Ir para conteúdo

Ir para índice

Uma antiga construção confirma a profecia da Bíblia

Uma antiga construção confirma a profecia da Bíblia

EM ITÁLIA, NO CENTRO DE ROMA, EXISTE UM ARCO IMPRESSIONANTE QUE ATRAI VISITANTES DE TODO O MUNDO. ESSE ARCO FOI CONSTRUÍDO PARA HOMENAGEAR UM DOS IMPERADORES FAVORITOS DE ROMA: TITO.

O Arco de Tito contém duas cenas de um acontecimento histórico muito conhecido. Algo que muitas pessoas não sabem é que existe uma ligação entre esse arco e a Bíblia. O Arco de Tito é uma prova de que uma incrível profecia da Bíblia realmente se cumpriu.

UMA CIDADE CONDENADA

No ano 30 EC, o Império Romano ia da Grã-Bretanha e Gália (atual França) até ao Egito. Os territórios governados por esse império estavam a viver a sua melhor fase em sentido económico e social. No entanto, uma região distante estava a causar muitos problemas a Roma – a agitada região da Judeia.

A Enciclopédia da Roma Antiga * diz: “Poucos territórios controlados por Roma eram marcados por tanto ódio, entre os dois lados, como a Judeia. Os judeus tinham raiva dos romanos porque os romanos não respeitavam as tradições deles. Já os romanos eram duros com os judeus porque achavam que os judeus eram rebeldes.” Muitos judeus esperavam que um líder os salvasse dos romanos e restaurasse a paz e a prosperidade em Israel. Mas, no ano 33 EC, Jesus profetizou que Jerusalém sofreria um desastre.

Jesus disse: “Virão para ti os dias em que os teus inimigos irão construir à tua volta uma fortificação de estacas pontiagudas, cercar-te e sitiar-te, por todos os lados. Eles irão lançar-te por terra, a ti e aos teus filhos no teu meio, e não deixarão em ti pedra sobre pedra.” — Lucas 19:43, 44.

Pelos vistos, os discípulos não entenderam bem as palavras de Jesus. Dois dias depois, quando viram o templo de Jerusalém, um deles disse: “Instrutor, vê que pedras e que edifícios maravilhosos!” Realmente, segundo algumas pessoas, certas pedras do templo tinham mais de 11 metros de comprimento, 5 metros de largura e 3 de altura! Mas Jesus disse: “Quanto a estas coisas que estão a ver, virão os dias em que não ficará pedra sobre pedra sem ser derrubada.” — Marcos 13:1; Lucas 21:6.

Jesus também disse: “Quando virem Jerusalém cercada por exércitos acampados, então, saibam que está próxima a sua destruição. Então, os que estiverem na Judeia fujam para os montes, os que estiverem no meio dela saiam, e os que estiverem nos campos não entrem nela.” (Lucas 21:20, 21) Será que as palavras de Jesus se cumpriram?

O FIM DE UMA CIDADE

Passados trinta e três anos, os judeus ainda odiavam ser governados pelos romanos. Porém, a gota d’água para eles foi quando Géssio Floro, o procurador romano da Judeia, tirou parte do tesouro sagrado do templo. Isso aconteceu em 66 EC. Pouco tempo depois, guerreiros judeus invadiram Jerusalém, mataram os soldados romanos que estavam lá e declararam-se independentes de Roma.

Cerca de três meses depois, mais de 30 mil soldados romanos, liderados  por Céstio Galo, foram para Jerusalém para acabar com a rebelião. Os romanos invadiram rapidamente Jerusalém e danificaram os muros da área exterior do templo. Contudo, aparentemente sem nenhum motivo, eles foram-se embora. Os judeus que participavam naquela rebelião comemoraram e começaram logo a perseguir os romanos. Assim, os cristãos aproveitaram para obedecer ao aviso de Jesus e fugiram para as montanhas que ficavam do outro lado do rio Jordão. — Mateus 24:15, 16.

No ano seguinte, Roma voltou a atacar a Judeia. Dessa vez, o general Vespasiano e o seu filho Tito lideraram as tropas. No entanto, logo depois de o imperador Nero morrer em 68 EC, Vespasiano voltou a Roma para ser o novo imperador. Tito ficou no lugar dele na Judeia com um exército de cerca de 60 mil soldados.

Em junho do ano 70 EC, Tito ordenou que os seus soldados cortassem as árvores das florestas da Judeia. Depois, construíram uma cerca de estacas pontiagudas com 7 quilómetros de comprimento à volta de Jerusalém. Em setembro daquele ano, os romanos já tinham saqueado e queimado a cidade e o templo. Eles não deixaram pedra sobre pedra, assim como Jesus tinha predito. (Lucas 19:43, 44) De acordo com uma estimativa conservadora, “morreram entre 250 mil e 500 mil pessoas em Jerusalém e no resto do país”.

A VITÓRIA DE ROMA

Em 71 EC, Tito retornou a Itália, onde foi recebido com muita festa pelos romanos. A cidade toda estava reunida para comemorar a vitória num dos maiores desfiles já alguma vez feitos em Roma.

Nesse desfile pelas ruas de Roma as multidões ficaram encantadas com toda a riqueza conquistada. Todos ficaram impressionados ao verem as embarcações capturadas, plataformas parecidas com carros alegóricos com imagens tanto da batalha contra Jerusalém como de objetos roubados do templo.

Tito tornou-se imperador em 79 EC no lugar do seu pai, Vespasiano. No entanto, apenas dois anos depois, Tito morreu inesperadamente. Ele foi substituído pelo seu irmão Domiciano. Para homenagear Tito pela vitória, Domiciano mandou construir um arco.

O ARCO DE TITO HOJE

O Arco de Tito em Roma

Hoje em dia, centenas de milhares de pessoas que visitam Roma fazem questão de ver o Arco de Tito. Para alguns, o arco é uma impressionante obra de arte; para outros, é uma homenagem ao poderoso Império Romano. E existem pessoas que consideram o Arco de Tito como um memorial da queda de Jerusalém e do seu templo.

No entanto, para aqueles que estudam a Bíblia, o Arco de Tito tem um significado maior. Para eles, essa antiga construção prova que as profecias da Bíblia são confiáveis, cumprem-se nos mínimos detalhes e foram inspiradas por Deus. — 2 Pedro 1:19-21.

^ par. 6 Título original: Encyclopedia of Ancient Rome.