (Mat. 11:19, nota) A decisão sábia de desassociar um transgressor que não se arrependeu dá bons resultados. Veja três deles:

A desassociação honra o nome de Jeová. Visto que levamos o nome de Jeová, é inevitável que o nosso comportamento reflita nesse nome. (Isa. 43:10) Assim como a conduta de um filho pode trazer honra ou vergonha aos pais, a opinião das pessoas sobre Jeová depende, até certo ponto, do bom ou mau exemplo que observam no povo que leva o nome dele. Para que o nome de Deus continue a ser honrado, o seu povo precisa de se apegar aos Seus padrões de moral. A situação hoje é parecida com a dos dias de Ezequiel, quando as pessoas das nações associavam o nome de Jeová aos judeus. — Eze. 36:19-23.

Nós traríamos desonra sobre o nome santo de Jeová se praticássemos imoralidade. O apóstolo Pedro aconselhou os cristãos: “Como filhos obedientes, parem de ser moldados pelos desejos que tinham antes na vossa ignorância, mas, assim como o Santo que vos chamou, tornem-se santos em toda a vossa conduta, pois está escrito: ‘Sejam santos, porque eu sou santo.’” (1 Ped. 1:14-16) Uma conduta pura e santa traz honra ao nome de Deus.

Mas, quando uma Testemunha de Jeová pratica o que é mau, é provável que os seus amigos e conhecidos fiquem a saber disso. A desassociação mostra que Jeová tem um povo puro que se apega às normas bíblicas a fim de manter essa pureza. Na Suíça, um homem foi a uma reunião num Salão do Reino e disse que se queria tornar membro da congregação. A sua irmã tinha sido desassociada por cometer imoralidade. Ele disse que queria fazer parte de uma organização que “não tolera a má conduta”.

A desassociação protege a congregação pura de Cristo. O apóstolo Paulo alertou os coríntios contra o perigo de permitir que pecadores deliberados continuassem na congregação. Ele comparou a má influência dessas pessoas ao efeito do fermento na massa. “Um pouco de fermento leveda a massa toda”, disse ele. A seguir, deu o conselho: “Removam a pessoa má do vosso meio.” — 1 Cor. 5:6, 11-13.

Parece que “a pessoa má” mencionada por Paulo praticava imoralidade descaradamente. E outros membros da congregação até tinham começado a justificar a conduta dela. (1 Cor. 5:1, 2) Se um pecado crasso como esse fosse tolerado, outros cristãos talvez se sentissem tentados a seguir os costumes imorais da cidade depravada em que viviam. Fazer vista grossa a pecadores deliberados incentiva uma atitude permissiva em relação aos padrões divinos. (Ecl. 8:11) Além disso, pecadores não arrependidos poderiam tornar-se como “rochedos escondidos sob a água” e fazer naufragar a fé de outros na congregação. — Judas 4, 12.

A desassociação pode levar o transgressor a cair em si. Certa vez, Jesus falou de um jovem que tinha saído da casa do seu pai e esbanjado a sua herança numa vida devassa. O filho pródigo aprendeu da pior maneira que a vida fora da casa do seu pai era vazia e cruel. Por fim, ele caiu em si, arrependeu-se e tomou a iniciativa de voltar para a família. (Luc. 15:11-24) Ao descrever a alegria do pai amoroso ao ver a mudança do filho, Jesus ajuda-nos a entender os sentimentos de Deus. Jeová garante-nos: “Não tenho prazer na morte de quem é mau, mas sim em que a pessoa má mude o seu caminho e continue viva.” — Eze. 33:11.

Assim como o filho pródigo, os desassociados talvez se deem conta do que perderam, visto que deixam de ser membros da congregação, a sua família espiritual. Eles podem cair em si ao pensar nas consequências amargas do seu proceder pecaminoso, assim como nas agradáveis lembranças do tempo em que tinham uma boa relação com Jeová e o seu povo.

 É necessário amor e firmeza para que a desassociação dê bons resultados. “Se o justo me surrasse, seria um ato de amor leal”, disse o salmista David, e “se me repreendesse, seria como óleo sobre a minha cabeça”. (Sal. 141:5) Para ilustrar: imagine um alpinista que fica exausto num dia de frio extremo. A temperatura do seu corpo desce muito, e ele começa a sentir-se sonolento. Com esse quadro de hipotermia, se ele adormecer na neve, morrerá. Enquanto aguarda por socorro, o seu companheiro, de vez em quando, dá-lhe umas bofetadas no rosto para o manter acordado. As bofetadas podem doer, mas também podem salvar a sua vida. Da mesma forma, David reconheceu que, para o seu próprio bem, talvez precisasse da correção dolorosa da parte de alguém justo.

Em muitos casos, a desassociação dá ao pecador a disciplina de que ele precisa. O filho de Julian, mencionado no início do artigo, ficou cerca de dez anos desassociado. Depois, mudou a sua vida, voltou para a congregação e hoje serve como ancião. Ele admite: “A desassociação obrigou-me a enfrentar as consequências do meu estilo de vida. Eu precisava desse tipo de disciplina.” — Heb. 12:7-11.

O MODO AMOROSO DE LIDAR COM DESASSOCIADOS

É verdade que a desassociação é uma tragédia em sentido espiritual, mas essa tragédia não precisa de ser um total desastre. Todos nós podemos contribuir para que a desassociação cumpra o seu objetivo.

Os anciãos esforçam-se para ajudar os arrependidos a voltar para Jeová

Os anciãos que têm a triste tarefa de comunicar à pessoa a decisão de desassociá-la esforçam-se para refletir o amor de Jeová. Ao informá-la, eles de modo bondoso e claro explicam os passos a ser dados para que ela seja readmitida na congregação. A fim de lembrar aos desassociados como podem voltar para Jeová, os anciãos visitam periodicamente aqueles que dão alguma evidência de que mudaram a sua conduta. *

Os familiares podem mostrar amor pela congregação e pelo transgressor por respeitar a desassociação. “Ele ainda era o meu filho”, explica Julian, “mas o seu estilo de vida tinha criado uma barreira entre nós”.

Todos na congregação podem mostrar amor baseado em princípios por evitar ter contacto e conversar com a pessoa desassociada. (1 Cor. 5:11; 2 João 10, 11) Assim, eles reforçam a disciplina que Jeová deu por meio dos anciãos. Além disso, podem mostrar carinho e apoio especial à família do desassociado. Os familiares geralmente sofrem bastante, e ninguém deve fazê-los sentir que também estão excluídos do convívio com os irmãos na congregação. — Rom. 12:13, 15.

“A desassociação é uma provisão necessária, que nos ajuda a viver de acordo com os padrões de Jeová”, conclui Julian. “A longo prazo, apesar da dor, dá bons resultados. Se eu tivesse tolerado a má conduta do meu filho, ele nunca se teria recuperado.”

^ par. 24 Veja a revista A Sentinela de 15 de abril de 1991, páginas 21-23.